quarta-feira, 31 de dezembro de 2003

«Porque infelicidade nos terá cabido a desdita não só de sermos a geração cobaia dos trabalhos em grupo no liceu – espécie de embrião das futuras reuniões –, como termos de viver num tempo em que reunir-se é uma actividade a tempo inteiro?» Helena Matos (jornalista)

«Pode (-se) andar em Nova Iorque às 3 da manhã, por qualquer lado? Aqui, (em Bagdad), pode!» Sami (iraquiano, casado com uma portuguesa – antes da intervenção americana)

«Uma mão vazia não tem nada para dar»provérbio árabe

«Sem esperança, já se está morto antes de ter morrido» - Layla Yussuf Pio (antiquária de Bagdad)

«Mais valia ter inventado uma máquina de cortar relva…» - Mikhail Kalashnikov (inventor)

«Já não somos macacos, mas talvez ainda não sejamos seres humanos. Se não acreditamos que isso possa vir a acontecer um dia, pois então que venha o holocausto nuclear ou bacteriológico e que se acabe com esta merda que se chama mundo» - José Saramago (escritor, prémio Nobel)

«Nem uma montanha poderia suportar a dor que sinto» - Ali Abbas (criança de 12 anos, vítima dos bombardeamentos americanos no Iraque)

«Os Estados Unidos pensam primeiro neles, segundo neles, terceiro neles e, se sobrar tempo, pensam neles outra vez» - Lula da Silva (Presidente brasileiro)

«Estamos no tempo em que as palavras mudam tão rapidamente de sentido como as pessoas de sexo e os políticos de programa» - Alfredo Farinha (Jornalista)

«O Público, como todos os soberanos, comos os reis, os povos e as mulheres, não gosta que se lhes diga a verdade» - Alexandre Dumas (Escritor)

«Imobilizarmo-nos é aceitar a servidão» - Goethe (Escritor)

«Patrão português bom é aquele que paga. Porque explorar todos exploram» - José Costa (Imigrante Brasileiro)



terça-feira, 30 de dezembro de 2003

A ÁGUIA

« A Águia é a ave que possui a maior longevidade da espécie: chega a viver cerca de 70 anos.
Porém, para chegar a essa idade, aos 40 anos, ela precisa tomar uma séria e difícil decisão.
Aos 40 anos, as suas unhas estão compridas e flexíveis e já não conseguem mais agarrar as presas com que se alimenta.
O bico alongado e pontiagudo se curva.
Apontando contra o peito estão as asas, envelhecidas e pesadas, em função da grossura das penas, e voar aos 40 anos, já é bem difícil!
Nessa situação, a Águia só tem duas alternativas:
Deixar-se morrer... Ou... Enfrentar um dolorido processo de renovação que irá durar 150 dias!
Esse processo consiste em voar para o alto de uma montanha e lá recolher-se, num ninho, que esteja próximo a um paredão.
Um lugar de onde, para retornar, ela necessite dar um voo firme e pleno.
Ao encontrar esse lugar, a Águia começa a bater o bico contra a parede até conseguir arrancá-lo, enfrentando corajosamente a dor que essa atitude acarreta.
Espera que nasça um novo bico, com o qual irá arrancar as suas velhas unhas.
Com as novas unhas ela passará a arrancar as velhas penas.
E só após cinco meses, "renascida", sai para o famoso voo de renovação, para viver, então, por mais 30 anos.

Muitas vezes, em nossas vidas, temos que nos resguardar, por algum tempo, e começar um processo de renovação.
Devemos desprender-nos das más lembranças, maus costumes e outras situações que nos causam dissabores, para que continuemos a voar.
Um voo de vitória.
Somente quando livres do peso do passado (pesado), poderemos aproveitar o resultado valioso que uma renovação sempre traz.
Destrua, pois, o Bico do ressentimento, arranque as Unhas do medo, retire as Penas de maus pensamentos das suas asas e alce um lindo voo para uma nova vida.
Um Voo de Vida Nova e Feliz!
»

(autor desconhecido)
****************************************
gabrieldesousa@megamail.pt

domingo, 28 de dezembro de 2003

A Força do Direito
Por FREI BENTO DOMINGUES, O.P.

«Público» Domingo, 28 de Dezembro de 2003

«No plano internacional, a grande depressão resulta da "chaga do terrorismo". Não se deve identificar com a guerra no Iraque, onde os próprios norte-americanos morrem e se suicidam a um ritmo superior ao do Vietname.

Esta guerra encobre várias outras. Saddam deve ter agora - passadas quase duas décadas - muito que conversar com Donald Rumsfeld. Nos anos 80 do século passado, este enviado do Presidente Ronald Reagan selou com o sanguinário ditador um acordo de cooperação militar para impedir uma derrota de Bagdad na guerra contra o Irão. Os norte-americanos gastaram milhões de dólares em crédito, equipamentos militares, armas químicas e biológicas, informação permanente sobre as movimentações das tropas iranianas.

E, agora, não foram as armas de destruição maciça nem qualquer ligação de Saddam com os terroristas da Al-Qaeda nem o santo propósito de libertar o Iraque de uma ditadura cruel e assassina que moveram os EUA a destruir e ocupar um país sorteado agora entre as empresas de reconstrução. O Iraque foi invadido porque é um dos países mais estratégicos para dominar o Próximo Oriente.

Mas a questão de fundo já não está aí, porque é inevitável a pergunta: e quando os interesses dos norte-americanos na região não coincidirem com os interesses da maioria xiita e da minoria sunita?

Os interesses e a vontade dos EUA - enquanto única hiperpotência mundial - não podem continuar a ser a única lei e o único "tribunal" internacional que eles reconhecem.
»

Com a devida vénia e sem comentários. Comentários para quê? Se o Bush é um grande artista…

sábado, 27 de dezembro de 2003

RECEITA DE ANO NOVO

Para você ganhar belíssimo Ano Novo
cor do arco-íris, ou da cor da sua paz,
Ano Novo sem comparação com todo o tempo já vivido
(mal vivido talvez ou sem sentido).
Para você ganhar um ano
não apenas pintado de novo, remendado às carreiras,
mas novo nas sementinhas do vir-a-ser;
novo
até no coração das coisas menos percebidas
(a começar pelo seu interior)
novo, espontâneo, que de tão perfeito nem se nota,
mas com ele se come, se passeia,
se ama, se compreende, se trabalha,
você não precisa beber champanhe ou qualquer outra birita,
não precisa expedir nem receber mensagens
(planta recebe mensagens?
passa telegramas?).
Não precisa
fazer lista de boas intenções
para arquivá-las na gaveta.
Não precisa chorar arrependido
pelas besteiras consumidas
nem parvamente acreditar
que por decreto de esperança
a partir de Janeiro as coisas mudem
e seja tudo claridade, recompensa,
justiça entre os homens e as nações,
liberdade com cheiro e gosto de pão matinal,
direitos respeitados, começando
pelo direito augusto de viver.
Para ganhar um Ano Novo
que mereça este nome,
você, meu caro, tem de merecê-lo,
tem de fazê-lo novo, eu sei que não é fácil,
mas tente, experimente, consciente.
É dentro de você que o Ano Novo
cochila e espera desde sempre.


Carlos Drummond de Andrade

*****************************************
gabrieldesousa@megamail.pt

quarta-feira, 24 de dezembro de 2003

INTERNET:

Do site http://www.wordreference.com/ pode descarregar-se um programazito que permite, ao navegar na Internet, ter a tradução imediata de qualquer vocábulo.
Basta cliquar duas vezes na palavra e depois voltar a cliquar com o botão direito do rato. Abre-se uma janela, onde se pode pedir a tradução imediata com o dicionário que se escolheu ao instalar o programa. Infelizmente ainda não tem português, mas tem de inglês para francês ou espanhol o que, por vezes, já facilita.
-----------------------------------------------------------
Divirta-se, visitando o site http://www.lebonze.co.uk/stuff/move.htm. Vale a pena!

******************************************
gabrieldesousa@megamail.pt

terça-feira, 23 de dezembro de 2003

BUROCRACIAS E LUVAS…

Um dia o Senhor chamou Noé da Silva e ordenou-lhe:
"Dentro de seis meses farei chover ininterruptamente durante 40 dias e 40 noites, até que todo o Portugal seja coberto pelas águas. Os maus serão destruídos, mas quero salvar os justos e um casal de cada espécie animal.
Vai e constrói uma arca de madeira".
No tempo certo, os trovões deram o aviso e os relâmpagos cruzaram o céu.
Noé da Silva chorava, ajoelhado no quintal de sua casa, quando ouviu a voz do Senhor soar, furiosa, entre as nuvens: "Onde está a arca, Noé?"
"Perdoai-me, Senhor" - suplicou o homem. - "Fiz o que pude, mas encontrei dificuldades imensas. Primeiro tentei obter uma licença da Câmara Municipal, mas para isto, além das altas taxas para obter o alvará, pediram-me ainda uma contribuição para a campanha da reeleição dos Presidentes de Câmaras. Como precisava de dinheiro, fui aos bancos e não consegui empréstimos, mesmo aceitando aquelas taxas de juros. Afinal, nem teriam mesmo como me cobrar depois do dilúvio.
Depois veio o Corpo de Bombeiros exigir um sistema de prevenção de incêndio e alguma ajuda para a compra de uns helicópteros, mas consegui contornar, subornando um funcionário. Começaram então os problemas com a extracção da madeira nas áreas ardidas. Eu disse que eram ordens "Suas" mas eles só queriam saber se eu tinha "projecto de reflorestamento" e um tal de "plano de manejo".
Neste meio tempo a Quercus descobriu também uns casais de animais guardados em meu quintal. Além da pesada multa, o fiscal falou em "prisão inafiançável" e acabei por ter que matar o fiscal, pois para este crime a lei é mais branda.
Quando resolvi começar a obra na praça, apareceu a Fiscalização, que me multou porque eu não tinha um engenheiro naval responsável pela construção.
Depois, apareceu o Sindicato exigindo que eu contratasse seus marceneiros que ficaram desempregados com este Governo e com garantia de emprego por um ano.
Veio em seguida o Fisco, acusando-me de "sinais exteriores de riqueza" e também me multou.
Finalmente, quando a Secretaria de Estado do Ambiente pediu o Relatório de "Impacto Ambiental" sobre a zona a ser inundada, mostrei o mapa de Portugal. Aí quiseram internar-me num hospital psiquiátrico!"

