terça-feira, 26 de agosto de 2003

INTERREGNO:


Fui assaltado, em plena Lisboa, zona concorrida de Benfica, pelas 11 horas da manhã do último sábado, 23 de Agosto.
Numa primeira fase, roubaram-me (por esticão) o telemóvel. Corri atrás deles (eram três) e ainda assisti, sempre em corrida, a mais um roubo de uma mala de senhora.
Depois, tudo se passou demasiado rápido. Outro (ou outros) tentaram roubar-me a carteira (com dinheiro, cartões de crédito, etc.). A carteira salvou-se, talvez porque ficou amachucada debaixo do meu corpo… O corpo é que não! Não desmaiei, mantendo sempre a lucidez, mas – repito – foi tudo ultra-rápido… Julgo que fui projectado contra o chão e um automóvel estacionado, com extraordinária violência.
Fractura da omoplata esquerda e de uma costela, rasgão no joelho direito, aflorando um tendão, suturado com 14 pontos. E vários hematomas que me foram aparecendo à medida que as dores mais fortes abrandavam.
Para complicar, tinha trazido de férias uma gripezita… Cada vez que tusso, tento expectorar ou mesmo mexer… parecem facadas… E apareceram-me temperaturas altas, rondando os 39/40 graus. Segundo parece por acumulação de expectoração (?).
Quinta-feira vão resolver se a imobilização da omoplata foi suficiente ou se tenho de ser operado. Enfim! É a vida e a globalização do crime…
Voltarei ao vosso convívio logo que possa.

**********
Gabriel de Sousa

sexta-feira, 22 de agosto de 2003

PARA SORRIR…

Na Madeira, chega um menino à beira da professora e diz:
- Sra. Professora, a minha coelha teve cinco coelhinhos e são todos do P.S.D.!
- Muito bem! Olha, amanhã vem cá o Dr. Alberto João Jardim e tu contas-lhe essa história. Está bem?
- Está bem! - Responde o menino.
No dia seguinte, Alberto João Jardim vai visitar a escola e, como combinado, a professora chama o menino. O menino dirige-se à beira do presidente e diz:
- Sr. Presidente, a minha coelha teve cinco coelhinhos e dois são do P.S.D.!
- Então, – diz intrigada a professora – não eram os cinco?
- Eram,...mas três já abriram os olhos!

quinta-feira, 21 de agosto de 2003

MAIS UMA DO JOÃOZINHO…

Um belo dia nasceu o primo do Joãozinho, aquele famoso miúdo que passa a vida a dizer asneiras. O primo do Joãozinho era bonito, não fosse um pequeno detalhe: nasceu sem orelhas.
A mãe do Joãozinho tinha que ir visitar o mais novo membro da família, mas não queria levar o Joãozinho pois não se podia imaginar o que ele poderia dizer. Mas como não havia ninguém para ficar a tomar conta do Joãozinho, ele foi mesmo visitar o primo. A mãe avisou-o para ficar calado senão ficava um mês de castigo.
Quando chegaram a casa da tia, o Joãozinho ficou num canto do quarto, mas logo se apercebeu de que o bebé não tinha orelhas. Foi então que disse:
-Tomara que tenha bons olhos!
Todos ficaram surpreendidos com o gesto solidário do Joãozinho. Então a tia do Joãozinho, espantada por ele ter dito uma coisa boa a alguém, perguntou-lhe:
-Joãozinho, que frase bonita disseste. Mas porque é que desejas que ele tenha bons olhos?
-Porque se tiver de usar óculos tá lixado!

quarta-feira, 20 de agosto de 2003

TRÊS HISTÓRIAS DO JOÃOZINHO…

Em certa escola, na Idade da Pedra, a professora distribui um pedaço de pedra, um martelinho e um cinzel a cada aluno e começa a fazer o ditado.
- O rei...
Pléc, pléc, pléc. Todo mundo grava uma coroa.
- ... é forte...
Pléc, pléc, pléc. Todo mundo grava um leão.
- e viril...
Todo o mundo pensativo… De repente, a voz de Joãozinho quebra o silêncio:
- Professora! Viril escreve-se com um ou dois testículos?

Joãozinho chega a casa e entrega ao pai o recibo da mensalidade escolar.
- Meu Deus! Como é caro estudar nesse colégio.
E o menino:
- E olhe, pai, eu sou o que menos estuda na minha classe!

Joãozinho vai à farmácia.
- Senhor Joaquim, me dê uma caixa de supositórios.
Distraído, o menino pega a caixa e vai saindo da farmácia sem entregar o dinheiro.
- É pra pôr na conta de sua mãe? - Pergunta o farmacêutico.
- Não, é pra pôr no cu do meu pai!

*********

Gabriel de Sousa

terça-feira, 19 de agosto de 2003

ONDE COMER BEM EM BENFICA?

Se estiver na Estrada de Benfica, perto da Igreja, atravesse por baixo dos prédios da pastelaria Nilo, dois minutos e… chegou. Se for de carro, pare numa praceta (Alameda do Padre Álvaro Proença) perto da entrada inferior da Mata de Benfica. Ao fundo da Alameda, ele lá está: Restaurante DAVID! Várias razões porque o aconselhamos:

- Gentileza e simpatia, tanto dos empregados como do patrão; ambiente agradável e familiar;

- Grande variedade de pratos e algumas verdadeiras especialidades. Peixe óptimo (experimente o cação, que é raro encontrar nos restaurantes), carnes deliciosas (porco preto, bife na pedra) e muitos petiscos que seria impossível discriminar; o melhor será mesmo lá ir;

- Guardanapos de pano; Se beber tinto verde, peça tigelas de loiça; Se beber branco verde, peça «flûtes» geladinhas directamente do frigorífico; Cartões de crédito aceites;

- Preços acessíveis e quantidades familiares…

Depois, não diga que não avisei! – Só fecha às segundas-feiras. Bom apetite!



