domingo, 30 de setembro de 2012

EFEMÉRIDEUdo Jürgens, de seu verdadeiro nome Jürgen Udo Bockelmann, compositor e cantor austríaco, nasceu em Klagenfurt no dia 30 de Setembro de 1934.
Apesar das suas canções serem interpretadas quase todas em língua alemã, Udo é popular não apenas nos países germanófilos, mas igualmente em toda a Europa. Tornou-se famoso quando venceu o Festival Eurovisão da Canção, em 1966, com a canção “Merci chérie”. Ficou mundialmente conhecido, ao interpretar anos mais tarde a canção “Walk Way”.
Em 1950, ganhou um concurso de composição organizado pela televisão pública austríaca (ORF). Em 1960, escreveu o êxito mundial “Reach for the Stars”, que foi interpretado por Shirley Bassey. 
Em 1978, gravou – juntamente com a equipa alemã de futebol – “Buenos Días, Argentina”. Em 1982, deu um concerto em Viena a que assistiram 200 000 pessoas, que foi indubitavelmente um dos maiores concertos realizados na Europa.
Apesar da idade, continua a fazer tournées e a participar regularmente em shows televisivos. Entre os seus fãs, podem encontrar-se pessoas de todos os escalões etários. Compôs mais de 900 canções e vendeu cerca de 105 milhões de discos. A sua última gravação data de 2011 (“Der ganz normale Wahnsinn”).
Certa imprensa sensacionalista foi-lhe atribuindo um carácter de mulherengo e foram várias as mulheres que afirmaram ser ele o pai das suas crianças… 

sábado, 29 de setembro de 2012

Traz Outro Amigo Também - José Afonso

Zeca Afonso
EFEMÉRIDELech Wałęsa, sindicalista e político polaco, nasceu em Popowo no dia 29 de Setembro de 1943. Foi um dos fundadores do sindicato Solidarność (Solidariedade) e presidente da Polónia entre 1990 e 1995. Foi agraciado com o Prémio Nobel da Paz em 1983.
Em 1967, começou a trabalhar como electricista no estaleiro naval de Gdansk, onde assistiu à repressão de manifestações operárias, o que o levou a lutar pela constituição de sindicatos livres no país.
Wałęsa tornar-se-ia fundador e líder do Solidariedade, uma organização sindical independente que obteve importantes concessões políticas e económicas do Governo polaco em 1980/1981, sendo depois ilegalizado e tendo passado à clandestinidade.
Em 1980, Wałęsa liderou o movimento grevista dos trabalhadores do estaleiro de Gdansk, que protestavam contra a carestia de vida e as difíceis condições de trabalho. A greve alastrou rapidamente a outras empresas. Embora com dificuldade, as reivindicações dos trabalhadores acabaram por ser aceites.
O facto de ter liderado as paralisações e de ser católico deu a Wałęsa uma grande base de apoio popular, mas os seus ganhos tiveram um carácter muito efémero ante a resistência do regime polaco. Em 13 de Dezembro de 1981, o Governo impôs a lei marcial e a maioria dos líderes foram presos, incluindo Wałęsa.
A agitação operária continuou porém, mas de forma mais contida. Wałęsa só foi libertado em 1982. Um ano depois, foi-lhe atribuído o Nobel da Paz, que seria recebido por sua mulher que se deslocou a Oslo.
O Solidariedade só saiu da clandestinidade, após negociações com o Governo em 1988/1989. Com a liberalização do regime, foram marcadas eleições para a Presidência da República.
Em Dezembro de 1990, Wałęsa foi eleito presidente. Em 1995, realizaram-se novas eleições presidenciais, mas Wałęsa foi derrotado por uma diferença de 3% de votos na segunda volta. Nas eleições presidenciais de 2000, não conseguiu mais de 1,01%, devido a uma crescente insatisfação dos polacos em relação às suas posições. Anunciou então o abandono da vida política, continuando no entanto a ter grande prestígio tanto no seu país como a nível mundial, sendo mesmo chamado a representar a Polónia, oficial ou oficiosamente, em algumas cerimónias.
Lech Wałęsa recebeu várias condecorações, tanto na Polónia como em França, Reino Unido, Bélgica, Portugal (Grande Colar da Ordem do Infante D. Henrique), Estados Unidos da América e Alemanha. Publicou dois livros: “Caminho de Esperança” (autobiografia, 1987) e “Os Caminhos da Verdade” (2010). Em 2012, Andrzej Wajda realizou um filme sobre a sua vida, que será estreado neste Outono. 

sexta-feira, 28 de setembro de 2012

Bob Marley-Don't worry be happy

Don't worry be happy
EFEMÉRIDEEurico da Silva Teixeira de Melo, engenheiro e político português, nasceu em Santo Tirso no dia 28 de Setembro de 1925. Morreu no Porto em 1 de Agosto de 2012.
Licenciou-se em Engenharia Química na Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto, onde leccionou como assistente. Foi agraciado com o grau de Oficial da Ordem da Instrução Pública em Abril de 1952, com apenas 26 anos de idade.
Após o 25 de Abril de 1974, iniciou uma intensa carreira política. Ingressou no Partido Social Democrata, onde foi vice-presidente da Comissão Política Nacional (1983/1985 e 1989/2001), presidente da Mesa do Congresso (1984) e do Conselho Nacional (1990/1992).
Entre os cargos oficiais que exerceu, contam-se os de governador civil do distrito de Braga (1975/1976), ministro da Administração Interna (1980/1981), ministro de Estado e da Administração Interna (1985/1987), vice-primeiro-ministro e ministro da Defesa Nacional (1987/1990), deputado ao Parlamento Europeu (1994/1999) e membro da Assembleia Municipal de Santo Tirso (2001/2003).
Foi presidente do Conselho de Administração do Banco Santander e recebeu a Grã-Cruz da Ordem Militar de Cristo em 1990. 

quinta-feira, 27 de setembro de 2012

EFEMÉRIDEJerónimo de Ornelas Menezes e Vasconcelos, proprietário rural luso-brasileiro e pioneiro no povoamento do actual Rio Grande do Sul, morreu em Triunfo, Brasil, no dia 27 de Setembro de 1771. Nascera na ilha da Madeira no ano de 1691. Português de nascimento, transferiu-se com a família para o Brasil na primeira metade do século XVIII. Ficou conhecido como “o sesmeiro do Morro de Sant'Ana”.
Em 1723, aos 32 anos, casou-se com Lucrécia Barbosa, nascida em Guaratinguetá, São Paulo. A família transferiu-se para a vila de Laguna, seguindo depois para o sul, por volta de 1729.
Fixaram-se no Morro de Sant'Ana e a concessão real das terras, através da carta de sesmaria, foi feita por D. Luiz de Mascarenhas em Novembro de 1740 e depois confirmada por Carta Régia de Janeiro de 1744. Registada em Dezembro do mesmo ano, foi visada por Gomes Freire de Andrade em Julho de 1754.
A propriedade tinha como limites: ao norte, a estância de Pinto Bandeira; a leste, a propriedade de Jerônimo de Azambuja; ao sul, as terras de Sebastião Chaves; e, a oeste, era banhada pelas águas do Rio Guaíba.
Em 1762, Jerónimo de Ornelas vendeu a propriedade e transferiu-se do Morro de Sant'Ana para as terras que ganhara no Rio Jacuí. Nos seus domínios estiveram albergadas pessoas de várias procedências, principalmente de Sacramento, Rio Grande, Laguna, Sorocaba e, também, da Madeira e dos Açores. Os açorianos que, a partir de 1752, começaram a chegar sem as terras e as ferramentas prometidas por um edital de 1743, buscaram meios de prover a sua subsistência. Parte deles obteve permissão para plantar roças nas terras de Jerónimo de Ornelas, onde foi instalado o Porto de Viamão, depois denominado São Francisco dos Casais e que, após a transferência da capital de Viamão para Porto Alegre, passou a chamar-se Nossa Senhora Madre de Deus.
Jerónimo de Ornelas teve dez filhos do seu casamento com D. Lucrécia, além de mais dois filhos naturais.

