domingo, 31 de agosto de 2008

EFEMÉRIDE Otelo Nuno Romão Saraiva de Carvalho, militar português, nasceu em Lourenço Marques, actualmente Maputo, Moçambique, no dia 31 de Agosto de 1936. Foi um dos estrategas da Revolução dos Cravos (1974).
Estudou em Moçambique e ingressou na Academia Militar de Lisboa aos dezanove anos.
Foi capitão em Angola (1961/1963) e na Guiné (1970/1973), sendo um dos dinamizadores da contestação ao Decreto-lei nº 353/73, que deu origem ao Movimento dos Capitães e ao MFA (Movimento das Forças Armadas).
Foi o responsável pelo sector operacional da Comissão Coordenadora do MFA e foi ele quem dirigiu as operações do 25 de Abril, a partir de um posto de comando clandestino instalado no Quartel da Pontinha.
Foi graduado em brigadeiro e nomeado Comandante-adjunto do COPCON (Comando Operacional do Continente) e Comandante da Região Militar de Lisboa em 13 de Julho de 1974, tendo passado a Comandante do COPCON, com o posto de General, em 23 de Junho de 1975 (cargo que na prática já exercia). Foi afastado destes cargos, a seu pedido, após o golpe de estado de 25 de Novembro de 1975.
Fez parte do Conselho da Revolução desde que ele foi criado em 14 de Março de 1975 até Dezembro de 1975. A partir de 30 de Julho daquele mesmo ano integrou, com os Generais Costa Gomes e Vasco Gonçalves, um Directório em que os restantes membros do Conselho da Revolução delegaram temporariamente os seus poderes.
Conotado com a ala mais radical do MFA, viria a ser preso em consequência dos acontecimentos do 25 de Novembro. Solto três meses mais tarde, foi candidato às eleições presidenciais de 1976, voltando a concorrer quatro anos mais tarde. Em 1979 passou à Reserva com o posto de tenente-coronel e, na década de 1980, teria passado a liderar a “organização terrorista” FP-25 (Forças Populares 25 de Abril).
Em 1985 foi preso, julgado e condenado pelo seu papel na liderança das FP-25, responsáveis pela morte de várias pessoas nos anos 80. Foi libertado cinco anos mais tarde, após ter apresentado recurso, ficando a aguardar novo julgamento em liberdade provisória. Em 1996 a Assembleia da República aprovou um indulto, seguido de uma amnistia para os presos do chamado “Caso FP-25”.

sábado, 30 de agosto de 2008

Não teve férias e... eis o resultado...

O problema é planetário: os árbitros não vêem mesmo nada...

