quinta-feira, 31 de março de 2005

O meu neto João é do Benfica, mas como o Ronaldo joga no Manchester - que também é vermelho - tudo bem!
Posted by Hello

Olhe a foto atentamente...
Uma cara ou duas figuras?
E a mão não será um cão a dormir?
Posted by Hello

PERGUNTAS CURIOSAS...

*Como se escreve zero em algarismos romanos???

* Se depois do banho estamos limpos porque lavamos a toalha???

* Por que quando aparece no computador a frase "Teclado Não Instalado", o fabricante pede para apertar qualquer tecla???

* Se Deus está em todo lugar, por que as pessoas olham para cima para falar com ele???

* Se os homens são todos iguais, por que as mulheres escolhem tanto???

* Por que a palavra "Grande" é menor do que a palavra "Pequeno"???

* Por que "Separado" se escreve tudo junto e "Tudo Junto" se escreve separado???

* Se o vinho é líquido, como pode existir vinho seco???

* Por que as luas dos outros planetas tem nome, mas a nossa chamada só de lua???

* Por que quando a gente liga para um número errado nunca dá ocupado???

* Por que as pessoas apertam o controle remoto com mais força, quando a pilha está fraca???

* O instituto que emite os certificados de qualidade ISO 9002, tem qualidade certificada por quem???

* Quando inventaram o relógio, como sabiam que horas eram, para poder acertá-lo???

*Como foi que a placa "É Proibido Pisar a Relva" foi lá colocada ???

* Por que quando alguém nos pede que ajudemos a procurar um objecto perdido, temos a mania de perguntar: "Onde foi que você o perdeu"???

* Por que tem gente que acorda os outros para perguntar se estavam a dormir???

Posted by Hello

segunda-feira, 28 de março de 2005

Paris c’est toujours Paris !!
A FESTA DE PARIS
Eduardo Prado Coelho
no «Público» de hoje.

É domingo, chego a Paris, e sinto a enorme diferença em relação a Lisboa. Onde aqui existe uma cidade adormecida, existe ali uma cidade em festa. Cafés, restaurantes, bares, ruas, tudo está repleto de gente. Em certos bairros, é como se fossem centros comerciais: as lojas estão abertas, as pessoas passeiam, as crianças brincam, e os namorados beijam-se na rua. Há jardins com fontes, lugares de passagem, espaços míticos. Veja-se, por exemplo, a praça des Vosges: a calma, a relva, as plantas, as árvores, o sentimento de que a roda da vida é aqui mais lenta.
Passo pelo Salão do Livro. Um excelente "stand" português, um acolhimento simpático das funcionárias do Instituto Português do Livro e da Leitura, a presença da Livraria Lusophone com o Heitor e a Anabela. Passam professores e interessados na cultura portuguesa. Alguns procuram sobretudo instrumentos pedagógicos. Outros precisam de elementos turísticos. Os nossos livros, e alguns daqueles que em França os têm defendido, estão mais uma vez presentes. Incansável, aqui está de novo Solange Parvaux. A nova conselheira cultural, Fátima Ramos, assiste às sessões. Com leituras de poemas (numa tradução de Sophia de Mello Breyner) em que Joaquim Vital gastou cerca de 5 anos, temos o próprio Joaquim Vital, Michel Chandeigne (que no colóquio da Gulbenkian provocará alguma polémica com as suas opiniões sobre a poesia portuguesa) e, com um entusiasmo de quem gosta de ler poesia em público, e conheceu Sophia desde o período em que era criança (e conta como vestiu fatos que ela ia deixando para outras pessoas), Inês de Medeiros.
Público interessado, perguntas oportunas. Mas deixa-se o Salão do Livro com a sensação de que atravessámos um pesadelo, tão grande é o número de gente, tantos os "stands", tantos os livros a descobrir (e a esquecer) nesta tarde de domingo.
À noite temos o Marais, os seus restaurantes de muitas nacionalidades, o seu folclore judaico e "gay" (cada vez mais, sublinhe-se). Os bares parecem sem conta, os americanos turistas multiplicam-se em cada esquina, há latas de cerveja rolando pelo chão, pavilhões de zonas regionais. É bom reencontrar os empregados do meu restaurante preferido, "Le gamin de Paris". Lá está a dona, sempre vestida de branco, evocando os tempos certamente felizes em que conheceu José Bergamin. Lá estão os seus "rapazes" árabes que nos saúdam com simpatia.
Mais tarde temos St. Michel, bares a abarrotar, grupos de música em cada recanto, uma alegria encantada. É bom que Paris esteja onde está e continue a ser como era. Sentimos que passaram muitos anos, e que no fundo nenhum tempo passou. Intelectuais, estudantes, pensadores, músicos, todos atravessam estas ruas como se fossem eternos.

domingo, 27 de março de 2005

De um amigo de São Paulo:


COELHINHO DA PÁSCOA

Coelhinho da Páscoa,
Que vive na rua;
Meu ídolo sem taça,
Em baixo da lua.

Coelhinho da praça,
Que anda na rua;
Que coisa sem graça,
É o brilho da Lua.

Coelhinho que limpa
O pára-brisas alheio,
E só tem esperança,


De voltar a ser criança,
E apagar da lembrança,
A imagem do patinho feio.


Donizete de Castilho / Guarulhos

Prefiro aquelas!! Posted by Hello

Sabem quem é?
Posted by Hello

Espreitando...
Posted by Hello

sábado, 26 de março de 2005

EUTANÁSIA
Seja qual for a opinião de cada um sobre a eutanásia, têm sido impressionantes os esforços desenvolvidos pela Administração norte-americana e pelo Presidente Bush no sentido de apoiar uma das partes na disputa que se trava a propósito do caso Schiavo.
Independentemente de quaisquer juízos de valor, a promulgação de uma lei específica é demonstrativa do enorme poder de que dispõe o Presidente dos Estados Unidos quando ele se pretende bater por uma causa que considera justa.
Ao mesmo tempo, por uma infeliz coincidência, ocorreu mais um tiroteio numa escola norte-americana no Minnesota, protagonizado por um adolescente perturbado que matou nove pessoas para depois de suicidar. Foi mais um de uma série de tristes incidentes deste género, o mais publicitado dos quais deve ter sido o de Columbine.
Mas a associação destes dois acontecimentos (o caso Schiavo e o tiroteio do Minnesota) não pode deixar de nos induzir a especular sobre a legislação restritiva ao uso e porte de arma, que poderia já ter sido patrocinada por um Presidente que estivesse verdadeiramente empenhado, como ele alega, na protecção à vida humana.
É que, ao contrário das controvérsias legais de quem pode interpretar as vontades da senhora Schiavo, é absolutamente garantido que nenhuma das nove vítimas de Minnesota pretendia morrer.
António M. E. Teixeira in «Público» de hoje
A FORÇA DO AMOR (historinha linda)

Como qualquer mãe, quando Karen soube que um bebé estava a caminho, fez todo o possível para ajudar o seu outro filho, Michael, com três anos de idade, a preparar-se para a chegada.
Os exames mostraram que era uma menina, e todos os dias Michael cantava perto da barriga da mãe. Ele já amava a sua irmãzinha antes mesmo dela nascer.
A gravidez desenvolveu-se normalmente.