quarta-feira, 26 de setembro de 2012

EFEMÉRIDE Ricardo Andrade Quaresma Bernardo, futebolista português de ascendência cigana, nasceu em Lisboa no dia 26 de Setembro de 1983.
Foi formado no Sporting Clube de Portugal, tendo-se estreado na equipa principal quando tinha apenas 17 anos. No seu primeiro ano como sénior, fez a “dobradinha”, conquistando o Campeonato Nacional e a Taça de Portugal.
Na época seguinte, confirmou todo o seu talento, sendo a primeira opção do treinador em detrimento de Cristiano Ronaldo. Em 2002/2003, o Sporting ficou classificado em 3.º lugar a 17 pontos do Futebol Clube do Porto e na Taça de Portugal foi eliminado nos quartos de final. Os adeptos culparam o treinador László Bölöni por não ter apostado simultaneamente em Quaresma e Ronaldo. O Sporting, devido a dificuldades financeiras, acabaria por transferir os dois jogadores para clubes estrangeiros, indo Quaresma para o FC Barcelona.
No seu jogo de estreia no clube catalão, contra o AC Milan, marcou um golo, tendo o brasileiro Ronaldinho, também recém-chegado, marcado outro. Em 2004, afirmou não jogar mais no Barcelona enquanto lá estivesse Frank Rijkaard. Alguns clubes europeus mostraram interesse no jogador, mas o Porto levou vantagem porque o Barcelona estava muito interessado em incluir Deco na transacção.
Quaresma foi um jogador-chave na táctica do treinador Co Adriaanse, contribuindo para a primeira “tripla” do Porto (conquista do Campeonato Nacional, da Taça de Portugal e da Super Taça Cândido de Oliveira). Mesmo assim, não foi escolhido para o Mundial de 2006.
Em Agosto de 2008, assinou pelo Inter de Milão até 2013. Em Itália, porém, não conseguiu mostrar o porquê da sua contratação, mostrando enormes dificuldades em se adaptar a um campeonato mais competitivo. Em Fevereiro de 2009, não foi inscrito para os oitavos de final da Liga dos Campeões 2008/09, porque estava em conversações com o Tottenham Hotspur. Antes de ser fechada a transferência, surgiu porém uma proposta de empréstimo oferecida pelo Chelsea FC que foi aceite pelo Inter. No clube londrino, no entanto, actuou pouquíssimas vezes. Voltou ao Inter, mas não entrou nos planos de José Mourinho. Foi então para a Turquia, onde se tornou a estrela do Beşiktaş JK, fazendo parte de um forte quarteto de jogadores portugueses, juntamente com Simão Sabrosa, Hugo Almeida e Manuel Fernandes.
Pela Selecção de Portugal, ganhou em 2000 o Campeonato da Europa Sub-17. A sua estreia na Selecção A teve lugar em Junho de 2003, num amigável contra a Bolívia. Devido a uma lesão no pé direito em 2004, não pôde participar no Campeonato Europeu de Sub-21, no Euro 2004 e nas Olimpíadas de Atenas. Jogou apenas num jogo de apuramento para o Mundial 2006 contra a Eslováquia, não tendo sido mais seleccionado, o que gerou grande polémica por parte da imprensa portuguesa. Na época de 2006/2007, voltou finalmente a ser chamado por Scolari. Foi convocado para o Euro 2008, em que Portugal seria eliminado pela Alemanha. Foi escolhido para alguns jogos da fase de qualificação para o Mundial 2010, mas rapidamente perdeu a titularidade. Só voltou a ser chamado em 2010, para a fase de qualificação do Euro 2012, desta vez graças à boa forma demonstrada no Beşiktaş.
Quaresma foi o grande impulsionador em Portugal da trivela, forma de chutar com a parte exterior do pé.
Do seu palmarés, fazem parte ainda dois Campeonatos Nacionais e uma Super Taça Cândido de Oliveira  (Porto); um Campeonato de Itália, uma Taça de Itália e uma Liga dos Campeões (Inter); uma Taça de Inglaterra (Chelsea); e uma Taça da Turquia (Beşiktaş). 

Elvis Presley - Blue Suede Shoes 1956 (COLOR and STEREO)

Recordando Elvis.

terça-feira, 25 de setembro de 2012

EFEMÉRIDESofia Alves, actriz portuguesa, considerada uma das melhores actrizes da sua geração, nasceu em Luanda no dia 25 de Setembro de 1973.
A sua estreia ocorreu no cinema, tendo protagonizado “Vale Abraão” (1993) e “A Caixa” (1994), de Manoel de Oliveira. Trabalhou também com João Mário Grilo no filme “451 Forte” (2001) e com Joaquim Gouveia em “Um Piscar de Olhos” (1998).
Iniciou a sua carreira na televisão com “A Banqueira do Povo” em 1993. Participou em algumas séries, como “Ballet Rose – Vidas Proibidas” em 1997/1998 e “Jornalistas” em 1999. No entanto, tem sido nas telenovelas que mais se tem destacado, sendo uma presença frequente nos ecrãs.
Também fez teatro, entrando em várias peças, entre elas “O Dia Seguinte” (1995) de Luiz Francisco Rebello, “A Educação de Rita” (2002) de Willy Russel, e “Socorro! Estou grávida” (Prémio Revista “Lux” de Melhor Actriz de Teatro 2006).
Entre as personagens que protagonizou, destacam-se Luísa Negrão e Leonor na telenovela “Olhos de Água” (2000/2001), em que interpretou os papéis de duas irmãs gémeas. Em 2002, apresentou o programa das manhãs da TVI As Manhãs de Sofia”.
Recebeu o TroféuTV7 Dias” de Melhor Actriz Principal pela sua interpretação em “Remédio Santo” (2011/2012). Já em 2010 recebera o mesmo troféu de Melhor Actriz de Série Televisiva. Em 2011, ganhou o Prémio Personalidade Feminina do Ano da revista “Lux”, na categoria Televisão/Ficção.
Sofia Alves é casada com o encenador Celso Cleto, de quem tem um filho, vivendo actualmente no concelho de Viseu num solar adquirido pela família. 

segunda-feira, 24 de setembro de 2012

EFEMÉRIDEDom Pérignon (Pierre Pérignon), monge francês beneditino que inventou o método para o fabrico de champanhe, denominado método champanhês, morreu na Abadia de Saint-Pierre d'Hautvillers no dia 24 de Setembro de 1715. Nascera em Sainte-Menehould, em Dezembro de 1638 ou Janeiro de 1639.
Pierre cresceu em Sainte-Menehould e fez parte do coral da Abadia Beneditina de Moiremont. Aos treze anos, entrou para o colégio de jesuítas de Châlons e, em 1656, ingressou no mosteiro beneditino de Verdun onde, fiel às regras de São Bento, alternava o trabalho manual, com a leitura e a oração.
Em 1668, então com trinta anos, entrou para a Abadia de Saint-Pierre de Hautvillers. Até à sua morte, ficou encarregado da adega e dos produtos da abadia, um cargo de elevada importância numa época em que os mosteiros possuíam vastos domínios, de onde tiravam todas as espécies de produtos destinados à venda. Tinha controlo igualmente sobre as vinhas e as prensas.
Ele não era nem um viticultor nem um alquimista mas, numa peregrinação à Abadia de Saint Hilaire, descobriu o método de vinificação dos vinhos efervescentes. De volta ao mosteiro de Hautvillers, desenvolveu a ideia.
No último terço do século XVII, a abadia Saint-Pierre de Hautvillers não gozava de grande prestígio. Contava apenas com um punhado de monges, que tentavam tirar o seu sustento dos domínios da abadia, então pouco explorados. Os armazéns, as adegas e as prensas estavam em ruínas. Com paciência e obstinação, o jovem monge tratou de recuperar tudo. O seu objectivo era voltar a dar à abadia os meios que lhe faltavam e, enquanto isso, restaurar o brilho da pequena comunidade religiosa. Num país de velha tradição vinícola, a exploração das vinhas e o comércio do vinho constituíam o melhor produto comercial.
A primeira inovação de Don Pérignon consistiu em acompanhar sistematicamente a evolução das vinhas. Tinha à sua disposição várias qualidades de uvas cuja mistura ele mesmo fazia, com o fim de harmonizar as qualidades e minimizar os defeitos. Ele foi o primeiro religioso beneditino de Hautvillers a aplicar com sucesso a mistura de uvas das diferentes vinhas, contribuindo para a elaboração de um champanhe de qualidade.
Dom Pérignon tinha sempre um cuidado especial com as vindimas e a escolha das uvas, não permitindo que alguém as provasse em seu lugar. Com ele, a enologia ascendeu à categoria de uma verdadeira ciência. O champanhe adquiriu assim uma qualidade que não tinha até então e viu aumentada a sua reputação. Dom Pérignon foi o primeiro a descobrir o modo de fazer fermentar o champanhe dentro das garrafas. Na época, as garrafas eram tapadas com cavilhas de madeiras envoltas em estopa embebida em óleo. À procura de um método mais limpo e mais estético, Dom Pérignon teve a ideia de derreter cera de abelhas no gargalo das garrafas, assegurando-lhes assim uma perfeita vedação. Ao fim de algumas semanas, a maior parte das garrafas explodiu, deixando o monge perplexo. Demorou algum tempo para compreender que o açúcar contido na cera de abelha tinha provocado, em contacto com o vinho, uma segunda fermentação e uma brusca efervescência. Foi este acontecimento que permitiu a Dom Pérignon descobrir a fermentação em garrafa. O método champanhês acabava de nascer. No início do século XVIII, o champanhe – como o conhecemos hoje – tinha já lugar de destaque nas mesas da aristocracia e da realeza.