Noé da Silva terminou o relato chorando mas notou que o céu clareava.
- "Senhor, então não vais mais destruir Portugal?"
- "Não!" - respondeu a voz entre as nuvens - "Pelo que ouvi de ti, Noé, cheguei tarde! Alguém já se encarregou de fazer isso antes de mim"

segunda-feira, 22 de dezembro de 2003

PARA SORRIR:

Não roube! - O governo detesta a concorrência...

Um jovem lamenta-se a um amigo:
- A minha vida é uma porcaria: o meu pai está preso, a minha mãe embebeda-se, a minha irmã prostitui-se, o meu irmão é drogado. A única coisa positiva que eu tenho na vida é o teste da SIDA.

Numa sapataria, uma senhora esteve uma tarde toda para escolher uns sapatos e acaba por dizer ao empregado:
- Estes sapatos são muito antigos!
- Claro, minha senhora; estavam na moda quando a senhora começou a experimentá-los!


- Está lá? É da TAP?
- É sim. Faz favor de dizer.
- Podia informar-me quanto tempo demora um avião de Lisboa a Nova Iorque?
- Um minuto - diz o empregado, preparando-se para consultar o horário.
- Muito obrigado. Nunca pensei que fosse tão rápido.


****************************************
gabrieldesousa@megamail.pt

domingo, 21 de dezembro de 2003

PENSAMENTOS (para sorrir) …

... Evite uma vida sedentária: Beba água!

... Quer um Chokito? Então ponha o dedo na tomadita!

... A esperança e a sogra são sempre as últimas a morrer.

... Um chato nunca perde o seu tempo. Perde o dos outros.

... Há muitas coisas mais importantes que o dinheiro, mas são tão caras!

... Uma avó é uma babysitter que olha para as crianças e não para televisão.

... Mais vale um cabelo na cabeça que dois no pente.

… Evite os vírus... Ferva o computador antes de usar!

... O homem nasce, cresce, apaixona-se, fica burro e casa.

... HALOGÉNIO: Forma de cumprimentar os génios.

... "To beer or not to beer" - ShakesBeer

... Vendu baratto. Virificadore ortografico IBM. Muito boum.

... Tudo na vida é passageiro, excepto o cobrador e o motorista.

**********************************************
gabrieldesousa@megamail.pt

sexta-feira, 19 de dezembro de 2003

QUANDO UM DIA ME LERES... (ao meu neto de 5 anos)

Nos últimos anos, por todo o mundo, assistiu-se ao desenvolvimento da ciência em todas as suas vertentes, ao mesmo tempo que a cidadania entrava em crise profunda.
Cada um só olha para si, para os seus problemas... Fazendo apenas aquilo que é seu dever/obrigação ( e nem sempre... ), o homem negligencia paradoxalmente os seus direitos e não usufrui portanto da essência total da cidadania.
A cidadania não tem aliás um conteúdo fixo : tem o seu significado original, a que se vem acrescentando uma longa série de traços, segundo a evolução social ao longo dos tempos.
Juridicamente, cidadania pode ser definida como o usufruto dos direitos cívicos ligados à nacionalidade. Dispomos por exemplo do direito de votar e ser eleitos, e igualmente estamos submetidos a determinados deveres, normalmente consagrados em leis.
A definição de cidadania está ligada à ideia de nacionalidade e de democracia, mas até isto está a mudar. Fala-se já em «cidadania europeia» e em «cidadãos do mundo»...

Quando me leres, João, talvez eu já cá não esteja. Gostaria que compreendesses que a Cidadania está dentro de nós e não basta ser decretada por lei. É dentro de nós próprios que temos de encontrar os recursos para a transformar numa coisa viva.
Posso dar-te alguns exemplos : todos sabemos que devemos seguir determinadas regras de civismo, mas não basta sabê-lo. É necessário praticá-lo. Todos temos de trabalhar, mas não unicamente para receber o salário ao fim do mês. Devemos trabalhar com entusiasmo e interesse... Dar o nosso melhor e, claro, paralelamente com esse dever, exercer o direito de reclamar as condições necessárias para a sua prática, bem assim como a sua justa remuneração. Não esquecer que a cada direito, corresponde quase sempre um dever.
Temos o direito de expor as nossas razões, mas temos o dever de o fazer de modo correcto. Temos o direito de falar, mas temos o dever de saber escutar e respeitar os outros. Devemos usufruir da nossa liberdade, mas devemos saber onde começa a liberdade dos outros.
Quando há eleições, sejam elas quais forem, temos o direito de votar, mas temos o dever de o fazer mesmo, de exercer efectivamente este direito de cidadania.
Quando há algo que não está bem no nosso prédio, na nossa cidade, no nosso País, no Mundo, temos o direito de o apontar, mas temos o dever de, dentro das nossas possibilidades, fazer algo para mudar a situação.
Exercer o direito de cidadania, obriga-nos ao dever de cooperar, cada um no âmbito da sua actividade e na medida das suas possibilidades. A começar por nós, no nosso condomínio, na nossa autarquia, no nosso País e continuando, se possível, pela Europa e pelo Mundo.
No mundo global em que vivemos, tudo diz respeito a todos. Abstenção é desinteresse, abandono e egoísmo...

Saibas tu, João, exercer a tua cidadania! Lembra-te do avô quando leres este texto e contribui para melhorar a Vida. Ela não se esgota em nós próprios. Diz respeito a todos os que nos rodeiam. Quanto maior for o círculo em que tentares actuar, melhor cidadão serás. Nunca esqueças os teus direitos ( e utiliza todos os modos legais para os manter ou conquistar), mas sobretudo não ignores os deveres que tens para contigo e para com os outros!

*******************************************
gabrieldesousa@megamail.pt

quinta-feira, 18 de dezembro de 2003

CUIDADO!

Um homem trocou as ruas cheias de neve de Chicago por umas
férias na ensolarada Florida. A esposa viajava em negócios e estavam a planear encontrar-se no dia seguinte.
Ao chegar ao hotel, resolveu mandar um e-mail para a mulher.
Como não encontrou o papelinho em que tinha apontado
o endereço do e-mail dela, tirou da memória o que se lembrava
e torceu para que este estivesse certo.
Infelizmente enganou-se numa letra, e a mensagem foi
enviada a uma senhora, cujo marido havia falecido no dia anterior.
Quando ela foi verificar os seus e-mails, deu um grito de
profundo horror e caiu dura e morta no chão.
Ao ouvir o grito, a família correu para o quarto e leu o seguinte
no ecrã do monitor:
"Querida esposa, Acabei de chegar. Foi uma longa viagem.
Apesar de só estar aqui há poucas horas, já estou a gostar
muito. Falei aqui com o pessoal e está tudo preparado para
a tua chegada amanhã. Tenho a certeza de que tu também
vais gostar... Beijos do teu eterno e amoroso marido.

PS: Aqui esta um calor infernal!!"

****************************
gabrieldesousa@megamail.pt

terça-feira, 16 de dezembro de 2003

LENÇOL SUJO:

Um casal, recém-casado, mudou-se para um bairro muito tranquilo.
Na primeira manhã que passavam na casa, enquanto tomavam café, a mulher reparou, através da janela, numa vizinha que pendurava lençóis na corda da roupa e comentou para o marido:
- Que lençóis sujos ela está pendurando à janela!
- Está a precisar de um sabão novo. Se eu tivesse intimidade com ela perguntava-lhe se queria que eu lhe ensinasse a lavar a roupa!

O marido observou calado.
Alguns dias depois, novamente, durante o café da manhã, a vizinha pendurava lençóis à janela e a mulher comentou para o marido:
- A nossa vizinha continua a pendurar os lençóis sujos! Se eu tivesse intimidade com ela, oferecia-me para lhe ensinar a lavar a roupa!
E assim, a cada dois ou três dias, a mulher repetia o seu discurso, enquanto a vizinha pendurava as suas roupas.
Passado um tempo a mulher surpreendeu-se ao ver os lençóis muito brancos e, empolgada, foi dizer ao marido:
- Olha, ela aprendeu a lavar a roupa, ou será que outra vizinha a ensinou?
O marido calmamente respondeu:
- Não, hoje eu levantei-me mais cedo e lavei os vidros da nossa janela!
É assim...
Tudo depende da janela, através da qual observamos os factos.
Antes de criticar, verifique os seus próprios defeitos e limitações. Olhe, antes de tudo, para a sua própria casa, para dentro de você mesmo. Lave a sua vidraça. Abra a sua janela.

*************************************
gabrieldesousa@megamail.pt

segunda-feira, 15 de dezembro de 2003

PARA SORRIR:

Conheceram-se. Casaram-se. Ela tinha um terrível mau hálito, ele transpirava horrivelmente dos pés. Aproximaram-se um do outro.
Ela, encostando a boca o mais perto que podia do nariz dele, exclamou:
- Querido, tenho uma coisa a confessar-te.
Ele, sentindo o bafo fétido que aquelas palavras transportavam, aproveitou para retorquir:
- Já sei. Engoliste as minhas peúgas!

Aquele homem não podia com a sua vida familiar. A mulher arreliava-o, os filhos arreliavam-no, e até uma vez por outra apareciam em casa umas tias da mulher, solteironas, que também o aborreciam. Veio a guerra, e ele foi mobilizado.
- Ah! - Exclamou –. Vou finalmente viver em paz!...