No tempo certo, vieram as contracções. Primeiro, a cada cinco minutos; depois a cada três; então, a cada minuto uma contracção. Entretanto, surgiram algumas complicações e o trabalho de parto de Karen demorou horas. Todos discutiam a necessidade provável de uma cesariana.

Até que, enfim, depois de muito tempo, a irmãzinha de Michael nasceu.
Só que ela estava muito mal e uma ambulância levou a recém-nascida para a UTI neonatal do Hospital Saint Mary.

Os dias passaram. A menininha piorava. O médico disse aos pais: "Preparem-se para o pior. Há poucas esperanças". Karen e seu marido começaram, então, os preparativos para o funeral.

Alguns dias atrás estavam arrumando o quarto para esperar pelo novo bebé. Hoje, os planos eram outros.
Enquanto isso, Michael todos os dias pedia aos pais que o levassem para conhecer a sua irmãzinha. "Eu quero cantar para ela", dizia ele.
A segunda semana de UTI começou e esperava-se que o bebé não sobrevivesse até o final dela.

Michael continuava insistindo com seus pais para que o deixassem cantar para a sua irmã, mas as crianças não eram permitidas na UTI. Entretanto, Karen decidiu. Ela levaria Michael ao hospital de qualquer jeito. Ele ainda não tinha visto a irmã e, se não fosse hoje, talvez não a visse viva.

Vestiu Michael com uma roupa um pouco maior, para disfarçar a idade, e rumou para o hospital.
A enfermeira não permitiu que ele entrasse e exigiu que ela o retirasse dali. Mas Karen insistiu:
"Ele não irá embora até que veja a sua irmãzinha!" Ela levou então Michael até à incubadora.
Ele olhou para aquela trouxinha de gente que perdia a batalha pela vida. Depois de alguns segundos olhando, ele começou a cantar, com sua voz pequenininha: "Você é o meu sol, o meu único sol. Você me deixa feliz mesmo quando o céu está escuro..." Nesse momento, o bebé pareceu reagir.

A pulsação começou a baixar e se estabilizou. Karen encorajou Michael a continuar cantando. "Você não sabe, querida, quanto eu te amo. Por favor, não leve o meu sol embora..." Enquanto Michael cantava, a respiração difícil do bebé foi se tornando suave. "Continue, querido!", pediu Karen, emocionada.

"Outra noite, querida, eu sonhei que você estava nos meus braços..." O bebé começou a relaxar. "Cante mais um pouco, Michael." A enfermeira começou a chorar. "Você é o meu sol, o meu único sol. Você me deixa feliz mesmo quando o céu está escuro... Por favor, não leve o meu sol embora..."

No dia seguinte, a irmã de Michael já tinha recuperado e em poucos dias foi para casa...

sexta-feira, 25 de março de 2005

A QUEM DEIXO OS MEUS POEMAS?

Quantos unidos pela poesia viveram,
da poesia se alimentaram
e não morreram...

Virá o dia em que
talvez eu parta sem ti
mas deixo contigo os poemas.

Não partas, primeiro, meu amor,
A quem deixo os meus poemas?


Rogério Simões
(um amigo com a doença de Parkinson)

in http://poemasdeamoredor.blogs.sapo.pt/
Posted by Hello
VAI UMA CERVEJINHA?

Um fulano vivia sozinho e decidiu que a sua vida seria melhor se tivesse um animalzinho de estimação como companhia. Assim, foi a uma loja de animais e disse ao dono da loja que queria um bichinho que fosse fora do vulgar. Depois de algum tempo de discussão, chegaram à conclusão que ele deveria ficar com uma centopeia. Centopeia seria mesmo um bichinho de estimação fora do comum... Um bichinho tão pequeno, com cem pés... é realmente invulgar! A centopeia veio dentro de uma caixinha branca, para ser usada como casinha... Bom... Ele levou a caixinha para casa, arranjou um bom lugar para colocar a caixinha, e achou que o melhor para a sua nova companhia seria levá-la a tomar uma cervejinha...
Assim, perguntou à centopeia, que estava dentro da caixinha:
- Gostavas de ir comigo ao Frank's tomar uma cerveja?Não houve resposta da sua nova amiguinha....
Meio chateado com isso, ele esperou um pouco e perguntou de novo:
- Que tal ir comigo ao bar tomar uma cervejinha, hein?De novo, nada de resposta da nova amiguinha...
Ele esperou mais um pouco, pensando e pensando sobre o que estava a acontecer... E decidiu perguntar de novo.
Mas desta vez, chegou bem perto da caixinha e gritou:
- Ei, ó surda!!! Queres ir ou não comigo ao Frank's tomar uma cerveja?Uma vozinha veio lá de dentro da caixinha:- Ddddddaaaaassssseeeeeeeee!!!!!!!!!!! Já tinha ouvido!!!!! Estou a calçar os sapatos!!!!!!!!

VEJAM COMO DESEJAR "FELIZ PÁSCOA!" EM DIVERSOS IDIOMAS:

Francês 
JOYEUSES PÂQUES

Checo  VESELE VANOCE 
Alemão  SCHÖNE OSTERN 
Espanhol  FELICES PASCUAS
Italiano  BUONA PASQUA
Macedónio  SREKEN VELIGDEN 
Inglês  HAPPY EASTER 
Grego  KALO PASKA 
Chinês  FOUAI HWO GIE QUAI LE 
Árabe  EID-FOSS'H MUBARAK 
Croata  SRETUN USKRS 
Húngaro  BOLDOG HUSVETI ÜNNEPEKET
Polaco  WESOLYCH SWIAT 
Sueco  GLAD PÅSK 
Holandês  GELUKKIG PAASFEST
 Norueguês  GOD PÅSKE
Turco  MUTLO (ELLER HOS) PASKALYA


FELIZ PÁSCOA para quem me está a ler!!

Podia acontecer... Posted by Hello

quinta-feira, 24 de março de 2005

Cada um combate com as armas que tem...

Posted by Hello

EXAGEROS

Um português, um francês e um americano conversam entre eles.
Diz o americano:
- Na América temos um porta-aviões que transporta 1.000 aviões.
Diz o francês:
- Em França temos um hotel que acomoda 20.000 pessoas.
Diz o português:
- Eu tenho uma pila onde cabem 200 passarinhos empoleirados.
Passado um bocado, diz o americano:
- Eu exagerei... o porta-aviões só leva 150 aviões!
Diz o francês:
- Eu também exagerei. O hotel só dá para 1000 pessoas!
O português confessa:
- Também exagerei um bocadinho. O último pássaro já fica com uma patita de fora...

quarta-feira, 23 de março de 2005

MERCADO DA PRIMAVERA

Latas
Frascos
Geleias
Compotas.