domingo, 23 de setembro de 2012

EFEMÉRIDERomy Schneider, de seu verdadeiro nome Rosemarie Magdalena Albach, actriz austro alemã naturalizada francesa, nasceu em Viena no dia 23 de Setembro de 1938. Morreu em Paris, em 29 de Maio de 1982.
Estreou-se no cinema aos catorze anos, no filme “Lilases Brancos”. Aos 17 anos, tornou-se famosa ao interpretar a Imperatriz Elisabeth de Wittelsbach (Sissi), no filme com o mesmo nome. Sissi era uma adolescente bonita, irreverente e capaz de quebrar todos os protocolos da nobreza europeia, de modo a conquistar o jovem Imperador austríaco Francisco-José I e os seus súbditos. O filme conquistou as plateias de todo o mundo, batendo recordes de bilheteira e gerando duas continuações: “Sissi, a Imperatriz” e “Sissi e o Seu Destino”, todos dirigidos por Ernst Marischka.
Já famosa mundialmente, recusou continuar a interpretar jovens princesas e partiu para filmes mais adultos, escandalizando os seus fãs em 1958, ao participar no filme “Senhoritas de Uniforme”, história acerca do lesbianismo num colégio feminino. No mesmo ano, entrou em “Christine” e apaixonou-se loucamente pelo seu galã, o então também jovem e promissor actor francês Alain Delon. O romance durou até 1963 e o casamento dos dois foi várias vezes anunciado e outras tantas adiado.
Nessa época, a sua vida cruzou-se com o realizador Luchino Visconti, que mudou radicalmente a sua trajectória de actriz, dando-lhe um papel sexy e digno de uma grande estrela, em “Boccaccio 70”.
A Columbia ofereceu-lhe um contrato de sete anos, para sete filmes e um cachet de um milhão de francos por cada um deles. Romy instalou-se em Hollywood, de 1962 a 1965. Começou por interpretar o filme de Otto Preminger, “O Cardeal”, que foi um sucesso. Não se adaptando porém com as técnicas utilizadas em Hollywood, que eram bem diferentes daquelas a que estava habituada, e stressada depois de ver fotografias de Alain Delon com outra jovem, rompeu o contrato que a ligava à Columbia e regressou a Paris, onde consumou a ruptura com Delon.
Em 1964, filmou “O Inferno” de Henri-Georges Clouzot, filme onde mudou radicalmente a sua imagem e revelou o seu potencial erótico.
O seu primeiro casamento (1966) foi com o realizador alemão Harry Meyen, pai do seu filho David. Separaram-se em 1972 e casou-se com o seu secretário pessoal, Daniel Biasini, de quem acabaria também por se separar em 1981. Quando morreu, vivia há pouco mais de um mês com o produtor francês Laurent Pétin.
Morreu aos 43 anos, no seu apartamento em Paris. Estava a ser tratada de uma profunda depressão provocada pelo suicídio do primeiro marido e, logo depois, pela trágica morte do filho de ambos, que ao pular um portão para não incomodar os avós, com quem estava a passar férias, foi empalado pelas setas da grade e morreu devido a perfuração dos intestinos. Romy abusava de calmantes, de álcool e fumava três maços de cigarros por dia. Alguns dias antes de falecer, tinha-se submetido a uma operação para extracção do rim direito devido a um tumor.
Ganhou por duas vezes o César de Melhor Actriz. Em 2008, a Academia dos Césars concedeu-lhe a título póstumo o Prémio Souvenir por ocasião do 70º aniversário do seu nascimento. Foi Alain Delon quem subiu ao palco para receber o prémio e pedir uma grande ovação em honra da malograda actriz.  

sábado, 22 de setembro de 2012

EFEMÉRIDESaburo Sakai, herói da aviação japonesa, morreu em Tóquio no dia 22 de Setembro de 2000. Nascera em Saga, em 25 de Agosto de 1916.  
Serviu na Aviação Naval Japonesa de 1934 a 1945, sendo considerado o maior ás japonês sobrevivente do teatro de operações do Pacífico, na 2ª Guerra Mundial, com um total de 64 aeronaves abatidas. Lutou em praticamente todas as frentes de batalha do Pacífico. Entre os seus vários feitos, conta-se o de ter sido o primeiro piloto japonês a derrubar uma Fortaleza Voadora B-17, nas Filipinas, em Dezembro de 1941.
Nascido numa família numerosa, ficou órfão de pai muito cedo, passando inúmeras dificuldades. Aos 16 anos, alistou-se nas forças armadas e foi designado para o cruzador pesado Kirishima, servindo como artilheiro, até conseguir ser admitido na Escola de Pilotos Navais.
Abateu o primeiro avião inimigo durante a campanha na Manchúria, um I-16 soviético, enquanto pilotava um A5M Claude. Foi ferido durante a Guerra Sino-Japonesa. Pouco tempo depois, começou a obter as primeiras vitórias significativas, pilotando os novos A6M Zero, aviões de caça com que inscreveria o seu nome na história da aviação mundial. Participou na campanha da Filipinas, derrubando o seu primeiro caça americano, um P-40 Curtiss, e em seguida um B-17. Durante a campanha do Bornéu, abateu um total de 13 aeronaves americanas e australianas. Na ocasião, embora tivesse recebido ordens directas de atacar determinado avião, absteve-se de o fazer, ao constatar que transportava apenas civis.
Em Agosto de 1942, a sua unidade fixou-se em Rabaul, para participar da campanha de Guadalcanal. Ali, num combate épico, abateu o ás americano James “Pug” Southerland, que pilotava um Wildcat.
Durante um voo de patrulha próximo a Tulagi, em 8 de Agosto de 1942, avistou um grupo de caças americanos e preparou-se para os atacar. No entanto, foi surpreendido pelos novos Avengers que, ao aperceberem-se da sua aproximação, o alvejaram com rajadas de projécteis. Um destes atingiu-o na cabeça mas, por incrível que pareça, manteve a consciência e foi capaz de seguir com o seu Zero, severamente danificado. Sabendo das suas condições, pensou arremessar o avião contra alvos americanos que pudesse encontrar. No entanto, nenhum alvo foi detectado e ele tentou voltar à base. Contrariando todas as probabilidades, conseguiu regressar mesmo a Rabaul, após 5 horas de voo. O seu estado era lamentável. Os médicos conseguiram salvá-lo, operando-o mesmo sem anestesia, mas perdeu o olho direito.
Em 1944, quando os americanos lançaram o ataque maciço contra as Marianas, Sakai foi destacado para Iwo Jima, para o Grupo Aeronaval de Yokosuka. A despeito da cegueira, continuou a combater, melhorando mesmo o seu palmarés. Terminou a guerra como “ás líder dos pilotos sobreviventes”. Mais tarde, tornou-se instrutor de voo. Retirou-se depois da vida militar, tornando-se budista e abrindo uma tipografia. Visitou os Estados Unidos, onde se reuniu com os seus antigos adversários, incluindo o artilheiro de cauda do Avenger, que o havia ferido.
Em 2000, trabalhou como consultor para o popular jogo de computador “Combat Flight Simulator 2”. Morreu de crise cardíaca, durante uma reunião no aeroporto naval de Atsugi.

