sexta-feira, 30 de setembro de 2011


video


Ambição...


The Beatles - When I'm 64

El Cielito Lindo - México



EFEMÉRIDECristian Gabriel Rodríguez Barotti, futebolista uruguaio actualmente ao serviço do F. C. do Porto, nasceu em Montevideu no dia 30 de Setembro de 1985. É conhecido por “Cebolla” (cebola) pela sua reputação de fazer chorar os defesas adversários com as suas fintas…


Começou a jogar no Peñarol aos 16 anos e, aos dezoito, já era internacional “A” do Uruguai. Assinou um contrato com o Paris Saint-Germain em 2005, conquistando a titularidade no ano seguinte.


Participou na Copa América de 2007 na Venezuela, em que o Uruguai se classificou no 4º lugar.


Em 2007 transferiu-se para o S. L. e Benfica, onde caiu nas graças dos adeptos benfiquistas mercê do seu rendimento e da sua entrega ao jogo. Os seus representantes não chegaram porém a acordo com o Benfica para a sua continuação no clube e, na época seguinte, assinou pelo Porto por 7 milhões de euros (quatro anos). Foi um reforço de peso para o clube do Norte, que conseguiu assim fazer esquecer a ausência de Quaresma que tinha assinado pelo Inter de Milão.


Foi Campeão do Uruguai pelo Peñarol em 2003. No ano seguinte foi considerado o Melhor Jogador Uruguaio pelo Comité Olímpico do Uruguai. Venceu a Taça de França de 2005/2006 ao serviço do Paris Saint-Germain. Com a Selecção Uruguaia venceu a Copa América de 2011.


Pelo Porto, já conquistou nove títulos: Campeão de Portugal em 2008/09 e 2010/11, Taças de Portugal e Super Taças de 2008/09, 2009/10 e 2010/11 e Liga Europa da UEFA 2010/11.

quinta-feira, 29 de setembro de 2011




EFEMÉRIDEPaulinho Cascavel, de seu verdadeiro nome Paulo Roberto Bacinello, antigo futebolista brasileiro, nasceu no Paraná em 29 de Setembro de 1959.


Muito jovem ainda, começou a demonstrar grande potencial, jogando no Cascavel Esporte Clube, clube da sua terra, no qual se sagrou Campeão Estadual Paranaense em 1980.


Prosseguiu a sua carreira no Estado de Santa Catarina, primeiro ao serviço do Criciúma Esporte Clube (1981) e depois no Joinville Esporte Clube (1982/1984). Sagrou-se novamente Campeão Estadual, então em Santa Catarina. Alinhou ainda pelo Fluminense.


A qualidade e regularidade dos seus desempenhos despertaram a cobiça dos clubes portugueses, tendo o F. C. do Porto contratado os seus serviços na época 1984/85. Aconteceu porém que no Porto teve o lugar sempre tapado pelo Bota de Ouro Fernando Gomes, não chegando praticamente a ser utilizado.


Foi cedido ao Vitória de Guimarães no início da temporada 1985/86. Logo no primeiro ano, Paulinho Cascavel marcou 25 golos, revelando-se um ponta de lança mortífero, oportuno, excelente no jogo de cabeça e senhor de um remate forte com ambos os pés. Tecnicista por natureza, fazia também golos de bola parada, marcando grandes penalidades com precisão e executando livres directos com mestria. Em bola corrida, finalizava de todas as formas e feitios. Apesar de uma primeira temporada de luxo, foi na época 1986/87 que se implantou definitivamente na história do Vitória. Além dos excelentes desempenhos a nível nacional, o seu nome percorreu a Europa, fruto da magnífica campanha da equipa vitoriana no Campeonato Nacional e das proezas conseguidas na Taça UEFA. O culminar do ano chegou com a conquista individual do prémio Bola de Prata, instituído pelo jornal “A Bola” para distinguir o Melhor Marcador do campeonato.


Em 1987/88, saiu do Vitória de Guimarães rumo ao Sporting Clube de Portugal, onde foi substituir Manuel Fernandes. Na sua primeira época em Alvalade, a produção manteve-se, concretizando 24 golos no campeonato e revalidando o título de Melhor Marcador no campeonato português. Permaneceu em Alvalade durante três temporadas, conquistando o único título colectivo em Portugal, uma Super Taça Cândido de Oliveira.


Após conflito com o Presidente sportinguista Sousa Sintra, Paulinho Cascavel abandonou o clube verde e branco e prosseguiu a carreira no Gil Vicente F. C. na época 1990/91. Arreliadoras lesões acabaram por colocar um ponto final na sua carreira em Portugal.


Penduradas as botas de profissional, o atacante brasileiro não perdeu as qualidades de goleador e conquistou por 5 vezes o prémio de Melhor Marcador no Campeonato de Veteranos, ao serviço do Aliados Futebol Clube, entre 1993 e 1998, apenas não vencendo o prémio em 1997.


Actualmente, reside na sua cidade natal, sendo um empresário de sucesso e gerindo diversas fazendas no Mato Grosso do Sul. Continua ligado ao futebol, sobretudo na formação de jogadores. Pertence ainda ao departamento de futebol do Cascavel Clube Recreativo, clube resultante de uma fusão entre três clubes de Cascavel, inclusive o Cascavel Esporte Clube, seu primeiro clube como profissional. O filho Guilherme Cascavel joga agora em Portugal, no Penafiel.

quarta-feira, 28 de setembro de 2011




EFEMÉRIDETim Maia, de seu verdadeiro nome Sebastião Rodrigues Maia, cantor, compositor, produtor, guitarrista, baterista, multi-instrumentista e empresário brasileiro, nasceu no Rio de Janeiro em 28 de Setembro de 1942. Morreu em Niterói no dia 15 de Março de 1998.


Foi um dos pioneiros da introdução do estilo soul na Música Popular Brasileira e um dos maiores ícones da música no Brasil. As canções de Tim Maia eram marcadas pela rouquidão da sua voz, sempre grave e carregada.


Nascido no Bairro da Tijuca, começou a compor melodias ainda criança e já surpreendia a numerosa família, na qual se incluíam dezanove irmãos. Tocou bateria no grupo Tijucanos do Ritmo, formado na Igreja dos Capuchinhos próxima de sua casa, passando logo para o violão.


Em 1957 fundou o grupo The Sputniks, onde cantou juntamente com Roberto Carlos. Em 1959 emigrou para os Estados Unidos, onde estudou inglês e teve os primeiros contactos com o soul. Quatro anos mais tarde foi preso e deportado por posse de drogas.


Em 1970 gravou o primeiro LP, “Tim Maia”, que rapidamente se tornou num sucesso em todo o Brasil, ficando no primeiro lugar de vendas no Rio de Janeiro durante 24 semanas. Nos anos seguintes, lançou vários discos. Em 1988 venceu o Prémio Sharp na categoria de Melhor Cantor.


Na década de 1990, diversos problemas assolaram a sua vida, principalmente relacionados com a saúde precária, devido ao consumo de cocaína e álcool, obesidade (pesava 140 kg), diabetes e problemas respiratórios. Ainda assim, aumentou muito a sua produtividade gravando mais de um disco por ano, com um reportório mais abrangente que incluía bossa nova, canções românticas, funks e souls. Muitas das suas composições foram regravadas por cantores da nova geração como Marisa Monte. Em 1997 lançou três CD simultâneos, perfazendo 33 discos em 28 anos de carreira. Fez uma nova viagem aos Estados Unidos.


Em 1998, sem se sentir em condições para realizar um show no Teatro Municipal de Niterói, saiu numa ambulância e veio a falecer uma semana depois, com uma infecção generalizada e após duas paragens cardíacas e respiratórias.


Foi grande o seu legado para a história da música brasileira, tendo criado um estilo que futuramente viria a ser cantado por diversos artistas. A sua canção mais conhecida mundialmente é “Um Dia de Domingo”, cantada com Gal Costa.