Frio
Vento
Nortada.
Barcos
Tejo
Petiscos (só cheiro).

Gente que passa
Gente que pára
Gente interessada
Gente indiferente.

Maio sem sol
No País do sol.
Maio sem praia
No país do mar.

Nota: «Poema» dos anos 70, esquecido numa gaveta. Recordação de uma Primaveira/Verão, tomando conta de um stand da Junta Nacional de Frutas, no Mercado da Primavera em Belém.

Mais uma do «Portugal profundo»...
Posted by Hello

Que tal ?
Posted by Hello
O FATO DO FALECIDO...
 
O pai da loira morreu. Uma amiga de Ana Cláudia foi chamada para ajudar a cuidar dos preparativos.
- Patrícia, seu pai não pode ser enterrado com esta roupa. Vá comprar um fato para ele.
- Amiga, eu não tenho dinheiro!
- Não tem importância. Eu pago.
E lá se foi a loira em busca de um fato para enterrar o seu progenitor.
Feito isto, após o enterro, ela procurou a amiga.
- Preciso de dinheiro para pagar o fato.
- Quanto é?
- Setenta euros.
Ela deu o dinheiro como prometeu.
Passou um mês e a loira procurou-a novamente.
- Preciso de dinheiro para pagar o fato.
- Quanto é?
- Setenta euros.
Por ter prometido, a amiga não questionou e deu o dinheiro.
Mais um mês se foi e a loira voltou a procurar a amiga.
-
Preciso de dinheiro para pagar o fato.
- Patrícia, em quantas prestações você comprou este fato?
- Nenhuma... é que o fato era muito caro, então em vez de comprar, eu aluguei!...
Se quer um cafezinho, visite este site.
Não paga nada!

http://www.cartoline.it/pics/scherzi_150404_01.swf
FEBRE DAS AVES...

Na quinta, duas galinhas conversam:
— Oh Marinete, ontem à noite eu passei muito mal!
— Porquê, Marilu?
— Porque estava ardendo em febre.
— Mas como sabes, se nem termómetro temos?
— É que eu pus um ovo cozido!

terça-feira, 22 de março de 2005

segunda-feira, 21 de março de 2005

Há que criar um novo «Manual de Etiqueta»...

Posted by Hello

Sem comentários...
Posted by Hello

- Traíste-me, ainda por cima com um elefante!...
Posted by Hello
VELHINHA NO TRIBUNAL

Num tribunal de São Paulo, uma velhinha começava a responder às perguntas:
— Qual o seu nome?
— Camila Vando.
— Idade?
— Tenho 67 anos.
— Dona Camila, onde a senhora estava há uma semana atrás? E diga-nos o que aconteceu.
— Eu estava sentada no banco de uma praça, dando comida aos pombos quando surgiu um jovem e se sentou ao meu lado.
— Você o conhecia?
— Não... Nunca vi mais gordo.
— O que ele fez?
— Ele começou a conversar comigo e logo acariciou a minha coxa.
— A senhora o deteve?
— Não.
— Porque não?
— Foi agradável... Ninguém nunca mais havia feito isso depois que o meu marido, que Deus o tenha, morreu.
— E depois? O que aconteceu?
— O levei para minha casa, o convidei para fazermos tricô, tomámos uns drinks, e então, ele começou a acariciar meus seios.
— A senhora tentou evitar?
— Não.
— Porque não?
— Porque me fez sentir excitada... Não me sentia assim há anos!
— O que aconteceu depois?
— Eu comecei a abrir as pernas suavemente, e disse: "Me possua!"
— Ele a possuiu?
— Não... ele gritou: "Primeiro de Abril, dia das Mentiras"! Foi aí que eu abri a gaveta, puxei o revólver do falecido e dei o tiro nele!

quinta-feira, 17 de março de 2005

ATENÇÃO

Esta informação, apesar de confidencial, é demasiado importante para ser guardada. Sabiam que estamos todos "fichados" nos principais serviços de Informações?!
Consultem, o "site" abaixo indicado e verifiquem que todos os dados dos nossos passaportes e bilhetes de identidade estão acessíveis, por qualquer pessoa, nos ficheiros da NATO.
É inimaginável... Basta colocar o 1º e último nome, sem utilizar acentos, o País e depois o resto está tudo lá! Como é possível o nosso Governo permitir uma coisa destas?
Talvez o novo Governo tome medidas!

http://www.scrolllock.nl/passport/
A REDE DO DITADOR por Nuno Pacheco
Editorial do «Público» de hoje


A investigação é antiga e o escândalo rebentou em 2004: o Senado dos Estados Unidos revelou que Augusto Pinochet, ex-ditador chileno, tinha várias contas suspeitas no banco Riggs, abertas em nome próprio ou de familiares, através das quais movimentou somas vultuosas entre os EUA, Espanha, Reino Unido e Chile. Criou, além disso, através delas, sociedades fictícias nas Bahamas destinadas à "lavagem" de vários milhões de dólares.
Ontem, a investigação norte-americana deu mais um passo e descobriu que Pinochet possuía uma rede tentacular de contas bancárias (125), pessoais ou familiares, em várias instituições bancárias internacionais, incluindo um banco português sediado na Florida. Independentemente dos trâmites legais daqui decorrentes, o escândalo das "contas-fantasma" de Pinochet, usadas para escoar do Chile, indevidamente, divisas nacionais subtraídas a um povo submetido a uma ditadura férrea de 17 anos (de 1973, num fatídico 11 de Setembro, até 1980), tem de ter uma leitura não só política como moral. Pinochet, em resposta aos vários processos de que tem sido alvo por atentar contra os direitos humanos e contra a vida de numerosos adversários políticos durante a ditadura militar (o juiz Baltazar Garzón chegou a mantê-lo sob custódia, naquele que terá sido o maior susto da sua vida pós-ditadura), tem alegado, em sua defesa, a necessidade de defesa da pátria contra a ameaça comunista, brandindo uma espécie de escudo moral indeclinável. Ele tinha uma causa e por ela matou, mas salvou o país. Essa tem sido a mensagem. Nos 25 anos do golpe, ele chegou mesmo a dizer, na televisão: "Missão cumprida." Pois bem, esse escudo moral, essa máscara ideológica, caiu. Pinochet, além de implicado em assassinatos políticos a coberto do regime que instaurou, era também um delinquente. Outro nome não terá o desvio ilícito de muitos milhões de dólares desse tal país que alegava pretender salvar. O dinheiro não foi desviado durante o regime de Allende, que ele derrubou com inusitada violência. Se o fosse, poderia alegar que tencionava criar no estrangeiro uma frente anticomunista e que esta necessitaria de fundos. Não, foi desviado ao mesmo tempo em que eram encarcerados, torturados e mortos os seus opositores políticos, gente já indefesa perante a implacável força dos carrascos e das baionetas.
Pinochet pode, como já fez, como tem feito ao longo dos últimos anos, escapar à justiça sob alegações de velhice, achaques ou até demência não comprovada. Mas não escapará ao juízo moral dos que, postos agora perante a revelação de tão vis traficâncias, verão nele, por detrás da figura de um ditador militar ou um vitorioso paladino anticomunista (conforme os pontos de vista, evidentemente), a sombra de um criminoso de delito comum que, além do mais, conseguiu acumular tal vileza com a capacidade de mandar matar e torturar os seus semelhantes sem um mínimo de arrependimento. Até hoje.
PARA SORRIR