EFEMÉRIDENaguib Mahfouz, escritor egípcio, autor de novelas, de romances e de guiões de cinema, primeiro árabe a receber o Prémio Nobel de Literatura em 1988, morreu no Cairo no dia 30 de Agosto de 2006. Nascera também na capital egípcia em 11 de Dezembro de 1911.
Começou a escrever aos dezassete anos, publicando os seus primeiros escritos em revistas literárias dos anos 1930. Em 1934 licenciou-se em Filosofia na Universidade do Cairo. Entre 1939 e 1944 publicou as primeiras três novelas, todas com enredos passados na época faraónica. Só a partir de 1956 iniciou a abordagem de temas da sociedade árabe contemporânea.
Os seus romances mais conhecidos são “Miramar” (1967) e os três livros que compõem as 1500 páginas de "A Trilogia do Cairo" (1956-1957), onde cada um deles tem o nome de um bairro da capital e retrata a vida de três gerações de famílias, entre a Primeira Guerra Mundial e o golpe militar de 1952 que derrubou a monarquia.
Atravessou um período em que, através dos seus livros, fez críticas implícitas às derivas autoritárias do presidente egípcio Nasser. Uma dessas obras foi publicada em folhetins no diário Al-Ahram. O escritor foi criticado e os seus livros proibidos. Estes acontecimentos, porém, fizeram aumentar a sua reputação e não afectaram em nada a sua carreira, tendo vindo mesmo a ocupar lugares de relevo nas estruturas culturais do Estado.
Manteve sempre uma grande produtividade literária, com várias novelas publicadas na imprensa, agrupadas depois em livros, e cerca de um romance por ano.
Por ter declarado o seu apoio ao presidente Sadat, quando da assinatura do Tratado entre o Egipto e Israel em 1979 (apesar de também afirmar a sua solidariedade para com os palestinos), os seus livros foram proibidos em vários países árabes.
Durante a “polémica dos Versículos Satânicos" expressou publicamente o seu apoio ao escritor Salman Rushdie.
Em 1994, quando saía de sua casa, foi esfaqueado no pescoço por dois fanáticos islamitas que, durante o julgamento, afirmaram nunca terem lido uma linha das obras de Naguib Mahfouz. O escritor ficou paralisado da mão direita e deixou de escrever, passando a ditar os seus textos.
Em 16 de Julho de 2006 foi hospitalizado devido a problemas pulmonares e renais, tendo falecido no mês seguinte. O seu funeral foi transmitido em directo pela televisão egípcia.
As obras de Mahfouz encontram-se traduzidas em dezenas de línguas e cerca de metade foi adaptada ao cinema.
Eis algumas declarações proferidas após a sua morte: «Ele fez renascer a cultura e a literatura árabes através do Mundo» - Hosni Moubarak; «Com ele, desaparece uma figura da literatura mundial e um homem da paz, da tolerância e do diálogo» - Jacques Chirac; «A sua obra fará conhecer o Egipto, que ele amava, a várias gerações de leitores da América e do Mundo inteiro» - George e Laura Bush; Ao mesmo tempo, um site extremista, na Internet, criticava as homenagens que eram prestadas ao escritor, escrevendo : «Que ele vá para o Inferno; pedimos a Deus que lhe dê o castigo máximo» …

sexta-feira, 29 de agosto de 2008

EFEMÉRIDEGeorges Eugène Sorel, filósofo e sociólogo francês, muito popular não só no seu país como na Itália e nos Estados Unidos, morreu em Boulogne-sur-Seine no dia 29 de Agosto de 1922. Nascera em Cherbourg, em 2 de Novembro de 1847.
Na segunda metade dos anos 1880, publicou vários estudos em diferentes domínios, como meteorologia, hidrologia, arquitectura, física, história política, história religiosa e filosofia. Engenheiro, pediu a demissão no seu emprego aos 45 anos, mudando-se para Paris a fim de se dedicar exclusivamente a estudos de filosofia social.
Socialista e marxista, fortemente influenciado por Marx e Proudhon, seguiu uma trajectória política muito peculiar. Teórico do Sindicalismo Revolucionário de extrema-esquerda, “namorou” no entanto durante algum tempo com a extrema-direita monárquica. Admirou Charles Maurras (1910) e depois Lenine (1917), que se situavam nos dois extremos do espectro político.
Entre as particularidades de Georges Sorel esteve a preocupação com os aspectos jurídicos do socialismo e com a violência, esta bem exaltada no seu mais célebre livro “Réflexions sur la violence” (1908). Sorel odiava a dominação burguesa e o parlamentarismo. Foi um autor muito controverso quanto à sua linha política, tendo algumas das suas ideias sido aceites tanto pelo fascismo (Mussolini) como pelos comunistas italianos (Gramsci), tendo influenciado igualmente os anarco-sindicalistas.
Nunca me tinha acontecido! - Meu mouse ficou a arder:

quinta-feira, 28 de agosto de 2008

"TicoTico" - Menina Prodígio Japonesa

EFEMÉRIDERobert Merle, escritor francês, nasceu em Tabessa, na Argélia, em 28 de Agosto de 1908. Morreu em França (Yvelines) no dia 27 de Março de 2004.
Estudou em Paris, para onde foi viver em 1918, licenciando-se em Filosofia e doutorando-se em Letras com uma tese sobre Óscar Wilde. Foi professor de liceu nos anos 1930 em Bordéus, Marselha e Neuilly-sur-Seine, onde conheceu Jean-Paul Sartre que ali ensinava filosofia.
Mobilizado em 1939, Robert Merle foi “agente de ligação” com as forças britânicas em Dunkerque, tendo sido depois feito prisioneiro pelos alemães. Ficou preso até 1943. No ano seguinte foi “Mestre de conferências de inglês” na Universidade de Rennes e professor até 1949. Foi colocado depois em Toulouse, Caen, Rouen, Alger e Nanterre, onde se encontrava quando do “Maio de 1968”.
Escreveu numerosos romances, muitos dos quais falam de episódios da guerra ocorridos após o seu cativeiro de 1940 a 1943. Alguns dos seus personagens são inspirados nos seus próximos e na sua vida pessoal.
Fim-de-semana em Zuydcoote„ recebeu o Prémio Goncourt de 1949 e foi adaptado ao cinema em 1964. Diversos outros romances tiveram igualmente adaptações cinematográficas.
É autor de treze romances históricos que abrangem o período 1547 a 1661 (Série Fortuna de França, publicada entre 1977 e 2003).
Escreveu ainda peças de teatro, ensaios críticos e livros sobre Óscar Wilde, Fidel Castro e Ben Bella, líder argelino. Traduziu alguns clássicos ingleses. Recebeu vários prémios literários, entre eles: o “Prémio da Fraternidade” em 1962, o “Prémio John Wood Campbell Memorial” em 1974 e o “Grande Prémio Jean Giono” em 2003, pelo conjunto da sua obra.

quarta-feira, 27 de agosto de 2008

"Strip" completo...

EFEMÉRIDEIra Levin, escritor, dramaturgo e autor de letras de canções norte-americano, nasceu em Nova Iorque no dia 27 de Agosto de 1929. Faleceu após ataque cardíaco, no seu domicílio em Manhattan, na mesma cidade, em 12 de Novembro de 2007.
Viveu sempre em Nova Iorque, não seguindo porém a carreira de seu pai que era fabricante de brinquedos. Muito cedo, aos quinze anos, decidiu que queria ser escritor.
Foi guionista da televisão e ganhou o Prémio Edgar Allan Poe, em 1953, com o primeiro romance “A Kiss Before Dying”. A sua obra mais conhecida é “O Bebé de Rosemary”, adaptada ao cinema pelo célebre realizador Roman Polanski.
Escreveu igualmente “Os Meninos do Brasil”, também adaptado ao cinema, num filme protagonizado por Laurence Olivier, Gregory Peck e James Mason. Escreveu vários livros de ficção científica e policiais.
Além dos já citados filmes, outros seis livros foram igualmente levados à tela.

"Capoeira" - sem fantasias...

terça-feira, 26 de agosto de 2008

EFEMÉRIDEAntoine Laurent de Lavoisier, químico, filósofo e economista francês, considerado o pai da Química moderna, nasceu em Paris no dia 26 de Agosto de 1743. Morreu na mesma cidade em 8 de Maio de 1794. Além de Química, estudou Botânica, Astronomia e Matemática, tendo-se licenciado também em Direito.
Primeiro cientista a enunciar o princípio da conservação da matéria, identificou e baptizou o oxigénio (1778), participando na reforma da nomenclatura química que serviu de base à química moderna.
É-lhe atribuída a célebre frase «Na Natureza nada se cria, nada se perde, tudo se transforma» que, no entanto, não seria da sua autoria mas sim do filósofo Anaxagore de Clazomènes, que viveu cinco séculos antes de Cristo.
A sua primeira publicação no domínio da química apareceu em 1764. Três anos depois trabalhou num estudo geológico da Alsácia e da Lorraine. Foi eleito membro da Academia das Ciências em 1768. O seu “Tratado Elementar de Química” (1789) é considerado o primeiro manual da química moderna.
Uma das mais importantes experiências de Lavoisier foi a determinação da natureza do fenómeno da combustão, que permitiu demonstrar que se trata dum processo que implica a combinação de uma substância com o oxigénio. Demonstrou igualmente o papel do oxigénio na respiração vegetal e animal, assim como na formação da ferrugem.
Estudou uma reforma do sistema monetário francês e participou no desenvolvimento da uniformização do sistema de pesos e medidas em toda a França.
O estudo das Leis levou-o a interessar-se pela política. Viveu porém na época em que começou a Revolução Francesa e acabaria por ser condenado pela mesma, pois era mal visto pela população que, por ele ser de uma família nobre e ter trabalhado como preceptor de impostos, achava que ele era um dos responsáveis pelo sistema corrupto que se abatia sobre o povo.
Em 17 de Setembro de 1793 foi instituída a Lei dos Suspeitos, que permitiu a criação de tribunais revolucionários para julgar possíveis traidores e punir os culpados com a pena de morte. Lavoisier foi guilhotinado e um matemático, seu contemporâneo, disse então que «Não chegaria um século para produzir uma cabeça igual àquela que tinham feito rolar num segundo».
Conta-se que, no momento em que o carrasco o veio buscar para a execução, Lavoisier estava a ler. Com um gesto mecânico, marcou a página com uma dobra num canto e fechou o livro…