Muitas homenagens lhe foram prestadas depois do seu desaparecimento. Em Janeiro de 2001, o guitarrista Robin Finck dos Guns N' Roses tocou uma versão rock do seu sucesso “Sossego”, durante a apresentação da banda no Rock In Rio. Em 2004, a Som Livre lançou o álbum “Soul Tim: Duetos”, onde vários artistas realizaram duetos póstumos através de recursos tecnológicos. Em Dezembro de 2007, a Rede Globo dedicou-lhe o programa “Por Toda a Minha Vida”. Ainda nesse ano, o jornalista e produtor musical Nelson Motta, amigo e fã de Tim, lançou o best-seller “Vale Tudo – O som e a fúria de Tim Maia”. Em 2009 foi homenageado no programa “Som Brasil”. Em 2011, Nelson Motta e João Fonseca fizeram um musical baseado no livro “Vale Tudo”.


Melanie ao vivo

terça-feira, 27 de setembro de 2011




EFEMÉRIDE Lhasa de Sela, cantora americana de ascendência mexicana e americano-judaico-libanesa, nasceu em Big Indian, no Estado de Nova Iorque, em 27 de Setembro de 1972. Morreu em Montreal no dia 1 de Janeiro de 2010, vítima de cancro na mama.


Era filha de um escritor e professor mexicano, que percorria os Estados Unidos e o México em missões profissionais, e de uma fotógrafa americana. Passou a infância saltando de terra em terra, juntamente com os pais e os irmãos.


A sua obra musical mistura a tradição mexicana e cigana, o folk americano, a canção francesa, o soul e o rock, sendo cantada em três idiomas : espanhol, francês e inglês.


Apenas com 13 anos, começou a cantar jazz num café grego de São Francisco. Aos dezoito estudou no St. John's College de Santa Fé, onde esteve um ano. Foi depois para Montreal, com a finalidade de visitar os irmãos que estudavam na Escola Nacional de Circo. Ficou a morar com as irmãs, trabalhando de dia e cantando à noite. Foi então que conheceu Yves Desrosiers, um encontro que foi determinante para a sua carreira. Com ele gravou o seu primeiro álbum em 1997. Descobertos pelo director artístico da editora independente Audiogram, aqui produziu “La Llorona”, disco lançado em 1998 que foi um sucesso mundial, «evocando uma América Latina ao mesmo tempo real e imaginária, nascida da memória de uma infância itinerante».


Depois de tournées efectuadas em 1998 e 1999, juntou-se em França ao circo contemporâneo “Pocheros”, onde trabalhavam as suas irmãs Ayin, Sky e Miriam. Fixou-se em Marselha durante dois anos e meio. Voltou a Montreal em 2002, onde finalizou o álbum “The Living Road”. Enquanto “La Llorona” era cantado inteiramente em espanhol, este disco era interpretado em espanhol, francês e inglês. A capa foi desenhada por ela mesma e o álbum foi lançado em 2003.


Em 2004 e 2005 fez uma longa tournée, percorrendo a Europa, os Estados Unidos, o Canadá e o México. Deu mais de 180 espectáculos, todos com grande êxito.


As suas canções foram igualmente utilizadas nas bandas sonoras de vários filmes e séries de televisão, como por exemplo em “Os Sopranos”. Foi premiada com o título de A Melhor Artista das Américas, quando da gala dos World Music Awards da BBC em 2005.


Em 2009, lançou mais um álbum, ao qual deu o seu nome, todo cantado em inglês, a sua língua materna. Apresentou-o no Canadá e na Europa. Depois de dois concertos na Islândia, teve de anular o resto da tournée por razões de saúde. Soube-se então que lutava contra um cancro há mais de 21 meses. Morreu no primeiro dia de 2010, na sua residência em Montreal. Tinha 37 anos.

A culpa é do Novo Acordo Ortográfico...

segunda-feira, 26 de setembro de 2011




EFEMÉRIDEJoaquim Jorge Magalhães Saraiva da Mota, advogado e político português, morreu em Lisboa no dia 26 de Setembro de 2007. Nascera em Santarém, em 17 de Novembro de 1935.


Foi um dos três fundadores do PPD – Partido Popular Democrático, em 6 de Maio de 1974 (mais tarde rebaptizado PPD/PSD - Partido Social Democrata).


Antes da Revolução dos Cravos, foi deputado à Assembleia Nacional (fazendo parte da chamada Ala Liberal, entre 1969 e 1973), tendo fundado e dirigido a SEDES – Associação para o Desenvolvimento Económico e Social.


Já depois do 25 de Abril 1974, foi Ministro da Administração Interna do I Governo Provisório e Ministro sem Pasta do II, III e IV Governos Provisórios. Não participou no V Governo Provisório, voltando no VI Governo Provisório, como Ministro do Comércio Interno.


Em 1979 abandonou o PPD/PSD, por divergências com a estratégia do seu líder, Sá Carneiro. A partir de 1980 foi deputado pela ASDI, juntando-se mais tarde ao PRD – Partido Renovador Democrático.

domingo, 25 de setembro de 2011




EFEMÉRIDECatherine Zeta-Jones, actriz, dançarina e cantora britânica, nasceu em Swansea no dia 25 de Setembro de 1969.


A sua carreira artística começou muito precocemente. Antes dos dez anos de idade, já cantava e dançava na companhia teatral de uma congregação católica. Aos 15 anos, deixou Swansea e foi para Londres tentar o sucesso nos palcos.


Estreou-se no cinema em 1990, no filme “As 1001 noites" do realizador francês Philippe de Broca. Em 1991, participou na série britânica “The Darling Buds of May”. Em 1992 e 1993 entrou na série “The Young Indiana Jones Chronicles”. Em 1995, protagonizou Catarina a Grande, numa série sobre a imperatriz russa Catarina II.


Em 1997, Steven Spielberg ao visionar um seu filme ficou encantado com o talento da actriz, indicando-a para o papel feminino principal de “A Máscara do Zorro”, onde actuou ao lado de Antonio Banderas e Anthony Hopkins. Em 1998 foi eleita a Mulher Mais Bela do Mundo pela revista “People”. No ano seguinte, protagonizou “A Armadilha”, com Sean Connery.


Michael Douglas, extasiado com a beleza de Catherine durante o Festival de Deauville, em Setembro de 1998, pediu a Banderas que a apresentasse. Casaram-se na cidade de Nova Iorque em 2000, após pouco mais de dois anos de namoro. Por curiosidade, têm 25 anos de diferença de idade e Michael Douglas nasceu igualmente num dia 25 de Setembro.


Em 2000, Catherine, grávida do primeiro filho, entrou na película “Traffic”, que contou ainda com a participação do marido. Uma de suas maiores conquistas profissionais veio em 2003, com o Oscar de Melhor Actriz Secundária no filme “Chicago”. Desde então, Catherine tem vindo a fazer aparições esporádicas em filmes como “Intolerable Cruelty” (com George Clooney), “The Terminal” (com Tom Hanks) e “Ocean's Twelve”. Entrou também na continuação de “A Máscara do Zorro”, intitulada “The Legend of Zorro”.


Em 2009 só protagonizou um filme, aliás sem grande sucesso, e – em 2010 – regressou às suas primeiras paixões, o canto e a dança, representando na Broadway a comédia musical “A Little Night Music”, que lhe valeu o Prémio de Melhor Actriz numa Comédia Musical. Em 2010 foi-lhe concedido o título de Comendadora do Império Britânico pela rainha Isabel II.


Recentemente, admitiu estar deprimida devido à doença do marido e esteve internada numa clínica americana durante algum tempo. Michael Douglas teve um cancro de que parece estar curado. Catherine Zeta-Jones tem três filmes previstos para 2012.

sábado, 24 de setembro de 2011




EFEMÉRIDE Duarte Lobo, compositor português da época do Renascimento tardio e do Barroco inicial, morreu em Lisboa no dia 24 de Setembro de 1646. Nascera no ano de 1565.


É considerado um dos músicos da “época de ouro” da polifonia portuguesa. Sabe-se pouco da sua vida. Terá nascido em Alcáçovas ou em Lisboa e foi aluno de Manuel Mendes em Évora. O seu primeiro trabalho terá sido o de Mestre de capela da catedral eborense. Em 1594 era Mestre de capela da catedral de Lisboa. Ensinou música no Colégio do Claustro da Sé em Lisboa, onde se manteve pelo menos até 1639. Mais tarde, dirigiu na capital a capela do Seminário de São Bartolomeu. Assinava as suas obras como Eduardus Lupus.