Ao telefone:
- Alô, a minha sogra quer atirar-se da janela!
- Enganou-se no número, aqui é da carpintaria...
- Eu sei, mas é que a janela não abre...
QUATRO MÃES CATÓLICAS ESTÃO TOMANDO CHÁ.

A primeira senhora, querendo impressionar as outras, diz:
- Meu filho é padre. Quando ele entra em qualquer lugar todos se levantam e dizem: "Boa tarde, Padre"!

A segunda não fica para trás e comenta:
- Pois o meu filho é bispo. Quando entra numa sala, com aquela roupa, todos param o que estão fazendo e dizem: "Sua bênção, Bispo!".

A terceira, calmamente, acrescenta:
- Pois meu filho é cardeal. Quando entra numa sala todos se levantam, beijam o seu anel e dizem: "Sua bênção, Eminência!".

A quarta permanece quieta. Então, a mãe do cardeal, só para provocar, pergunta:
- E o seu filho, querida, não é religioso?
A quarta responde:
- Não. Meu filho tem 1.90m, é bronzeado, loiro de olhos verdes, pratica musculação, surfa e é modelo. Quando ele entra numa sala todo mundo olha e diz:"MEEEUUU DEEEUS!!!"

quarta-feira, 16 de março de 2005

CARTA ESCRITA NO ANO 2070 

Acabo de completar 50 anos, mas a minha aparência é de alguém de 85.
Tenho sérios problemas renais porque bebo muito pouca água. Creio que me resta pouco tempo para viver. Sou uma das pessoas mais idosas nesta sociedade.

Recordo quando tinha 5 anos. Tudo era muito diferente. Havia muitas árvores nos parques, as casas tinham bonitos jardins e eu podia desfrutar de um banho de chuveiro com cerca de uma hora.

Agora usamos toalhas em azeite mineral para limpar a pele. Antes todas as mulheres mostravam as suas formosas cabeleiras. Agora devemos rapar a cabeça para a manter limpa sem lavar. Antes, o meu pai lavava o carro com a água que saía de uma mangueira. Hoje os meninos não acreditam que a água se utilizava dessa forma. Recordo que havia muitos anúncios que diziam CUIDA DA ÁGUA, só que ninguém lhes ligava; pensávamos que a água jamais podia acabar.

Agora, todos os rios, barragens, lagoas e mantos aquíferos estão irreversivelmente contaminados ou esgotados. Antes, a quantidade de água indicada como ideal para beber era oito copos por dia por pessoa adulta.

Hoje só posso beber meio copo. A roupa é descartável, o que aumenta grandemente a quantidade de lixo; tivemos que voltar a usar os poços sépticos (fossas) como no século passado porque as redes de esgotos não se usam por falta de água.

A aparência da população é horrorosa; corpos desfalecidos, enrugados pela desidratação, cheios de chagas na pele provocadas pelos raios ultravioletas que já não têm a capa de ozono que os filtrava na atmosfera, imensos desertos constituem a paisagem que nos rodeia por todos os lados. As infecções gastrointestinais, enfermidades da pele e das vias urinárias são as principais causas de morte.

A indústria está paralisada e o desemprego é dramático. As fábricas dessalinizadoras são a principal fonte de emprego e pagam-te com água potável em vez de dinheiro.

Os assaltos por um bidão de água são comuns nas ruas desertas. A comida é 80% sintética. Pela ressequidade da pele uma jovem de 20 anos está como se tivesse 40. Os cientistas investigam, mas não há solução possível. Não se pode fabricar água, o oxigénio também está degradado por falta de árvores, o que diminuiu o coeficiente intelectual das novas gerações.

Alterou-se a morfologia dos espermatozóides de muitos indivíduos, como consequência há muitos meninos com insuficiências, mutações e deformações.

O governo já nos cobra pelo ar que respiramos. 137 M3 por dia por habitante e adulto. A gente que não pode pagar é retirada das "zonas
ventiladas", que estão dotadas de gigantescos pulmões mecânicos que funcionam com energia solar, não são de boa qualidade mas pode-se respirar, a idade média é de 35 anos.

Em alguns países ficam manchas de vegetação com o seu respectivo rio que é fortemente vigiado pelo exército, a água tornou-se um tesouro muito cobiçado, mais do que o ouro ou os diamantes. Aqui não há árvores porque quase nunca chove, e quando chega a registar-se uma precipitação, é de chuva ácida; as estações do ano têm sido severamente transformadas pelas provas atómicas e da indústria contaminante do século XX. Advertia-se que havia que cuidar do meio ambiente e ninguém fez caso. Quando a minha filha me pede que lhe fale de quando era jovem, descrevo o bonito que eram os bosques, falo-lhe da chuva, das flores, do agradável que era tomar banho e poder pescar nos rios e barragens, beber toda a água que quisesse. Ela pergunta-me: - Papá! Porque se acabou a água? Então, sinto um nó na garganta; não posso deixar de sentir-me culpado, porque pertenço à geração que destruiu o meio ambiente, não tomando em conta os avisos. Agora os nossos filhos pagam um preço alto e sinceramente creio que a vida na terra já não será possível dentro de muito pouco tempo, porque a destruição do meio ambiente chegou a um ponto irreversível.

Como gostaria de voltar atrás e fazer com que toda a humanidade compreendesse isto, quando ainda podíamos fazer algo para salvar o nosso planeta!

(Extraído da revista "Cronicas de los Tiempos", de Abril de 2002)
ALERGIA
Um homem e uma mulher vão sentados lado a lado na 1ª classe de um avião. A mulher espirra, pega num lenço e passa-o cuidadosamente entre as pernas.
O homem não tem a certeza se viu bem e conclui que foi uma alucinação. Alguns minutos passam. A mulher volta a espirrar. Ela pega no lenço e passa-o cuidadosamente entre as pernas. O homem começa a ficar doido. Ele não acredita no que os seus olhos vêem. Mais uns minutos passam. A mulher volta a espirrar. Ela pega num lenço e passa-o cuidadosamente entre as pernas. Era mais do que o homem podia aguentar. Ele volta-se para a mulher e diz:
- Por três vezes a senhora espirrou, e por três vezes pegou no seu lenço e passou-o por entre as pernas. Está a querer dizer-me alguma coisa, ou está só a tentar deixar-me louco?E ela responde:
- Peço desculpa se o perturbei, eu sofro de um mal extremamente raro que faz com que cada vez que espirre eu tenha um orgasmo.O homem, com remorsos do que tinha dito antes, diz:
- As minhas sinceras desculpas, mas o que é que está a tomar para isso?E ela responde:
- Pimenta!

