segunda-feira, 30 de abril de 2012

O PORVIR

1
O porvir já vem traçado
Nas linhas da nossa mão,
Mas poderá ser moldado
                Se tivermos ambição.          (a)

2
O porvir é tão incerto
E o País não avança.
O longe só se faz perto,
Não perdendo a esperança!

3
O porvir só tem sentido
Para nós, simples mortais,
Porque há muito é sabido
Que vence quem luta mais!

4
O porvir a Deus pertence
Mas nós temos que lutar,
Porque só assim se vence
Os perigos que andam no ar.

5
O porvir será risonho,
Embora acabe na morte.
A vida é só um sonho,
Um jogo de azar e sorte!

Gabriel de Sousa


(a) – Menção Honrosa no 1º Concurso de 2012 do Clube da Simpatia – Olhão
EFEMÉRIDEJoaquim Pedro de Oliveira Martins, político, escritor e cientista social português durante a monarquia, nasceu em Lisboa no dia 30 de Abril de 1845. Morreu, igualmente na capital portuguesa, em 24 de Agosto de 1894. As suas obras marcaram sucessivas gerações de portugueses, tendo influenciado vários escritores do século XX, como António Sérgio e Eduardo Lourenço.
Órfão de pai, teve uma adolescência difícil, não chegando a concluir o curso de liceu, que o teria levado à Escola Politécnica para estudar Engenharia Militar. Esteve empregado no comércio de 1858 a 1870 mas, neste último ano, devido à falência da empresa onde trabalhava, foi convidado para administrar uma mina na Andaluzia. Quatro anos depois, regressou a Portugal para dirigir a construção da via-férrea do Porto à Póvoa de Varzim e a Vila Nova de Famalicão. Em 1880, foi eleito presidente da Sociedade de Geografia Comercial do Porto e, quatro anos depois, director do Museu Industrial e Comercial do Porto. Mais tarde, desempenhou as funções de administrador na Régie dos Tabacos e na Companhia de Moçambique, fazendo igualmente parte da comissão executiva da Exposição Industrial Portuguesa.
Foi deputado em 1883, eleito por Viana do Castelo e, em 1889, pelo círculo do Porto. Em 1892, foi convidado para a pasta da Fazenda, que recusou. Representou o governo em diferentes conferências internacionais e aceitou finalmente a pasta das Finanças. Foi eleito depois, pela Câmara dos Deputados, membro da Junta de Crédito Público.
Elemento animador da Geração de 70 (movimento académico de Coimbra), revelou grande abertura às múltiplas correntes de ideias que atravessaram o seu século. Colaborou nos principais jornais literários e científicos, assim como nos políticos e socialistas.
Juntamente com Antero, Eça de Queirós, Manuel de Arriaga, Luciano Cordeiro, Batalha Reis e Teófilo Braga, lançou o jornal de feição socialista “A República” em 1870, ano em que o marechal Saldanha realizou o seu último golpe de estado – a Saldanhada. O jornal desapareceu tão rapidamente como o governo do marechal, levando Oliveira Martins a exilar-se em Espanha.
Em Espanha, escreveu “Os Lusíadas – Ensaio sobre Camões e a sua Obra em relação à Sociedade Portuguesa e ao Movimento da Renascença” (1872), “A Teoria do Socialismo – Evolução Política e Económica das Sociedades da Europa” (1872) e “Portugal e o Socialismo – Exame Constitucional da Sociedade Portuguesa e a sua Reorganização pelo Socialismo” (1873), colaborando em vários jornais socialistas que os seus amigos de Lisboa iam lançando.
Em 1874, foi viver para o Porto. Nos dois primeiros anos, não conseguiu escrever muito, a não ser um ou outro artigo para a “Revista Ocidental”, publicação iberista que fundou. Foi nesta revista que Eça de Queirós publicou a primeira versão de “O Crime do Padre Amaro”.
Escreveu depois “A Reorganização do Banco de Portugal” (1877), onde defendeu a existência de um banco emissor único.
A sua vasta obra, iniciada com o romance “Febo Moniz” publicado em 1867, estendeu-se até à sua morte. Na área das ciências sociais escreveu, entre outros livros, “Elementos de Antropologia” em 1880, “Regime das Riquezas” em 1883 e “Tábua de Cronologia” em 1884. Das obras históricas, há a destacar “História da Civilização Ibérica” e “História de Portugal” em 1879, “O Brasil e as Colónias Portuguesas” em 1880 e “Os Filhos de D. João I” em 1891. Os seus livros suscitaram sempre controvérsia e influenciaram não só a vida política portuguesa, mas também muitos historiadores, críticos e intelectuais do seu tempo e do século XX. De realçar igualmente, a sua “História da República Romana”.
Escreveu também algumas peças teatrais nunca levadas à cena e outras ainda inéditas. Dedicou-se igualmente à poesia, tento feito parte do Cenáculo de Antero Quental e José Fontana.

Rita Hayworth Is Stayin' Alive

Lembrando Rita Hayworth

domingo, 29 de abril de 2012

EFEMÉRIDEPedro Verona Rodrigues Pires, político cabo-verdiano, nasceu em São Filipe, na ilha do Fogo, em 29 de Abril de 1934.
Estudou na Universidade de Lisboa, onde conheceu alguns dos futuros líderes dos movimentos de libertação que lutaram pela independência das colónias portuguesas. Com o início da luta armada em Angola (1961), partiu de Portugal para a Guiné-Bissau. Depois do 25 de Abril de 1974, foi o representante de Cabo Verde nas negociações com Portugal.
Depois da declaração de independência de Cabo Verde em 5 de Julho de 1975, foi designado primeiro-ministro, ao lado do presidente Aristides Pereira, que tinha fundado o Partido Africano para a Independência da Guiné e Cabo Verde (PAIGC) com Amílcar Cabral.
Pedro Pires manteve-se no cargo de primeiro-ministro até 1991. Por sua iniciativa, foi introduzido o sistema multipartidário no país e o MpDMovimento pela Democracia, de Carlos Veiga, conseguiu a maioria dos votos nas eleições que se seguiram.
Em 2001, apresentou-se como candidato presidencial contra Carlos Veiga e venceu as eleições. Em Março de 2001 foi empossado como Presidente da República, sucedendo a António Mascarenhas Monteiro. Reeleito em 2006, manteve-se no cargo até Setembro de 2011.
Em 2002, recebeu a Ordem do Infante D. Henrique das mãos do Presidente da República Portuguesa. 

sábado, 28 de abril de 2012

EFEMÉRIDE – José Rui Lopes Águas, ex jogador e treinador de futebol português, nasceu em Lisboa no dia 28 de Abril de 1960.
Em Portugal, destacou-se ao serviço do Sport Lisboa e Benfica (1985/1988 e 1990/1994) e do Futebol Clube do Porto (1988/1990), tendo também jogado em Itália pelo Reggiana AC (1995), depois de passar pelo Estrela da Amadora (1994).
Foi internacional pela selecção portuguesa 31 vezes, entre 1985 e 1993, tendo participado nos Mundiais de 1986 no México.
No começo da sua carreira (1981/1985) jogou no GD Sesimbra, no Atlético e no Portimonense.
O pai (José Águas) e um seu primo (Raul Águas), foram igualmente famosos jogadores de futebol. A irmã, Lena D’Água, fez carreira no mundo da canção.
Como treinador esteve no Vitória de Setúbal (1999/2001) e como adjunto do técnico principal no Sporting de Braga (2003/2006).
Foi finalista da Taça dos Campeões Europeus em 1988, Campeão de Portugal em 1987, 1990, 1991 e 1994 e vencedor da Taça de Portugal em 1986, 1987 e 1993, tendo conquistado ainda a Super Taça de Portugal em 1986.  