Embora cronologicamente a sua vida se sobreponha à época do Barroco, escreveu música essencialmente ao estilo renascentista, recebendo influência de Palestrina e mostrando um certo afastamento das descobertas italianas e alemãs.


A sua música é muito atractiva, com força expressiva, tirando partido das características rítmicas e harmónicas do texto latino, em conformidade com as disposições do Concílio de Trento.


Publicou seis livros de música sacra, incluindo missas, responsórios, antífonas, magnificats e motetes. Exemplares de praticamente tudo o que da sua obra foi editado em Antuérpia e em Lisboa encontram-se dispersos por várias cidades (Coimbra, Évora, Vila Viçosa, Valladolid, Sevilha, Munique, Londres e Viena).

sexta-feira, 23 de setembro de 2011




EFEMÉRIDERobert Bosch, industrial e inventor alemão, fundador da Robert Bosch GmbH, nasceu em Albeck no dia 23 de Setembro de 1861. Morreu em Estugarda, em 12 de Março de 1942.


De 1869 a 1876 estudou na Realschule (escola de ensino secundário técnico), tendo feito a sua aprendizagem como mecânico de precisão. Trabalhou seguidamente em várias sociedades na Alemanha, nos Estados Unidos (Thomas Edison em Nova Iorque) e no Reino Unido (Siemens).


Em Setembro de 1886 abriu o seu próprio atelier de mecânica de precisão e de engenharia eléctrica em Estugarda. Um ano depois, realizou uma inovação decisiva que permitiu gerar electricidade para fazer a chama necessária à inflamação da mistura ar/carburante nos motores de combustão. Bosch foi o primeiro a adaptar este dispositivo a um veículo motorizado. Resolveu assim um dos grandes problemas técnicos encontrados pela indústria automóvel nos seus primórdios. A primeira invenção comercializada foi uma vela (1902), que permitiu o desenvolvimento do motor de combustão interna.


Antes do fim do século XIX, estendeu os seus negócios para além das fronteiras alemãs. Assim, criou um escritório de vendas na Grã-Bretanha em 1898 e, mais tarde, noutros países europeus. Em 1913, tinha filiais também na América, na Ásia, em África e na Austrália. Oitenta e oito por cento das suas vendas eram já geradas fora da Alemanha.


Nos anos que se seguiram à Primeira Guerra Mundial, lançou outras inovações para a indústria automóvel, como a injecção de carburante diesel em 1927.


Nos anos 1920 foi atingido pela crise económica mundial. Começou então um programa rigoroso de modernidade e de diversificação. Em apenas alguns anos, conseguiu transformar a sua empresa num grupo electrónico multinacional.


Escreveu em 1932 o livro “The prevention of future crises in the world economic system”, editado em Londres em 1937.


Robert Bosch apostou sempre no saber e na formação contínua. Preocupado com a sua consciência de empresário e com a sua responsabilidade, foi um dos primeiros industriais alemães a adoptar o dia de oito horas de trabalho. Doou vários milhões de marcos a obras de beneficência e dotou a cidade de Estugarda com um hospital, que foi inaugurado em 1940.


Nos anos 1920 e 1930 esteve activo também politicamente, fazendo parte de numerosos comités económicos. Consagrou muito da sua energia e dinheiro para conseguir uma reconciliação entre a Alemanha e a França. Exprimiu mesmo a esperança de que esta reconciliação pudesse contribuir para uma paz duradoira na Europa e conduzir à criação de um espaço económico europeu sem barreiras alfandegárias.


O regime nacional-socialista na Alemanha pôs fim à sua esperança de paz. A sociedade aceitou então contratos de armamento e empregou trabalhadores forçados durante a Segunda Guerra Mundial. No entanto, até morrer em 1942, Bosch apoiou clandestinamente a resistência ao nazismo. Com os seus mais próximos colaboradores, conseguiu até salvar muitos judeus ameaçados de deportação pelos nazis.


«Todas as minhas actividades foram sempre guiadas por esta divisa: ‘É preferível perder dinheiro do que perder a confiança de um cliente’» – Esta era a directiva de qualidade das empresas de Robert Bosch.

quinta-feira, 22 de setembro de 2011




EFEMÉRIDEIrving Berlin, de seu nome original Israel Isidore Beilin, compositor e letrista norte-americano de origem russo-judaica, morreu em Nova Iorque no dia 22 de Setembro de 1989. Nascera na Sibéria, Rússia, em 11 de Maio de 1888. A família emigrou para os Estados Unidos quando ele tinha cinco anos.


Após a morte do pai em 1896, Irving começou a trabalhar para sobreviver. Teve vários empregos de rua, como ardina e saltimbanco. A dura realidade de ter de trabalhar para não morrer de fome teve um permanente efeito no modo como tratava o dinheiro.


Quando trabalhava como garçon no Café Pelham em Chinatown, perguntou ao dono se podia escrever uma canção para o café, visto que a taverna rival tinha a sua própria melodia. “Marie from Sunny Italy”, com música de Nick Nicholson, o pianista do café, foi a canção apresentada. Com ela ganhou 37 cêntimos do dólar.


Berlin começou por trabalhar unicamente como letrista e só mais tarde se iniciou na composição de música. Aprendeu sozinho a tocar piano. Foi um dos mais prolíficos compositores da história, apesar de nunca ter aprendido a ler música para além de um nível muito rudimentar. Com a ajuda de vários assistentes e colaboradores musicais, compôs mais de 3 000 canções. Muitas delas, como “God Bless America”, “White Christmas”, “Anything You Can Do” e “There's No Business Like Show Business”, deixaram uma marca indelével na cultura e música mundiais. Compôs igualmente dezassete bandas sonoras para cinema e vinte e uma para a Broadway.


A canção patriótica “God Bless America”, composta em 1918, é muitas vezes considerada com o hino nacional oficioso norte-americano. O single com a canção “White Christmas” é um dos mais vendidos de sempre, ultrapassando 50 milhões de exemplares. Morreu aos 101 anos

quarta-feira, 21 de setembro de 2011




EFEMÉRIDEMarat Naïlevitch Izmaïlov, futebolista russo de etnia tártara, nasceu em Moscovo no dia 21 de Setembro de 1982.


Iniciou a sua carreira no Lokomotiv de Moscovo, em 2001. Participou na conquista dos dois primeiros campeonatos nacionais do clube em 2002 e 2004, facto que veio interromper a hegemonia do rival Spartak. Nos mesmos anos venceu a Super Taça da Rússia.


Em 2007 foi emprestado ao Sporting Clube de Portugal, tendo sido contratado no ano seguinte por cinco anos, mediante o pagamento de 4,5 milhões de euros. Em representação do Sporting, ganhou as Super Taças de Portugal de 2007 e 2008 e a Taça de Portugal de 2008.


Representou a Selecção Nacional Russa aos 18 anos, tendo defendido desde então por 31 vezes as cores do seu país. Disputou também dois jogos pela equipa Olímpica. É um dos jogadores mais talentosos da sua geração.


Por mera curiosidade, salienta-se que o seu apelido, lido em inglês, soa como “Is My Love”.

terça-feira, 20 de setembro de 2011




EFEMÉRIDENuno Bettencourt, guitarrista português, nasceu na Praia da Vitória, Terceira, Açores, no dia 20 de Setembro de 1966. É famoso pelos seus solos extremamente técnicos.


Mudou-se com a família para Hudson, Massachusetts, aos 21 anos. Não tinha grande interesse pela música e preferia jogar hóquei e futebol. O primeiro instrumento que tocou foi bateria, até que o irmão começou a ensinar-lhe a tocar guitarra. Acabou por aprender de forma autodidacta.


Em 1985 juntou-se à banda Extreme. Em Agosto de 1987 fizeram um concerto em Boston com a presença de executivos de grandes gravadoras e, em Novembro, assinaram com a A&M Records.