CURIOSIDADE
Visite este site e passe com o rato no lobo...
Em várias direcções...

Humor
Posted by Hello
Nova forma de gostar dos amigos...
 
CANIBAL INGLÊS PRESO : - Peter Bryan, de 34 anos, foi preso, em Londres, quando se preparava para fritar o cérebro de um amigo de 43 anos. Bryan confessou-se culpado da morte de dois homens e foi condenando a prisão perpétua para o resto da sua «vida natural», precisou o juiz, o que quer dizer que a pena não pode ser reduzida.
Público» de hoje)

terça-feira, 15 de março de 2005

PROVÉRBIOS SOBRE O CASAMENTO


O primeiro ano é o mais difícil.
Os restantes são impossíveis.
(Isidoro Loi)

Não te cases por dinheiro,
podes conseguir um empréstimo mais barato.
(provérbio escocês)

Quando um casal de recém casados sorri, todo mundo sabe porquê.
Quando um casal com mais de dez anos de casados sorri, todo mundo pergunta por quê.
(anónimo)

O amor é cego,
mas o matrimónio devolve a visão.
(refrão normando)

Quando um homem abre a porta do carro à sua esposa, podes estar certo de uma coisa:
- ou o carro é novo, ou a esposa.
(anónimo)

Casar pela segunda vez é o triunfo da esperança sobre a experiência.
(Samuel Johnson)

Na antiguidade, os sacrifícios faziam-se no altar.
Actualmente esse costume perdura.
(Helen Rowland)

Estou apaixonado pela mesma mulher há 40 anos.
Se a minha esposa souber, mata-me.
(Henny Youngman)

Os solteiros deveriam pagar mais impostos;
não é justo que alguns homens sejam mais felizes do que outros.
(Oscar Wilde)

Casar é bom.
Morrer queimado é melhor.
(Fábio Gamboa)

Casar é a metade do divertimento...
...Pelo dobro do preço.
(anónimo)

Queres conhecer a tua namorada... CASA!
Queres conhecer a tua mulher... SEPARA!
(desconhecido)

segunda-feira, 14 de março de 2005

SAIU ASSIM NA IMPRENSA...


"A nova terapia traz esperanças a todos os que morrem de cancro em cada ano."

"Apesar da meteorologia estar em greve, o tempo esfriou ontem intensamente."

"No corredor do hospital psiquiátrico, os doentes corriam como loucos."

"Ela contraiu a doença na época em que ainda estava viva."

"O presidente de honra é um jovem septuagenário de 81 anos."

"Parece que ela foi morta pelo seu assassino."

"A polícia e a justiça são as duas mãos de um mesmo braço."

"Quatro hectares de trigo foram queimados. Em princípio, trata-se de um incêndio."

"O velho reformado, antes de apertar o pescoço da mulher até à morte, suicidou-se."

"À chegada da polícia, o cadáver encontrava-se rigorosamente imóvel."

"O cadáver foi encontrado morto dentro do carro."

domingo, 13 de março de 2005

MANTORRAS...
... Ou o exemplo de um jogador que sofreu, lutou e vai vencer !

Posted by Hello

José Carlos Ary dos Santos

- um dos meus poetas favoritos

POETA CASTRADO, NÃO!

Serei tudo o que disserem
por inveja ou negação:
cabeçudo dromedário
fogueira de exibição
teorema corolário
poema de mão em mão
lãzudo publicitário
malabarista cabrão.
Serei tudo o que disserem:
Poeta castrado não!

Os que entendem como eu
as linhas com que me escrevo
reconhecem o que é meu
em tudo quanto lhes devo:
ternura como já disse
sempre que faço um poema;
saudade que se partisse
me alagaria de pena;
e também uma alegria
uma coragem serena
em renegar a poesia
quando ela nos envenena.

Os que entendem como eu
a força que tem um verso
reconhecem o que é seu
quando lhes mostro o reverso:

Da fome já não se fala
é tão vulgar que nos cansa
mas que dizer de uma bala
num esqueleto de criança?

Do frio não reza a história
a morte é branda e letal
mas que dizer da memória
de uma bomba de napalm?

E o resto que pode ser
o poema dia a dia?
Um bisturi a crescer
nas coxas de uma judia;
um filho que vai nascer
parido por asfixia?!
Ah não me venham dizer
que é fonética a poesia!

Serei tudo o que disserem
por temor ou negação:
Demagogo mau profeta
falso médico ladrão
prostituta proxeneta
espoleta televisão.
Serei tudo o que disserem:
Poeta castrado não!
Posted by Hello

sábado, 12 de março de 2005

LISTA ALFABÉTICA DE BLOGS

Os meus dois blogs (este, e o www.memoireairfrance.canalblog.com) fazem parte desde hoje da Lista Alfabética de Blogs: (http://www.geocities.com/mal_levado/blogs.abc.html).

Os colegas «bloguistas» interessados em constar naquela lista não terão mais do que visitar o site indicado.
OS MEUS BRINQUEDOS (quadras)


Olhando tanta abundância,
Fica triste o coração:
- Os meus brinquedos de infância
Cabiam numa só mão…

Olhava montras com ânsia
E com olhos bem chorados:
- Os meus brinquedos de infância
Eram por mim inventados! (a)


(a) – Menção Honrosa nos Jogos Florais de Almeirim – 2004/2005

Um poema a reler:

CÂNTICO NEGRO
José Régio

"Vem por aqui"
Dizem-me alguns com olhos doces.
Estendendo-me os braços, e seguros
De que seria bom que eu os ouvisse
Quando me dizem:
"Vem por aqui"
Eu olho-os com olhos lassos,
(Há nos meus olhos ironias e cansaços)
E cruzo os braços,
E nunca vou por ali...

A minha glória é esta:
Criar desumanidade!
Não acompanhar ninguém.
- Que eu vivo com o mesmo sem-vontade
Com que rasguei o ventre a minha Mãe...

Não, não vou por aí! Só vou por onde
Me levam meus próprios passos.

Se ao que busco saber nenhum de vós responde,
Porque me repetis:
"Vem por aqui"?
Prefiro escorregar nos becos lamacentos,
Redemoinhar aos ventos,
Como farrapos, arrastar os pés sangrentos
A ir por aí...