ANDREA BOCELLI CONCIERTO DE ARANJUEZ

Lindo!

sexta-feira, 27 de abril de 2012

EFEMÉRIDEAnderson Cléber Beraldo, futebolista brasileiro, nasceu em São Paulo no dia 27 de Abril de 1980. Joga actualmente no América Mineiro.
Começou a sua carreira no Grémio Maringá, atingindo renome ao transferir-se para o Corinthians, onde se tornou capitão e líder da equipa. Saiu do clube em 2005, como parte do pagamento ao Sport Lisboa e Benfica do passe do jogador Roger. Em 2007, foi cedido ao Olympique Lyonnais por 4,8 milhões de euros. Antes, passara pelo Cruzeiro EC. Em 2008, foi emprestado ao São Paulo FC.
Em Janeiro de 2009, o Cruzeiro acertou o empréstimo de Anderson, que foi cedido gratuitamente pelo Lyon, dono dos seus direitos económicos. Findo o contrato em Julho do mesmo ano, o jogador voltou ao Lyon, onde foi pouco utilizado.
No início de 2011, assinou contrato com o Esporte Clube Santo André. Em Abril, foi apresentado como novo reforço do América MG.
Do seu valioso palmarés fazem parte: os títulos de Campeão Mundial de Clubes (2000), de Campeão Paulista (2001 e 2003), o Torneio Rio-São Paulo (2002), a Copa do Brasil (2002) e o Campeonato Brasileiro (2005) pelo Corinthians; o Campeonato Nacional e a Super Taça de Portugal (2004/2005) pelo Benfica; a Taça de França e o Campeonato Francês (2007/2008) pelo Lyon; o Campeonato Brasileiro (2008) pelo São Paulo; e o Campeonato Mineiro (2009) pelo Cruzeiro.

quinta-feira, 26 de abril de 2012

EFEMÉRIDECharles Francis Richter, sismólogo norte-americano, nasceu em Butler County no dia 26 de Abril de 1900. Morreu em Altadena, em 30 de Setembro de 1985.
Richter frequentou o Laboratório de Sismologia de Pasadena em 1927 e estudou na Universidade Stanford e no Instituto de Tecnologia da Califórnia (Caltech), onde obteve o seu PhD em física teórica (1928). Trabalhou no Instituto Carnegie de Washington (1927/1936), antes de ser nomeado para o Instituto de Tecnologia da Califórnia, onde se tornou professor de sismologia em 1952.
Ficou famoso ao criar, em colaboração com Beno Gutenberg, uma escala que quantifica a grandeza (energia libertada) pelos terramotos e que ele usou pela primeira vez em 1935. O maior terramoto registado até agora, segundo esta escala, teve uma magnitude de 8,9.
Entre 1936 e 1976, produziu várias obras importantes, que são textos básicos para o estudo da sismologia. 

quarta-feira, 25 de abril de 2012

EFEMÉRIDE Al Pacino, de seu verdadeiro nome Alfredo James Pacino, actor norte-americano, nasceu em Nova Iorque no dia 25 de Abril de 1940. É filho de pai e mãe italo-americanos, que se divorciaram quando ele tinha dois anos.
No fim da década de 1960, estudou no Actors Studio sob a supervisão de Lee Strasberg, encontrando assim a terapia para uma juventude deprimida e pobre, em que mal tinha dinheiro para os transportes. O seu talento falou mais alto, tendo ganho vários prémios e chamado a atenção do realizador Francis Ford Coppola.
Consolidou a sua carreira nos anos 1970, vindo a ser um ícone do cinema americano. O seu modo de representar é original, sendo uma referência para muitos outros actores. É considerado uma das maiores estrelas da história do cinema.
A ascensão meteórica de Al Pacino iniciou-se com o desempenho do papel de Michael Corleone, no filme de grande sucesso sobre a máfia “O Padrinho” de Coppola (1972). A sua actuação rendeu-lhe uma nomeação para o Oscar de Melhor Actor Secundário e, até aos finais da década de 1970, teve mais quatro nomeações, todas elas para Melhor Actor. Apesar de ter sido ainda nomeado por outras interpretações, somente em 1993 alcançou o almejado prémio, com o filme “Scent of a woman”, no qual desempenhava o papel de um militar reformado, cego e com um feitio irascível.
Ganhou por duas vezes os Globos de Ouro. Nos anos 1980, a carreira de Pacino entrou numa zona de penumbra, o que não o impediu de ter ainda outra nomeação para os Globos de Ouro, com o filme “Scarface”, onde representou o papel de um barão da droga. Entre 1985 e 1989 dedicou-se ao teatro, só regressando depois ao cinema, com mais uma série de excelentes interpretações.
Al Pacino, que continua a fazer teatro, começou entretanto a carreira de realizador, com os filmes “Looking for Richard” e “Chinese Coffee” a receberem o aplauso do público e da crítica.
Apesar de ser um dos poucos actores a nunca se ter casado, é pai de Julie Marie, fruto do seu relacionamento com a professora de teatro Jan Tarrant, e dos gémeos Olivia e Anton, nascidos da sua relação com a actriz Beverly D'Angelo. Democrata convicto, tomou partido por Barack Obama nas presidenciais de 2008.

terça-feira, 24 de abril de 2012

25 DE ABRIL SEMPRE!
***
Não podíamos dizer Liberdade.
Não éramos donos das nossas vidas.
Defendíamos só causas perdidas,
arrastando os corpos pela Cidade.

Com tanta felicidade perdida
e tanto homem que não foi criança,
quanta gente sem qualquer esperança
e quanta miséria escondida!

Mas chegada a data gloriosa
o cravo tornou-se a flor mais formosa
acabando com a nossa tristeza.

O Povo foi à rua e gritou!
O poeta renasceu e cantou
o orgulho da alma portuguesa!

Gabriel de Sousa

(Publicação antecipada para hoje, em homenagem a Miguel Portas, que acaba de falecer em Antuérpia)
EFEMÉRIDEOliver Reginald Tambo, político anti-apartheid sul-africano e figura central do Congresso Nacional Africano (ANC), morreu em 24 de Abril de 1993. Nascera em Mbizana no dia 27 de Outubro de 1917.
Em 1940, foi expulso da Universidade de Fort Hare, juntamente com Nelson Mandela, por ter participado numa greve estudantil. Em 1942, regressou à Escola Secundária St Peter, em Joanesburgo, onde estudara, para leccionar ciências e matemática.
Em 1943, foi membro fundador da Liga Juvenil do Congresso Nacional Africano e seu primeiro secretário nacional. A Liga Juvenil propôs uma mudança táctica do movimento anti-apartheid. Até esse momento, o ANC havia tentado defender e divulgar a sua causa através de petições e manifestações. A Liga Juvenil do ANC não achava que tais acções fossem suficientes para atingir os seus objectivos e apresentou o seu próprio “Programa de Acção”. Este programa advogava outros métodos, como boicotes, desobediência civil, greves e “não cooperação”.
Em 1948, foi eleito para a direcção nacional do ANC e, em 1955, para secretário-geral. Em 1959, tornou-se vice-presidente do partido e recebeu do governo uma “ordem de interdição” por cinco anos. O ANC, como resposta, enviou-o ao estrangeiro para mobilizar toda a oposição anti-apartheid. Esteve envolvido na formação da Frente Unida Sul-africana, que conseguiu a expulsão da África do Sul da Commonwealth em 1961. Em 1967, tornou-se presidente interino do ANC, na sequência da morte do chefe Albert Lutuli.
Em 1985, foi reconfirmado como presidente do ANC. Regressou à África do Sul em 1991, após mais de 30 anos no exílio e depois da legalização do partido pelo Presidente da República Frederik de Klerk.
Teve um primeiro ataque cardíaco em 1989 e sofreu um segundo, fatal, em 1993. Em 2006, foi dado o seu nome ao aeroporto internacional de Joanesburgo.