Em Março de 1988, os Extreme fizeram uma nova grande apresentação ao público, abrindo um concerto dos “Aerosmith” (banda também de Boston).


Depois de uma tournée pela América do Norte e Japão, lançaram em 1990 o álbum “Pornograffitti” que os tornou definitivamente famosos. Ainda neste ano, participou no disco “Putting Back The Rock” de Jim Gilmore.


Em Dezembro de 1990 a Washburn Guitars lançou uma série de guitarras, “N4 – Nuno Bettencourt Signature Series”, com a sua assinatura.


O singleMore Than Words” alcançou o primeiro lugar de vendas em vários países. Durante uma segunda tournée, tocaram em vários festivais e com vários grupos e cantores famosos. Nuno foi convidado para tocar no “Guitar Legends” em Sevilha, Espanha.


Em Janeiro de 1992, os “Extreme” fizeram um dos maiores concertos da sua história, perante cerca de 60 000 pessoas, no Hollywood Rock do Rio de Janeiro. Nuno Bettencourt não parava de ganhar prémios. Foi premiado, em todas as categorias em que foi nomeado, no “Guitar For The Practicing Musician readers’ poll” e ainda ganhou os prémios: “Top Of The Rock”, “Songwriter of the Year”, “Solo of the Year” e “Guitar LP of the Year”. Os Extreme foram indicados para oito categorias no “Boston Music Awards” e ganharam cinco delas. Em Abril tocaram "More Than Words" e uma versão acústica de "Love of My Life" (dos Queen) no concerto de Tributo a Freddie Mercury, para mais de 70.000 pessoas, no estádio de Wembley.


Nuno participou no tema “Maubere” de Rui Veloso a favor da causa Timorense. Em Setembro de 1992 foi lançado o terceiro álbum dos Extreme, “III Sides To Every Story”. Nuno ganhou o prémio “Guitarist of the Year” do “Metal Edge Magazine”. A tournée europeia da banda terminou em Dezembro de 1992, novamente no estádio de Wembley. Os Extreme ganharam entretanto vários prémios. Nuno recebeu o “MVP” no Guitar World readers’ poll, deixando para trás, entre outros, Eric Clapton. Ganhou também os prémios “Best Rock Guitar”, “Best Rock Guitar Album” e “Best Solo”.


Em 1993, Bettencourt co-escreveu e produziu “Where Are You Guine”, para o filme “Super Mario Bros”.


1995 foi o ano do quarto álbum da banda, “Waiting For The Punchline”. Mais um sucesso, com vários hits. A primeira e única canção instrumental dos Extreme saiu neste álbum, uma sensacional canção de violão chamada “Midnight Express”.


Em 1996 saiu da banda para iniciar uma carreira a solo. Em Dezembro de 1997, formou a banda Mourning Widows que lançou no Japão, através da Polydor, um álbum que vendeu 45 000 exemplares no primeiro mês. O segundo álbum da banda, “Furnished Souls for Rent”, foi lançado originalmente no Japão mo ano 2000.


Em 1999 gravou “Try Again” com a cantora Lúcia Moniz e gravou “Every Diamond” para um disco de tributo a Rui Veloso.


Formou a banda Population 1, que lançou um disco em 2002. Devido a questões legais, o nome teve de ser alterado passando finalmente para DramaGods, que lançou o primeiro álbum em Dezembro de 2005.


Nuno tocou com os The Satellite Party de Perry Farrell até Julho de 2007. Ajudou a produzir “Ultra Payloaded”, o álbum de estreia do grupo lançado em Maio de 2007 pela Columbia Records.


A banda de Hard Rock, Extreme, regressou em 2008 com o disco “Saudades do Rock”, o primeiro lançamento de estúdio em 13 anos.


Em 2008, Nuno Bettencourt destacou-se na banda sonora do filme “Smart People”. Em 2010 e 2011 fez tournées com a cantora Rihanna.


Como guitarrista e compositor, Bettencourt consegue dar vida a uma variedade de estilos e influências. Os seus trabalhos mais importantes foram no campo do rock e heavy metal, mas os seus maiores sucessos foram canções acústicas.


Vive actualmente em Los Angeles com a esposa, a cantora Suze DeMarchi, e com os dois filhos.

segunda-feira, 19 de setembro de 2011




EFEMÉRIDEEduardo dos Reis Carvalho, futebolista português, guarda-redes internacional, nasceu em Mirandela no dia 19 de Setembro de 1982.


Em 2008 defendeu três grandes penalidades na final da Taça da Liga, contribuindo de forma decisiva para que o Vitória de Setúbal ganhasse a 1ª edição desta prova.


Em Junho de 2008, com Jorge Jesus como treinador do Braga, regressou a este clube depois de duas temporadas de empréstimo. Ajudou a conquistar a Taça Interloto e foi eleito o Melhor Guarda-Redes da Liga. Titular na temporada 2009/2010, ao lado de Quim, foi Vice-Campeão Nacional e o guarda-redes com menos golos sofridos no campeonato.


Foi chamado por Carlos Queiroz para as eliminatórias do Mundial de 2010, onde foi suplente do então titular Quim. Estreou-se pela Selecção em Fevereiro de 2009, num amigável frente à Finlândia. Conseguiu a partir de então impor-se como titular, jogando todos os restantes jogos da fase de qualificação. Em Junho de 2010, foi incluído na lista dos 23 jogadores que representaram Portugal nos Mundiais da África do Sul. Eduardo seria considerado o Melhor Guarda-Redes da competição no ranking da FIFA.


Depois de cinco anos ao serviço do clube minhoto, com alguns empréstimos pelo meio, foi anunciada a sua transferência em Julho de 2010 para o clube italiano Genoa CFC por 4,5 milhões de euros. Depois de um ano em Itália, Eduardo voltou a Portugal, emprestado ao Sport Lisboa e Benfica.


video


Número errado


O voo da águia

Tom Jobim e Elis Regina

domingo, 18 de setembro de 2011




EFEMÉRIDEMário Jardel Almeida Ribeiro, futebolista brasileiro, nasceu em Fortaleza no dia 18 de Setembro de 1973. Recebeu o seu nome em homenagem ao actor de telenovelas Jardel Filho. Ficou famoso como goleador e pela sua grande impulsão (2m50), que o levava a fazer muitos golos de cabeça.


Teve uma passagem marcante pelo futebol português, tendo jogado no Porto e no Sporting. Foi um dos melhores atacantes que actuou em Portugal, marcando muitos golos e demonstrando uma qualidade técnica digna de registo.


Jogador formado nas escolinhas do Ferroviário, actuou na equipa principal deste clube em 1990. No ano seguinte, brilhou nos juvenis e despertou o interesse do Vasco da Gama que pagou 27 500 dólares pelo seu passe (1993). O Bicampeonato Brasileiro de Juniores e a conquista do Mundial Sub-21, na Austrália, pela selecção brasileira, trouxeram-lhe o primeiro contrato profissional. Em 1993 foi o Melhor Marcador da Taça Belo Horizonte e da Copa São Paulo de Juniores, além de ser Campeão Carioca. Na recta final do ano de 1994, Jardel foi definitivamente lançado como titular, vencendo o Campeonato Carioca de Seniores.


No ano seguinte foi emprestado ao Grémio onde, ao lado de Paulo Nunes, formou a “dupla infernal”. Jardel caiu nas graças do técnico Felipão que montou um esquema táctico especial para ele. Com o Grémio, conquistou um dos títulos mais importantes da sua vida desportiva, a “Taça Libertadores” de 1995. No ano seguinte sagrou-se Campeão Gaúcho e venceu a Recopa Sul-americana.


Foi então transferido para o Porto. Aqui conheceu os maiores êxitos da sua carreira. Foi vencedor das Super Taças Cândido de Oliveira nas temporadas 1996/97, 1997/1998 e 1998/1999; Tricampeão português em 1996/97, 1997/98 e 1998/99; e vencedor das Taças de Portugal em 1997/98 e 1999/2000. Os adeptos do Porto imortalizaram-no com a alcunha de “Super Mário”.


