segunda-feira, 11 de julho de 2011


EFEMÉRIDEYul Brynner, de seu verdadeiro nome Juli Borisovich Bryner, actor norte-americano de origem mongol, russa e suíça, nasceu em Vladivostok, na Rússia, em 11 de Julho de 1920. Morreu em Nova Iorque no dia 10 de Outubro de 1985, vítima de cancro num pulmão.

Depois do pai deixar a família em 1927, passou a infância com a mãe e o irmão na China, onde estudou. Em 1934 instalaram-se em Paris, tendo seguido um curso de Filosofia na Sorbonne. Para ganhar a vida tocava guitarra em clubes nocturnos. Conheceu nessa época vários intelectuais, entre os quais Jean Cocteau. Mais tarde foi trapezista no “Circo de Inverno”. Uma grave queda provocou-lhe múltiplas fracturas e ele teve de abandonar a actividade.


Em 1941, foi para os Estados Unidos com a finalidade de estudar teatro, representando na Broadway sob o nome de Youl Bryner. Oito anos depois, estreou-se no cinema com o filme “A Brigada de estupefacientes”.


Rapou a cabeça em 1951, quando foi convidado para representar o rei do Sião no musical da BroadwayO Rei e Eu”, peça que representou 4 525 vezes. Anos depois, ganhou o Oscar de Melhor Actor pela sua actuação no filme “O Rei e Eu” (1956), baseado no mesmo espectáculo. Nos anos 1970 retomaria o personagem numa série de Televisão. Entretanto, adaptara definitivamente o nome artístico de Yul Brynner.


Foi protagonista de várias produções de sucesso, entre as quais se podem salientar: “Os Dez Mandamentos”, “Sete Homens e um Destino”, “Anastácia, a Princesa Esquecida”, “Os Irmãos Karamazov”, “Taras Bulba” e “O Farol do Fim do Mundo”.


Falava onze idiomas. Casou-se quatro vezes e teve cinco filhos. Possui uma estrela na Passeio da Fama no Hollywood Boulevard.


No meio dos anos 1980, soube que tinha um cancro, por fumar em excesso (cinco maços por dia). Resolveu filmar uma curta-metragem publicitária sobre os malefícios do tabaco, que só seria exibida depois da sua morte.

Sem comentários:

Arquivo do blogue

Acerca de mim

A minha foto
- Lisboa, Portugal
Aposentado da Aviação Comercial, gosto de escrever nas horas livres que - agora - são muito mais...