segunda-feira, 23 de abril de 2012

EFEMÉRIDEShirley Jane Temple, actriz e diplomata norte-americana, nasceu em Santa Mónica no dia 23 de Abril de 1928.
Começou a ter aulas de dança aos três anos, sendo contratada pouco tempo depois para participar na série de curtas-metragens “Baby Burlesks", que parodiava actrizes e actores adultos. No mesmo ano, actuou em vários filmes, nomeadamente em “Bright Eyes”, no qual cantou o seu sucesso mais popular, a canção “On The Good Ship Lollipop”.
Recebeu um Oscar Especial para Jovens Actores aos seis anos de idade, pelo que entrou para o livro Guinness dos recordes. Foi a “salvadora” da empresa Fox e a animadora do público americano na época da Grande Depressão. Até o presidente Roosevelt se rendeu aos seus encantos, agradecendo-lhe por «ter feito a América atravessar a ‘Grande Depressão’ quase com um sorriso nos lábios».
Foi campeã das bilheteiras de 1935 a 1938 e um ícone do cinema nos anos 1930 e 1940. Depois de adulta, porém, não teve o mesmo sucesso, abandonando o cinema em 1949.
Em 1967, candidatou-se ao cargo de representante do estado da Califórnia no congresso norte-americano, mas não foi eleita. Nos anos de 1969 e 1970, foi delegada junto da ONU. Foi ainda embaixadora no Ghana (1974/1976), chefe de protocolo do presidente Gerald Ford (1976/1977) e membro da delegação americana que tratava dos problemas dos refugiados africanos (1981). De 1989 a 1992, foi embaixadora na Checoslováquia.
Escreveu duas biografias sobre a sua infância: “My Young Life” (1945) e “Child Star: An Autobiography” (1988).
Em 2004, a Legend Films restaurou e “coloriu” todos os filmes de Shirley Temple, que tinham sido produzidos originalmente a preto e branco. Foi a criança mais fotografada no mundo e, apesar da curta carreira, protagonizou mais de 40 filmes e 50 produções para televisão.
Em 1972, aos 44 anos, descobriu que tinha um cancro numa mama. Foi das primeiras celebridades a admitir em público a doença e, se o fez, foi por querer encorajar as mulheres a efectuar o respectivo rastreio.
Casou-se em 1945, aos dezassete anos, tendo-se divorciado dois anos depois. Casou-se pela segunda vez em 1950, tendo enviuvado em 2005. Habita actualmente em Woodside, a sul de São Francisco, na Califórnia.

domingo, 22 de abril de 2012

Menina dos Olhos Tristes

Saudoso Adriano...

Une hôtesse se fait plaisir à l'atterrissage

Humor da hospedeira na aterragem
EFEMÉRIDE Francisco Martins Rodrigues, político português, fundador do primeiro movimento marxista-leninista nacional, morreu em Lisboa no dia 22 de Abril de 2008. Nascera em Moura, em 1927.
Filho de um oficial que foi expulso do exército por ser oposicionista ao governo, Francisco Martins iniciou o seu percurso político em 1949 no Movimento de Unidade Democrática (MUD), após a deslocação da família para Lisboa, onde estudou até ao 6º ano do liceu. Trabalhou numa livraria e como aprendiz de mecânico na TAP.
Em 1951 foi preso pela primeira vez, durante três meses, por se ter manifestado contra a NATO, o que provocou igualmente o seu despedimento. Detido duas outras vezes, abandonou a casa dos pais, passando a viver na semi-clandestinidade até 1953, ano em que se tornou funcionário do Partido Comunista Português.
Em 1956, começou a questionar a linha do PCUS, após o XX Congresso, nomeadamente a chamada “coexistência pacífica”. No ano seguinte, foi detido de novo e conduzido para a prisão de Peniche, onde conheceu dirigentes comunistas como Álvaro Cunhal, Francisco Miguel e Jaime Serra.
Em 3 de Janeiro de 1960, participou na célebre “fuga de Peniche”, juntamente com Álvaro Cunhal, Joaquim Gomes, Francisco Miguel, Pedro Soares, Jaime Serra, Guilherme da Costa Carvalho, José Carlos, Rogério de Carvalho e Carlos Costa. Os chamados “Dez de Peniche” protagonizaram assim um episódio lendário na história da resistência antifascista portuguesa, que reforçou o PCP na luta contra o salazarismo.
Voltou à militância, trabalhando numa tipografia clandestina em Carnide. Em 1961, entrou para o Comité Local do PCP em Lisboa, sendo membro suplente do Comité Central. Em 1962, passou a fazer parte da Comissão Executiva, encarregando-se do trabalho político na margem sul e arredores de Lisboa.
A sua ruptura com o PCP foi antecedida de divergências com a linha do partido face à guerra colonial, após ter escrito um manifesto que foi considerado alheio ao “espírito do partido”. Seguiram-se outras divergências, tendo sido destituído do seu lugar na Comissão Executiva e proposto como secretário de Álvaro Cunhal, lugar que recusou.
Foi então enviado para Paris, incorporando-se na organização do partido na capital francesa. Fez críticas à posição do PCP em matérias como a guerra colonial, a passagem pacífica ao socialismo e a revolução democrática. O seu abandono do partido levou-o a ser o mais importante ideólogo da extrema-esquerda nacional, participando em Paris, em 1964, na criação do Comité Marxista-Leninista Português (CMLP) e da Frente de Acção Popular (FAP), apoiado pelo médico João Pulido Valente e por Rui D’Espiney.
Visitou a China maoista e a Albânia de Hoxha, voltando a Portugal em 1965, para fazer trabalho político no CMLP. A descoberta de um colaborador da polícia política no interior da organização acabou com a morte do infiltrado, acção reivindicada pela FAP. Francisco Martins foi novamente preso pela PIDE, sofrendo torturas violentas, juntamente com os dois outros criadores do CMLP e da FAP. Foi condenado a 20 anos de prisão e libertado dois dias depois do 25 de Abril de 1974.
Após a Revolução dos Cravos, participou na fundação do PCR (Partido Comunista Reconstruído) e da UDP, organização que atingiu uma importante influência em sectores à esquerda do PCP. Em 1983 abandonou ambas as organizações, considerando que tinham caído nos mesmos “desvios” atribuídos ao PCP.
Em 1984, fundou a Organização Comunista Política Operária e foi director da revista com o mesmo nome.
Na última década da sua vida, estreitou laços de solidariedade com o movimento independentista galego, participando habitualmente nas manifestações do Dia da Pátria Galega (25 de Julho) e noutros eventos de apoio à autodeterminação da Galiza, do País Basco e da Catalunha.
Para além de várias obras que deixou publicadas, foi editado postumamente o seu livro “Os anos do silêncio” que contém notas autobiográficas, uma descrição das práticas de tortura do sono a que foi submetido e a sua defesa num julgamento em 1970.

sábado, 21 de abril de 2012

As Portas que Abril abriu_1_xvid.avi

Ary dos Santos por ele mesmo.
EFEMÉRIDEJuan Antonio Samaranch Torrelló (em catalão, Joan Antoni Samaranch i Torrelló), jogador de futebol, hóquei em patins e boxe, empresário, político e dirigente desportivo espanhol, morreu em Barcelona no dia 21 de Abril de 2010. Nascera, também em Barcelona, em 17 de Julho de 1920. Foi presidente do Comité Olímpico Internacional (COI) de 1980 a 2001. Em 1991, o rei de Espanha concedeu-lhe o título de Marquês de Samaranch.
Tinha por origem uma família burguesa da Catalunha. Viveu uma juventude dourada, mas pouco interessado pelos estudos. Mesmo assim, diplomou-se na Escola de Comércio da Universidade de Navarra.
Foi seleccionador e dirigente de hóquei em patins. Passou a integrar o Comité Olímpico Espanhol em 1956, tendo sido seu presidente de 1967 a 1970. Em 1966, foi eleito membro do COI.
Franquista convicto, foi o caudillo espanhol que o lançou na vida política, através sobretudo de vários cargos ligados ao desporto. Samaranch abandonaria a política interna, já na era pós Franco, sendo nomeado embaixador de Espanha na União Soviética e na Mongólia, de 1977 a 1980. As suas actividades políticas e desportivas não o impediram de construir um pequeno império nos têxteis, na banca e no imobiliário, em Espanha e na América Latina.
Assumiu a presidência do COI quando este sofria uma grave crise financeira e diversos boicotes políticos, mas soube explorar o lado comercial dos Jogos, tornando-os mais populares. Sob o seu impulso, foi abandonado o amadorismo e entrou-se na era do profissionalismo e da comercialização dos Jogos Olímpicos, com o desenvolvimento dos patrocínios, do merchandising e dos direitos televisivos. O seu mandato ficou igualmente marcado pelo aumento de casos de doping e por acusações de compra de votos para a escolha de Salt Lake City, como sede dos Jogos Olímpicos de Inverno de 2002.
Foi também durante o seu mandato que as mulheres passaram a estar representadas no COI e que foram multiplicadas as provas olímpicas femininas. Foi criado, durante a sua presidência, o Tribunal Arbitral do Desporto, a Agência Mundial Anti-doping e o Museu Olímpico em Lausanne.
Após entregar o cargo ao seu sucessor, Jacques Rogge, Samaranch tornou-se presidente honorário vitalício do COI. Faleceu, de doença cardíaca, quando estava quase a completar 90 anos. Assistiram ao seu funeral o rei de Espanha Juan Carlos e o príncipe Alberto do Mónaco.