Se vim ao mundo, foi
Só para desflorar florestas virgens,
E desenhar meus próprios pés na areia inexplorada!
O mais que faço não vale nada...

Como, pois, sereis vós
Que me dareis impulsos, ferramentas e coragem
Para eu derrubar os meus obstáculos?
Corre nas vossas veias sangue velho dos avós.
E vós amais o que é fácil!
Eu amo o Longe e a Miragem,
Amo os abismos, as torrentes, os desertos...

Ide! Tendes estradas,
Tendes jardins, tendes canteiros,
Tendes pátrias, tendes tectos,
E tendes regra, e tratado, e filósofos, e sábios
Eu tenho a minha Loucura!
Levanto-a como um facho, a arder na noite escura.
E sinto espuma, e sangue, e cânticos nos lábios...

Deus e o Diabo são que me guiam, mais ninguém.
Todos tiveram pai, todos tiveram mãe;
Mas eu, que nunca principio nem acabo,
Nasci do amor que há entre Deus e o Diabo...

Ah, que ninguém me dê piedosas intenções!
Ninguém me peça definições!
Ninguém me diga:
"Vem por aqui"!
A minha Vida é um vendaval que se soltou.
É uma onda que se alevantou.
É um átomo a mais que se animou.
Não sei por onde vou,
Não sei para onde vou,
- Sei que não vou por aí!
Posted by Hello

quinta-feira, 10 de março de 2005

HISTÓRIA DE LOUCOS...
 
Josefa não aguentou e teve de contar à sua amiga Lourdes:
- O teu marido foi visto num motel.A Lourdes abriu a boca e arregalou os olhos.
Ficou assim, uma estátua de espanto, durante um minuto, um minuto e meio. Depois pediu detalhes.
- Quando? Onde? Com quem?
- Ontem. No Discretu's.
- Com quem? Com quem?
- Isso eu não sei.
- Mas como era a gaja? Era alta? Magra? Loira? Pernas boas? Rabo grande?
- Não sei, 'Lu'.
- O Carlos Alberto vai-mas pagar.
Quando o Carlos Alberto chegou a casa, a Lourdes anunciou que iria deixá-lo. E contou porquê.
- Mas que história é essa, Lourdes? Tu não sabes quem era a mulher que estava comigo no motel? Eras tu!
- Pois é. Maldita hora em que eu aceitei ir ao Discretu's! Toda a cidade já sabe! Ainda bem que não me identificaram.
- E agora?
- Vou ter de te deixar. Não vês? É o que todas as minhas amigas estão à espera que eu faça. Não sou mulher para ser enganada pelo marido e não reagir.
- Mas não foste enganada. Quem estava comigo eras tu!
- Mas elas não sabem disso!
- Eu não acredito, Lourdes! Tu vais acabar o nosso casamento por causa disso? Por uma convenção?
- Vou!
Mais tarde, quando a Lourdes estava a sair de casa, com as malas, o Carlos Alberto interceptou-a. Estava sombrio.
- Acabo de receber um telefonema – disse.
- Era o Mendes.
- O que ele queria?
- Fez mil rodeios, mas acabou por me contar. Disse que, como meu amigo, tinha que me contar.
- O quê?
- Tu foste vista a sair do motel Discretu's ontem, com um homem.
- O homem, eras tu!
- Eu sei, mas eu não fui identificado.
- Mas não lhe disseste que eras tu?
- O quê? Para os meus amigos ficarem a pensar que vou a um Motel com a minha própria mulher? Deus me livre de tal coisa!
- E então?
- Desculpa, Lourdes, mas...
- O quê?
- Vou ter de te dar um arraial de porrada!

segunda-feira, 7 de março de 2005

No Dia da Mulher (8 Março 2005)

FEITAS PARA RESISTIR

A Mãe e o Pai estavam assistindo televisão, quando a mãe disse: - Estou cansada e já é tarde, vou me deitar.
Foi à cozinha fazer uns sanduíches para o lanche do dia seguinte na escola, passou uma água nas taças das pipocas, tirou carne do freezer para o almoço do dia seguinte, confirmou se as caixas dos cereais não estavam vazias, encheu o açucareiro, pôs tigelas e talheres na mesa e preparou a cafeteira do café para estar pronta para ligar no dia seguinte. Pôs ainda umas roupas na máquina de lavar, pregou um botão que estava caindo.
Guardou umas peças do jogo que ficaram em cima da mesa, e pôs a agenda do telefone no lugar.
Regou as plantas, despejou o lixo e pendurou uma toalha para secar. Bocejou, espreguiçou-se, e foi para o quarto. Parou ainda no escritório e escreveu uma nota para o professor do filho, pôs num envelope junto com o dinheiro para pagamento de uma visita de estudo, e apanhou um caderno que estava caído debaixo da cadeira.
Assinou um cartão de aniversário para uma amiga, selou o envelope, e fez uma pequena lista para o supermercado. Colocou ambos perto da carteira.
Nessa altura o Pai disse lá da sala: - Pensei que você tinha ido se deitar. - Estou a caminho - respondeu ela.
Pôs água na tigela do cão e chamou o gato para dentro de casa. Certificou-se de que as portas estavam fechadas. Espreitou para o quarto de cada um dos filhos, apagou a luz do corredor, pendurou uma camisa, atirou umas meias para o cesto da roupa suja e conversou um bocadinho com o mais velho que ainda estava estudando.
Já no quarto, acertou o despertador, preparou a roupa para o dia seguinte e arrumou os sapatos.
Depois lavou o rosto, passou creme, escovou os dentes e acertou uma unha quebrada.
A essa altura, o pai desligou a televisão e disse: - Vou me deitar! E foi... sem mais nada.