- Agora sim! Estou satisfeito! Apetece-me gritar! Graças ao 25 de Abril já tenho um partido!
A mulher: - Ó homem, está calado. Se te pões para aí a gritar ainda te partem o outro.

Num inquérito que andavam a fazer, perguntam a um marinheiro:
- Quando chega a casa depois de uma viagem de vários meses, qual é a primeira coisa que faz quando chega a casa?
- Faço amor com a minha mulher!
- E a seguir? E a seguir?
- Ponho as malas no chão!

****************************************
gabrieldesousa@megamail.pt

sábado, 13 de dezembro de 2003

PARA SORRIR:

A esposa:
- Ó Fernando! Ajuda-me a calar o bebé! Ele é tanto meu como teu!
O marido (virando-se para o outro lado cheio de sono):
- Cala a tua metade e deixa chorar a minha.

Uma senhora entra numa lavandaria e diz:
- Veja este trabalho! Foi lavado aqui!
- Não sei o que tem a dizer: o guardanapo está limpinho!...
- Guardanapo!? Isto era um lençol!!

Um advogado recém-formado abriu um escritório num luxuoso prédio no centro da cidade. Depois de alguns dias, irritou-se com a falta de clientes.
Finalmente viu um homem entrar e rapidamente pegou no telefone, fingindo estar a falar com alguém:
- Ah, foi? E o que é que lhe disseram? Que somos os melhores? Bom, talvez tenham exagerado um pouco. Muito bem, mas não vamos comparecer na sala de tribunal; confiamos esses assuntos à nossa equipa de auxiliares. Está tudo providenciado. Pode deixar que uma das nossas secretárias se ocupará do assunto.
O advogado desligou e voltou-se para o homem.
- Em que posso servi-lo?
- Em nada. Sou técnico da Telecom e vim ligar o telefone.

Um miúdo entra num talho e pergunta:
- O senhor tem pés de porco?
- Tenho, sim senhor!
- Coitado! Então deve custar-lhe muito andar!

O Joãozinho entra em casa a correr e mostra ao pai um canivete novo que achou na rua.
- Mas tens a certeza que foi perdido? - Pergunta o pai.
- Foi perdido foi, que eu bem vi o homem à procura dele.

O pequeno Zézito diz ao pai:
- Pelo Natal, gostaria de ter um revólver verdadeiro!
- O quê!? - Rezingou o pai - tu és doido, ou quê?
- Quero um revólver verdadeiro! Quero um revólver verdadeiro! - Choraminga o Zézito.
- Basta - ralha o pai - quem é aqui o dono da casa?
Diz o Zézito, com fleuma:
- És tu, mas se eu tivesse um revólver verdadeiro...

sexta-feira, 12 de dezembro de 2003

SABIAM?


Sabem qual é o animal mais infeliz do Mundo?
- É o boi! Porque passa uma vida inteira com um par de cornos e depois de morto ainda lhe chamam vaca!

Sabem qual é a semelhança entre Adão e uma couve?
- É que Adão foi o primeiro homem qu'houve.

Sabem o que é que anda na floresta, tem duas mamas e 14 testículos?
A Branca de neve e os setes anões!

Sabem porque é que a água do mar é salgada?
- Porque tem lá o bacalhau dentro!

Sabem porque é que os chineses são amarelos?
- Porque mijam contra o vento!...

Sabem como é que os ouriços-cacheiros se reproduzem?
- Muito devagarinho e com muito cuidado!

Sabes como é que se mantêm as pessoas em suspense?
- Depois eu conto!

Sabem qual é o cúmulo do macaco?
- Tirar um homem do nariz.

Sabem qual é o cúmulo da estupidez?
- Assinar cartas anónimas.

Sabes o que a manteiga diz para o pão quente?
- Quando passo por ti derreto-me

Sabes o que o fósforo diz para a caixa?
- Quando me roço por ti perco a cabeça

Sabem o que diz a chave para a fechadura?
- Oi gata! Vamos dar uma volta?...

************************************

gabrieldesousa@megamail.pt

quarta-feira, 10 de dezembro de 2003

REFORMAS:

Depois de legislar sobre a reforma dos outros, seria bom que o Governo e o Parlamento revogassem o privilégio que têm os deputados de obter uma reforma após oito anos, repito 5 anos, de serviço e independentemente da idade… Certo?


CURIOSIDADES (para sorrir):

Havia uma mulher que tinha os dentes tão amarelos, tão amarelos, que sempre que sorria o trânsito abrandava.

Havia um indivíduo tão preguiçoso, mas tão preguiçoso, que todos os dias se levantava às 5 da manhã para estar mais tempo sem fazer nada!

Havia um velhinho, tão velhinho, que já não tinha espermatozóides, tinha espermatossauros!

Havia um anão tão baixo, tão baixo, que quando lhe doíam os calos, pensava que lhe doía a cabeça.

Havia uma mulher tão beata, tão beata, que o padre... fumou-a!

Havia um homem que tinha uma boca tão grande que cada vez que queria dizer 100, tinha de fechar metade, senão dizia 200...

Havia um homem tão magro, mas tão magro, que quando usava gravata ela ficava-lhe larga nos ombros!

Havia um homem tão alto, tão alto, que quando comia um iogurte ele chegava ao estômago já fora do prazo!

**************************
gabrieldesousa@megamail.pt

terça-feira, 9 de dezembro de 2003

POESIA & MULHER ALENTEJANA:


MULHER ALENTEJANA (quadras)

Na planície abrasadora
Com um aroma a poejo
Corajosa e sofredora
A Mulher do Alentejo

Voz molemente cantando
A Mulher do Alentejo
Suave trigo ondulando
Com a doçura dum beijo

Em Baleizão Catarina
Tua coragem revejo
No corpo duma menina
A Mulher do Alentejo

Dobrada no seu mondar
Suporta qualquer gracejo
Sorri e volta a cantar
A Mulher do Alentejo

Ver a mulher a ceifar
Debaixo daquele sol quente
É ouvir Povo a cantar
Naquele tom tão dolente



MULHER DO ALENTEJO (décimas)

1

Cedo aprendes a sofrer
Trabalhando sol a sol
És acusada de mole
Mas não é fácil viver
Sob um calor de arder
Sempre pronta para gracejo
A disfarçar o desejo
De ser feliz e cantar
Levando o dia a ceifar
A Mulher do Alentejo

2

Debruçada sobre o chão
A mondar ou a sachar
Cedo aprendes a lavrar
A ceifar até mais não
Sem sentires a exaustão
O trigo é tua paixão
Pois dele há-de nascer pão
Com teu dolente cantar
Cantas para disfarçar
Leva mais longe a razão

3

Companheira alentejana
Lutadora incansável
Cara e sorriso amável
Queremos a tua gana
E tua lei espartana
Hás-de cumprir teu desejo
De honrar o Alentejo
Ainda um tempo a sofrer
Uma lágrima a correr
Nas canseiras em sobejo

4

Em todo o lado eu te vejo
A azeitona apanhar
Que bom azeite vai dar
E ouço o teu solfejo
Oh mulher do Alentejo
Vencerá tua razão
Tu que lutas com paixão
Como Catarina és mãe
Tens a coragem de quem
Constrói direitos e pão


NB: - Décimas, com mote «A Mulher do Alentejo / leva mais longe a razão / nas canseiras em sobejo / constrói direitos e pão.» de Jorge Marques.



MULHER ALENTEJANA (poesia)

Desde que de ti há memória
Tens sido sofredora e corajosa…
Já Catarina Eufémia,
Com um filho nos braços
E outro no ventre,
Nem por um minuto sequer imaginou
Recuar perante o agressor.
Não se serviu dos filhos como escudo
(Eles faziam parte do próprio corpo…
Eles faziam parte da própria vida…).
Os tiros soaram e ecoaram pelo País
E o seu sangue empapou a terra
Que a vira nascer, viver e sofrer.

A Mulher do Alentejo,
Sob o sol escaldante da planície
Ou no Inverno mais rigoroso,
Tem sempre a face molhada
Ou pelo suor ou pelas lágrimas.
Na ceifa ou na monda,
Na apanha da azeitona
Ou nas tarefas da vida moderna,
Ela está sempre na primeira linha.

Muitas vezes consegue cantar
Enquanto o coração está a sangrar.
Por tudo isto te admiro
Mulher do Alentejo:
Sabes repartir o teu calor humano,
És calma mas rebelde,
És trabalhadora sem igual.
Mesmo em condições adversas,
És o orgulho de Portugal.


Gabriel de Sousa

segunda-feira, 8 de dezembro de 2003

CITANDO UM TEXTO DE SÍLVIA SCHMIDT:

Nunca, jamais!

Nunca se julgue velho demais
para comemorar aniversários nem
para fazer coisas que você sempre fez.

Nunca desista dos seus sonhos
só porque imagina que eles nunca
se tornarão realidade.

Nunca esqueça o som de uma
boa gargalhada ou do amor visto
nos olhos de alguém.

Nunca troque prazeres por
más lembranças de coisas que já
se perderam no tempo.

Nunca jogue fora o seu entusiasmo
pela Vida, crendo que está velho
demais para isso, pois não é o que
você sente, mas sim o que lhe disseram.

Há um profundo vale dentro de nós
onde a primavera é eterna, onde
não há sons de tristeza e onde
os pássaros sempre cantam.

Mesmo que os seus passos já
não sejam tão largos quanto os
passos de um adolescente,
mesmo que lhe pareçam muito
diferentes as coisas que antes você
enxergava de outra forma,
não deixe a soma das décadas
transformá-lo num ser amargo e
sem esperanças.