segunda-feira, 25 de agosto de 2008

EFEMÉRIDE Friedrich Reinhold Kreutzwald, médico e escritor estoniano, considerado o pai da literatura nacional da Estónia, faleceu em Tartu no dia 25 de Agosto de 1882. Nascera em Kadrina, em 26 de Dezembro de 1803.
Só após a abolição da servidão dos estonianos em 1815, é que a família o pôde inscrever numa escola. Em 1820 concluiu os estudos secundários, trabalhando depois como professor primário. Em 1833 licenciou-se em Medicina na Universidade de Tartu, exercendo a profissão de médico até 1877.
Foi membro de várias sociedades científicas europeias e recebeu o título de Doutor Honoris Causa de muitas universidades estrangeiras.
Kreutzwald é autor de vasta obra, quase toda traduzida para a língua alemã. Além de romances, escreveu epopeias nacionais baseadas na história estoniana, antigos contos de fadas e também colecções de poesia, algumas só publicadas após a sua morte.
É considerado autor do primeiro livro originalmente estoniano, foi um dos líderes do despertar da consciência nacional e serviu de modelo às gerações mais jovens de intelectuais do seu país.

Horas sempre certas...

domingo, 24 de agosto de 2008

EFEMÉRIDEThomas Chatterton, poeta britânico, suicidou-se em 24 de Agosto de 1770, três meses antes de completar dezoito anos. Nascera em Bristol no dia 20 de Novembro de 1752. Ficou conhecido pelos seus poemas elaborados em estilo medieval.
Quando Thomas nasceu, já o pai tinha morrido. Começou muito cedo a tornar-se notado por não ser uma criança vulgar. Detestava brincar e passava horas em meditações, abstracções e choros, sendo considerado quase «um atrasado mental». A sua mãe, no entanto, reconheceu que se tratava justamente do oposto e ensinou-o a ler com a ajuda de uma Bíblia. Chatterton entusiasmou-se então pelas leituras, sobretudo de poesias vernáculas de escritores da idade média, interessando-se igualmente por heráldica, história, astronomia e teologia. Logo revelou também o seu talento para escrever e, aos onze anos, já colaborava no “Bristol Journal”.
Um oleiro prometeu-lhe uma bola em barro com uma inscrição à sua escolha. Quando esperava que Thomas lhe indicasse uma frase banal, ele pediu-lhe para que pintasse «um anjo com uma trombeta, para anunciar o seu nome ao Mundo».
Em 1768 publicou o poema “Elinoure and Juga”, dizendo que o autor era um monge do século XV chamado Thomas Rowley. Na realidade a poesia era sua, mas ele manteve a farsa “explicando” que tinha descoberto o manuscrito numa Igreja de Bristol. A obra teve sucesso e Chatterton publicou então “An Excelente Balade of Charitie e outros poemas de Rowley”, sem nunca assumir a sua autoria.
Em 1770 mudou-se para Londres com a intenção de dedicar a vida inteiramente à poesia e ao jornalismo. Escreveu algumas sátiras políticas, tanto em prosa como em verso, e ganhou notoriedade por ser capaz de imitar qualquer estilo literário. O talento não foi suficiente porém para lhe trazer o sucesso imediato que a sua ambição exigia. Vendo outras composições suas serem rejeitadas para publicação, sem meios de subsistência nem esperança num futuro melhor, envenenou-se com arsénico após ter passado alguns dias com fome. Tinha apenas dezassete anos.
Após a sua morte, o pseudónimo “Thomas Rowley” adquiriu credibilidade e tudo o que Chatterton escrevera foi publicado em 1777, com prefácio de um perito que acreditava na sua autenticidade. Rowley (que nunca existiu) chegou a aparecer como poeta medieval numa “História da Poesia Inglesa” em 1778. Chatterton só foi universalmente reconhecido como “inventor” do monge Rowley no século XIX. Os seus papéis, diversos recortes de jornais e o restante espólio pessoal estão actualmente no Museu Britânico.
Julga-se que a adopção de um pseudónimo e a invenção de uma falsa identidade foram um modo encontrado por Chatterton para ser “levado a sério, apesar da sua pouca idade”.