Carlos Drummond de Andrade

Posted by Hello

domingo, 6 de março de 2005

«EMPURRA-EMPURRApor Ricardo Garcia

Quem anda nos transportes, conhece bem a mania. É uma conduta clássica, já há muito incorporada no quotidiano das viagens colectivas, afecta democraticamente os mais variados tipos de utentes. Sejam velhos, sejam novos, homens ou mulheres, ricos ou pobres, não há quem resista à curiosa tentação de se aglomerar junto à porta de entrada do autocarro ou do metro, mesmo que haja abundante espaço mais lá para dentro.
O raciocínio por trás deste acto de autêntica solidariedade corporal tem, no fundo, um cunho egoísta. E explica-se facilmente. Na cabeça de quem está à espera de transporte numa paragem, a principal preocupação é entrar no autocarro, tão logo ele chegue. Não importa o estado de compactação humana no interior da viatura. O que vale é garantir a passagem do espaço exterior para o interior.
Vencido este obstáculo, o utente é tomado por um reconfortante pensamento: "Eu já entrei, e daqui já ninguém me tira". E isto funciona como um desestímulo a posteriores movimentos. Conclusão: fica tudo amontoado à porta, o que está na origem de vários efeitos colaterais.
Um deles é a dificuldade de entrada de novos passageiros. Às vezes, ainda se ouve o tradicional "um passinho à frente, se faz favor", usualmente proferido em desespero de causa por aqueles que ainda estão nos degraus e que, esmagados entre bocados de corrimão, malas de senhora, cotovelos alheios e uma ocasional nádega, só conseguem mexer os lábios.
Mas o apelo não resulta. Daí que alguns condutores invoquem o recurso, bastante subtil, aliás, de ir fechando a porta tentativamente, através de hábeis toques sucessivos nos comandos. Com isso, empurram à força os últimos passageiros, esparramando as suas partes comprimíveis até preencherem os espaços ainda vazios. Verdade seja dita, é um bom exemplo de como maximizar a ocupação de áreas públicas.
O fenómeno repete-se no metro, mas com algumas variantes. Aqui a justificação é outra e o que impera é a lógica do "vou descer já", mesmo que o passageiro tenha entrado no Cais do Sodré com a intenção de sair só em Telheiras. Com isso, os utentes aglutinam-se naquela espécie de hall entre as portas de entrada. Mesmo havendo espaço de sobra nos corredores, ninguém arreda pé, o que revela uma apetência pelo contacto físico que, salvo melhor opinião, costuma dar mais certo em circunstâncias diferentes.
O inevitável empurra-empurra na hora de deixar o comboio acabou por se tornar num ameno momento de convívio, que muito enaltece o dia-a-dia do metro. O grupo dos que estão a bloquear a saída - no qual pontificam pessoas com a habilidade de sempre estar no caminho, mesmo quando tentam afastar-se - interage de forma cordial com o grupo dos que pretendem deixar a carruagem. Registam-se, com frequência, fraternas trocas de olhares, ternos movimentos corporais para abrir passagem, comentários afectuosos e até mesmo, em dias inspirados, evocações laudatórias da ascendência materna alheia.
Do lado de fora, também se nota um contagiante carinho entre os passageiros que aguardam para entrar no comboio. Há muita gente que, investida em elevado contentamento ao ver a turba que vai a sair, perfila-se diante das portas, afunilando a passagem, certamente para poder estreitar ainda mais os laços de amizade solidária que une os passageiros do metro.
Podem dizer o que quiserem. Mas, sem estes ajuntamentos de gente alegre e descontraída à porta dos autocarros e do metro, a função social dos transportes públicos ficaria muito diminuída. »
in «Público» 2005-03-06

sábado, 5 de março de 2005

Impressora económica...
Posted by Hello
TRATAMENTO MUITO CARO

Um homem desesperado vai ao psicólogo:
— Doutor, estou com um problema muito sério! Estava dormindo e achei que tinha alguém debaixo da minha cama, aí fui para baixo dela e achei que tinha alguém em cima, daí subi e achei que tinha alguém em baixo...
— Já entendi...
— diz o psicólogo — Olhe, meu amigo, o seu problema é sério. Você vai ter que passar por um tratamento. Vai vir aqui três vezes por semana durante quatro anos e, cada sessão, custará cinquenta euros!
— Ih, doutor, não sei se vou poder pagar. Vou pensar durante esta semana e lhe ligo.
— Tudo bem.
— Responde o psicólogo, achando que vai facturar um dinheiro fácil.
Uma semana depois o paciente liga para o médico:
— Olá, doutor, tudo bem?
— Tudo óptimo, e o senhor? Pensou se vai fazer o tratamento?
— Pensei sim, doutor... Mas não vou precisar de tratamento, já estou curado.
— Curado? Como você conseguiu se livrar daquele problema que o estava perseguindo?
— Ah, foi simples, doutor... Um marceneiro resolveu o meu problema por três euros!
- Três euros? Um marceneiro? Mas como?
— Ah... Ele serrou o pé da cama!
CURIOSIDADES ACERCA DO IRAQUE

Sabia que esta terra, devastada agora pela guerra, possui memoráveis histórias e mitos da civilização? Se não sabia, veja a seguir:

- O Jardim do Éden era no Iraque.
- Mesopotâmia, onde agora é o Iraque, foi o berço da civilização.
- Noé construiu a Arca no Iraque.
- A Torre de Babel ficava no Iraque
- Abraão era de Ur, que ficava no sul do Iraque.
- A esposa de Isaac, Rebeca, era de Nahor, que ficava no Iraque.
- Jacob encontrou-se com Raquel no Iraque.
- Jonas rezou em Ninive, que ficava no Iraque.
- Assíria, que ficava no Iraque, conquistou as dez tribos de Israel.
- Babilónia, que ficava no Iraque, destruiu Jerusalém.
- Daniel esteve na cova dos leões. Onde? No Iraque!
- Baltazar, rei de Babilónia, viu a "escrita na parede" no Iraque.
- Nabucodonosor, rei da Babilónia, transportou os judeus prisioneiros através do Iraque.
- Ezequiel fez as suas orações no Iraque.
- Os Reis Magos eram do Iraque.
- Pedro também fez orações no Iraque.
- O "Império do Homem", descrito na Revelação, era a chamada Babilónia, uma cidade do Iraque.
E você provavelmente sabia esta... Israel é a terra mais mencionada na Bíblia. Mas sabia qual é a segunda? Isso mesmo. IRAQUE, que na Bíblia corresponde a nomes como Babilónia, terra de Shinar, Mesopotâmia.

A palavra Mesopotâmia significa "entre dois rios", mais exactamente entre os Rios Tigre e Eufrates. O nome Iraque significa "País com Raízes Profundas".

sexta-feira, 4 de março de 2005

Para sorrir...
(se necessário, clique duas vezes na imagem para a aumentar)
Posted by Hello

quinta-feira, 3 de março de 2005

Para sorrir...

PROFISSÃO
 - De que vives tu, Joaquim?
- Do ar.
- Do ar? Tu não tens profissão?
- Tenho, sou fabricante de leques.


 VENDEDORES DE BÍBLIAS
Três novos empregados temporários tinham de tentar vender o maior número possível de Bíblias, durante três semanas, para conseguirem o trabalho definitivo.

 1ª Semana:
 Inglês – 5
Francês – 9
Português (gago) – 25
2ª Semana:Inglês – 15
Francês – 25
Português (gago) – 67
3ª Semana:Inglês – 25
Francês – 42
Português (gago) – 159
Toda a gente fica pasmada porque o vendedor português gago conseguiu vender mais Bíblias.
O chefe pergunta-lhe:
- Diga-me qual é o seu segredo para vender tantas Bíblias?
- É faaaaacil. Eu chego às caaasas e digo: queeer commmmmmprar uma bíblia ou queeeer que euuuu lha leeeeia toooda?