Com a idade cresce nossa sabedoria
e ela é uma bênção para todos nós.
Exiba os anos vividos como quem
carrega um estandarte, girando-o
brilhantemente em direcção do sol.


domingo, 7 de dezembro de 2003

CURIOSIDADES - «FELIZ NATAL» EM VÁRIAS LÍNGUAS:


África: Rehus-Beal-Ledeats
Arábia: Idah Saidan Wa Sanah Jadidah
Argentina: Feliz Navidad
Arménia: Shenoraavor Nor Dari yev Pari Gaghand
Brasil: Boas Festas e Feliz Ano Novo
Bulgária: Tchestita Koleda; Tchestito Rojdestvo Hristovo
Chile: Feliz Navidad
China: (Cantonese) Gun Tso Sun Tan'Gung Haw Sun
Colombia: Feliz Navidad y Próspero Año Nuevo
Coreia: Sung Tan Chuk Ha
Croácia: Sretan Bozic
Eslováquia: Sretan Bozic ou Vesele vianoce
EUA, Inglaterra e países de língua inglesa: Merry Christmas
Filipinas: Maligayan Pasko!
França: Joyeux Noel
Grécia: Kala Christouyenna!
Holanda: Vrolijk Kerstfeest en een Gelukkig Nieuwjaar!
Hungria: Kellemes Karacsonyi unnepeket
Indonésia: Selamat Hari Natal
Iraque: Idah Saidan Wa Sanah Jadidah
Irlanda: Nollaig Shona Dhuit, or Nodlaig mhaith chugnat
Itália: Buone Feste Natalizie
Japão: Shinnen omedeto. Kurisumasu Omedeto
Jugoslavo: Cestitamo Bozic
Latim: Natale hilare et Annum Faustum!
Lituânia: Linksmu Kaledu
Macedónia: Sreken Bozhik
Noruega: God Jul, ou Gledelig Jul
Papua Nova Guiné: Bikpela hamamas blong dispela Krismas na Nupela yia i go long yu
Perú: Feliz Navidad y un Venturoso Año Nuevo
Polónia: Wesolych Swiat Bozego Narodzenia ou Boze Narodzenie
Portugal: Feliz Natal
Roménia: Sarbatori vesele
Rússia: Pozdrevlyayu s prazdnikom Rozhdestva is Novim Godom
Sérvia: Hristos se rodi
Tailândia: Sawadee Pee Mai
Turquia: Noeliniz Ve Yeni Yiliniz Kutlu Olsun
Ucrânia: Srozhdestvom Kristovym
Vietname: Chung Mung Giang Sinh

*********************************

gabrieldesousa@megamail.pt

(escreva-me! colabore!!)

sábado, 6 de dezembro de 2003

TEXTO RECEBIDO POR E-MAIL:

«Em cada 100 euros que o patrão paga pela minha força de trabalho, o Estado, e muito bem, tira-me 20 euros para o IRS e 11 euros para a Segurança Social. O meu patrão, por cada 100 euros que paga pela minha força de trabalho, é obrigado a dar ao Estado, e muito bem, mais 23,75 euros para a Segurança Social. E por cada 100 euros de riqueza que eu produzo, o Estado, e muito bem, retira ao meu patrão outros 33 euros.
Cada vez que eu, no supermercado, gasto os 100 euros que o meu patrão me pagou, o Estado, e muito bem, fica com 19 euros para si.

Em resumo:

• Quando ganho 100 euros, o Estado fica quase com 55.
• Quando gasto 100 euros, o Estado, no mínimo, cobra 19.
• Quando lucro 100 euros, o Estado enriquece 33.
• Quando compro um carro, uma casa, herdo um quadro, registo os meus negócios ou peço uma certidão, o Estado, e muito bem, fica com quase metade das verbas envolvidas no caso.
• Eu pago e acho muito bem, portanto, exijo: um sistema de ensino que garanta cultura, civismo e futuro emprego para o meu filho. Serviços de saúde exemplares. Um hospital bem equipado a menos de 20 km de minha casa. Estradas largas, sem buracos e bem sinalizadas em todo o País. Auto-estradas sem portagens. Pontes que não caiam. Tribunais com capacidade para decidir processos em menos de um ano. Uma máquina fiscal que cobre igualitariamente os impostos.
• Eu pago, e por isso quero ter, quando lá chegar, a reforma
garantida. E jardins públicos e espaços verdes bem tratados e seguros. Policia eficiente e equipada.
• Os monumentos do meu País bem conservados e abertos ao público. Uma orquestra sinfónica. FILMES CRIADOS EM PORTUGAL. E, no mínimo, que não haja um único caso de fome e de miséria nesta terra.
• Na pior das hipóteses, cada 300 euros em circulação em Portugal garantem ao Estado 100 euros de receita. Portanto Doutor Durão Barroso, governe-se com o dinheirinho que lhe dou porque eu quero e tenho direito a tudo!

o Português
»

**********************************

quinta-feira, 4 de dezembro de 2003

SOFTWARE GRATUITO:

EasyCrypto Deluxe – Codificador/descodificador de ficheiros com palavra-passe. Impede acesso a estranhos a determinado ficheiro ou pasta. Fácil utilização, em português. Download gratuito de www.handybits.com.
Depois da instalação, quando cliquar com o botão direito do rato sobre um ficheiro ou pasta, aparecem mais as opções «Codificar» e «Descodificar».
Para codificar, cliquar nesta opção e abre-se uma janela para escolha da palavra-passe. Os estranhos deixam de ter acesso e o nome da pasta ou ficheiro aparece sombreado.
Para abrir o ficheiro, mesma operação, cliquando em «Descodificar». Aparece janela para inscrever password. O ficheiro é aberto sem problemas.
(Não esquecer a palavra-passe, pois é o único modo de abrir um ficheiro ou pasta quando está codificado).


DICA PARA FOTOS GUARDADAS NO PC:

No Windows XP, pode transformar uma pasta de fotos em Apresentador de Diapositivos. Basta cliquar duas vezes numa foto dessa pasta e depois teclar a tecla F11. Para sair da apresentação, teclar «Esc.».

Gabriel de Sousa

*******************************************

FÁBULAS…:
O coelhinho felpudo estava fazendo as suas necessidades matinais e, quando olha para o lado, vê um enorme urso fazendo o mesmo. O urso se vira para ele e diz:
- Ei, coelhinho, você não se incomoda de ficar com seus pêlos sujos de cocó? O coelhinho respondeu:
- Não, isso é normal.
Então o urso pegou no coelhinho e limpou o rabo com ele.
MORAL DA HISTÓRIA:
"Cuidado com as respostas precipitadas... Pense bem antes de responder"

No outro dia, o leão, ao passar pelo urso diz:
- Ei, seu urso! Com toda essa pinta de bravo, fortão, bombeado, te vi dando o rabo para o coelhinho ontem! 

MORAL DA HISTÓRIA:
"Você pode sacanear alguém mas, lembre-se, que existe sempre alguém mais filho da puta que você..."



terça-feira, 2 de dezembro de 2003

AMIZADE:

« Certa vez um soldado disse ao seu tenente:
- O meu amigo não voltou do campo de batalha.
Solicito permissão para ir buscá-lo.
- Permissão negada
, replicou o oficial.
- Não quero que arrisque a sua vida por um homem que
provavelmente já está morto.

O soldado, ignorando a proibição, saiu. Uma hora mais
tarde regressou, mortalmente ferido, transportando o cadáver do
seu amigo.
O oficial estava furioso:
- Já tinha dito que ele estava morto!
Agora eu perdi dois homens!
Diga-me: Valeu a pena trazer um cadáver?

E o soldado, moribundo, respondeu:
- Claro que sim! Quando o encontrei, ele ainda
estava vivo e pôde-me dizer: “Tinha a certeza que virias!”

Amigo é aquele que chega, quando todo o mundo já se foi! »


AMOR:

« Era uma vez uma ilha onde moravam todos os sentimentos.
- a ALEGRIA, a TRISTEZA, todos os outros sentimentos e por fim o AMOR.
Mas um dia, os moradores foram avisados que aquela ilha iria afundar-se. Todos os sentimentos se apressaram para sair da ilha, pegaram seus barcos e partiram, mas o AMOR ficou, pois queria ficar mais um pouco com a ilha antes que ela se afundasse.
Quando, por fim, estava quase a afogar-se, o AMOR começou a pedir ajuda.
Veio a RIQUEZA e o AMOR disse:
- RIQUEZA, leve-me com você!
- Não posso, há muito ouro e prata no meu barco, não há lugar para você.
- VAIDADE, por favor ajude-me!
- Não posso ajudar, AMOR. Você está todo molhado e poderia estragar o meu barco novo.
- TRISTEZA, deixe-me ir com você?
- Ah AMOR! Estou tão triste que prefiro ir sozinha.

Também passou a ALEGRIA, mas ela estava tão alegre que nem ouviu o AMOR chamar. Desesperado, o AMOR começou a chorar. Foi quando uma voz o chamou:
- Venha AMOR, eu levo-o.
Era um velhinho, mas o AMOR ficou tão feliz que se esqueceu de perguntar o seu nome. Chegando do outro lado da margem, ele perguntou à SABEDORIA quem era aquele velhinho que o tinha trazido. A SABEDORIA respondeu:
- Foi o TEMPO!
- O TEMPO? Mas por que só o TEMPO me trouxe?

A SABEDORIA respondeu:
- Porque só o TEMPO é capaz de ajudar e entender um grande AMOR!»

******************************************

gabrieldesousa@megamail.pt

domingo, 30 de novembro de 2003

PARA SORRIR:


Um cowboy deixa o saloon depois de uns bons tragos e, na hora de montar no cavalo, descobre que o animal está com os testículos pintados de verde. Furioso, dá meia volta sobre as botas de bico fino, invade o bar e desafia, aos gritos:
- Quem foi o imbecil que fez aquilo ao meu cavalo?
Lá ao fundo, levanta-se um homenzarrão com quase dois metros de altura, barba de uma semana por fazer, dois revólveres na cintura, e berra a plenos pulmões:
- Fui eu! Porquê, algum problema?
- Não há problema nenhum! Só vim avisar que a primeira demão já secou.