sexta-feira, 20 de abril de 2012

EFEMÉRIDE – Alexandre Alberto da Rocha de Serpa Pinto, militar, explorador e administrador colonial português, nasceu em Cinfães no dia 20 de Abril de 1846. Morreu em Lisboa, em 28 de Dezembro de 1900. Ingressou no Colégio Militar com dez anos e, aos dezassete, tornou-se no seu primeiro “comandante de batalhão” (aluno).
Viajou pela primeira vez até à África Oriental em 1869, numa expedição ao rio Zambeze. Integrava uma coluna, cujo objectivo conhecido era o de enfrentar as milícias do Bonga, que já tinham infligido várias e humilhantes derrotas às tropas portuguesas. Serpa Pinto ocupava-se de avaliar a rede hidrográfica e a topografia local, pelo que se pode supor que a finalidade não era apenas bélica, mas de interesse estratégico no reconhecimento e posterior controlo da região.
Em 1877, explorou a costa oeste de Angola, integrando uma expedição que partiu de Benguela e que contava com a participação de Roberto Ivens e Hermenegildo Capelo. Por alturas do Bié, houve uma cisão no grupo e Serpa Pinto prosseguiu, por sua conta e risco, uma travessia solitária. A sua viagem terminou em 1879, tendo atravessado as bacias dos rios Congo e Zambeze, Angola e parte das actuais Zâmbia, Zimbabwe e África do Sul. A expedição de Serpa Pinto tinha como objectivo fazer o reconhecimento do território e efectuar a cartografia do interior do continente africano, para preparar a entrada de Portugal nas discussões pela ocupação de territórios até então utilizados apenas como entrepostos comerciais ou destino de degredados.
A aventura de Serpa Pinto, uma travessia solitária e arriscada, moldou a imagem de um homem intrépido e concedeu-lhe uma aura de heroicidade, muito necessária numa época em que Portugal atravessava uma grave crise política e moral. Nesse sentido, a sua figura foi explorada como o “herói das novas descobertas”, que já não passavam apenas por sulcar os mares mas também por desbravar as selvas e savanas de África, e como forma de manter o prestígio internacional na arena diplomática europeia.
Foi nomeado cônsul-geral para o Zanzibar em 1885 e governador-geral de Cabo Verde em 1894. Tanto o Rei D. Luís I, como o seu filho D. Carlos I, nomearam-no seu Ajudante de Campo e o segundo concedeu-lhe o título de Visconde de Serpa Pinto (1899). Estava conotado com a ala direita dos partidos monárquicos, por um dos quais foi três vezes deputado (Partido Regenerador).
Publicou “Como eu atravessei África”, uma obra em dois volumes, que foi traduzida para as línguas inglesa e francesa.
A vila de Menonge, no sudeste de Angola, foi chamada Serpa Pinto até 1975. O seu nome foi também dado a várias ruas de Portugal, nomeadamente em Lisboa e no Porto. Em Cinfães, existe um museu a ele consagrado e, em São Filipe, na Ilha do Fogo, Cabo Verde, foi erigido um monumento em sua memória numa praça que tem igualmente o seu nome.

quinta-feira, 19 de abril de 2012

Mixordia de Temáticas (17/04/2012) - Titanic é para Meninos

Pior que o Titanic...
A Bekas já cresceu muito e é feliz
EFEMÉRIDEPaloma Picasso, criadora de moda e mulher de negócios franco-espanhola, nasceu em Vallauris, França, no dia 19 de Abril de 1949. É a filha mais nova de Pablo Picasso.
Paloma significa “pomba” em espanhol e foi este o símbolo que Picasso concebeu para a Conferência Internacional de Paz, que se realizou em Paris justamente no ano em que ela nasceu. Paloma Picasso foi também representada em várias obras do pai, entre as quais se destacam “Paloma em Azul” e “Paloma com Laranja”.
Paloma começou a sua carreira de designer de jóias em 1968. Alguns colares que criou atraíram a atenção dos críticos e ela resolveu inscrever-se num curso de joalharia. Yves Saint Laurent convidou-a por essa época para criar alguns acessórios destinados a uma das suas colecções. Em 1971, trabalhou para a empresa grega de jóias Zolotas.
Em 1974, abriu um parêntesis na sua vida de designer, para fazer uma interpretação notável no filme erótico “Os Contos Imorais” do realizador polaco Walerian Borowczyk.
Projectou jóias para o dramaturgo e realizador Rafael López-Sánchez, que viria mais tarde a ser seu marido. Em 1980, começou a criar jóias para a famosa casa Tiffany & Co. de Nova Iorque. Foi depois diversificando o seu trabalho noutras áreas. Em 1984, quando se interessou pela perfumaria, criou para a L’Oréal o seu grande sucesso mundial, o perfume “Paloma”.
Actualmente, tem uma importante linha de cosméticos, que inclui loções para o corpo, pós, gels, sabonetes e perfumes. Vive em Lausanne na Suíça.

quarta-feira, 18 de abril de 2012

EFEMÉRIDEIsoroku Yamamoto, almirante japonês, autor dos planos de ataque surpresa a Pearl Harbor durante a Segunda Guerra Mundial, morreu no espaço aéreo das Ilhas Salomão em 18 de Abril de 1943. Nascera em Nagaoka no dia 4 de Abril de 1884. Sexto filho do director de uma escola, foi dado para adopção, sendo adoptado pela família Yamamoto.
Inscreveu-se em 1901 na Academia Naval de Etajima, tendo-se diplomado em 1904. No ano seguinte, durante a guerra russo-japonesa, participou na batalha de Tsoushima. Em 1911, inscreveu-se na Escola Naval de Tsukij. No seguimento da explosão de uma bateria, perdeu dois dedos. Depois da Primeira Guerra Mundial, em 1919, deixou o Japão e ingressou na Universidade de Harvard nos Estados Unidos. Seguiu depois, definitivamente, a carreira naval, sendo promovido a almirante em 1940. Reflectiu sobre os novos paradigmas da guerra naval. «Sob meu comando…», disse ele, ao ser empossado, «…dar-se-á prioridade ao treino aéreo», ou seja, Yamamoto defendia o uso de porta-aviões nas operações avançadas. Planeou assim o ataque a Pearl Harbor, perpetrado na manhã de 7 de Dezembro de 1941.
Cerca de seis meses depois, Yamamoto sofreria uma derrota de proporções catastróficas na Batalha de Midway. Foram afundados os porta-aviões “Akagi”, “Kaga”, “Hiryu” e “Soryu” – que tinham participado no ataque a Pearl Harbor.
Yamamoto não viveria o suficiente para testemunhar a derrota japonesa. Em 18 de Abril de 1943, morreu ao dirigir-se para a inspecção das bases sob o seu comando nas Ilhas Salomão. A visita estava prevista durar apenas um dia e serviria também para elevar o moral das tropas. A 8ª Frota Japonesa havia difundido uma mensagem sobre o seu itinerário, que foi interceptada e decifrada pela marinha americana. O Almirante Chester Nimitz e o seu estado-maior analisaram a oportunidade e a possibilidade de realizar um ataque contra a formação que o ia conduzir. O avião em que seguia foi assim interceptado por 16 caças Lockheed P-38 Lightning americanos, sendo abatido e caindo na selva da ilha de Bougainville, no arquipélago das Ilhas Salomão. Yamamoto viajava com mais dois oficiais de alta patente num bombardeiro Mitsubishi G4M, com uma escolta de dois grupos de caças A6M Zero.
Apesar da morte de Yamamoto ter ocorrido no dia 18 de Abril, o povo japonês só seria informado da sua morte em 21 de Maio. Foi um duro golpe para o Japão.