sexta-feira, 21 de setembro de 2012

EFEMÉRIDE – Delorez Florence Griffith-Joyner, atleta norte-americana especializada em provas de velocidade, morreu em Mission Viejo no dia 21 de Setembro de 1998. Nascera em Los Angeles, em 21 de Dezembro de 1959.
Também conhecida por Flo-Jo, ganhou diversas medalhas olímpicas e bateu os recordes mundiais dos 100 e 200 metros, que ainda hoje lhe pertencem.
Esteve presente nos Campeonatos Mundiais de Atletismo em 1983, onde ficou em 4º lugar na corrida de 200 metros. Nos Jogos Olímpicos de Los Angeles (1984), Flo-Jo chamou a atenção do público e da imprensa mão só pela sua medalha de prata nos 200 metros, mas também por ostentar umas unhas muito longas e coloridas que seriam a sua imagem de marca ao longo de toda a carreira. Após os Jogos, Florence casou com Al Joyner, campeão olímpico do triplo salto e diminuiu a sua actividade desportiva, empregando-se num banco.
Em 1987, voltou às pistas e conquistou uma medalha de prata nos Campeonatos do Mundo. Passou a ser treinada pelo marido e, pouco depois, espantou o mundo ao bater o recorde mundial dos 100 metros, apesar de ser uma especialista dos 200. A marca de 10,49 s foi alcançada nos quartos de final das provas americanas para selecção olímpica, realizadas em Indianapolis.
Nos Jogos Olímpicos de Seul, em 1988, Florence Griffith-Joyner era a grande favorita para as corridas de velocidade. No total, ganhou três medalhas de ouro: nos 100 metros (com o tempo de 10,54), nos 200 metros (batendo o recorde do mundo nos quartos de final) e na estafeta 4 x 100 metros. Conquistou ainda uma medalha de prata na estafeta 4 x 400 metros. No final desse ano, recebeu o Prémio Jesse-Owens. Pouco tempo depois, retirou-se para sempre das competições oficiais.
Dedicou-se então à moda, beneficiando da sua popularidade. Foi depois conselheira de Bill Clinton para as questões de educação física.
A sua saúde degradou-se entretanto, tendo sofrido um ataque cardíaco em Abril de 1996. Dois anos depois, foi encontrada morta na sua cama. A causa do óbito foi «asfixia acidental durante um ataque de epilepsia, causada por uma má formação congénita cerebral». A família Joyner revelou depois, que Flo-Jo sofria de convulsões desde 1990.
A sua morte inesperada trouxe suspeitas de doping. A sua carreira fora atípica, principalmente porque os seus grandes títulos e recordes foram alcançados numa única época (1987/1988), quando a atleta já tinha 28 anos e passara o pico da sua forma. O modo abrupto como Flo-Jo se retirou das competições também foi interpretado como suspeito, tendo em conta que os testes anti-doping passariam a ser rotineiros no ano seguinte. Pelo seu lado, ela justificara a melhoria súbita dos seus tempos como sendo o resultado de uma alteração nos métodos de treino.
As marcas obtidas por Flo-Jo eram quase irreais, tanto que até hoje, com todas as melhorias tecnológicas, alimentares e de treino, nenhuma atleta conseguiu chegar perto sequer dos seus tempos. 

quinta-feira, 20 de setembro de 2012

Pingo Doce: sabe bem pagar com trocos :: Inferno T1 ep.216 - Canal Q

Aconselho vivamente este procedimento...
EFEMÉRIDE Jacob Ludwig Karl Grimm, importante figura literária, linguista e filólogo alemão, morreu em Berlim no dia 20 de Setembro de 1863. Nascera em Hanau, em 4 de Janeiro de 1785.
É um dos dois irmãos Grimm, conhecidos por terem compilado alguns dos mais famosos contos mundiais, como “A Bela Adormecida”, “A Branca de Neve”, “O Chapeuzinho Vermelho”, “Cinderela”, “João e Maria”, “O Pequeno Polegar” e “Rapunzel”, entre outros.
Filho de uma família protestante, estudou Direito na Universidade de Marbourg. Um dos seus professores, Friedrich Carl von Savigny, facilitou-lhe o acesso à sua biblioteca privada, fazendo-o descobrir os autores românticos.
Em 1806, ocupou o lugar de secretário da Escola de Guerra de Cassel. Foi por essa época que ele o irmão começaram a juntar contos. Depois da morte da mãe em 1808 (o pai já morrera antes), Jacob tomou a seu cargo toda a família, na qualidade de irmão mais velho.
Foi director da biblioteca privada de Jérôme Bonaparte (irmão de Napoleão, que tinha sido feito rei do novo reino da Vestefália) e ocupou um lugar de assessor no Conselho de Estado. Publicou então a sua primeira obra, “Über den altdeutschen Meistergesang”.
Depois da batalha de Leipzig em 1813, o reino de Vestefália foi dissolvido e o eleitorado de Hesse restaurado. Jacob Grimm perdeu o seu lugar de director da biblioteca real, mas em breve foi convidado para ser secretário do Príncipe-eleitor. Nas suas novas funções diplomáticas, esteve em Paris em 1814, ocupando todos os seus tempos livres para fazer pesquisas em bibliotecas.
A primeira obra comum dele e do seu irmão Wilhelm foi publicada em 1812. Foi seguida, em Dezembro do mesmo ano, da primeira recolha de “Contos de Infância e do Lar”.
De 1813 a 1816, colaborou na revista “Altdeutsche Wälder”, dedicada à literatura alemã antiga. No fim de 1815, abandonou a carreira diplomática para se dedicar exclusivamente ao estudo, à classificação e ao comentário da literatura e dos usos históricos. Publicou também uma obra de estudos mitológicos e uma recensão crítica de antigos romances espanhóis. Foi nesta época criativa que Jacob Grimm se dedicou igualmente à sua “Gramática Alemã”. 
Foi amigo próximo do linguista e escritor sérvio Vuk Stefanović Karadžić, com quem aprendeu sérvio, tendo assim acesso aos cantos heróicos sérvios e às lendas balcânicas.
Jacob foi membro da Academia das Ciências de Berlim e professor da Universidade Humboldt. Ele e Wilhelm instalaram-se definitivamente em Berlim, dedicando-se a uma obra colossal – a redacção de um dicionário histórico da língua alemã, que apresentava cada palavra com a indicação da sua origem, da sua evolução, dos seus usos e do seu significado. 

quarta-feira, 19 de setembro de 2012

EFEMÉRIDEJosé Bento Azevedo Carvalho, ciclista profissional português, nasceu em Vila do Conde no dia 19 de Setembro de 1973. Os principais sucessos da sua carreira foram o 5º lugar no Giro d'Italia de 2001, e os 6º e 5º lugares no Tour de France respectivamente em 2002 e 2004.
Profissional desde 1993, representou o Recer-Boavista até 1995. De 1996 a 2000 correu pelo Maia. Em 2001, mudou-se para a equipa espanhola da Once, onde esteve até 2003. Em 2004, passou a representar a equipa americana do US Postal. Em 2005, transferiu-se para a equipa do Discovery Channel. No Tour de France 2005 terminou na 30ª posição, mas Johann Bruynnel (director desportivo da equipa americana) afirmou que ele seria um dos principais líderes da equipa no ano seguinte.
Em 2006, ficou em 6º lugar no Paris-Nice, obteve o 10º lugar na Volta ao País Basco e classificou-se em 4º lugar no Dauphiné Libéré, depois de brilhar no mítico Mont Ventoux.
Em Agosto de 2006, o S. L. e Benfica anunciou a contratação de Azevedo para o lugar de chefe-de-fila. Em Fevereiro de 2008, José Azevedo – em conferência de imprensa – anunciou o fim da sua carreira no final desse ano, o que veio a acontecer depois da Volta a Portugal. Desde 2010, é director desportivo da equipa americana RadioShack.

terça-feira, 18 de setembro de 2012

EFEMÉRIDESerenella Andrade, jornalista e apresentadora de televisão portuguesa, nasceu em Nápoles no dia 18 de Setembro de 1962. Filha do realizador e ex-cantor de ópera Luís Andrade, é casada e tem três filhos.
Serenella apresentou os “Jogos sem Fronteiras” durante vários anos, juntamente com Eládio Clímaco. Apresentou também vários concursos e programas na RTP, como “SMS Ser Mais Sabedor”, “A Hora da Sorte”, “Casa de Artistas”, etc.
Vive em Lisboa e pratica natação e hidroginástica. Nos seus tempos livres gosta de ir à praia, estar com os amigos, ir ao cinema, ler... O seu filme preferido é “A Vida é Bela”, a sua música de eleição “Nabucco” de Verdi e o seu cantor predilecto Rui Veloso. Quanto a literatura, admira Florbela Espanca. O seu actor preferido é Ruy de Carvalho e o seu estilista Versace.
Uma das suas principais qualidades é nunca deixar nada por acabar, o que se contrapõe à sua teimosia que será o seu pior defeito. 