Caso para dizer: "Que grande buraco!"

sábado, 23 de agosto de 2008

EFEMÉRIDE Madeleine Riffaud, heroína da Resistência, escritora, poetiza, jornalista e correspondente de guerra francesa, nasceu em Paris no dia 23 de Agosto de 1924.
Ingressou na Resistência aos dezoito anos com o nome de código “Rainer”, participando em várias operações contra o ocupante nazi e tendo contribuído mesmo para a captura de sete soldados da Wehrmacht.
Depois da morte de um dos seus amigos matou um oficial das SS, tendo sido presa e torturada. Escapou uma primeira vez ao pelotão de execução e depois aos campos de exterminação alemães.
Responsável por um sector de estudantes do Bairro Latino (Paris), obedeceu à ordem de intensificar as acções armadas, o que a levou a executar em pleno dia um membro do exército ocupante. Capturada pela polícia francesa, foi libertada e retomou de imediato o seu combate até à Libertação de Paris.
Grande repórter do jornal “L’Humanité”, cobriu a Guerra da Argélia onde foi vítima de um atentado. Restabelecida, foi cobrir durante sete anos a Guerra do Vietname, do lado dos Vietcongue que estavam sob os bombardeamentos norte-americanos.
Regressada a França alistou-se como voluntária num hospital parisiense, experiência que a levou a escrever o best-seller “Les Linges de la nuit”.

sexta-feira, 22 de agosto de 2008

EFEMÉRIDERay Douglas Bradbury, escritor de romances, novelas e contos de ficção-científica americano, nasceu em Waukegan, no Illinois, em 22 de Agosto de 1920. Em 1934 a família fixou-se em Los Angeles, na Califórnia, onde ele fez os seus estudos secundários, continuando depois a estudar auto didacticamente.
Entre 1938 e 1942, vendeu jornais pelas ruas de Los Angeles para ganhar a vida. Em 1938/39 publicou numa revista de ficção científica o seu primeiro conto "Hollerbochen's Dilemma" e, em 1941, ganhou pela primeira vez dinheiro com a publicação de outro (“Pendulum").
Em 1942 enveredou definitivamente pela carreira literária e pelo seu futuro estilo, uma mistura de ficção científica, terror e suspense. Três anos mais tarde, um conto seu foi seleccionado como o melhor conto dos Estados Unidos (1945).
Em 1950 publicou “Crónicas Marcianas”, uma série de 26 contos que lhe deu definitivamente a fama. Em 1953 publicou “Fahrenheit 451”, obra adaptada ao cinema em 1966 por François Truffaut.
Fez guiões para vários filmes, escreveu poesia e, em 1954, ganhou o prémio The Benjamin Franklin, pelos seus contos.
Em 1967 ganhou um prémio da Academia de Escritores de Aviação Espacial com um artigo sobre o espaço e foi considerado um mestre entre os escritores americanos de ficção científica.
Nos anos 1980 foi contratado como consultor e criador pelo Centro Epcot da Disneylândia e colaborou igualmente com a Euro Disney em França. Actualmente escreve para o cinema e para a televisão. Grande parte da sua obra tem sido adaptada ao cinema, rádio, televisão, teatro e banda desenhada.
Ray Bradbury não gosta de ser considerado como escritor de ficção científica. Diz ele que é simplesmente um narrador do “fantástico” e do irreal. Considerado uma estrela internacional teve direito a uma placa com o seu nome no Hollywood Boulevard.

quinta-feira, 21 de agosto de 2008

Jogos Olímpicos de Pequim - Uma medalha de Prata (Vanessa) e outra de Ouro (Nelson) para Portugal

É disto que o Benfica precisa!...