terça-feira, 17 de abril de 2012

EFEMÉRIDESirimavo Bandaranaike, primeira-ministra do Sri Lanka por três vezes (1960/1965, 1970/1977 e 1994/2000) e primeira mulher da história contemporânea a chefiar um governo, nasceu no Ceilão em 17 de Abril de 1916. Morreu em Balangoda no dia 10 de Outubro de 2000.
Embora sendo de religião budista, foi educada num convento de frades católicos em Colombo. Em 1940, com 24 anos, casou-se com Solomon Bandaranaike, fundador do Sri Lanka Freedom Party, partido que ela mais tarde viria também a liderar. Em 1956, o marido ganhou as eleições e tornou-se primeiro-ministro, até ser assassinado em Janeiro de 1959. Em Julho de 1960, Sirimavo apresentou-se como candidata do Sri Lanka Freedom Party e ganhou as eleições legislativas, sendo empossada como primeira-ministra.
Após um interregno de cerca de cinco anos, voltou ao poder com um programa de esquerda, graças às suas convicções e às boas relações com a China e com Indira Gandhi. Em 1972, fez aprovar pelo parlamento a proclamação da República e a mudança de nome, de Ceilão para Sri Lanka. Efectuou algumas nacionalizações durante este mandato.
A partir de 1976, apesar do prestígio internacional que tinha, a sua popularidade diminuiu consideravelmente. A crise do petróleo, a situação económica e algumas suspeitas de corrupção fizeram com que fosse derrotada nas eleições.
A sua filha Chandrika seria escolhida para primeira-ministra na Primavera de 1994 e, meses mais tarde, foi eleita presidente da República. Logo após a tomada de posse, nomeou a mãe para primeira-ministra, cargo que entretanto se tinha tornado quase só honorífico, em virtude de uma modificação constitucional.
Sirimavo renunciou em Agosto de 2000 e faleceu em Outubro, vítima de crise cardíaca, quando voltava para casa depois de ter votado pela última vez, aos 84 anos.

segunda-feira, 16 de abril de 2012

EFEMÉRIDEFrancisco Amaro Rodrigues Adam, modelo e actor português, morreu perto de Coruche em 16 de Abril de 2006. Nascera em Lisboa no dia 13 de Agosto de 1983.
Tornara-se muito popular, sobretudo entre a juventude, pela sua interpretação na série juvenil da TVI Morangos com Açúcar”.
Francisco Adam foi a primeira vítima mortal do despiste da viatura que conduzia e na qual seguiam mais duas pessoas. Viajava para Santa Cruz (Torres Vedras), vindo de uma sessão de autógrafos, quando se deu o acidente. Um dos passageiros do veículo viria a falecer também, já no hospital.
O resultado da autópsia, designadamente do exame toxicológico, revelou a presença de cocaína e álcool no sangue do jovem actor, substâncias que terá consumido momentos antes do fatal acidente. Uma carreira promissora que acabou precocemente, ali no asfalto. 

domingo, 15 de abril de 2012

EFEMÉRIDESamantha Karen Fox, modelo e cantora britânica, nasceu em Londres no dia 15 de Abril de 1966.
A sua carreira musical começou em 1986 e logo atingiu grande sucesso mundial, com êxitos como “Touch Me” e “Nothing's Gonna Stop Me Now”. Venderia mais de 35 milhões dos  seus primeiros três álbuns.
Embora se tenha mantido activa musicalmente, lançando diversos álbuns, nunca mais atingiu o êxito da década de 1980. Em 1999 surgiram rumores de que seria bissexual. Apesar de na altura não comentar, Samantha disse em entrevista ao jornal britânico “The Mail on Sunday”, em 2003, que «não podia continuar a negar».
Tendo por origem uma modesta família londrina, Samantha começou por se classificar em 2º lugar numa competição fotográfica. Aos 16 anos (1983), foi contratada para posar na qualidade de pin-up para o tablóide “The Sun”. Nessa época, ela foi a terceira mulher mais fotografada de Inglaterra, a seguir a Lady Di e a Margaret Thatcher.
Posou igualmente para o “Playboy” em 1996. Ainda hoje, é considerada uma das mais importantes modelos de Inglaterra dos últimos trinta anos. Segundo uma sondagem feita em 2010, ela faz parte das dez mulheres mais belas da Grã-Bretanha, de mais de 40 anos, que nunca recorreu a cirurgias plásticas.
Esteve nos “Top 10” de cerca de vinte países e mesmo os Estados Unidos ficaram rendidos ao seu encanto, proporcionando-lhe o disco de platina para os álbuns “Touch me” e “Samantha Fox 1987”.
A sua carreira transformou-se num pesadelo quando descobriu que o pai, que era igualmente seu manager, lhe tinha roubado toda a fortuna. Levar o próprio pai à barra dos tribunais foi a sua passagem pelo inferno. O processo durou vários anos e dividiu a família Fox em vários clãs. As suas canções desapareceram dos hit-parades, ficou completamente arruinada e exilou-se em Espanha para escapar ao fisco.
Apesar de tudo, Samantha decidiu voltar à música e, em 1995, lançou o singleGo For The Heart”, que teve sucesso sobretudo nos países germânicos e na Europa do Norte. Em 1998, o público redescobriu uma Samantha Fox mais sexy do que nunca. Aos 32 anos, mais magra, com novo look e nova música, ela atraiu de novo o entusiasmo dos media. Assinou um contrato com a editora All Around The World e gravou “Santa Maria”, que teve êxito na Inglaterra e lhe deu de novo acesso aos Tops, praticamente sem ter tido nenhuma promoção.
A morte do pai afectou-a bastante. Quis abandonar de novo a carreira, o que não se concretizou porque conheceu Myra Stratton, que se tornou sua empresária e por quem se apaixonou.
Sem conhecer os sucessos de outrora, voltou a estar bem activa, incentivada pela companheira. Em 2009 anunciou a criação da sua própria etiqueta Fox Records e, em Fevereiro de 2010, fez a abertura dos Brit Awards, uma das cerimónias musicais mais prestigiosas do Reino Unido. Em Junho do mesmo ano, lançou dois novos singles: “Call Me”, em dueto com a cantora italiana Sabrina Salerno, e “Forever” com os 4 Strings. Trabalha actualmente num álbum, cujo lançamento está previsto para muito em breve.

sábado, 14 de abril de 2012

Mixordia de Temáticas (11/04/2012) - Soluções Maravilhosas para Portugal

Sugestões ao Governo
EFEMÉRIDEAlberto Augusto de Almeida Pimentel, escritor e jornalista português, nasceu no Porto em 14 de Abril de 1849. Morreu em Queluz no dia 19 de Julho de 1925.
Frequentou apenas a instrução pública, não tendo podido, por motivos de ordem económica, aceder ao ensino superior como era pretensão do pai.
Tendo-se sentido fascinado pela imprensa, ofereceu-se à Redacção do “Jornal do Porto” e foi ali acolhido como tradutor e revisor, iniciando assim a sua carreira no jornalismo.
Simultaneamente, após acordo com o editor de Lisboa António Maria Pereira, começou a escrever o romance “O testamento de Sangue”. Devido a um atraso no folhetim “Os dramas de Paris” de Ponson du Terrail, a publicar no jornal, o editor do mesmo convenceu Alberto Pimentel a publicar aquele romance sob a forma de folhetim e só posteriormente em livro.
Entre 1871 e 1872 travou com Alexandre da Conceição uma intensa discussão nas páginas do jornal, posteriormente compiladas no livro “Nervosos, Linfáticos e Sanguíneos”.
Em 1873, mudou-se para Lisboa e publicou o romance “A porta do Paraíso” e a compilação de crónicas “Entre o café e o cognac”. Iniciou na livraria de António Maria Pereira, estreitas relações de amizade com este editor e com o bibliófilo Inocêncio Francisco da Silva, que haveria de ser o responsável pela proposição de Alberto Pimentel para sócio da Academia Real das Ciências.
Em 1875, esteve em Coimbra como vogal de uma comissão de exames de instrução pública.
Pertencia ao “Partido Regenerador”, tendo sido eleito deputado em várias legislaturas pelo círculo da Póvoa do Varzim.
Foi um escritor muito prolífico, tendo deixado uma vasta e variada obra: 18 romances; várias biografias, entre as quais as de Júlio Dinis, de Camilo Castelo Branco e do poeta Chiado; dois livros de memórias; duas peças de teatro; oito livros de poesia; diversas obras sobre politica; ensaios; livros sobre etnografia, tradições populares e viagens; contos, novelas e pequenas histórias; crónicas, folhetins e algumas traduções.
Colaborou no “Almanaque da Livraria Internacional” (1873), no “Manual de legislação usual para uso da Câmara dos Dignos Pares do Reino” (1891/1894) e na “Revista de Setúbal” (1884/1909).