How to Get to Mars. Very Cool! HD

Missão em Marte

segunda-feira, 17 de setembro de 2012

EFEMÉRIDEStirling Crawford Moss, ex-piloto automobilista britânico, nasceu em Londres no dia 17 de Setembro de 1929. Competiu na Fórmula 1 durante vários anos (1951/1962) e foi por quatro vezes Vice-campeão Mundial (1955 a 1958).
É considerado um dos maiores pilotos da história do automobilismo, apesar de nunca ter conquistado um título mundial na Fórmula 1. Competiu durante a chamada era de ouro da Fórmula 1, em que corriam pilotos como Juan Manuel Fangio e Mike Hawthorn.
Moss venceu 194 das 497 corridas que disputou entre 1948 e 1962, incluindo 16 Grandes Prémios de Fórmula 1.
Em 1962, feriu-se num acidente em Goodwood ao volante de um Lotus. Recuperou, fez uma tentativa prematura para voltar, mas não se adaptou e decidiu abandonar as competições oficiais. Continuou todavia a correr com carros históricos até Junho de 2011.
Uma das suas corridas mais famosas foi a Mille Miglia de 1955, uma prova de 1 500 km em Itália, que venceu com um tempo recorde de 10 horas e 8 minutos, à frente de Juan Manuel Fangio, que foi o segundo.
Do seu palmarés na Fórmula 1 fazem parte 66 Grandes Prémios, tendo vencido 16, conquistado 24 pódios, 16 pole positions e registado “20 melhores voltas”. 

domingo, 16 de setembro de 2012

EFEMÉRIDEJosé Manuel de Mello, empresário português, neto de Alfredo da Silva e herdeiro da CUF, morreu em 16 de Setembro de 2009, depois de ter sido vítima de um acidente vascular cerebral (AVC) que o deixou em coma durante três anos. Nascera em Cascais no dia 8 de Dezembro de 1927.
Iniciou a sua vida profissional na empresa do avô, vendendo adubos para o Médio Oriente. Antes de 1974, desenvolveu diversas empresas industriais dentro do grupo CUF, como a Lisnave e Setenave, e começou os negócios com a Banca, os Seguros e a Saúde. Depois do 25 de Abril 1974, José Manuel de Mello, que teve 12 filhos, viu as empresas fundadas pelo avô serem nacionalizadas e saiu do país. Voltou algum tempo depois e começou tudo de novo.
Até se ter retirado da vida empresarial, em 2004, alargou e reforçou os negócios do Grupo Mello nos sectores da Banca, Seguros, Saúde, Energia, Telecomunicações e Combustíveis. Actualmente, o grupo está presente em empresas estratégicas nacionais, como a Brisa, a CUF, a Efacec, José de Mello Saúde e EDP.
O percurso e o empreendedorismo de José Manuel de Mello foram destacados pelo presidente da República, Cavaco Silva, que o considerou uma «figura ímpar no espaço empresarial português», na nota de condolências que enviou à família. «Sempre assumiu uma atitude empresarial pautada por um empreendedorismo dinâmico e inovador, a que soube também agregar um grande sentido de responsabilidade das suas empresas em relação à sociedade envolvente», salientou ainda Cavaco Silva.

sábado, 15 de setembro de 2012

EFEMÉRIDEEttore Arco Isidoro Bugatti, industrial e inventor francês de origem italiana, um dos fundadores da indústria automóvel de luxo e de desporto, considerado um dos pioneiros do automóvel, nasceu em Milão no dia 15 de Setembro de 1881. Morreu em Paris, em 21 de Agosto de 1947.
Depois de estudar escultura na Academia de Belas Artes Brera em Milão, iniciou-se no manejo de bicicletas e triciclos. A família Bugatti era especialmente fascinada pela tecnologia e pela mecânica automobilística. Aos 17 anos, Ettore equipou um triciclo com um motor e logo de seguida outro triciclo com dois motores De-Dion. Quase no final do século, participou numa corrida com o seu primeiro veículo.
Em 1901, apresentou o primeiro automóvel feito por ele, numa exibição internacional em Milão. Construíra o veículo com a ajuda dos irmãos Gulinelli e recebeu o prémio T2 do Automobile Club de France. Devido a algumas dificuldades iniciais, entre elas a de não ter ainda 21 anos, o direito de produção de veículos foi contratado com a companhia Dietrich. Esta empresa não ficou porém satisfeita com o tempo que Ettore perdia para desenvolver e criar um carro de corrida, negligenciando a produção em massa. Ettore Bugatti passou então a trabalhar para Emil Mathis, desenvolvendo um novo automóvel com motor de quatro cilindros.
Como acontecera com a companhia Dietrich, o relacionamento com Emil Mathis teve o mesmo resultado. Não desmotivado pela nova rejeição, continuou a desenvolver os seus sonhos, projectando carros de corrida, então já sem nenhuma restrição de contratos. Em 1906, desenvolveu um automóvel com um motor de 50 hp. No ano seguinte, ofereceu-o à Deutz de Colónia, uma companhia que construía motores a gasolina. Nos tempos livres, trabalhava na cave do seu apartamento, desenvolvendo o seu primeiro Model 10 “Puro Sangue”.
Em 1909, com o apoio do banqueiro Vizcaya, abriu a sua própria empresa em Molsheim, na região da Alsácia, hoje em território francês, e conseguiu um empréstimo para construir dez automóveis e cinco motores de avião.
Os primeiros cinco automóveis foram construídos e vendidos em 1910. Ernst Friedrich, assistente de Ettore, começou a pilotar nas corridas desse mesmo ano, consolidando durante os anos seguintes o lendário sucesso dos Bugatti no desporto automóvel. Ganhou uma série de corridas em 1911 e surpreendeu tudo e todos com o 2º lugar no Grande Prémio da França, onde o Model 10 foi considerado o carro de corrida mais potente. No mesmo ano, assinou um contrato com a Peugeot para a produção do “Bebé Peugeot”, com um motor Bugatti Model 19, que foi um grande sucesso.
Durante a Primeira Guerra Mundial, desenvolveu motores de avião para os governos francês e americano. Com o dinheiro ganho nestes motores, conseguiu capital suficiente para prosseguir a sua actividade em Molsheim após o final da guerra. A produção foi ampliada e o número de empregados ultrapassou os mil.
Obteve o 1º, 2º, 3º e 4º lugares no Voiturettes Grand Prix, em Brescia. Esta formidável e convincente vitória imortalizou o pequeno Model 13. A partir dali, todos os motores de 16 válvulas construídos por Bugatti ficaram conhecidos por Brescia.
O modelo 29/30 foi o primeiro carro de corrida que ele equipou com 8 cilindros, adicionando travões hidráulicos e revolucionando com um chassi construído em forma de charuto. Este carro foi pilotado pela primeira vez em 1922 no ACF Grand Prix, terminando em segundo lugar.
Ettore Bugatti sonhava sempre com uma construção perfeita e o mais luxuosa possível. Com a introdução do “Royale” em 1926, realizou finalmente o seu sonho. Até hoje, o “Royale” é o mais expressivo automóvel de todos os tempos. O motor de 8 cilindros com 12,7 litros tem a potência de 300 hp. Infelizmente, este carro apareceu no ponto errado da história, pois o mundo mergulhava numa enorme crise. Apenas três destes magníficos carros foram vendidos.
Durante os difíceis anos de depressão económica, Ettore assinou um contrato para construir um novo e veloz comboio para o governo francês, o que veio mostrar que ele não era apenas um sonhador, mas também um óptimo homem de negócios. O único automóvel que continuava em produção no início de 1930, era o Model 57, que foi o seu último grande sucesso, com cerca de 750 unidades produzidas e vendidas.
O ano de 1936 mudou a vida de Bugatti para sempre. Os seus empregados decidiram iniciar uma greve por melhores salários e condições de trabalho. Ele, que sempre tinha tido um relacionamento especial com o pessoal, pagando altos salários e benefícios sociais, sentiu-se insultado pessoalmente pelos empregados e retirou-se da empresa.
No final da década de 1930, Ettore Bugatti encontrava-se em grandes dificuldades financeiras. A vitória de 1939 em Le Mans foi a sua última grande conquista. Em 11 de Agosto de 1939, o seu filho Jean morreu durante um teste com o mesmo carro que tinha ganho a corrida de Le Mans semanas atrás. Alguns dias depois, começou a Segunda Guerra Mundial.
Após o fim da guerra, vários esforços foram feitos para retomar a produção em Molsheim. A situação financeira tornou a produção impossível. Aos 65 anos, Ettore Bugatti morreu num hospital militar em Paris, de esgotamento devido a uma congestão cerebral. Ao longo da sua vida, registara um milhar de brevets e fabricara perto de 7 500 viaturas de grande luxo e de corrida, que entraram na lenda e se tornaram objectos de culto dos coleccionadores. É detentor de um palmarés desportivo nunca igualado, com mais de 10 000 vitórias e 37 recordes. A sua morte, a Segunda Guerra Mundial e as dificuldades económicas do pós-guerra levaram ao desaparecimento desta marca lendária. 