Em Lisboa, após um incêndio num pequeno prédio, os bombeiros, ao verificar os destroços, encontram apenas um morto. Era justamente um homem que estava de cabeça para baixo, com o dedo indicador apontando para um sítio bastante queimado. Ao seu lado, um extintor de incêndio, com a seguinte instrução:
"Em caso de incêndio, vire de cabeça para baixo e aponte para a chama".


No elevador, ao lado de um casal distinto, um rapaz solta um pum barulhento. O marido, irritado, protesta:
- Mas que falta de respeito! O senhor não tem maneiras?
- É a natureza, meu velho!
- Responde o rapaz em tom malcriado.
- É a natureza! Essa é boa! Não me diga que não consegue segurar um pum!
- Porquê? O senhor consegue?
- Claro!
O rapaz solta outro ainda mais barulhento.
- Então, segure este!


Um homem está na bicha para o cinema. De repente dá um pum, olha para trás e diz:
- Bem feito. Já não vais comigo ao cinema.

quinta-feira, 27 de novembro de 2003

POESIA:


« QUASE

Ainda pior que a convicção do não,
é a incerteza do talvez,
é a desilusão de um quase!
É o quase que me incomoda,
que me entristece,
que me mata trazendo tudo
que poderia ter sido e não foi.
Quem quase ganhou ainda joga,
quem quase passou ainda estuda,
quem quase amou não amou.
Basta pensar nas oportunidades
que escaparam pelos dedos,
nas chances que se perdem por medo,
nas ideias que nunca sairão do papel
por essa maldita mania de viver no Outono.
Pergunto-me, às vezes,
que nos leva a escolher uma vida morna.
A resposta eu sei de cor,
está estampada na distância
e na frieza dos sorrisos,
na frouxidão dos abraços,
na indiferença dos "bom dia",
quase que sussurrados.
Sobra covardia e falta coragem
até para ser feliz.
A paixão queima,
o amor enlouquece,
o desejo trai.
Talvez esses fossem bons motivos
para decidir entre a alegria e a dor.
Mas não são.
Se a virtude estivesse mesmo no meio-termo,
o mar não teria ondas,
os dias seriam nublados
e o arco-íris em tons de cinza.
O nada não ilumina,
não inspira,
não aflige nem acalma,
apenas amplia o vazio
que cada um traz dentro de si.
Preferir a derrota prévia
à dúvida da vitória
é desperdiçar a oportunidade de merecer.
Para os erros há perdão,
para os fracassos, chance,
para os amores impossíveis, tempo.
De nada adianta cercar um coração vazio
ou economizar alma.
Um romance cujo fim
é instantâneo ou indolor não é romance.
Não deixe que a saudade sufoque,
que a rotina acomode,
que o medo impeça de tentar.
Desconfie do destino e acredite em você.
Gaste mais horas realizando que sonhando...
Fazendo que planeando...
Vivendo que esperando...
Porque,
embora quem quase morre esteja vivo,
quem quase vive já morreu.
»

(autor desconhecido)

***************************************

gabrieldesousa@megamail.pt

quarta-feira, 26 de novembro de 2003

PARA SORRIR:


Uma senhora ao telefone:
- Está, de onde fala?
- É da sapataria!
- Ó desculpe, enganei-me no número!
- Não se preocupe! Passe por cá logo que nós trocamos!

Um novato pergunta ao sargento:
- Que devo fazer se o pára-quedas não se abrir?
- Volta cá e damos-te um novo!

Dois homens, num camião, deparam-se com um sinal: "PONTE: altura máxima 2,5m".
Como o camião tinha 3 metros de altura, um olha para o outro e diz:
- Não está ninguém a ver, vamos passar.

Um homem foi consultar uma vidente e sentou-se diante da bola de cristal!
- Vejo que é pai de dois filhos - disse ela.
- Isso é o que a senhora julga - respondeu o homem, sou pai de três filhos.
- Isso é o que o senhor pensa...

Ele era o maior hipnotizador do mundo. Seus shows eram vistos por milhares de pessoas. Numa certa noite, para um teatro completamente lotado, ele disse:
- Riam!
E todos começaram a rir, sem controlo. Até que ele interrompeu e ordenou:
- Chorem!
Todo a gente começou a chorar.
Quando ele ia para o outro lado do palco, tropeçou no fio do microfone e caiu, batendo com a cara no chão. Furioso com o acidente, exclamou:
- Merda!
( Foram necessários 20 dias para limpar completamente o teatro. )


segunda-feira, 24 de novembro de 2003

PENSAMENTOS:

"É bem mais difícil julgarmo-nos a nós mesmos que julgar os outros.
Se conseguires julgar-te bem, és um verdadeiro sábio."

"Eis o meu segredo. É muito simples: só se vê bem com o coração. O essencial é invisível para os olhos."

"Foi o tempo que perdeste com esta rosa que a fez tornar-se tão importante."


(Antoine de Saint-Exupéry)


PARA MEDITAR:

« Conta-se que, no século passado, um turista americano foi à cidade do Cairo, no Egipto, com o objectivo de visitar um famoso sábio.
O turista ficou surpreendido ao ver que este morava num quartinho muito simples e cheio de livros. As únicas peças de mobiliário eram uma cama, uma mesa e um banco.
* Onde estão os seus móveis? - Perguntou o turista.
E o sábio, rapidamente, perguntou também:
* E onde estão os seus...?
* Os meus?! - Surpreendeu-se o turista - Mas eu estou aqui apenas de passagem!!!!!
* Eu também... - concluiu o sábio.

A vida é somente uma passagem...
No entanto, alguns vivem como se fossem ficar aqui eternamente e esquecem-se de ser felizes. »


SADDAM & BUSH:

« Os dois são o Mal, um é pior que outro. Bush é pior » - Aus al-Khafajy (imã da mesquita El-Seef – Iraque, em entrevista ao «Público»)

domingo, 23 de novembro de 2003

IDADE DA REFORMA:

Estou de acordo que, legalmente, se pudesse trabalhar para além do limite previsto (mediante confirmação de estar em boas condições físicas e mentais).
No entanto, cada caso é um caso, e este raciocínio pode ser perverso:
- as pessoas que estivessem em boas condições, continuavam a trabalhar... As outras iriam para a reforma. Os reformados tornar-se-iam assim num universo de «incapacitados»... Ora seria bom que todos os reformados tivessem direito a levar uma nova vida, mais calma, com outros interesses e com qualidade, portanto ainda em boas condições.
- Diz-se (e é verdade) que cada vez se vive mais tempo... Mas quase se esquece que esses anos a mais são acompanhados de debilidades e doenças que anteriormente nem o chegavam a ser. Esses anos «ganhos» são passados muitas vezes penosamente.
- Quem prefere trabalhar, por temer a falta de ocupação dos seus tempos livres, que seja autorizado a fazê-lo. Mas dê-se aos outros o direito de fazer o que lhes apetecer e mais gostarem, ainda com saúde, durante mais alguns anos da sua vida. Diria que, depois, já é tarde... Já não vale a pena...

LARES PARA A TERCEIRA-IDADE:

Há os dois extremos. Alguns lares (poucos) de luxo. Outros (a maioria) mais não são que depósitos de idosos ou antecâmaras da morte, principalmente para os dependentes e acamados.
O Estado pouco faz, para além de fechar os piores lares entre os piores...
Os únicos casos de sucesso que conheço (haverá outros, claro) são obra de Autarquias.
As Juntas de Freguesia e Entidades Religiosas também são úteis na ajuda domiciliária. Porventura nestes casos haverá subsídios do Estado. Será?
A imagem que nos fica (será errada?) é que o Estado só se interessa pelos trabalhadores enquanto contribuintes; depois esquece-os enquanto reformados. Curiosamente os reformados continuam a pagar impostos!

SER AVÔ HOJE:

Os avós deveriam ser um elo importante no círculo da família. Experiência acumulada, situações já vividas, maior permissividade às travessuras dos netos (sem exageros e, sobretudo, sem desautorizar nem alterar a orientação dos pais.).
Há porém os problemas de localização geográfica dos respectivos lares (pais e filhos) que não permitem a proximidade, por vezes tanto desejada (pelos netos e pelos avós).
A entrada precoce nas creches não será um mal. Há muito que isto acontece no estrangeiro e talvez esteja até, aqui, a razão da precocidade das crianças de hoje em relação às crianças que nós fomos. A todos os níveis, mesmo de vocabulário.
O mal é que, mais uma vez, o Estado, as Empresas, não correspondem a esta necessidade. A maioria das creches ou jardins-de-infância são caros e não estão ao alcance de todas as bolsas.
Recurso às amas e aí, com um pouco de sorte, as crianças ficam bem acompanhadas. Talvez não tanto ao nível do desenvolvimento...
Se por um lado, se pretende que os «avós» continuem a trabalhar até mais tarde, como lhes sobrará tempo para os seus netinhos?

sexta-feira, 21 de novembro de 2003

LEITURAS:

« Uma caravana de camelos atravessava o deserto.
Chegou a hora do descanso e o cameleiro preparava-se, como habitualmente, para prender os camelos às estacas, quando verificou que faltava uma estaca .
Não sabendo como resolver o problema, perguntou ao mestre da caravana:
- Mestre, falta-me uma estaca para um camelo. Como fazer?
- Não tenhas problema. Eles estão tão habituados a ficar presos que se tu fingires que o atas com a corda, ele pensará que está preso e nem sequer tentará sair do sítio.
O cameleiro assim fez e o camelo ali ficou toda a noite.
No dia seguinte, quando se preparavam para partir, esse camelo recusou-se a sair do sítio, mesmo quando o cameleiro o puxava com toda a força. Sem saber que atitude tomar, dirigiu-se de novo ao Mestre contando-lhe o sucedido.
- Homem, respondeu-lhe o mestre. Que fizeste ontem? Não fingiste que o ataste à estaca? Então faz o mesmo hoje. Finge que o desamarras.
O camelo, mal o cameleiro fingiu que o desatava da estaca imaginária, recomeçou a caminhada.
Moral da história: Muitas vezes não avançamos devido às nossas “estacas mentais”.
É o desconforto da acomodação.
»


(autor desconhecido) 



quinta-feira, 20 de novembro de 2003

LEITURAS:

« Posso estar falando de vontade, posso estar falando de alguém, posso estar falando de um sonho ou até mesmo de um direito.
Poder ir onde se quer, sem ter que explicar os "porquês", sem ter que avisar ninguém, quase todo mundo sonha com isso, eu também.
Não tenho hora para sair, nem hora para chegar; o que eu fizer esta bem feito e ninguém vai reclamar.
Sou Livre enfim, mas não sei dizer até onde isso é bom ou ruim.
Quero alguém para esperar por mim, para ligar e perguntar "Está tudo bem?". Alguém para curar feridas, para torcer pela vida… Alguém que não me faça simples assim, como quem vem e não deixa rasto, não deixa vícios, não deixa traços.
É, às vezes ser livre, pode também ser, sentir-se muito só.
Não quero mais confundir a liberdade com a solidão, não quero mais! Não ter que dar satisfação! Não quero mais essa ilusão de "sou eu" e o resto não importa.
Quero ter alguém à minha espera, quero ter alguém que, ao ver-me chegar, se emocione e venha correndo para me abrir a porta.
»

(autor desconhecido)

****************************************

gabrieldesousa@megamail.pt

quarta-feira, 19 de novembro de 2003

ENQUANTO SORRIS… NÃO PENSAS NOUTRAS COISAS…

Tinha o Zé morrido há instantes, quando chega às portas do céu. Toca à campainha e atende-lhe o S.Pedro:
SP: Que se passa?
- S.Pedro, morri há instantes e vinha para o céu...
SP: Como te chamas?
- Zé...
S.Pedro vai lá dentro consultar o computador e quando volta responde-lhe:
SP: Não. Não existe o teu nome nas listas de entrada. Aqui não podes entrar...
- Não? Não pode ser… Sempre levei uma vida santa e agora sou anjo… SP: Não… Aqui não tens vaga… Tenta ir lá abaixo…
E assim foi. Bate às portas do Inferno e repete-se o primeiro diálogo. Quando o Diabo volta, responde-lhe:
D: Não, também não tenho o teu nome… Aqui não entras…
Zé: Não pode ser… Se eu morri, tenho que ir para algum lado… Eu não sou nenhuma alma penada.
D: Olha, vai lá cima falar com o Criador para ele dizer o que fazer...
E assim foi… Volta a repetir-se o primeiro diálogo e, quando Cristo volta, responde-lhe:
C: Não sei o que se passa… O teu nome não consta das listas. Não podes ir para nenhum dos lados…
Zé: Não pode ser… Eu não sou nenhuma alma penada…
C: Só há uma solução... Voltares à Terra e reencarnares...
Zé: Olha… Que se lixe... Sempre é melhor que ser uma alma penada…
C: OK, mas estás com azar que já só tenho um meio de transporte livre…
Zé: Não importa... Não importa...
Quando o Zé abre os olhos estava num galinheiro... Olha para si e repara que tinha reencarnado numa galinha... Vê a porta do galinheiro a abrir-se e entra o dono. Levanta uma galinha… Tira o ovo… Levanta a segunda galinha, não tem ovo, torce-lhe o pescoço. (regra: se tem ovo vive, senão morre...) O Zé olha para o seu ninho e vê que não tem ovo e de imediato pergunta à galinha do lado como fazer para ter um ovo.
Resposta: - Tens que fazer força, muita força, mesmo muita força…
E o Zé começa a fazer força:
Hummmmmm! Hummmmmmmm! Hummmmm! Hummmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmm...
De repente alguém toca no Zé e diz-lhe:
- ACORDA ZÉ! ACORDA ZÉ... Estas a borrar a cama toda…


Numa Igreja um homem olha para o chão e vê uma nota de cinquenta euros. Ao mesmo tempo que ia apanhá-la, um sujeito ao lado repara. E faz-lhe sinal dizendo que queria metade.
O primeiro olha para ele e ergue a mão fechada com o polegar esticado, como quem diz: "OK"
Acaba a missa e cá fora diz o segundo homem:

- Então? Venha a minha parte!
- Que parte, eu é que vi a nota!
- Mas... você fez-me sinal a dizer que era prós dois!!!
- Que é que você queria? Que dentro da Igreja lhe fizesse um manguito?
 



segunda-feira, 17 de novembro de 2003

LEITURAS:

« Milho de pipoca que não passa pelo fogo continua a ser milho para sempre.
Assim acontece com a gente.
As grandes transformações acontecem quando passamos pelo fogo. Quem não passa pelo fogo, fica do mesmo jeito a vida inteira.
São pessoas de uma mesmice e uma dureza assombrosa.
Só que elas não percebem e acham que seu jeito de ser é o melhor jeito de ser. Mas, de repente, vem o fogo.
O fogo é quando a vida nos lança numa situação que nunca imaginamos: a dor.
Pode ser fogo de fora: perder um amor, perder um filho, o pai, a mãe, perder o emprego ou ficar pobre. Pode ser fogo de dentro:
pânico, medo, ansiedade, depressão ou sofrimento, cujas causas ignoramos.
Há sempre o recurso do remédio: apagar o fogo!
Sem fogo o sofrimento diminui. Com isso, a possibilidade da grande
transformação também.
Imagino que a pobre pipoca, fechada dentro da panela, lá dentro cada vez mais quente, pensa que sua hora chegou: vai morrer.
Dentro de sua casca dura, fechada em si mesma, ela não pode imaginar um destino diferente para si. Não pode imaginar a transformação que está sendo preparada para ela.
A pipoca não imagina aquilo de que ela é capaz. Aí, sem aviso prévio, pelo poder do fogo a grande transformação acontece: BUM!
E ela aparece como uma outra coisa completamente diferente,
algo que ela mesma nunca havia sonhado.
Bom, mas ainda temos o piruá, que é o milho de pipoca que se recusa a estourar.
São como aquelas pessoas que, por mais que o fogo esquente, se recusam a mudar. Elas acham que não pode existir coisa mais maravilhosa do que o jeito delas serem.
A presunção e o medo são a dura casca do milho que não estoura. No entanto, o destino delas é triste, já que ficarão duras a vida inteira.
Não vão se transformar na flor branca, macia e nutritiva.
Não vão dar alegria para ninguém.
»

(do livro "O amor que acende a lua" de Rubem Alves, escritor brasileiro)

****************************************

gabrieldesousa@megamail.pt

sábado, 15 de novembro de 2003

MENINO DA RUA (quadras)

Pobre menino da rua
Folha boiando no rio
No Verão sufoca e sua
No Inverno sente frio

Não conhece o carinho
Nenhuma coisa é só sua
Um canto serve de ninho
Pobre menino da rua

Fugiste pela cidade
Até a alma foi nua
És criança sem idade
Pobre menino da rua

Balanças o teu corpinho
No alto daquela grua
Longe de todo o carinho
Pobre menino da rua
NB: Verso obrigatório «Pobre menino da rua»


MUNDO DE PAZ (décimas)

1

Para bem da sociedade,
Combate sempre a pobreza
E vive com singeleza.
Abutres estão na cidade
Para esconder a verdade…
Evita qualquer desonra
E não cores de vergonha…
Combate os imperadores
Transforma armas em flores:
Homem, salva a tua honra.

2

Aprende a fazer o bem,
A recusar a maldade…
Não uses a falsidade,
Defende quem menos tem
Para que ele sinta ser alguém.
Desde a idade de rapaz,
Reconhece Satanás
Mesmo distante daqui.
O Mundo acredita em ti
Que és sábio, forte e capaz.


3

Fome, sofrimento e morte
Tu, contra, tens de lutar
Para ver o mundo avançar.
Sem nunca perder o norte,
Com o fraco, contra o forte
E não queiras a desdita.
Se for necessário grita
Contra todos os falcões
E por todas as razões
Odeia a guerra maldita.

4

Terra verde – céu azul,
Queremos um Paraíso,
Ver tudo com sorriso.
Nem Bagdad nem Cabul,
Nem no Norte nem no Sul.
A guerra é ineficaz
E só nos traz coisas más.
Ao teu rival dá a mão
E ensina-lhe a lição:
- Inventa um mundo de paz!


NB: - Décimas, com mote: «Homem, salva a tua honra, / Que és sábio, forte e capaz, / Odeia a guerra maldita, / Inventa um mundo de paz.» de Manuel Lopes Vilaverde.


BROA DE AVINTES (quadras)

Padeirinha tão formosa:
Usas todos os requintes
Para tornar tão famosa
A nossa broa de Avintes.

Barqueira leva a remar
A broa ao seu destino.
Avintes vai relembrar
O teu porte altivo e fino.

Moleiro, que móis o milho
Donde a broa vai nascer,
Estás a fazer um filho
Para Avintes não esquecer.

Esta broa secular,
Que Avintes viu nascer,
Tem um tão bom paladar
Que jamais irá morrer.

Gostosa broa de Avintes
Sempre foi artesanal
Teus segredos e requintes
Glorificam Portugal.


NB: - Tema «A Broa de Avintes e as tradições seculares das Barqueiras, Moleiros e Padeiras de Avintes».