sexta-feira, 13 de abril de 2012

Tanto Mar - Versão Original

Chico Buarque e o 25 de Abril de 1974 em Portugal
EFEMÉRIDEJoaquim Martins Ferreira do Amaral, engenheiro e político português, nasceu em Lisboa no dia 13 de Abril de 1945. É licenciado em Engenharia Mecânica pelo Instituto Superior Técnico.
Aderiu ao Partido Social Democrata em 1981, dirigindo a Secretaria de Estado da Integração Europeia nos governos de Pinto Balsemão. Entre 1985 e 1990 foi Ministro do Comércio e Turismo e, posteriormente, de 1990 a 1995, Ministro das Obras Públicas, Transportes e Comunicações, sob a chefia de Cavaco Silva. Foi ele o artificie de muitas das auto-estradas portuguesas e da Ponte Vasco da Gama.
Em 1995 assumiu o mandato de deputado à Assembleia da República. Candidato a presidente da Câmara Municipal de Lisboa em 1997, foi derrotado por João Soares do Partido Socialista. Em 2001 foi o candidato apoiado pelo PSD para Presidente da República, perdendo para Jorge Sampaio do PS.
Abandonou a vida política, para ingressar no Conselho de Administração da Lusoponte, onde está desde 2008.

quinta-feira, 12 de abril de 2012

EFEMÉRIDE – Robert "Bobby" Frederick Chelsea Moore, futebolista inglês, considerado um dos melhores defesas centrais da história do futebol, nasceu em Londres no dia 12 de Abril de 1941. Morreu, igualmente na capital inglesa, em 24 de Fevereiro de 1993, vítima de doença oncológica.
Fez parte da Selecção Inglesa que ganhou os Mundiais de 1966. A Inglaterra chegou à final com apenas um golo sofrido, precisamente contra Portugal, nas meias-finais. Moore recebeu então o título de Oficial da Ordem do Império Britânico, sendo nomeado também Desportista do Ano pela BBC. Disputou igualmente os Mundiais de 1962 e de 1970.
Era um dos maiores ídolos do West Ham United, onde se iniciou em 1956, tornando-se profissional dois anos depois. Jogou neste clube até 1973, transferindo-se no ano seguinte para o Fulham da 2ª divisão inglesa. Em 1976 foi jogar para os Estados Unidos, ao serviço do San Antonio Thunder. Voltou ao Fulham e regressou aos Estados Unidos para jogar pelo Seattle Sounders, abandonando o futebol dois anos depois.
O ano de 1964 foi para ele inesquecível: o West Ham ganhou a Taça de Inglaterra, foi tratado de um cancro nos testículos e foi nomeado o Melhor Futebolista do Ano. Em 1965, venceu a Taça dos Vencedores de Taças Europeias frente ao TSV Munich 1860. Seria o seu último título, a nível de clubes.
Apesar dos fracos resultados obtidos posteriormente pelo West Ham, ao qual ficou ligado durante grande parte da sua carreira (16 épocas), Bobby Moore foi um dos mais famosos jogadores do seu tempo, graças sobretudo aos seus desempenhos na Selecção Nacional. Foi internacional 108 vezes (1961/1973) e capitão de equipa desde os 22 anos.
Em 1981, protagonizou o filme “Escape to Victory”, de John Huston, contracenando com Sylvester Stallone, Pelé e outros jogadores.
Ainda iniciou a carreira de treinador, tendo estado no Oxford City (1980), no Eastern AA (1981/1982) e no Southern United (1986). Morreu aos 51 anos.
Em 2004, nos festejos dos Cinquenta anos da UEFA, foi eleito postumamente como o Melhor Jogador de Inglaterra.

quarta-feira, 11 de abril de 2012

EFEMÉRIDEZeca Baleiro, de seu verdadeiro nome José Ribamar Coelho Santos, cantor, compositor, cronista e músico brasileiro, nasceu em Arari, no Maranhão, em 11 de Abril de 1966.
Zeca toca violão e já teve composições suas interpretadas por Simone, Gal Costa e Elba Ramalho, entre outros cantores.
Em 2011, publicou um livro de crónicas intitulado “Bala na agulha”. Actualmente, além da sua actividade musical, é colunista mensal da revista “Isto É”.
O nome José de Ribamar é uma homenagem a São José de Ribamar, santo dos maranhenses. O nome artístico – Baleiro – tem por origem o facto de gostar muito de doces, de tal modo que, quando estava na faculdade, costumava ter sempre “balas” (rebuçados) para consumir nos intervalos e repartir com os colegas. Antes de se dedicar exclusivamente à música, chegou a abrir uma loja de rebuçados, tortas e doces caseiros chamada “Fazdocinhá”, nome retirado de uma cantiga de roda tradicional.
Começou por compor melodias e músicas para peças de teatro infantil, onde se destacou pela qualidade das suas letras. Foi morar depois em São Paulo, onde fez vários shows e actuou em barzinhos e casas nocturnas.
Apesar da sua carreira musical ter começado doze anos antes de gravar o primeiro disco (1997), só deu o grande salto para a fama quando participou no Acústico MTV de Gal Costa, com a canção “Flor da Pele”, que lhe valeu projecção nacional. Nos anos seguintes, gravou mais cinco discos com a participação de outros cantores brasileiros, muitos dos quais são seus parceiros em composições, como Chico César, Arnaldo Antunes, Lenine e Zeca Pagodinho. A sua música tem por origem vários ritmos tradicionais brasileiros, como o samba, o pagode e o baião, com um modo muito peculiar de tocar violão.
Entre os prémios que conquistou, salientam-se: o Prémio APCA para o Melhor Cantor (1997) e o Premio SHARP para a Melhor Canção, o Melhor Disco e a Melhor Revelação (1997/1998).

terça-feira, 10 de abril de 2012

EFEMÉRIDEHelenio Herrera Gavilàn, ex jogador e treinador de futebol franco-argentino, nasceu em Buenos Aires no dia 10 de Abril de 1910. Morreu em Veneza, em 9 de Novembro de 1997. Como jogador, teve uma carreira relativamente modesta mas, como treinador, com 15 grandes títulos conquistados, tornou-se não só um dos mais bem sucedidos, mas também um dos mais influentes técnicos na história do futebol e um dos melhores do século XX.
Helenio Herrera, durante a juventude, emigrou da Argentina para Marrocos, juntamente com os pais, obtendo de imediato a nacionalidade francesa. Foi para França aos 16 anos, onde começou a jogar futebol.
Alinhou pelo FCO Charleville, tendo chegado a uma final da Taça de França (1936), que perdeu face ao RC Paris. Transferiu-se mais tarde para o Red Star, pelo qual conquistou a Taça de França de 1942.
A sua carreira de técnico, iniciada em 1946 no Stade Français, foi finalizada ao serviço do Barcelona em 1981. Pelo meio, treinou o Real Valladolid, o Atlético de Madrid, o Málaga, o Sevilha, Os Belenenses, o Barcelona, o Inter de Milão, o Roma, de novo o Inter e o Rimini.
Teve a sua coroa de glória ao serviço do Inter de Milão, entre 1960 e 1968, vencendo por duas vezes a Taça dos Clubes Campeões Europeus e a Taça Intercontinental, assim como três Campeonatos de Itália. Todos estes resultados fizeram com que o Inter fosse considerado uma das melhores equipas do mundo nos anos 1960.
Herrera é, até hoje, o único estrangeiro a ter sido seleccionador da Equipa Nacional Italiana (1966/1967). Foi igualmente seleccionador da Equipa de França entre 1946 e 1948 e da Selecção Espanhola de 1959 a 1962.
Do seu palmarés fazem ainda parte: os Campeonatos de Espanha de 1950 e 1951 pelo Atlético de Madrid e de 1959 e 1960 ao serviço do Barcelona; a Taça de Itália de 1969 com o Roma; as Taças de Espanha de 1959 e 1981 treinando o Barcelona e a Taça das Cidades com Feiras de 1960, igualmente pelo Barcelona.

segunda-feira, 9 de abril de 2012

"Rapariga" do meu tempo...