sexta-feira, 14 de setembro de 2012

EFEMÉRIDERicardo da Silva Tavares Pereira, modelo, apresentador e actor português, nasceu em Lisboa no dia 14 de Setembro de 1979.
Aluno do Liceu Camões, frequentou depois o curso de Psicologia na Universidade Lusófona sem o ter finalizado.
Estreou-se como actor em 2000, na peça “Real Caçada ao Sol” de Peter Shaffer, sob a direcção de Carlos Avilez, no Teatro Nacional D. Maria II.
Em 2009, ao lado de Sofia Cerveira, apresentou um programa semanal na SIC, intitulado “Episódio Especial”. O programa retratava e falava sobre a ficção brasileira, as séries e principalmente as telenovelas da Rede Globo que são transmitidas em Portugal.
Estreou-se no Brasil em “Como uma Onda”, sendo assim o primeiro actor português a ser protagonista de uma telenovela brasileira. Após ter dividido a sua vida pessoal e a sua carreira de actor entre o Brasil e Portugal, fixou-se no Rio de Janeiro, assinando um contrato de quatro anos com a Rede Globo.
Casou-se com a marchand Francisca Ribeiro, numa cerimónia que contou com a presença de cerca de 400 convidados.
Protagonizou até agora mais de vinte telenovelas (2001/2011) e catorze filmes (1995/2011). Posou nu para uma campanha de defesa da natureza, promovida pela revista brasileira “Criativa”. Em Portugal, foi escolhido para grandes campanhas publicitárias do Millennium BCP, do Pingo Doce e da Worten

quinta-feira, 13 de setembro de 2012

EFEMÉRIDESherwood Anderson, escritor norte-americano, nasceu em Camden, Ohio, no dia 13 de Setembro de 1876. Morreu no Panamá em 8 de Março de 1941.
Depois dos negócios do pai terem falido, a família via-se forçada a mudar frequentemente de residência. As dificuldades levaram o pai de Anderson ao alcoolismo, enquanto a mãe morreu em 1895. Anderson viu-se obrigado, muito novo, a fazer vários biscates para ajudar a família.
Mudou-se depois para Chicago, onde fez trabalhos braçais até à viragem do século. Alistou-se no exército e participou na Guerra Hispano-americana em Cuba. Após a guerra, trabalhou com o irmão numa editora em Springfield.
Estudou na Wittenburg Academy, sendo ao mesmo tempo copywriter em Chicago. Em 1904, casou-se com Cornelia Lane, filha de uma família rica de Ohio. Foi pai de 3 filhos e mudou-se para Cleveland, onde montou um serviço de entregas e uma loja de pintura. Voltou depois para Chicago, onde trabalhou de novo numa editora e numa agência de publicidade.
Ficou conhecido sobretudo pela recolha de contos, “Winesburg, Ohio”, que conta várias histórias de pessoas do povo, por vezes frustradas pelas suas vidas e cuja acção se passa no Ohio. Influenciou várias figuras da então jovem geração de ficcionistas americanos, nomeadamente Ernest Hemingway, William Faulkner, John Steinbeck e Erskine Caldwell.
Sherwood tinha acumulado uma rica experiência social antes de se tornar escritor. Além disso, o pai era um contador de histórias imaginárias da sua própria vida. Tudo isto lhe foi útil para a sua carreira literária. Ele exprimiu com delicadeza os movimentos psicológicos complexos dos seus personagens. Com audácia (para a época) substituiu o puritanismo vigente, descrevendo com tacto as emoções sexuais dos rapazes e das raparigas, em contextos por vezes tumultuosos. 
Quando se dirigia de barco para a América do Sul em companhia da sua 4ª esposa, contraiu uma peritonite, depois de ter engolido acidentalmente um palito quando comia azeitonas. Faleceu dias depois.
Deixou uma vasta obra (romances, contos e novelas, ensaios e peças de teatro), que tem sido raramente reeditada – o que leva a um certo desconhecimento do seu real valor. 

quarta-feira, 12 de setembro de 2012

EFEMÉRIDEPaulo de Sacadura Cabral Portas, advogado, jornalista e político português, nasceu em Lisboa no dia 12 de Setembro de 1962.
É filho do arquitecto Nuno Portas e da economista e jornalista Helena de Sacadura Cabral; irmão de Miguel Portas, dirigente político já falecido, e de Catarina Portas, jornalista e empresária. É sobrinho-neto do célebre pioneiro da aviação portuguesa, Sacadura Cabral. Exerce actualmente as funções de Ministro de Estado e dos Negócios Estrangeiros.
Estudou no Colégio de São João de Brito e licenciou-se em Direito na Universidade Católica Portuguesa.
Estreou-se no jornalismo aos quinze anos, como estagiário, na redacção de “O Tempo”. Foi depois redactor de “A Tarde” e do “Semanário”.
Iniciou a sua vida política na Juventude Social Democrata em 1975, chegando a dirigir o seu jornal oficial, então designado “Pelo Socialismo”. Em 1979, aderiu também ao Partido Social Democrata, abandonando as duas estruturas em 1982.
Juntamente com Miguel Esteves Cardoso, fundou em 1988 “O Independente”, um jornal que pretendia revolucionar a imprensa portuguesa, contrapondo-se aos jornais de esquerda da época. Através de “O Independente”, protagonizou violentas críticas e denúncias contra os governos de Cavaco Silva. A par do jornalismo, leccionou na Universidade Moderna de Lisboa a disciplina de História das Ideias Políticas e dirigiu a Amostra, centro de sondagens da mesma instituição.
Em 1995, abandonou a direcção de “O Independente”, iniciando a sua carreira política. Foi eleito deputado à Assembleia da República, nas listas do Centro Democrático Social (CDS), pelo círculo de Aveiro. Juntamente com Manuel Monteiro, fez a revisão da orientação política do partido, que adoptou a partir de então a designação de CDS-PP – Partido Popular.
Incompatibilizado com Manuel Monteiro, disputou a liderança do CDS-PP com a sua sucessora designada, Maria José Nogueira Pinto, que saiu derrotada. Presidiu o Grupo Parlamentar do CDS-PP (1999/2001) e foi candidato a presidente da Câmara Municipal de Lisboa (2001), sendo eleito como vereador.
Entre 2002 e 2005 foi co-responsável pela coligação governativa PSD/CDS-PP, vindo a exercer funções como Ministro de Estado e da Defesa Nacional (2002/2004) e Ministro de Estado, da Defesa Nacional e dos Assuntos do Mar (2004/2005). Nas eleições legislativas de 2005, não conseguindo o objectivo de obter 10% dos votos e evitar assim a maioria absoluta do Partido Socialista, pediu a demissão de presidente do CDS-PP, sendo substituído por Ribeiro e Castro. Dedicou-se então à análise da actualidade política no canal SIC Notícias.
Em 2007, regressaria com uma candidatura à Comissão Política Nacional, que o trouxe de volta à liderança do CDS-PP, obtendo cerca de 75% dos votos. Em 2011, foi eleito deputado nas eleições legislativas para a Assembleia da República. Conduziu as negociações para a constituição do Governo com o líder do PSD, Pedro Passos Coelho, que culminaram na assinatura de um acordo político de governação denominado “Maioria para a Mudança”. Já como Ministro de Estado e dos Negócios Estrangeiros, sugeriu que as Embaixadas de Portugal se tornassem locais de mostra de produtos nacionais. Posteriormente, ficou a seu cargo a Economia para o exterior, até então da responsabilidade do Ministro da Economia Álvaro Santos Pereira.
Tem estado ligado a vários escândalos, nunca tendo sido porém condenado: “Caso Moderna”, “Caso Amostra” e “Caso dos Submarinos”. Em 2007, tomou-se conhecimento que, antes de deixar as funções de Ministro da Defesa Nacional, tinha fotocopiado mais de 60 mil páginas, nas quais alegadamente estariam segredos de Estado.