Gabriel de Sousa

sexta-feira, 14 de novembro de 2003

PARA SORRIR:

Shopping Center de maridos

Era uma vez um Shopping Center de Maridos, onde as mulheres podiam escolher o seu marido, dentre as várias opções disponíveis de homens.
O shopping tinha cinco andares, sendo que as qualidades dos homens cresciam à medida que se subia. A única regra era que, uma vez num andar, não se poderia mais descer - a escolha deveria ser feita naquele andar: ou era possível subir ao próximo, ou ir embora. Então uma dupla de amigas foi até ao shopping.

PRIMEIRO ANDAR
Um aviso na porta dizia: "Os homens deste andar trabalham e gostam de crianças". Uma das amigas disse para a outra: "Bem, é melhor do que ser desempregado ou não gostar de crianças, mas como serão os homens do próximo andar?". Então elas subiram as escadas.

SEGUNDO ANDAR
"Os homens deste andar trabalham, têm excelentes salários, gostam de crianças e são muito bonitos".
"Viu só?" - diz a mulher.
- " Como serão então os homens do próximo andar? "E subiram as escadas.

TERCEIRO ANDAR
"Os homens deste andar trabalham, têm excelentes salários, gostam de crianças, são muito bonitos e ajudam no serviço doméstico".
"NOSSA! " - diz a mulher - "Muito tentador, mas como serão os homens do próximo andar?"
E subiram as escadas…

QUARTO ANDAR
"Os homens deste andar trabalham, têm excelentes salários, gostam de crianças, são muito bonitos, ajudam no serviço doméstico e são óptimos amantes".
"Meu Deus...pense!
O que será que nos aguarda no quinto andar???
"
E elas subiram até ao quinto andar.

QUINTO ANDAR
A placa na porta do andar vazio dizia: "Esse andar serve somente para provar que é impossível satisfazer as mulheres. Por favor siga até à saída e tenha um bom dia".


NÓS MULHERES (de autora desconhecida)

« Nós mulheres, somos como flores às vezes simples e singelas e às vezes exuberantes e formosas...
Nós mulheres, somos abençoadas, por abrigarmos pequeninos raios de luz, que nos transformam e nos fazem crescer...
Nós mulheres, somos privilegiadas, por podermos alternar de humor, devido à actuação de hormonas, que nos tornam ora sensuais, ora explosivas, ora maternais...
Nós mulheres, somos guiadas pela emoção e não pela razão, para podermos sentir o perfume que exala das flores, observar o ballet majestoso do beija-flor ao sugar o seu alimento e desfrutar dos amanheceres e dos luares...
Nós mulheres quem somos?
Somos negras, brancas, índias, amarelas, todas belas sob a óptica do nosso olhar, que necessitamos apenas de amar e de ser amadas...
Nós mulheres quem somos?
Somos as secretárias ou trabalhadoras de fábricas, mas podemos ser a Presidente de Câmara ou a Presidente de um país, de uma empresa...
Nós mulheres quem somos?
Somos Mulheres, extraídas de uma das costelas de Adão, mas que com muita garra vimos conquistando o nosso espaço.
»


quarta-feira, 12 de novembro de 2003

LEITURAS AO ACASO:

- Mestre, como faço para não me aborrecer? Algumas pessoas falam demais, outras são ignorantes. Algumas são indiferentes. Não gosto das que são mentirosas. Sofro com as que caluniam.
- Pois viva como as flores, advertiu o mestre.
- Como é viver como as flores? Perguntou o discípulo.
- Repare nestas flores, continuou o mestre, apontando os lírios que cresciam no jardim. Elas nascem no esterco, entretanto são puras e perfumadas. Extraem do adubo malcheiroso tudo que lhes é útil e saudável, mas não permitem que o azedume da terra manche o frescor de suas pétalas. É justo angustiar-se com as próprias culpas, mas não é sábio permitir que os vícios dos outros o importunem. Os defeitos deles são deles e não seus. Se não são seus, não há razão para aborrecimentos. Exercitar, pois, a virtude é rejeitar todo o mal que vem de fora.
- Isso é viver como as flores!

"Não corra atrás das borboletas, cuide do seu jardim e elas virão até si"

(autor desconhecido)


PARA SORRIR:

Dois anjinhos conversam:
- Como vai estar o tempo amanhã?
- A previsão diz que será um dia nublado.
- Que bom! Assim, vamos ter lugar para sentar.

segunda-feira, 10 de novembro de 2003

VAIDADE FEMININA:

Uma mulher foi levada à pressa para os Cuidados Intensivos de um Hospital. Chegou lá com aquela quase morte, que é uma situação pré-coma. E, neste estado, encontrou-se com Deus:
- Que é isso? - perguntou ao Criador - eu morri?
- Não, pelos meus cálculos, você morrerá daqui a 43 anos, 8 meses, 9 dias e 16 horas - respondeu o Eterno.
Ao voltar a si, sabendo quanto tempo ainda tinha de vida, resolveu, ali mesmo naquela clínica, fazer uma lipoaspiração, uma plástica de
restauração dos seios, plástica no rosto, no nariz, na barriga, tirou todos os excessos, ficando linda e jovial. Teve alta uma semana depois.
No dia seguinte, ao atravessar uma rua, veio um veículo em alta velocidade e atropelou-a, matando-a na hora.
Ao encontrar-se de novo com Deus, ela perguntou:
- Puxa, Senhor Deus, eu achei que tinha mais 43 anos de vida.
Por que morri? Logo depois de toda aquela despesa com cirurgias plásticas!
E Deus, aproximando-se dela e olhando-a directamente nos olhos, respondeu:
- JURO QUE NÃO TE RECONHECI!


O ESCORPIÃO:

Um mestre oriental viu que um escorpião se estava a afogar e decidiu tirá-lo da água mas, quando o fez, o escorpião picou-o. Pela reacção de dor, o mestre soltou-o e o animal caiu de novo na água e estava novamente a afogar-se. O mestre tentou tirá-lo e de novo o animal o picou. Alguém que estava observando se aproximou do mestre e disse:
- Desculpe-me mas você é teimoso! Não entende que todas as vezes que tentar tirá-lo da água ele irá picá-lo?
O mestre respondeu:" A natureza do escorpião é picar, e isto não vai mudar a minha, que é ajudar". Então, com a ajuda de uma folha o mestre tirou o escorpião da água e salvou-lhe a vida.
Não mude a sua natureza se alguém lhe faz algum mal, apenas tome precauções.
"Alguns perseguem a felicidade, outros a criam"

domingo, 9 de novembro de 2003

UM TRAUMA CHAMADO «LOBO ANTUNES»:


Pois é, eu sofria deste trauma. A maioria dos livros de António Lobo Antunes era por mim lida com espírito de missão, quase sacrifício, porque não gosto de deixar livros a meio. Paradoxalmente, adoro ler as suas crónicas. Leio-as com interesse e prazer…
O meu trauma é que, para não fazer figura de estúpido, eu não confessava o meu «sacrilégio», salvo a uma muito pequena roda de amigos.
Hoje, 2003-11-08, ao ler o suplemento «Mil folhas» do «Público», senti-me finalmente (bem) acompanhado. No inquérito efectuado junto do biólogo Fernando Catarino, a uma das perguntas, ela lá estava - a resposta que espelha também o meu estado de alma: «Embora pareça mal, (o último ‘livro’ que abandonei a meio) foi um que achei muito chato do António Lobo Antunes, de quem nem me quero lembrar o nome e que considero nas antípodas das excelentes crónicas que ele escreve semanalmente e que eu nunca perco.».
Acabaram os meus complexos. Resta-me respeitar quem lê este notável escritor e augurar-lhe mesmo o «Nobel» num dos próprios anos…
Gostos são gostos mas, finalmente, sei que não estou só.


PARA SORRIR :

No frigorífico, um copo de vinho começa a provocar um copo de leite:
- Oh branquinho!
Você está mesmo branco!
Não tem vergonha dessa cor desbotada?
Vai apanhar um pouco de sol, faz bem à saúde!
- Olha só, quem fala de saúde!
Logo você que prejudica tanto a saúde das pessoas!
Ataca o fígado, embriaga!
Você só faz mal!
Mas o copo de vinho não se deu por vencido e respondeu:
- OK!
Tudo o que você falou é verdade!
Agora só tem um detalhe!
A minha mãe é uma uva... E a sua?

sábado, 8 de novembro de 2003

O P.R.E.C....


Um leitor chamou-me a atenção para o que escrevi, em 30 de Outubro último, acerca das datas entre as quais ocorreu o PREC (Processo Revolucionário Em Curso). Com efeito, convencionou-se como marcos do seu princípio e fim, o 11 de Março de 1975 e o 25 de Novembro de 1975, e não as datas que erradamente indiquei. As minhas desculpas a todos os leitores e os meus agradecimentos especiais a este leitor mais atento.


PARA SORRIR:


Estava uma prostituta pedindo boleia na estrada quando um camionista parou e lhe disse que lhe daria boleia, mas com uma condição. Irem primeiro para debaixo do camião fazer amor. E ela aceitou.
Passado um tempo, chegou um velho e perguntou o que eles estavam fazendo ali. O motorista do camião respondeu que estava consertando o motor, ao que o velho respondeu:
- Então aproveita e conserta os travões também, porque o camião já vai lá em baixo.


- Sensacional! Vinte e oito pessoas enganadas numa cidade. Sensacional!
Um homem ficou curioso em saber o que era e comprou um jornal.
O jornal estava em branco e o ardina apregoava agora:
- Sensacional! Vinte e nove pessoas enganadas numa cidade. Sensacional!


- Mãe, ajuda-me, o meu marido está completamente louco.
- O quê?
- Ele tem cinquenta gatos no nosso apartamento! E o pior é que todas as janelas estão sempre fechadas.
- Então porque é que não abres as janelas?
- Não posso, os meus 100 pombos podiam fugir...