Transferiu-se para a Turquia na temporada 2000/2001, marcando cinco golos logo na estreia e tornando-se o “artilheiro de serviço” do Galatasaray, com 24 golos em 22 partidas. Venceu a Taça UEFA 1999/2000 e a Super Taça Europeia 2000. Em virtude de lesões, dificuldades de adaptação e problemas pessoais (divórcio e depressão) não ficou muito tempo no clube.


Jogou depois no Sporting de 2001 a 2003, sendo Campeão Português, vencedor da Taça de Portugal e da Super Taça em 2001/2002. Marcou 42 golos em 30 jogos nessa temporada. A sua passagem pelo Sporting, foi determinante para o clube vencer a “tríplice coroa” (Campeonato, Taça e Super Taça).


Especulou-se depois acerca da sua transferência para um grande clube europeu que não se veio a realizar. Entretanto, ganhou peso e perdeu a forma. Em 2003 transferiu-se para o Bolton, onde jogou apenas sete partidas. Foi emprestado ao Ancona, onde jogou só quatro jogos e não convenceu a comissão técnica devido à sua condição física. Em 2004 tentou transferir-se para o Corinthians, mas não foi contratado novamente por causa da forma física. Foi emprestado ao Palmeiras em Abril de 2004, não tendo jogado nenhuma vez. Foi desligado do clube no final de Junho pois, após ter sido dispensado dos treinos para poder acompanhar o velório da sua avó, em Fortaleza, não entrou mais em contacto com o clube paulista.


Em Julho de 2004, transferiu-se para o Newell's Old Boys, onde jogou três partidas e venceu o Torneio Argentino de Abertura.


Em 2005 foi para o Deportivo Alavés, de Espanha, mas não chegou a jogar. Mário Jardel treinou então durante algumas semanas em São Paulo para tentar recuperar a forma.


Em Agosto de 2005 o Nancy, lanterna vermelha do Campeonato Francês, com quatro derrotas em quatro jogos, anunciou o interesse pela sua contratação. Jardel chegou a treinar três dias com o clube francês, mas em 30 de Agosto foi anunciada a sua contratação pelo Ankaraspor. Jardel, no entanto, atrasou-se na viagem e o clube turco não conseguiu inscrevê-lo a tempo.


Em Setembro de 2005 foi contratado pelo Goiás por três meses, contrato que poderia ser prolongado por mais um ano. Venceu o Campeonato Goiano de 2006.


Em Julho de 2006 foi apresentado como reforço do Beira-Mar da 1ª Liga Portuguesa. O seu regresso ao futebol português esteve em risco devido aos repetidos atrasos de Jardel em apresentar-se no clube. No primeiro jogo marcou um “golo à antiga”. Tinha sido porém uma excepção e acabou por ser dispensado.


Transferiu-se em Janeiro de 2007 para o Anorthosis Famagusta. O clube cipriota terminou a temporada de 2006/2007 no terceiro lugar do campeonato e, em Maio, sagrou-se vencedor da Taça do Chipre. Jardel juntou assim mais um título ao seu palmarés.


Em Agosto de 2007, assinou pelos United Jets, mas abandonou o clube em Janeiro de 2008.


Em entrevista ao programa “Esporte Espetacular”em Abril de 2008, Jardel admitiu que andava a drogar-se com cocaína. Nessa mesma entrevista, afirmou estar pronto para voltar a jogar e disse ter vontade de vestir novamente a camisola do Grémio.


Em Julho de 2008, assinou um contrato de cinco meses com o Criciúma e competiu nessa temporada na 2ª divisão do campeonato brasileiro.


Em Fevereiro de 2009 foi anunciado como novo reforço do Ferroviário. Em Agosto estreou-se no América Footbal Club da terceira divisão do Ceará. Em Janeiro de 2010, assinou um contrato de seis meses com o Flamengo. Em Junho de 2010, foi contratado por um ano pelo Cherno More Varna, da Bulgária. Em Dezembro regressou ao Brasil onde representou o Rio Negro de Manaus na época de 2011.


Internacional onze vezes pela selecção brasileira, jogou apenas sete jogos. Foi três vezes o Melhor Jogador do Campeonato Português, recebeu duas vezes a Bota de Ouro do jornal “A Bola” e uma vez a Bota de Ouro Europeia. Foi uma vez o Melhor Marcador da Copa Libertadores, cinco vezes do Campeonato Português, uma vez da Taça UEFA e duas da Liga dos Campeões Europeus.

sábado, 17 de setembro de 2011




EFEMÉRIDE Serge Klarsfeld, escritor e historiador francês, advogado da causa dos deportados judeus franceses, nasceu em Bucareste no dia 17 de Setembro de 1935.


Em 1943, apenas com 8 anos, escapou à Gestapo em Nice, mas o pai foi deportado para Auschwitz. Diplomou-se em Estudos Superiores de História na Sorbonne e é licenciado pelo Instituto de Estudos Políticos de Paris.


A sua mulher tornou-se conhecida do público em 1968, ao dar uma bofetada ao chanceler alemão Kurt Georg Kiesinger, que tinha sido membro do partido nazi durante a Segunda Guerra Mundial.


Depois da Guerra, conseguiu – juntamente com a esposa, levar a tribunal vários nazis como Klaus Barbie Ambos são conhecidos como “caçadores de nazis”, tendo tido também um papel fundamental no “Processo Maurice Papon”, um colaboracionista que chegou a ser prefeito da Policia de Paris, ocultando o seu passado.


Em Julho de 1979, o casal foi vítima de uma tentativa de assassinato pela rede nazi “Odessa”, que pedia a paragem imediata das investigações para encontrar criminosos nazis. Nesse mesmo ano, Serge Klarsfeld foi a Teerão para protestar contra a execução de judeus libaneses.


Os Klarsfeld fizeram uma campanha em 1986 contra Kurt Waldheim, oficial da Wehrmacht durante a Segunda Guerra Mundial, que foi eleito presidente da Áustria. Em 1996 protestaram igualmente contra Radovan Karadžić e Ratko Mladić.


Em França criaram a Associação dos Filhos dos Deportados Judeus de França, que tem por finalidade defender, sob todos os pontos de vista, a causa dos descendentes dos deportados. Em 1981, esta associação inaugurou em Israel o Memorial da Deportação dos Judeus Franceses, um vasto monumento onde estão inscritos os nomes, as datas e os locais de nascimento das 80 000 vítimas francesas do extermínio. À volta, estão plantadas 80 000 árvores em homenagem aos desaparecidos.


Tony Bennett & Amy Winehouse

sexta-feira, 16 de setembro de 2011




EFEMÉRIDELauren Bacall, de seu verdadeiro nome Betty Joan Perske, consagrada actriz norte-americana de cinema, teatro e televisão, nasceu em Nova Iorque no dia 16 de Setembro de 1924.


Conhecida pela sua voz rouca e aparência sensual, tornou-se um ícone da moda e um modelo para a mulher moderna. Hoje é considerada uma lenda do cinema, em parte devido à sua longevidade como actriz. Ficou conhecida sobretudo por desempenhos importantes no cinema “negro”, em filmes como “À Beira do Abismo” (1946) e “Prisioneiro do Passado” (1947), e em comédias, como o filme “Como Agarrar um Milionário” (1953).


O pai, que era ainda parente do ex-primeiro-ministro de Israel Shimon Peres, nasceu na Polónia, numa zona que faz hoje parte da Bielorrússia. A mãe nasceu na Roménia com antepassados alemães. Divorciaram-se quando ela tinha menos de seis anos de idade. Nunca mais viu o pai e, quando se tornou uma estrela do cinema, levou a mãe para viver consigo na Califórnia.


Criada pela mãe, estudou dança durante treze anos e teve aulas de interpretação desde 1939 na Academia Americana de Artes Dramáticas, curso que não concluiu por dificuldades económicas. Durante esse tempo, foi funcionária num teatro e trabalhou como modelo em part-time.


Fez a sua estreia como actriz na Broadway em 1942, na peça “Johnny Two By Four”. Naquela época o seu ídolo era Bette Davis. De acordo com a sua autobiografia, sabe-se que ela teve a oportunidade de encontrar Bette Davis no seu hotel. Anos depois, foi Davis que visitou o camarim de Bacall para a felicitar pela sua performance em “Applause”.