REFLEXÕES EM FÉRIAS:


- Durante os últimos 28 anos foram muitos os militantes e simpatizantes do MRPP que se tornaram figuras de renome, se bem que sob outras roupagens. Podemos encontrá-los um pouco por todo o lado, mantendo embora as características que os «notabilizaram» a seguir ao 25 de Abril: - Facilidade de expressão e voluntarismo; Anti-comunismo, agora já não tão primário; Proximidade do PS/PSD (reflexo de alianças sindicalistas?); Pro-americanismo, se bem que alguns tenham o pudor de se dizerem anti-Bush.
Esta do pro-americanismo pode parecer estranho, mas os mais velhos ainda se lembrarão dos meios de que o MRPP dispunha. Eles não eram só os «pinta-paredes» … Havia uma profusão de cartazes e um jornal de larga difusão. Falava-se, já então, que seriam pagos em dólares. (Carlucci e Kissinger eram homens que não brincavam em serviço…)


- A solidão é um sentimento estranho. Quando a sinto, fico triste. Quando estou acompanhado, por vezes, desejo-a. É complexa a vida humana…


**********
Gabriel de Sousa

segunda-feira, 18 de agosto de 2003

REFLEXÕES EM FÉRIAS:


OBESIDADE – Dei por mim, quando me preparava para férias, com uns quilitos a mais no peso e uns centímetros a mais na cintura. Causas? Certamente a alimentação a recair, praticamente todos os dias, numa só refeição bem regada. Isto apesar de, em casa, praticamente não beber.
Já não havia nada a fazer e, para mim, isto só funciona por objectivos. Entretanto: ainda o verão escaldante e as loiras bem fresquinhas; os meses de Outubro e Novembro com vários aniversários; o Natal, o Fim de Ano, etc…
Porque não homenagear a memória de um velho amigo desaparecido há um ano? É isso mesmo: a partir de 7 de Janeiro, data do seu aniversário, prometo solenemente deixar definitivamente de ingerir bebidas alcoólicas. Os leitores serão as testemunhas e eu darei notícias, tanto do cumprimento da minha jura, como dos resultados em quilos e centímetros. Para exemplo!


MENDICIDADE – Era renitente, por princípio, em dar esmolas. Era apologista, sim, de alterar as políticas sociais para que os pobres não existissem. Dar esmolas era, para mim, perpetuar situações.
Felizmente que li um livro de João Paulo I, o tal Cardeal que só foi Papa durante um mês e dois dias. Ele partilhava exactamente dos meus sentimentos, mas reflectia: «enquanto as condições sociais não se alterarem, vão existir pobres a necessitar de ajuda!».
Passei a ajudar de quem ajuda necessita, mas tentando excluir a mendicidade organizada, os «falsos pobres» que utilizam a mendicidade como modo de vida e aqueles que expõem mazelas ou utilizam crianças de tenra idade, para o efeito. Tento ser justo. Será que consigo?


******

Gabriel de Sousa

domingo, 17 de agosto de 2003

Regresso de férias... e a vida continua!



«POLITIQUICES»:

O tenente-coronel Maggiolo vai ser homenageado pela sua acção em Timor (1975), agora que os seus restos mortais regressaram ao sol pátrio.

1- Houve os que face à eminência de uma guerra civil, retiraram para a ilha de Ataúro;

2- Houve os que foram feitos prisioneiros pelos indonésios;

3- Houve os que se aliaram a uma das facções, apenas por ela ser anti-comunista. Mais tarde, soube-se que nesta facção havia também pró-indonésios, que acabaram por estar na origem da intervenção do país vizinho;

4–Na tentativa de tomada do poder que se seguiu, teriam sido utilizadas armas provenientes da esquadra de polícia que Maggiolo comandava.

É fácil (?) julgar 28 anos depois. Apetecer-me-ia condenar o T-c Maggiolo, mas preferia que a sua volta tivesse sido discreta, em família… Por respeito pelos seus filhos!
Há momentos na vida em que não se tomam as medidas mais acertadas… Não à crucificação nem ao elogio! Que repouse finalmente em paz junto dos seus!


POESIA (para o meu neto João):


LÁGRIMA ALGARVIA

Ouço o sussurro de cada onda,
Que vem beijar docemente
A nossa praia,
E escondo discretamente
As pequenas medusas
Receando que, ao vê-las,
Te possas amedrontar.

Tu és quem,
Pela ordem natural das coisas,
De mim mais tempo te vais recordar.
Asseguro que no instante final
Partirei pensando em ti.
Quererei sentir, apenas e só,
A dor de te deixar
E ela valerá por todas as outras.
Imagina nesse momento
Que fui apenas um balão,
Afastando-se…
Cada vez mais pequeno,
Até desaparecer no azul infinito.

Fui apenas um sonho que acabou,
Um incêndio que se apagou,
Uma gota de água que se evaporou,
Uma pérola que se estilhaçou,
Uma lágrima que secou.

Relembra o teu avô, sobretudo,
Como alguém
Que intensamente te amou.

*******

Gabriel de Sousa

Arquivo do blogue

Acerca de mim

A minha foto
- Lisboa, Portugal
Aposentado da Aviação Comercial, gosto de escrever nas horas livres que - agora - são muito mais...