No futebol, um indivíduo repete:
- Um campo, 80000 espectadores, 22 jogadores, 1 arbitro, 2 juízes de linha!
- Um campo, 80000 espectadores, 22 jogadores, 1 arbitro, 2 juízes de linha!
- Um campo, 80000 espectadores, 22 jogadores, 1 arbitro, 2 juízes de linha!

Chateado com a lengalenga, um parceiro interpela-o:
- Oiça lá, cale-se com isso. Porque é que está sempre a repetir a mesma coisa?
- Um campo, 80000 espectadores, 22 jogadores, 1 árbitro, 2 juízes de linha e o sacana do pássaro foi logo cagar em cima de mim!!!



Diz um político numa manifestação:
- Eu sim! Eu sou um político incorrupto! Por estes bolsos, nunca passou dinheiro sujo!
Diz a plateia:
- Ena, comprou um fato novo!

*****************************************

gabrieldesousa@megamail.pt

sexta-feira, 7 de novembro de 2003

NÃO TRADUZO, PARA NÃO PERDER O SABOR (salvo seja) :


« LES 16 TYPES DE CROTTES

LA CROTTE FANTÔME :
C'est celle que tu sens sortir, que tu vois sur le papier mais pas
dans la cuvette...

LA CROTTE PROPRE :
C'est celle qui sort, que tu vois dans la cuvette mais pas sur le
papier...

LA CROTTE ETERNELLE :
Tu t'essuies, tu t'essuies, tu t'essuies... Mais il en reste toujours
sur le papier. Tu décides alors de remonter ton pantalon et de mettre une feuille de papier dans le caleçon pour éviter les traces de freinage...

LA CROTTE 2, le retour de la revanche de la suite qui contre-attaque:
Tu as fini mais quand tu remontes ton pantalon tu t'aperçois qu'il
faut que tu chies encore un peu...

LA CROTTE QUI TE FAIT POUSSER UNE VEINE SUR LE FRONT :
C'est celle qui te fait forcer tellement fort que tu as peur de la
crise cardiaque...

LE BILLOT:
C'est celui qui est tellement gros que tu as peur de le casser en
tirant la chasse. Tu es surpris mais fier que cela vienne de toi...

LA CROTTE J'AIMERAIS QUE ÇA SORTE :
Tu veux chier, tu sens qu'elle est proche, mais tout ce que tu a ce
sont des crampes et des pets...

LE BOUT DE LA CROTTE :
C'est celle qui fait tellement mal que tu jurerais qu'elle sort de
travers...

LA SPLASHEUSE :
C'est celle qui sort avec tellement de vitesse ou qui est tellement
lourde qu'elle t'éclabousse le cul...

LA CROTTE DU LENDEMAIN DE FÊTE (ou CROTTE AU NAPALM) :
C'est le liquide jaune brun qui éclabousse toute la cuvette et qui
te brûle le cul...

LA CROTTE DE LAPIN :
Ce sont les toutes petites boules. Certaines coulent d'autres
flottent...

LA CROTTE SURPRISE :
Tu penses que tu vas péter, mais tu réalises que tu vas chier et c'est
déjà trop tard...

LA CROTTE TIME OUT :
C'est quand tu es en train de faire une bonne crotte dans les
toilettes publiques et que tu dois t'arrêter car tu ne veux pas que la personne d'à côté t'entende...

LA BRUYANTE :
C'est tellement bruyant que tout le monde autour rigole...

LA MEXICAINE :
Elle sent tellement fort qu'elle te pique le nez...

LA CROTTE SAUT À L'ELASTIQUE :
Celle qui refuse de tomber bien que tu saches qu'elle est sortie. Tu
espères qu'en te secouant le derrière elle va se décrocher...
»






quinta-feira, 6 de novembro de 2003

PARA SORRIR (sem tabus):


Um dia a madre superior de um convento mandou reunir todas as noviças e disse-lhes:
- Hoje passei pela carpintaria e a porta estava aberta!
Todas: - Ah!...
E uma lá atrás: - Hi, hi, hi...
- E mais, estava um preservativo no chão!
Todas: - Ah!...
E uma lá atrás: - Hi, hi, hi...
- E o preservativo estava usado!
Todas: - Ah!...
E uma lá atrás: - Hi, hi, hi...
- Mas, o preservativo estava furado!
Todas: - Hi, hi, hi...
E uma lá atrás: - Ah!...


A madre superiora consulta um importante cirurgião plástico.
- Doutor! Na semana passada o nosso convento foi invadido por três assaltantes e um deles tirou a virgindade de uma das filhas de Jesus. Será que o senhor poderia nos ajudar?
- Desculpe-me, Irmã - respondeu o médico, sem jeito. - Mas eu não faço esse tipo de operação. Eu poderia...
- Não, não! Não queremos a reconstituição do hímen! Eu gostaria que o senhor apagasse aquele ar de felicidade do rosto dela.


Era uma mulher que todos os dias estava na igreja a rezar.
Um dia, o padre resolveu ir falar com a mulher:
- Minha senhora, o que se passa? Todos os dias a senhora está aqui a rezar…
- Sabe senhor padre, eu queria engravidar, mas não consigo, e então venho aqui todos os dias rezar 500 Ave-Marias.
Diz o Padre:
- E já experimentou um padre nosso?


Era sábado e a menininha foi confessar:
- Padre, eu dormi com meu namorado.
- Pecado minha filha. Pecado. Reza dez ave-marias.
A menininha foi-se levantando, aí… deu uma paradinha e voltou-se para o padre.
- Posso rezar vinte, senhor padre?
- Porquê, minha filha?
- É que a gente vai passar este fim-de-semana fora...


São Pedro precisava de almoçar e pediu a Jesus Cristo que ficasse no lugar dele por uns momentos. Nisto, entra nas portas do Céu um velhinho, e Jesus pergunta-lhe:
- Então, vamos lá saber, quem és tu?
E o velho:
- Não sei... Eu já sou muito velhinho e não me lembro de nada. A única coisa que me lembro é que eu era carpinteiro e que o meu filho ficou muito famoso.
Então Jesus gritou emocionado: - Pai!!!
E o velho: - Pinóquio!!!

quarta-feira, 5 de novembro de 2003

PARA SORRIR (que ninguém se sinta ofendido!) :


Numa escola, um dos miúdos esbarra num dos bonecos do presépio e parte-o.
Passado um bocado chega o padre:
- Quem é que partiu o pastor?
Todos ficam muito calados até que, depois de muita insistência, o culpado se acusa.
- Então tens de pagar o estrago.
- Eu não tenho dinheiro senhor padre.
- Então paga o teu pai.
- Eu não tenho pai.
- Paga a tua mãe!
- Também não tenho mãe...
- Então não tens ninguém? Estás sozinho no mundo?
- Não! Eu tenho uma irmã mais velha.
- Pronto paga ela.
- Ela também não pode pagar, não tem dinheiro. É freira.
- Não se diz freira; diz-se esposa de Cristo.
- Ah, então o meu cunhado que pague!...


Um fabricante de pregos de nome Garcia, decidiu publicitar a sua marca. Dirigiu-se então a uma agência de publicidade e disse que queria um anúncio, algo relacionado com a religião.
No Domingo seguinte quando foi à Missa ouviu da boca do Padre:
- Esse Garcia deveria ser excomungado!
- Porquê? – Perguntou o Garcia.
- Vá lá fora ver. - Disse o Padre.
Garcia foi e viu um grande anúncio mostrando Jesus pregado na cruz e, escrito em baixo:
«Com pregos Garcia, 2000 anos de garantia!»
De imediato, Garcia foi à agência de publicidade pedir para mudarem o anúncio.
No Domingo seguinte, o Padre, mais zangado ainda, disse:
- Esse Garcia vai ser excomungado!
- Porquê? - Disse Garcia.
- Não sabes? Vai lá fora ver!
Desta vez Garcia, encontrou um anúncio que mostrava a cruz bem levantada e Jesus caído no chão, e em baixo dizia:
«Com pregos Garcia, nada disto acontecia!»
E mais uma vez Garcia pediu à agência para mudar o anúncio.
No Domingo seguinte, o Padre já fora de si gritava:
- Excomungado sejas Garcia!
Sem precisar de mais palavras, Garcia foi ver o seu novo anúncio. Este, desta vez, mostrava a cruz bem levantada e alguns pregos no chão. Em baixo dizia:
«Com pregos Garcia, Cristo não fugia!»

segunda-feira, 3 de novembro de 2003

DESEJO REPRIMIDO

Afrodite, a deusa do amor, estava passando por uma praça quando viu uma estátua de dois amantes, que quase se beijavam, mas não chegavam a fazê-lo. Comovida com a cena, ela disse:
- Estes dois devem estar nesta posição há mais de cem anos e nunca chegaram a beijar-se. Preciso fazer algo por eles!

Então ela aproximou-se da estátua e, usando dos seus poderes, transformou-a em seres humanos e disse-lhes:
- Vocês têm uma hora como humanos para fazerem o que bem quiserem... Depois disso se transformarão em estátua novamente. Por isso, aproveitem!

Afrodite viu, com satisfação, que os amantes correram para a moita mais próxima e ficaram lá dez, vinte, trinta minutos. A deusa do amor, então, não podendo conter-se de curiosidade, foi até a moita para ver o que os dois estavam a fazer. Ao chegar lá, viu os dois agachados, cheios de entusiasmo. O homem, muito excitado, falava para a sua companheira:
- Vamos! Agora é a sua vez! Eu seguro o pombo e você caga em cima dele!

Arquivo do blogue

Acerca de mim

A minha foto
- Lisboa, Portugal
Aposentado da Aviação Comercial, gosto de escrever nas horas livres que - agora - são muito mais...