Bacall tinha projectado uma carreira no palco mas, por mero acaso, entrou no mundo do cinema. A mulher do realizador Howard Hawks notou Bacall numa capa da revista “Harper's Bazaar” (1943), mostrou a foto ao marido e este fez um telefonema para Nova Iorque a fim de a convocar para um teste em Hollywood. Não gostando do nome “Betty”, Hawks trocou o nome dela para Lauren. Fez-lhe vários testes e escolheu-a para a sua película seguinte “Uma Aventura na Martinica” (1944). Ela ficava muito nervosa em frente da câmara. Então Hawks sugeriu que ela inclinasse a cabeça e puxasse o cabelo para um dos lados do rosto. Ela pressionou o queixo contra o peito e dirigiu os olhos para cima de modo a poder olhar para a câmara. Esse efeito veio a deixá-la conhecida como “The Look” (“O Olhar”).


Encontrou nos estúdios Humphrey Bogart, que na época era casado com Mayo Methot. Passaram a relacionar-se e, algumas semanas depois, começaram a encontrar-se fora dos estúdios. Depois do divórcio de Bogart, casaram-se em 1945. Considerados um casal modelo, ficaram juntos até à morte do actor em 1957. O filme “Uma Aventura na Martinica” levou-a a um estrelato instantâneo. A sua participação foi mais tarde considerada uma das mais notáveis estreias na história do cinema.


Ainda com 20 anos, Bacall foi título de jornais do mundo inteiro. Apareceu depois com Bogart no filme de suspense “À Beira do Abismo” (1946) e no melodramático de John Huston, “Paixões em Fúria” (1948).


Depois da morte de Bogart mudou-se para Nova Iorque, sendo protagonista de muitas peças de teatro na Broadway até 1995. Paralelamente prosseguiu a carreira cinematográfica e voltou a casar-se em 1961 divorciando-se em 1969.


Continua a trabalhar apesar dos seus 86 anos, dando voz a personagens de filmes de desenhos animados. Escreveu duas autobiografias, “Lauren Bacall: By Myself “ (1978) e “Now” (1994). Recebeu um Oscar de Honra em 2009.

quinta-feira, 15 de setembro de 2011




EFEMÉRIDE – William Oliver Stone, realizador, cenarista e produtor de cinema norte-americano, nasceu em Nova Iorque no dia 15 de Setembro de 1946.


Estudou nas Universidades de Yale e de Nova Iorque. Foi voluntário na Guerra do Vietname, tendo recebido a Estrela de Bronze de Honra ao Mérito Militar. No Vietname, desenvolveu também o seu talento de fotógrafo, mas o conflito veio a ter grande impacto na sua carreira, marcando as suas obras com um sentimento de revolta e de desgosto face ao Estado e à violência contemporânea.


Escreveu ou participou (até como actor) em praticamente todos os filmes que realizou. Para além disso, colaborou nos argumentos de “O Expresso da Meia-noite”, “Conan, o Bárbaro”, “Scarface”, “Year of the Dragon”, “8 Million Ways to Die” e “Evita”.


Logo a seguir aos atentados de 11 de Setembro de 2001 em Nova Iorque, iniciou o “11 September’s Oliver Stone Project”, que culminaria com o filme “World Trade Center”.


Fez películas bastante polémicas e alguns críticos acusam-no de ser um teórico da conspiração, afirmando que os seus filmes manipulam os espectadores. Muitos dizem também que Stone é um dos melhores realizadores de Hollywood mas igualmente o mais controverso. O filme “JFK” foi incluído em quinto lugar na lista dos 25 filmes mais controversos de todos os tempos organizada pela Entertainment Weekly em 2006.


Recebeu os Oscars de Melhor Guião com “O Expresso da Meia-Noite” (1978), de Melhor Realizador e de Melhor Filme com “Platoon” (1986) e de Melhor Realizador com “Nascido em 4 de Julho” (1989). Ganhou Globos de Ouro na categoria de Melhor Realizador em 1986, 1989 e 1991 e na de Melhor Guião em 1978 e 1989. Recebeu um Prémio Especial do Júri no Festival de Veneza de 1994. Nos Festivais de Berlim, foi-lhe concedido um Urso de Prata em 1986 e um Urso de Ouro Honorário em 1990.

quarta-feira, 14 de setembro de 2011




EFEMÉRIDEDmitri Anatoliévitch Medvedev, advogado, administrador e político russo, nasceu em Leninegrado no dia 14 de Setembro de 1965. Tornou-se Presidente da Rússia, ao vencer as eleições de Março de 2008, com mais de 70% dos votos.


Tendo por origem uma família de professores, profissão de prestígio mas com baixa remuneração, cresceu no bairro operário de Kuptchino. Estudou Direito na Universidade Estatal de Leninegrado. Em 1987 obteve a licenciatura e doutorou-se três anos mais tarde em Direito Civil, dedicando-se ao ensino na Universidade de São Petersburgo até 1999. Durante os estudos foi um fanático da fotografia e do hard rock, tendo praticado halterofilismo e ganho algumas competições.


Em 1991 foi co-autor do primeiro livro russo de Direito Civil da era pós-comunista, obra que continua a ser adoptada pelas universidades russas. Desde meados da década de 1990, foi conselheiro do Comité de Relações Exteriores da Prefeitura de São Petersburgo, cujo prefeito era Vladimir Putin.


Em 1993 foi um dos fundadores da empresa Fincell que, por sua vez, fundou a Ilim Pulp Enterprise, um dos gigantes florestais da Rússia. Nesta última estrutura foi director dos “assuntos jurídicos”.


Em 1999, mudou-se para Moscovo, logo que Putin foi nomeado Primeiro-Ministro por Boris Yeltsin. Em Novembro, tornou-se Chefe adjunto da Administração Governamental; em Dezembro, Chefe adjunto do Gabinete Presidencial e, depois, Primeiro Director adjunto de 2000 a 2003. Nas eleições presidenciais de 2000, Medvedev dirigiu a campanha de Putin. Em 2001, Putin encarregou-o da reforma do serviço público.


Em Junho de 2002, tornou-se Presidente do Conselho Fiscal da Gazprom, a companhia de gás do Estado e a maior do mundo. Medvedev está na origem do gasoduto submarino, que liga directamente a Rússia à Europa Ocidental, evitando os países bálticos e a Polónia. Em Outubro de 2003, tornou-se Chefe da Administração do Kremlin. Entre Novembro de 2005 e Maio de 2008, foi Adjunto do Vice-primeiro-ministro, Sergei Ivanov, responsável pelos projectos nacionais prioritários.


Em Dezembro de 2007, foi designado candidato às eleições presidenciais de 2008 pelos quatro partidos da coligação de apoio a Vladimir Putin. Depois de eleito e, ao prestado juramento, declarou que «os seus objectivos mais importantes seriam proteger as liberdades civis e económicas e lutar pelo respeito da lei». Aproveitou a ocasião para assinar um decreto que concedia alojamento aos antigos combatentes.


Não é filiado em nenhum partido político, considerando-se um liberal-democrata. É tido como um dos líderes da ala “liberal” do Kremlin, em oposição aos “siloviki” (exército, polícia e serviços secretos). Fala frequentemente na necessidade de modernizar a Rússia. Assinou um decreto reformando o sistema da função pública, no quadro de uma campanha para “inovar, utilizar novas tecnologias e lutar contra a corrupção”.


Em Maio de 2010, quando do 65º aniversário da vitória na 2ª Grande Guerra Mundial, Medvedev aproveitou a data para convidar soldados estrangeiros, nomeadamente da NATO, para participar no tradicional desfile da Praça Vermelha juntamente com os Russos.


Medvedev é um fervoroso adepto do clube de futebol Zenit de São Petersburgo, patrocinado pela Gazprom e, curiosamente, Campeão Russo e vencedor da Taça UEFA, no ano em que ele se tornou Presidente da Rússia. É fã igualmente da banda “Deep purple”, que convidou para jantar em 2011 quando da sua tournée pelo território russo.



video


"Apanhados" - Mochilas...