terça-feira, 11 de setembro de 2012

EFEMÉRIDEBashar al-Assad, político sírio e Presidente da República desde 2000, nasceu em Damasco no dia 11 de Setembro de 1965. Sucedeu ao pai, Hafez al-Assad.
Fez os primeiros estudos numa escola laica, onde aprendeu francês e inglês. Os professores lembram-se do facto de ele, mesmo depois do pai ascender à Presidência da República em 1971, nunca ter beneficiado de qualquer tratamento especial, pois continuou a ir à escola sem o acompanhamento de seguranças e utilizando sempre os autocarros escolares. Em 1982, foi admitido na Universidade de Damasco, licenciando-se em Oftalmologia em 1988. Efectuou quatro anos de internato no Hospital Militar de Tishreen, nos arredores de Damasco. Para prosseguir a sua especialização, partiu para Londres no Outono de 1992, trabalhando no Western Eye Hospital. Mais tarde, foi assistente do Dr. Ed Schulenber no St Mary's Hospital. Conheceu em Londres a sua futura esposa,  Asma al-Akhras.
Inicialmente, demonstrou muito pouco interesse pela política. O pai educara o seu irmão mais velho, Basil al-Assad, para ser o futuro presidente. A morte deste num acidente de automóvel em 1994 mudou porém a situação e Bashar ficou a ser o herdeiro político do pai.
Bashar voltou então à Síria, ingressando na Academia Militar de Homs. Em 1999, foi promovido a coronel efectuando diversas missões oficiais no estrangeiro em representação do país.
O pai viria a falecer no ano 2000 e Bashar al-Assad tornou-se General do Estado Maior e Chefe Supremo das Forças Armadas Sírias. Nomeado candidato pelo Partido Árabe Socialista Baaz (único partido do regime) para a Presidência da República, foi eleito num referendo realizado em Julho de 2000, tomando posse uma semana depois.
O começo de seu mandato foi marcado por uma esperança de mudanças democráticas, que foi frustrada com a continuidade da política anterior. Ante a ameaça de uma guerra preventiva levada a cabo pela administração norte-americana, a instabilidade do Líbano, na qual a Síria mantinha uma forte presença militar, e as constantes tensões com o seu vizinho Israel, Bashar al-Assad procurou manter um discurso reformista que poderia satisfazer os anseios da União Europeia e dos Estados Unidos, mas que na prática não produziu nenhuma concessão ao movimento de oposição do país.
A forte pressão internacional sobre Bashar al-Assad após a morte do ex-primeiro-ministro libanês Rafik Hariri, cuja autoria foi atribuída aos serviços secretos sírios, fez com que as tropas mantidas no Líbano fossem retiradas.
Bashar al-Assad foi reeleito num referendo que teve lugar em 2007 e em que obteve 97,62% dos votos. Em Junho de 2010, iniciou uma série de viagens pela América Latina, visitando Cuba, Venezuela, Brasil e Argentina.
Em 2011, face a várias manifestações no mundo árabe pedindo reformas democráticas, o governo de al-Assad prometeu liberalizar mais a política do país. Porém, face à lentidão dessas mudanças ou ao não cumprimento das promessas, os opositores ao regime começaram uma série de protestos pedindo o derrube do Presidente, que respondeu aos manifestantes com o envio de efectivos do exército. A violência da repressão fez com que vários países, como os Estados Unidos, Canadá e os membros da União Europeia, adoptassem sanções contra a Síria. Uma verdadeira guerra civil está instalada em território sírio, sem fim à vista e já com milhares de vítimas e muitas populações deslocadas.

segunda-feira, 10 de setembro de 2012

EFEMÉRIDE – António de Sousa Marinho e Pinto, advogado português, bastonário da Ordem dos Advogados, nasceu em Amarante no dia 10 de Setembro de 1950.
Licenciado em Direito, iniciou a sua carreira como jornalista, tendo exercido funções de direcção na ANOP – Agência Noticiosa Portuguesa (1979/1986) e, depois, na Lusa até 1987.
Foi assessor do Governo de Macau entre 1987 e 1988 e voltou ao jornalismo, como redactor do “Expresso” (1989/2006). Foi assistente convidado no Instituto Politécnico de Coimbra em 1994/1995 e na Universidade de Aveiro até 2002. Coordenou a Pós-Graduação em Jornalismo Judiciário da Universidade Lusófona em 2001 e foi professor auxiliar convidado na Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra de 2005 a 2008.
Activista contra a ditadura, foi membro do MDE – Movimento Democrático Estudantil, acabando por ser preso pela PIDE em Fevereiro de 1971. Em 1973, foi membro executivo da Comissão Pró-Reabertura da Associação Académica de Coimbra, aderindo por essa altura à Juventude Comunista Portuguesa.
Depois do 25 de Abril de 1974, foi designado membro da Comissão Nacional para a Liberdade de Informação em 1978 e eleito para a Direcção do Sindicato dos Jornalistas em 1986.
Na Ordem dos Advogados foi membro do Conselho Geral e presidente da Comissão de Direitos Humanos, entre 2002 e 2003. Em 2007, foi eleito como 24.º Bastonário da Ordem. Reeleito em 2010, tomou posse em 2011. Nesse ano, foi director convidado da edição de aniversário do “Diário As Beiras”, jornal publicado em Coimbra. Proferiu várias conferências, assinou artigos no “Expresso”, no “Boletim da Ordem dos Advogados” e no “Diário de Coimbra”. Publicou os livros “As faces da Justiça” (2003), “Dura Lex – retratos da Justiça portuguesa” (2007) e “Um combate desigual” (2010).
A Justiça está «pior do que estava antes do 25 de Abril» foi uma declaração polémica que proferiu em Coimbra no dia 1 de Junho de 2011.