China 60th Anniversary Military Parade - Chinese Female Soldiers (HD)

Mulheres militares Chinesas
EFEMÉRIDEManuel José de Jesus Silva, treinador de futebol português, nasceu em Vila Real de Santo António no dia 9 de Abril de 1946.
Treinou o Espinho, o Vitória de Guimarães, o Portimonense, o Sporting, o Braga, o Boavista, o Marítimo, o Benfica, o União de Leiria e Os Belenenses. Foi no Boavista que atingiu maior sucesso em Portugal, com a conquista de uma Taça de Portugal e uma Super Taça Cândido de Oliveira.
Em 2001, mudou-se para o Al-Ahly do Egipto, onde já ganhou seis Campeonatos (2004/05, 2005/06, 2006/2007, 2007/08, 2008/2009 e 2010/11), quatro Ligas dos Campeões Africanos (2001, 2005, 2006 e 2008), quatro Super Taças de África (2002, 2006, 2007 e 2009), duas Taças do Egipto (2005/2006 e 2006/2007) e quatro Super Taças do Egipto (2005, 2006, 2007 e 2008). Ao todo, foram vinte troféus, incluindo oito internacionais, o que o torna no treinador português com mais títulos internacionais conquistados.
Em Maio de 2009, foi anunciado como treinador da Selecção Angolana, assumindo funções no mês seguinte. Em Fevereiro de 2010, abandonou o comando técnico dos “Palancas Negras”, numa rescisão amigável, e viajou para Portugal, regressando depois ao Al-Ahly.
Esteve envolvido na tragédia de Port Said em Fevereiro de 2012, tendo sido agredido sem gravidade e voltando a Portugal três dias depois. Continua no entanto ao serviço do clube egípcio, onde é o treinador com mais títulos conquistados e com o recorde de 71 jogos sem derrotas.
Recebeu em Dezembro de 2006 a Medalha de Desporto de 1ª Classe das mãos do Presidente Egípcio, pela sua contribuição para o futebol do Egipto. Em 2009, ganhou o troféu de Melhor Treinador Português. É Comendador da Ordem de Mérito Portuguesa.

domingo, 8 de abril de 2012

EFEMÉRIDEMaría Félix, actriz mexicana, nasceu em Álamos no dia 8 de Abril de 1914. Morreu na cidade do México em 8 de Abril de 2002, no dia em que completava 88 anos. O seu ano de nascimento era aliás controverso (1910 ou 1914?), mas foi tomado como verdadeiro o ano indicado no elogio fúnebre publicado no “New York Times”, embora sem qualquer prova. No fim da sua carreira, era respeitosamente conhecida por “La Donna”.
Com pai de origem yaqui e mãe de origem espanhola, foi educada num convento em Pico Heights, na Califórnia.
Entre 1942 e 1971 protagonizou 47 filmes, no México, em França e na Itália. Nunca se notabilizou nos Estados Unidos, tendo-se recusado a fazer pequenos papéis e perdido mesmo, por razões de planeamento, o papel de Pearl Chavez em “Duelo ao Sol”, uma personagem prevista justamente para ela.
Foi casada quatro vezes, com três mexicanos e um francês, tendo tido ainda uma relação com o pintor muralista Diego Rivera, que chegou a querer deixar Frida Kahlo para a esposar.
Foi proprietária em França de vários cavalos de corrida, que venceram numerosos prémios na década de 1970. Recebeu a Ordem das Artes e das Letras Francesas em 1996.

sábado, 7 de abril de 2012

Roberto Carlos Mulher de 40

Mulher dos 40
EFEMÉRIDE – Robert “Bob” Denard, famoso mercenário francês, nasceu em Grayan-et-l'Hôpital no dia 7 de Abril de 1929. Morreu em Paris, em 13 de Outubro de 2007.
Alistou-se na Marinha aos 16 anos, partindo como voluntário para a Indochina. Seria anos depois, seguramente, o mais influente e conhecido de todos os mercenários que operaram em África após a independência das antigas colónias. Deixou a Armada em 1952 depois de uma altercação num bar e aceitou um emprego de condutor de máquinas e de mecânico em Marrocos. Ingressou mais tarde na polícia deste país, que era ainda um protectorado francês. Em 1954 foi detido e julgado sob a acusação de ter participado num complot para assassinar o Presidente do Conselho francês Mendes France, tendo sido condenado a catorze meses de prisão.
A partir dos anos 1960, teve intervenção preponderante em vários conflitos pós coloniais. Participou em operações militares na Rodésia (actual Zimbabwe) em 1977, no Iémen, no Irão, na Nigéria, no Benim, no Gabão (onde foi instrutor da guarda presidencial), em Angola (1975), em Cabinda (1976), no Zaire e nas Comores, um dos países mais instáveis do planeta.
De 1960 a 1963, foi um dos chefes dos revoltosos no Katanga, apoiando Moïse Tshombé, que acabara de declarar a independência desta antiga província do Congo Belga. Em Janeiro de 1963, quando da queda de Kolwezi e da derrota dos mercenários, estes refugiaram-se em Angola com o acordo do regime português e foram repatriados para França.
Em Agosto de 1963, partiu para o Iémen ao serviço do MI6, com 17 mercenários que foram colocados sob o controlo do coronel britânico David Smiley, antigo oficial do Special Operations Executive durante a Segunda Guerra Mundial.
Voltou ao ex Congo Belga no fim de 1964. Em 1975 interveio em Angola ao lado da UNITA de Jonas Savimbi.
Esteve depois pela primeira vez nas Comores, que tinham proclamado a independência unilateralmente em Julho de 1975. Em Setembro, ajudou a consolidar um golpe de estado de Ali Soilih, prendeu o presidente Ahmed Abdallah e substituiu-o por Soilih.
Em Janeiro de 1977, falhou um golpe destinado a derrubar o regime do Benim. Seguidamente, a sua presença foi assinalada numa tentativa para destabilizar o regime de James Mancham nas Seychelles. Em 1978, voltou às Comores para derrubar o regime revolucionário de Soilih e recolocar Ahmed Abdallah no poder. Bob Denard ocupou-se então da organização de uma guarda presidencial forte, com 600 autóctones enquadrados por um punhado de oficiais europeus. Casou-se e converteu-se ao Islão sob o nome de Saïd Mustapha Mahdjoub, ocupando-se do desenvolvimento do país. A sua autoridade era incontestada. O país tornou-se também o centro de uma rede, que permitia à África do Sul, sob embargo internacional, de se abastecer de armas. As Comores serviram igualmente de base logística da África do Sul, para as suas operações militares contra os países que lhe eram hostis, como Moçambique e Angola.
De volta a França, retirou-se no Médoc, onde sonhava construir um museu da descolonização. Teve no entanto de enfrentar vários procedimentos judiciários, assim como problemas financeiros e de saúde.
Vários jornalistas tentaram encontrar-se com ele, alguns anos antes da sua morte, para obter mais informações sobre o seu passado. Recusou-se a recebê-los, julgando ser ainda capaz de redigir as suas memórias, nas quais prometia muitas revelações. A doença de Alzheimer que o atingira desenvolveu-se porém progressivamente e tornou a sua memória muito confusa. Morreu de paragem cardíaca, levando consigo uma parte dos seus segredos. Viveu os últimos anos com uma pensão de 250 euros, a que tinha direito pelo tempo em que servira na Marinha, durante a Guerra da Indochina.

sexta-feira, 6 de abril de 2012

EFEMÉRIDE Donald Wills Douglas, industrial e construtor de aviões norte-americano, nasceu em Brooklyn, Nova Iorque, no dia 6 de Abril de 1892. Morreu em Palm Springs, em 1 de Fevereiro de 1981. As suas cinzas foram dispersas no Oceano Pacífico, de acordo com os seus desejos.
De família aristocrática, iniciou os estudos na Trinity Chapel School, em Nova Iorque. Começou por se sentir fascinado por navios, entrando para a Academia Naval de Annapolis, no Maryland. Foi ali que descobriu os aeroplanos e tomou conhecimento da abertura de cursos de Engenharia Aeronáutica no Massachusetts Institute of Technology. Decidiu inscrever-se, completando o bacharelato em apenas dois anos. Foi contratado pelo próprio MIT, como professor assistente em aeronáutica.
Trabalhou depois para a US Air Army, que deixou posteriormente para ingressar na Glenn L. Martin Company, em Los Angeles, onde foi engenheiro-chefe do projecto Martin Bomber 1. Foi este o primeiro bombardeiro concebido e construído especialmente para a US Air Army. Antes da Primeira Guerra Mundial, todos os bombardeiros eram oriundos de construtores estrangeiros, sobretudo franceses e ingleses.
Em 1921, fundou a Douglas Aircraft Company que, mais tarde, se transformaria na McDonnell Douglas. Lançou os lendários aviões DC, participando activamente no desenvolvimento da aviação comercial e fornecendo aviões para a US Navy e USAF até ao fim dos anos 1960. Foi Presidente Honorário da Douglas até à data da sua morte, ocorrida aos 88 anos.