Mulheres - Martinho da Vila

terça-feira, 13 de setembro de 2011




EFEMÉRIDECharles Brown, compositor, músico e cantor de blues e de rhythm and blues americano, nasceu em Texas City no dia 13 de Setembro de 1922. Morreu em Oakland, em 21 de Janeiro de 1999.


Era um intérprete com voz doce e aveludada, representante de um rhythm & blues com ritmo lento, ao estilo de Nat King Cole.


Órfão de pai e mãe, foi criado por uma avó que dirigia um coral e que lhe ensinou piano e o iniciou no gospel, no jazz e na música clássica. Tocou piano numa igreja e, a partir dos catorze anos, em boites nocturnas de Galveston Beach.


Caso raro para um cantor de blues, inscreveu-se na Universidade e licenciou-se em Ciências em 1943, ensinando depois num liceu de Baytown. Deixou mais tarde o Texas para se fixar em Los Angeles, onde ganhou um concurso para artistas amadores, conseguindo assim um contrato para a orquestra do Lincoln Theatre.


Em 1941, integrou o trio Johnny Moore And The Three Blazers como pianista e cantor. Gravaram o primeiro disco “Tell Me You'll Wait For Me”. Na Primavera de 1945 obtêm grande sucesso, acompanhando Ivory Joe Hunter em “Blues At Sunrise”. No mesmo ano gravam o seu maior êxito, “Drifting Blues”, uma canção escrita por Brown que ficará durante sete meses no Top Ten dos rhythm & blues, alcançando o 2º lugar.


Depois de vários trabalhos bem sucedidos, surgiram divergências no grupo, que se desfez em 1948. Charles Brown começou então uma carreira a solo gravando também sob o nome de Charles Brown and his Smarties e Charles Brown Trio. Obteve um novo hit com “Trouble Blues”, que foi nº 1 durante três meses no Verão de 1949. Seguem-se novos êxitos: “Homesick Blue”, “My Baby's Gone” e “Black Night”, também nº 1 no começo de 1951. A sua carreira começou então a declinar, pois a moda do Rhythm & Blues estava a ser suplantada pelo Rock'n'Roll. Continuou no entanto a gravar alguns discos até 1978, tendo depois feito breves aparições em 1986 e 1990.


Bethânia recorda Vinícius

segunda-feira, 12 de setembro de 2011


video

Na guitarra acústica Eric Clapton, na guitarra eléctrica o filho de George Harrison, ao piano Paul McCartney, na primeira bateria Ringo Star, na segunda bateria Phill Collins e na segunda guitarra eléctrica Tom Petty, ao órgão e interpretando a primeira voz o incrível Billy Preston. Entre as vocalistas do coro está Linda Eastman, esposa de Paul McCartney. Também estavam presentes nesse concerto: Bob Dylan, Ravi Shankar, Jethro Tull e um número enorme de amigos e colegas dos Beatles, assim como todo o grupo “The Cream” de Eric Clapton. Todos um pouco gordos e enrugados, mas encarnando o melhor do melhor, representativo dos anos 1970. Billy Preston chegou a ser conhecido como o quinto Beatle; foi ele que sempre tocou o piano e o órgão em todas as gravações dos Beatles.



EFEMÉRIDE Auta de Souza, poetisa brasileira da segunda geração romântica, nasceu em Macaíba no dia 12 de Setembro de 1876. Morreu no Natal em 7 de Fevereiro de 1901.


Escrevia poemas românticos, com alguma influência simbolista e um alto valor estético. Segundo Luís da Câmara Cascudo, ela é «a maior poetisa mística do Brasil».


Ficou órfã de mãe aos três anos, com a morte da progenitora vítima da tuberculose e, no ano seguinte, perdeu igualmente o pai com a mesma doença.


Durante a infância, foi criada no Recife pela avó materna, tendo estudado com professores particulares. A avó, embora analfabeta, conseguiu proporcionar boa instrução a todos os netos. Aos onze anos, ingressou no Colégio São Vicente de Paula, dirigido por freiras vicentinas francesas, onde aprendeu Francês, Inglês, Literatura, Música e Desenho. Lia no original as obras de Victor Hugo, Lamartine e Chateaubriand.


Aos doze anos viveu nova tragédia, com a morte acidental do irmão mais novo, causada pela explosão de um candeeiro. Mais tarde, aos catorze, recebeu o diagnóstico de tuberculose e teve que interromper os estudos, prosseguindo no entanto a sua formação intelectual como autodidacta.


Começou a escrever aos dezasseis anos. Frequentava o Clube do Biscoito, associação que promovia reuniões dançantes em que os convidados recitavam também poesia.


Por volta de 1895, Auta conheceu João Leopoldo da Silva Loureiro, promotor público de Macaíba, com quem namorou durante um ano e de quem foi obrigada a separar-se pelos irmãos, que se preocupavam com o seu estado de saúde. Pouco depois da separação, ele também morreu vítima da tuberculose. Esta frustração amorosa tornou-se um factor marcante da sua obra, juntamente com a religiosidade, a orfandade, a morte trágica do irmão e a tuberculose. A poetisa finalizou então o seu primeiro livro de manuscritos, intitulado “Dhálias”, que mais tarde seria publicado sob o título de “Horto”.


Desde os dezoito anos, colaborou com a revista “Oásis” e, aos vinte, escreveu para “A República”, jornal de maior circulação e que lhe deu visibilidade noutras regiões do Brasil. Poemas seus foram publicados no jornal “O Paiz” do Rio de Janeiro. No ano seguinte, passou a escrever assiduamente em “A Tribuna” do Natal e os seus versos eram publicados ao lado das poesias de vários escritores famosos do Nordeste. Entre 1899 e 1900, assinou os seus poemas com os pseudónimos Ida Salúcio e Hilário das Neves, prática muito comum naquela época.


Também escreveu no jornal “A Gazetinha” do Recife e na “Revista do Rio Grande do Norte, onde era a única mulher entre os colaboradores. Venceu a resistência dos círculos literários masculinos e escrevia profissionalmente numa sociedade em que esta actividade era quase exclusiva dos homens, já que a crítica ignorava as mulheres escritoras. A sua poesia passou a circular nos meios literárias de todo o país, despertando grande interesse.


Em 1900, publicou o seu único livro, “Horto”, muito bem recebido pela crítica e pelo público e cujo prefácio foi escrito por Olavo Bilac, um dos poetas brasileiros mais célebres de todos os tempos.


Em 1936, a Academia Norte-Riograndense de Letras dedicou-lhe uma cadeira, como reconhecimento pelo valor da sua obra.


video


O piloto é na "vida real" piloto da Delta Airlines

domingo, 11 de setembro de 2011




EFEMÉRIDECarl Zeiss Kettani, engenheiro óptico alemão, nasceu em Weimar no dia 11 de Setembro de 1816. Morreu em Jena, em 3 de Dezembro de 1888.


No colégio que frequentou, teve como mestre o Dr. Friedrich Körne, mecânico e fornecedor da Corte. Mais tarde, na Universidade de Jena, frequentou cursos de matemática, de física experimental, de antropologia, de mineralogia e de óptica. Abriu depois um pequeno atelier sem ter ainda praticamente ferramentas. Fabricou muitas lentes, mas o seu talento só veio a ser verdadeiramente reconhecido em 1847. Nesse ano, passou a dedicar uma parte importante da sua vida ao fabrico de microscópios.


Em 1861 recebeu a medalha de ouro da Exposição Industrial da Turíngia pelas suas realizações, que foram consideradas como sendo das melhores da ciência alemã. Em 1866 o atelier Zeiss vendeu o seu 10 000º microscópio e já tinha mais de vinte empregados.


Depois da sua morte, a empresa foi denominada Carl Zeiss Jena em homenagem ao célebre inventor e à cidade de Jena. Hoje é a Carl Zeiss AG.