domingo, 9 de setembro de 2012

EFEMÉRIDECristina Maria Jorge Ferreira, apresentadora de televisão portuguesa, nasceu em Torres Vedras no dia 9 de Setembro de 1977.
Apresenta actualmente, em conjunto com Manuel Luís Goucha, o programa “Você na TV”, transmitido nas manhãs da TVI. Licenciada em História, foi professora do ensino secundário durante dois anos. Participou no programa informativo “Diário da Manhã”, na altura apresentado por Júlia Pinheiro. Apresentou em 2011, também em conjunto com Manuel Luís Goucha, a 4ª edição do programa “Uma Canção para Ti”.
Para além da profissão de apresentadora de televisão, Cristina Ferreira é proprietária de uma loja de roupa na Malveira chamada Casiraghi Forever.
Foi mãe em 4 de Junho de 2008 de um menino, Tiago, fruto da relação que manteve durante vários anos com António Casinhas, ex-jogador de futebol.
Em 2009, fez uma pequena participação na novela “Sentimentos”. Em Abril de 2011, foi considerada a Melhor Apresentadora de Televisão do Ano, na II Gala Troféus “TV7Dias”, sucedendo a Júlia Pinheiro, que tinha sido a vencedora da 1ª edição do evento. No Verão de 2011, Cristina Ferreira pôs fim à sua relação com António Casinhas.
Em 2012, voltou a apresentar um programa de horário nobre, o show de talentos “A Tua Cara Não Me é Estranha”, ao lado de Manuel Luís Goucha. No mesmo ano, foi considerada pelo jornal “Correio da Manhã”, através de uma votação feita pelo público, a Mulher Mais Sexy do Ano.

sábado, 8 de setembro de 2012

EFEMÉRIDELudovico Ariosto, poeta italiano da Renascença, nasceu em Reggio Emilia no dia 8 de Setembro de 1474. Morreu em Ferrara, em 6 de Julho de 1533.
Oriundo de uma família nobre mas sem grandes recursos, recebeu uma boa formação humanista, embora sempre lamentando o facto de não ter aprendido a língua grega. Cursou Direito, mas não seguiu a carreira para se dedicar à poesia. Estudou os poetas latinos e a composição dos seus versos.
A sua produção foi vasta: poesias líricas latinas, sátiras, peças de teatro, etc. A obra mais famosa é o poema “Orlando Furioso”, que seria a continuação de uma obra anterior de Matteo Maria Boiardo intitulada “Orlando Enamorado”. O poema, composto de 46 cantos na sua versão final (1532), alcançou grande sucesso, assim que foi publicado. Nele, o poeta ridiculariza a nobreza feudal em decadência, ao mesmo tempo que anuncia o “novo homem” da Renascença. Além dos seus aspectos sociais, a obra consegue congregar um enredo fantástico e uma versificação harmoniosa.
Orlando Furioso” foi traduzido em quase todas as línguas e, no próprio século XVI, foram feitas mais de sessenta edições do poema. Narra uma série de episódios que derivam de épicos, romances e poesia heróica da Idade Média e início do Renascimento, destacando-se três histórias nucleares à volta das quais as outras se formam: o amor de Orlando por Angélica – a de maior importância; a guerra entre cristãos (liderados por Carlos Magno) e mouros (liderados por Agramante) perto de Paris – que constitui o cenário épico para toda a narrativa; e o amor entre Roggiero e Bradamante – uma cortesia literária em honra da família Este, que o protegia e (supõe-se) era descendente daquelas duas personagens.

sexta-feira, 7 de setembro de 2012

EFEMÉRIDE Mobutu Sese Seko Kuku Ngbendu wa Za Banga, presidente do Zaire (actual República Democrática do Congo) de 1965 a 1997, morreu em Rabat, Marrocos, no dia 7 de Setembro de 1997. Nascera em Lisala, ex Congo Belga, em 14 de Outubro de 1930. O seu nome de baptismo era Joseph-Désiré Mobutu. Com uma imagem marcada pelo uso de um barrete de pele de leopardo e de uma bengala, ficou para a história contemporânea como um dos mais poderosos governantes do continente africano.
Mobutu estudou numa escola católica e, em 1949, alistou-se no exército, como sargento da Força Pública congolesa. Envolveu-se depois na luta pela independência, que foi alcançada em 1960, exercendo então o cargo de Secretário de Estado da Presidência do Conselho de Ministros.
Afastou-se da política, mas não da actividade militar, esfera em que foi consolidando a sua influência até que ela se tornou um incontornável poder no país. Decidiu-se por uma iniciativa militar, em 1965, que afastou o presidente e o primeiro-ministro, declarando-se seu herdeiro espiritual. Dissolveu a Assembleia Nacional e assumiu a titularidade de todos os poderes (Legislativo, Executivo e Judicial) em regime de partido único, de tal forma que o seu nome se veio a confundir com o próprio Estado.
Perante a comunidade internacional, alegou ser o único garante da unidade de um país multiétnico e, apesar da sua política ditatorial, foi apoiado pelos países ocidentais, que não queriam ver instalado um regime comunista em tão importante região de África. Em 1971, mudou o nome do país, do importante rio internacional e da própria moeda para “Zaire”.
Mobutu governava assim um dos países mais ricos do continente (entre outras potencialidades económicas, merece destaque a exploração de metais e pedras preciosas), mas o seu povo vivia cada vez mais abaixo do limiar da pobreza. Em contra-partida, a fortuna pessoal de Mobutu, quase toda no estrangeiro, subia para índices estimados hoje em cerca de 7 biliões de dólares.
Em 1997, o regime de Mobutu chegou porém ao fim. Após 32 anos no poder, o “Grande Leopardo” (como era por vezes apelidado) viu-se obrigado a abandonar o país, deixando o lugar a Laurent-Désiré Kabila, que durante muitos anos lhe vinha movendo uma luta de guerrilha. Morreu meses depois, vítima de um cancro na próstata.

quinta-feira, 6 de setembro de 2012

EFEMÉRIDE – Herculano Marcos Inglês de Sousa, professor, advogado, político, jornalista e escritor brasileiro, um dos membros fundadores da Academia Brasileira de Letras, morreu no Rio de Janeiro em 6 de Setembro de 1918. Nascera em Óbidos, Brasil, no dia 28 de Dezembro de 1853.  
Publicou dois romances em 1876, “O Cacaulista” e “História de um Pescador”, aos quais se seguiram mais dois, todos publicados sob o pseudónimo Luís Dolzani. Com António Carlos Ribeiro de Andrade e Silva, editou a partir de 1877 a “Revista Nacional”, uma publicação especializada em ciências, artes e letras.
Foi o introdutor do Naturalismo no Brasil. A principal característica da sua obra é o enfoque no homem amazónico, acima da paisagem e do exotismo da região. Tornou-se mais conhecido com “O Missionário” (1891) que, como toda a sua obra, revela a influência de Zola. Neste romance, descreve com fidelidade a vida numa pequena cidade do Pará, revelando agudo espírito de observação, amor à natureza e fidelidade a cenas regionais.
Inglês de Sousa fez os primeiros estudos no Pará, no Maranhão e no Rio de Janeiro. Em 1870, foi para o Recife preparar o concurso para a entrada na Faculdade de Direito, que cursou de 1872 a 1875. Em 1876, partiu para São Paulo para completar o curso de Direito na Faculdade de Direito de São Paulo, onde se licenciou.
Em 1878, quando morou na cidade de Santos, onde era jornalista no “Diário de Santos”, militou activamente no então Partido Liberal, em oposição ao Partido Conservador. Em Janeiro, o Partido Liberal alcançou o poder e Inglês de Sousa foi nomeado secretário da Relação de São Paulo.
Foi eleito deputado provincial (1880 a 1883), sendo nomeado presidente da província de Sergipe por carta imperial de Maio de 1881. No ano seguinte, foi indicado para presidente da província do Espírito Santo.
Fixou-se depois no Rio, como advogado, banqueiro, jornalista e professor de Direito Comercial e Marítimo na Faculdade Livre de Ciências Jurídicas e Sociais do Rio de Janeiro.
A publicação de “Os Títulos ao Portador” assegurou-lhe projecção nacional e fez dele um jurisconsulto famoso e com prestígio, sendo nomeado para director da Faculdade de Ciências Jurídicas e Sociais do Rio de Janeiro e presidente do Instituto dos Advogados Brasileiros de 1907 a 1910. Foi convidado para organizar o novo “Código Comercial”, trabalho que apresentou onze meses depois de ter recebido o convite.
Foi sepultado no Cemitério São João Batista, com «um dos maiores acompanhamentos de que há memória», segundo escreveu o jornal “O País”.

Arquivo do blogue

Acerca de mim

A minha foto
- Lisboa, Portugal
Aposentado da Aviação Comercial, gosto de escrever nas horas livres que - agora - são muito mais...