quinta-feira, 5 de abril de 2012

EFEMÉRIDEColin Luther Powell, general e homem político norte-americano, nasceu em Harlem, Nova Iorque, no dia 5 de Abril de 1937.
Tem por origem uma família de imigrantes jamaicanos e antepassados africanos, escoceses e irlandeses. Cumpriu duas comissões de serviço na Guerra do Vietname.
Em 1972 assumiu o primeiro cargo de natureza política, fazendo parte da equipa de funcionários da Casa Branca. Posteriormente, desempenhou diversas funções de comando no Pentágono.
Em 1987 passou a fazer parte do Conselho Nacional de Segurança dos Estados Unidos e tornou-se assessor do presidente Reagan para os assuntos de segurança nacional.
Em 1990, o presidente George Bush nomeou Powell para o cargo de Chefe do Estado-Maior Conjunto, o mais alto posto militar do país.
Em Dezembro de 1989, participou no derrube e captura do ditador do Panamá Manuel Noriega. Participou igualmente na operação Tempestade no Deserto durante a Guerra do Golfo (1990/1991).
Retirou-se da vida militar em 1993. Depois disso, dedicou-se a escrever e a fazer conferências e contactos políticos. Foi frequentemente apontado para futuro candidato à presidência, como independente ou com o apoio do Partido Republicano, no qual, aliás, nunca esteve filiado.
Publicou em 1995 a sua autobiografia “My American Journey”, que foi um grande êxito de vendas.
Em Dezembro de 2000, foi nomeado Secretário de Estado da América, sendo um elemento chave no governo de George W. Bush na luta contra o terrorismo, especialmente após os atentados de 11 de Setembro de 2001.
Pediu a demissão em 2004, sendo substituído por Condoleezza Rice. Em Outubro de 2008, a quinze dias das eleições presidenciais, confirmou publicamente o seu apoio à candidatura democrata de Barack Obama.

quarta-feira, 4 de abril de 2012

EFEMÉRIDEJosé Vítor dos Santos Peseiro, professor de educação física e treinador de futebol português, nasceu em Coruche no dia 4 de Abril de 1960.
Começou a sua carreira de treinador em 1992 no União de Santarém, clube que deixou em 1994, depois de ter conquistado o Campeonato Nacional da 3ª Divisão. Ingressou então no União de Montemor. Em 1996 deixou o Montemor, para ir treinar um histórico da cidade de Lisboa, o Oriental, no qual permaneceu dois anos, antes de se deslocar para a Madeira onde treinou o Nacional.
Foi no Nacional que começou a tornar-se mais notado, apresentando uma filosofia de jogo moderna, pouco vista em Portugal e que viria a dar resultados em 2000, ao conquistar o Campeonato Nacional da 2ªB, e em 2002, ao alcançar o 3º lugar na Segunda Liga, o que permitiu a ascensão do clube ao principal escalão do futebol profissional português.
Na época de 2003/2004, José Peseiro assumiu o cargo de treinador-adjunto de Carlos Queirós no Real Madrid, mas a aventura não foi bem sucedida, tendo durado apenas um ano.
Em 2004, regressou ao cargo de treinador principal em Portugal, num outro histórico lisboeta, o Sporting Clube de Portugal. Rotulado como um treinador da nova geração, sendo José Mourinho o “pai” dessa geração, Peseiro demonstrou-se ambicioso em conseguir grandes conquistas, o que – pese embora ter atingido a final da Taça UEFA – não viria a acontecer. O início da época seguinte foi decepcionante, perdendo a qualificação para a Liga dos Campeões Europeus num jogo contra a Udinese. Ainda que o campeonato não tenha começado mal para o Sporting, uma primeira derrota contra o Nacional, a que se seguiu novo desaire frente ao Vitória de Setúbal, antecipou uma série de maus resultados que viria a culminar com a sua saída. Embora tivesse prometido melhorias em relação ao encontro frente ao Vitória, o Sporting continuou com uma derrota no jogo seguinte, em casa, contra o Halmstads BK, ficando assim arredado da Taça UEFA e das competições europeias dessa época. Seguiram-se mais duas derrotas, contra o Paços de Ferreira, recém promovido à Primeira Liga, e contra a Académica de Coimbra, o que colocou o Sporting num surpreendente 7º lugar. Em Outubro de 2005, face ao desagrado claramente demonstrado pelos adeptos, o presidente Dias da Cunha aceitou a sua demissão.
Em Junho de 2007, assumiu o cargo de treinador do Panathinaikos da Grécia. Na apresentação, prometeu títulos, mas não o conseguiu, vindo a demitir-se em Maio de 2008. No mês seguinte, foi apresentado como treinador do Rapid Bucureşti, onde se manteve apenas até Outubro.
Em Fevereiro de 2009 e após a demissão de Nasser Al-Johar do comando da Selecção da Arábia Saudita, Peseiro foi anunciado como novo treinador, já com a fase de qualificação para o Mundial de 2010 em curso e com a selecção longe dos lugares de qualificação. Peseiro conseguiu no entanto alcandorar-se ao 2º lugar, que deu acesso ao Play off, em que jogou contra o Barém. Na 1ª mão empatou fora 0-0. Na segunda partida, apesar da superioridade demonstrada pela Arábia e da vantagem de 2 golos que teve durante uma boa parte do jogo, o Barém marcou a meio da 2ª parte e, no último segundo, quando os adeptos já festejavam o apuramento da Arábia, o Barém marcou de novo, fixando o resultado final num empate a 2, que o qualificou para a ultima eliminatória de Play off. Poderá dizer-se que Peseiro é um treinador sem sorte…

terça-feira, 3 de abril de 2012

Envelhecimento... (o tempo passa rápido)
EFEMÉRIDEAdelaide de Sousa, actriz e apresentadora de televisão portuguesa, nasceu em Lourenço Marques, hoje Maputo, no dia 3 de Abril de 1969. Fixou-se em Portugal, ainda pequena, juntamente com os pais e os quatro irmãos.
O primeiro trabalho de Adelaide foi na área da aviação, como hospedeira da TAP, ocupação que manteve até iniciar a sua carreira televisiva. Paralelamente, já actuava como modelo desde os 17 anos.
Depois de ter tido grande sucesso com a apresentação do programa “Jet 7” na RTP1, foi viver para Nova Iorque, com a finalidade de estudar representação no Lee Strasberg Theater Institute. Foi nos Estados Unidos que conheceu o futuro marido, Tracy Richardson, um fotógrafo americano.
Em 2002 voltou a Moçambique, sua terra natal, para filmar a telenovela “Jóia de África”. Entre as telenovelas e séries em que entrou, salientam-se ainda: “A Febre do Ouro Negro”, “Jornalistas”, “Queridas Feras”, “Inspector Max”, “Mistura Fina”, “7 Vidas”, “Floribella”, “Vingança”, “Deixa-me Amar” e “Podia Acabar o Mundo”.
No cinema, integrou o elenco dos filmes: “Pulsação Zero” (2002), “Sorte Nula” (2004), “O Milagre segundo Salomé” (2004), “Manô” (2005) e “Duas Mulheres” (2009).
Foi mãe em Agosto de 2009. O parto foi por cesariana, após cerca de 40 horas a tentar um parto natural, como era seu desejo. Tem vindo a apresentar vários programas de televisão.

Arquivo do blogue

Acerca de mim

A minha foto
- Lisboa, Portugal
Aposentado da Aviação Comercial, gosto de escrever nas horas livres que - agora - são muito mais...