EFEMÉRIDERaul Santos Seixas, cantor e compositor brasileiro, pai do “rock-and-roll” no seu país, faleceu em São Paulo no dia 21 de Agosto de 1989. Nascera em Salvador da Bahia, em 28 de Junho de 1945, tendo vivido portanto apenas 44 anos.
“Devorando” livros da biblioteca de seu pai, obteve uma cultura muito superior à que era adquirida nas escolas. Esteve sempre vários anos adiantado em relação à sua época.
Desenvolveu o seu interesse musical ouvindo rádio, acompanhando os sucessos de Luiz Gonzaga e ouvindo os “matutos” nordestinos. Mais tarde tornou-se fã de Elvis Presley, assistindo aos seus filmes e ouvindo vários clássicos do rock dos anos 1950/60.
Formou conjuntos com os quais fez vários shows, sendo convidado em 1967 para gravar um disco no Rio de Janeiro que foi um fracasso. Voltou ao Rio nos anos 1970, contratado por outra editora discográfica. Em 1972 participou no Festival Internacional da Canção, promovido pela Rede Globo, conseguindo a classificação de duas músicas suas, o que lhe valeu grande projecção nacional. Um ano mais tarde ingressou na Philips e conquistou finalmente o verdadeiro sucesso.
Em 1974, por questões políticas, foi preso e torturado pela DOPS, vendo-se obrigado a procurar exílio nos Estados Unidos, onde conheceu pessoalmente Elvis e John Lennon. Voltou ao Brasil devido ao êxito de um seu LP que lhe rendeu um “Disco de Ouro”.
No início da década 1980, começou a ter problemas de saúde causados pelo consumo de álcool e foi internado num hospital.
Conheceu ainda o sucesso com os dois discos seguintes e com a publicação do livro “As Aventuras de Raul Seixas na Cidade de Thor”, mas as portas começaram a fechar-se-lhe devido ao alcoolismo e a sucessivos internamentos. Em 1985, fez um show no Estádio Lauro Gomes, na cidade de São Caetano do Sul, só tendo voltado a pisar um palco em 1988.
Assinou um contrato com a “Copacabana/EMI” em 1986, gravando um disco que foi um grande sucesso e que o levou a estar presente em programas de televisão como o “Fantástico”. Em 1988, já sozinho, separado da sua 5ª companheira, fez o último álbum a solo (A Pedra do Génesis) e alguns shows em Salvador.
O seu último disco em vida foi feito em parceria com Marcelo Nova, intitulado "A Panela do Diabo", lançado dois dias antes da sua morte. O seu corpo foi encontrado às oito da manhã pela empregada. O álcool ingerido, agravado pelo facto de ser diabético e não ter tomado insulina na noite anterior, causaram-lhe uma pancreatite aguda fulminante. "A Panela do Diabo" valeu-lhe um Disco de Ouro a título póstumo.
Após a sua morte foram publicados ainda vários álbuns. A sua penúltima mulher, Kika, publicou também um livro do cantor (O Baú do Raul), baseado nos diários que ele escrevera desde os seis anos de idade até à sua morte.
Raul Seixas foi pioneiro na mistura de vários tipos de música com o rock-and-roll, acrescentando-lhe ritmos nordestinos, folk ao estilo de Bob Dylan e música “brega”. As suas letras abordavam sobretudo sentimentos humanos, críticas ao sistema, esoterismo e agnosticismo.

domingo, 17 de agosto de 2008

Nem sempre o que parece é...

Sempre de olhos bem abertos
- Com a força de viver –
Fico a dever aos meus netos
- Um suave envelhecer –



NB - Menção Honrosa nos 38ºs Jogos Florais Internacionais de Nossa Senhora do Carmo - 2008 (Fuseta)



Einstein mas... se se afastar da imagem verá M. Monroe, que tal?

Vantagens do Cinto de Segurança...

Franqueza e Honestidade

Don da palavra e facilidade de improvisação...

Arquivo do blogue

Acerca de mim

A minha foto
- Lisboa, Portugal
Aposentado da Aviação Comercial, gosto de escrever nas horas livres que - agora - são muito mais...