O seu nome ficou conhecido em todo o Mundo por ter concebido e fabricado dispositivos ópticos de alta qualidade, melhorando vários processos na elaboração de lentes. Em sua homenagem, um popular clube de futebol da ex RDA, baseado em Jena, foi denominado F. C. Carl Zeiss Jena, nome que mantém até hoje.

sábado, 10 de setembro de 2011




EFEMÉRIDEVítor Manuel Afonso Damas de Oliveira, jogador de futebol português, morreu em Lisboa no dia 10 de Setembro de 2003, vítima de cancro. Nascera igualmente em Lisboa, em 8 de Outubro de 1947.


Foi um dos melhores guarda-redes portugueses de sempre. Entre 1966/76 e 1984/89 representou o Sporting Clube de Portugal. De 1976 a 1980 jogou no Racing Santander, tendo sido considerado numa época o melhor estrangeiro a jogar em Espanha. Voltou a Portugal para jogar no Vitória de Guimarães em 1980/83 e pelo Portimonense em 1983/84. Regressou então ao Sporting onde terminou a sua carreira.


Vítor Damas jogou 29 vezes pela Selecção de Portugal tendo-se estreado em Abril de 1969 e feito o último jogo em Julho de 1986. A sua carreira na selecção foi prejudicada pelos anos passados em Espanha. Foi suplente durante o Campeonato da Europa de 1984 e jogou no Campeonato do Mundo de 1986, substituindo Manuel Bento, quanto este fracturou uma perna.


Em representação do Sporting foi duas vezes Campeão Nacional (1970 e 1974), venceu três Taças de Portugal (1971, 1973 e 1974), uma Super Taça (1987) e a Taça Intertoto de 1967.

sexta-feira, 9 de setembro de 2011




EFEMÉRIDELúcia Moniz, cantora e actriz portuguesa, nasceu em Lisboa no dia 9 de Setembro de 1976.


Filha de dois músicos, Carlos Alberto Moniz e Maria do Amparo, desde muito cedo esteve ligada a actividades musicais. Aos seis anos de idade ingressou na Academia de Música de Santa Cecília, iniciando aos catorze os seus estudos de piano e violino.


Lúcia era ainda quase desconhecida quando, aos 19 anos, participou no Festival RTP da Canção com o tema “O meu coração não tem cor”, chegando inesperadamente à final. Venceu o concurso, conquistando o direito de representar Portugal no Festival Eurovisão da Canção onde alcançou a melhor classificação de sempre, o 6º lugar.


Em 1999 saiu o seu primeiro disco intitulado “Magnólia”, nome escolhido por ser o nome da localidade norte-americana onde foi gravado. Incluiu canções pop em português e em inglês, de estilo completamente diferente da sua interpretação no Festival Eurovisão. O álbum foi produzido pelo guitarrista dos Extreme, Nuno Bettencourt, que também colaborou num dos temas. Foi Disco de Ouro.


2002 foi o ano da edição do álbum “67”, composto por Lúcia Moniz em parceria com autores como Jorge Palma, João Gil e também Maria do Amparo (sua mãe).


No final de 2003, integrou o elenco do filme britânico “O Amor Acontece”. A personagem de Lúcia, Aurélia, contracena com Jamie (Coplin Firth), num estranho relacionamento amoroso baseado numa comunicação que ultrapassa as barreiras linguísticas. Aurélia só fala português, enquanto Jamie não se sabe expressar na mesma língua.


Confirmando que está grávida, Lúcia decide consagrar-se inteiramente à sua vida privada. Prepara mesmo assim, na Ilha Terceira, nos Açores, as composições para o seu terceiro álbum, enquanto aguarda o nascimento de Júlia. Este disco, “Leva-me pra Casa”, foi editado em 2005 e tem um tom mais calmo e doce do que os anteriores.


Em 2006 participou no musical “Música no Coração” de Filipe La Féria. De Dezembro de 2008 a Junho de 2009, interpretou o papel de Anita no musical “West Side Story” encenado por La Féria.


Em 2009 gravou a série “Living in a Car” onde interpretou a personagem Carol. Esta série foi produzida por David Steinber para um canal de televisão canadiano. Ainda nesse ano colaborou no livro “Taberna 2780”, feito em conjunto com Bernardo Mendonça, Tiago Carvalho e Nuno Barros, no qual foi a responsável pela Montagem e Edição de Arte, o que lhe fez recuar alguns anos até ao tempo em que frequentava o curso de Design.


No Verão de 2010 gravou na RTP a série “Maternidade”, que foi estreada em Janeiro de 2011.


Em Março de 2011 ganhou o prémio de Melhor Design a nível mundial (Best Cookbook Design) pela sua participou no livro “Taberna 2780”. O prémio foi-lhe atribuído pelo Gourmand World Cookbook, que distingue anualmente livros sobre culinária e vinhos de todo o mundo.


Foi lançado recentemente o seu novo álbum “Fio de Luz”.

quinta-feira, 8 de setembro de 2011




EFEMÉRIDEJoão Filipe Iria Santos Moutinho, futebolista português a actuar presentemente no F. C. do Porto, nasceu em Portimão no dia 8 de Setembro de 1986.


Formado nas escolas do Sporting C. P., por onde passaram também Luís Figo, Paulo Futre, Simão Sabrosa, Ricardo Quaresma, Cristiano Ronaldo e Nani, foi uma das primeiras revelações após a construção da Academia do Sporting. Ascendeu à equipa principal do clube na época 2004/05 e, no mesmo ano, ganhou o Prémio Galp Energia de Jogador Revelação do Campeonato. Na época seguinte, firmou-se como titular da equipa e, prova disso, foi o facto de ter disputado todos os 34 jogos do Sporting na Primeira Liga.


Na época 2006/07, completou 84 jogos consecutivos ao serviço do Sporting e, em Março de 2007, num jogo contra o Estrela Amadora, atingiu 100 jogos com a camisola dos leões.


Na época 2007/08, com as saídas de Custódio, Ricardo e Marco Caneira, João Moutinho tornou-se o capitão da equipa com apenas 20 anos. Estreou-se na Selecção de Portugal em 2008.


De acordo com o apurado pelo “Correio da Manhã”, em 25 de Julho de 2008 teve lugar um almoço entre João Moutinho e o presidente do F. C. do Porto, Pinto da Costa. Este almoço, realizado no Porto, contou também com a presença de mais duas pessoas ligadas ao clube nortenho e do representante de Moutinho, o israelita Pini Zahavi. Era já conhecida a admiração que Pinto da Costa tinha pelo internacional português pois, numa entrevista à revista “Visão”, afirmara que «João Moutinho era um jogador à Porto».


Na pré-época 2008/09, no final de um jogo de preparação, João Moutinho chamou os jornalistas e disse que queria sair do Sporting ainda nessa época. Na altura falava-se do interesse do Everton Football Club, que teria feito uma proposta a rondar os 15 milhões de euros. Já próximo do final da época, o Sporting anunciou afinal a renovação do contrato do jogador até Junho de 2014.


Em Julho de 2009 recebeu o Prémio de Melhor Jogador Português do Ano, atribuído pelo Rádio Clube Português.


Em 2010, Carlos Queiroz não seleccionou o jogador para o Mundial de Futebol a realizar na África do Sul, o que causou surpresa geral uma vez que Moutinho fora regularmente convocado em todos os jogos de qualificação. Só regressou à equipa de Portugal com o seleccionador Paulo Bento, disputando os jogos de qualificação para o Euro 2012.


Em Julho de 2010, foi oficializada a sua transferência para o Porto por onze milhões de euros mais 50% do passe do defesa Nuno André Coelho. Esta foi uma transferência assaz polémica, que perturbou muito os adeptos do Sporting, clube no qual João Moutinho era um dos jogadores mais emblemáticos.


Pelo Sporting conquistou as Taças de Portugal e as Super Taças de 2007 e 2008. Já ao serviço do Porto, ganhou a Liga Europa da UEFA e a Taça de Portugal de 2011, as Super Taças de Portugal de 2010 e 2011 e foi Campeão Nacional na época 2010/2011.

Arquivo do blogue

Acerca de mim

A minha foto
- Lisboa, Portugal
Aposentado da Aviação Comercial, gosto de escrever nas horas livres que - agora - são muito mais...