MOSTEIRO DA BATALHA
Três pedreiros, um inglês, um francês e um português (emigrante) vêm passar férias a Portugal. Diz o inglês:
- Na Inglaterra, em três dias construímos um prédio de 20 andares.
Diz o francês:- Na França, três dias dá para construir um prédio de 28 ou 29 andares.O Português, todo enrascado, não sabia o que dizer. Por sorte, passam em frente ao Mosteiro da Batalha. Pergunta o inglês:- Que lindo monumento, ouve lá português o que é aquilo?
- Não sei, passei por aqui ontem e não estava ali nada!


 MAQUINISTA
Diz um Francês:
- Eu levanto 100 kg só com um braço.Diz o Espanhol:- E eu com um murro deito abaixo qualquer porta.E replica o Português:- Eu paro um comboio só com uma das mãos!
- Só se fosses Deus
– Diz um deles.
- Não sou Deus, mas sou maquinista.

 PAULINHO SANTOS
Quem não se lembra do Paulinho Santos (ex - jogador do F.C. do Porto)!
Aqui fica a homenagem a este jogador:
P:
Sabem qual é o prato favorito do Paulinho Santos?R: Batatas a murro!

 VINGANÇA FEMININA -1
Um lisboeta gozava sempre com a sua mulher, que era loira. Um dia, passou em casa dos seus melhores amigos para que eles os acompanhassem até ao aeroporto porque a mulher ia viajar.
Como sempre gozava com ela, ele disse à frente dos amigos:
- Amor, trazes-me uma francesinha de Paris, sim?Ela baixou a cabeça e embarcou muito chateada.
A mulher passou quinze dias em França. O marido pediu que os amigos o acompanhassem novamente ao aeroporto. À chegada, ele perguntou à mulher:
- Amor, trouxeste a minha francesinha?E ela respondeu:- Eu fiz o possível. Agora é rezar para que nasça menina!

UMA VELHINHA
Uma velhinha de 90 anos estava no médico fazendo exames de rotina.
- A senhora está precisando de mais actividade física – disse o médico.
- Quantas vezes por mês a senhora faz sexo?
- Ih, doutor!
- Respondeu ela
- Era melhor se o senhor perguntasse quantas vezes por ano! Mesmo assim acho que no ano passado... Hum... Não tô lembrada...
- Aí está o problema!
- Diz o médico.
Se a senhora fizesse sexo três vezes por semana ficaria bem.A mulher ficou muito vermelha de tão embaraçada e pediu ao médico que dissesse isso ao marido.
Então o marido foi chamado na sala de espera, onde estava lendo uma revista, e o médico disse-lhe:
- Senhor, tenho que o informar que a sua mulher está levando uma vida muito sedentária. E para resolver este problema ela terá que fazer sexo três vezes por semana...O velhinho de 93 anos, com um semblante sério, perguntou:
-
A que dias da semana, doutor?
- Bom, o ideal seria às segundas, quartas e sextas!
- Tudo bem. Às segundas e quartas eu posso trazê-la... Mas às sextas ela vai ter que vir de autocarro!


 VINGANÇA FEMININA – 2
O homem estava no seu leito de morte e chamou a mulher. Com voz rouca e já fraca, disse-lhe:
- Minha querida... chega-te mais perto... Eu quero... fazer-te uma confissão!
- Não, não
– respondeu a mulher.
- Sossega e fica quietinho. Não podes fazer esforços.
- Mas querida
– insistiu o marido.
-
Eu preciso morrer... Em paz! Eu quero confessar-te uma coisa!
- Está bem, está bem! Podes dizer!
- É o seguinte... Eu fiz amor com... a tua irmã... com a tua mãe e... com a tua melhor amiga!
- Eu sei, eu sei
– disse a mulher.
- Foi por isso que eu te envenenei!

quarta-feira, 2 de março de 2005

Dois fragmentos do interessante artigo de opinião «As mulheres portuguesas são parvas», publicado no «Público» de hoje, da autoria de Maria Filomena Mónica, historiadora:

«Quando casei, o que de mim se esperava, além da procriação continuada, era que passasse o dia a arrumar a casa, a cozinhar pratos requintados e a vigiar a despensa. Hoje, a estas tarefas vieram juntar-se outras. As mulheres modernas são também supostas ser boas na cama, profissionais competentes e estrelas nos salões.
.....................................................................................
É por isso que a luta tem de continuar. Não sei se sou "feminista", nem me interessa debater a questão terminológica. Sei que sou contra todas as injustiças e, entre elas, contra a ideologia que nos quer manter encerradas numa Casa de Bonecas. Ao longo dos anos, tenho ouvido de tudo, incluindo mulheres que dizem estar contra a emancipação feminina. Pensei então que não valia a pena perder tempo com tontas. Mais madura, considero hoje que o melhor é retirar-lhes o direito ao voto, o direito ao divórcio e a protecção legal contra a violência doméstica. Se gostam de ser escravas, que o sejam. Acabou-se o tempo das contemporizações. Quem luta, tem direitos; quem se resigna, fica de fora.».
O sublinhado é meu. Quantas vezes assim pensei durante a minha vida de sindicalista...

terça-feira, 1 de março de 2005

Será que se pode conduzir com este kit «sem mãos» ?
Posted by Hello

Que tal ?
Posted by Hello
Para sorrir:

Xiiiiiiiii...
Um polícia manda parar um carro para felicitar o condutor:
- O senhor conduz muito bem, onde tirou a carta?
- Qual carta?
- Pergunta o homem.
- Não lhe ligue... quando tá bêbedo não diz coisa com coisa – Disse a sogra.
- Eu não digo que carro roubado dá complicações? – Diz a mulher.
- Ó papá, não é a estes Srs. que tu chamas filhos da ... ?

ASSASSINATO
O polícia bateu à porta. O piano deixou de tocar e uma rapariga apareceu e perguntou:
- O que deseja?
- Recebemos uma denúncia por telefone a dizer que se estava aqui a assassinar um tal Chopin...

RECRUTA
Um rapaz foi para Lisboa para se alistar na polícia. Logo no primeiro dia de serviço, o chefe mostrou-lhe o que ele tinha de fazer.
- Olha, a tua ronda vai ser desde este poste até àquela luz encarnada, estás a ver?
- Entendido
– respondeu o recruta.
Durante uma semana inteira, o rapaz andou desaparecido. Finalmente, apresentou-se ao serviço.
- Oh, meu chefe – disse ele indignado. - Aquela luz encarnada era de um camião que ia para Aveiro!

ACIDENTE
Diz um caracol para o outro:
- E pá, nem sabes o que é que me aconteceu...
- Então o que é que foi, pá?
- Uma tartaruga ia-me atropelando.
- Então como é que isso aconteceu?
- Não sei, foi tudo tão rápido...


Carlos e Harry: - ambos com «coisas horríveis» no braço...

Posted by Hello

Arquivo do blogue

Acerca de mim

A minha foto
- Lisboa, Portugal
Aposentado da Aviação Comercial, gosto de escrever nas horas livres que - agora - são muito mais...