quarta-feira, 28 de junho de 2017

28 DE JUNHO - ALBERTO MUSSA

EFEMÉRIDE Alberto Baeta Neves Mussa, romancista, contista e tradutor brasileiro, nasceu no Rio de Janeiro em 28 de Junho de 1961.
Formou-se em letras na Universidade Federal do Rio de Janeiro e a sua tese de mestrado versou o papel das línguas africanas na constituição do português do Brasil. Realizou estudos sobre diversas culturas primitivas. Estreou-se na literatura com “Elegbara” (1997), livro de contos inspirado pela mitologia dos nagôs, etnia africana responsável por levar o candomblé para o  Brasil. Com o auxílio de uma bolsa da Fundação Biblioteca Nacional, escreveu “O Trono da Rainha Jinga” (1999), romance de mistério que se desenrola no Rio de Janeiro do século XVII.
A proposta literária de Alberto Mussa é fundir a tradição narrativa ocidental com os relatos mitológicos de outras culturas, como a afro-brasileira, a da Arábia pré-islâmica e a do Brasil indígena. Os seus livros foram já traduzidos em 15 idiomas e publicados em 17 países, entre eles: Argentina, Cuba, Portugal, Itália, França, Inglaterra, Roménia, Turquia, Espanha e Egipto.
Em parceria com o historiador Luiz Antonio Simas, escreveu “Samba de enredo: história e arte”, um estudo sobre a evolução estética do samba de enredo.
Fascinado pela poesia pré-islâmica, dedicou-se a um projecto de tradução e pesquisa sobre o mundo árabe. Como resultado dos estudos sobre a cultura do Médio Oriente, publiciu o romance “O Enigma de Qaf” (2004). Este livro recebeu o Prémio da Associação Paulista de Críticos de Arte e o Prémio Casa de las Américas (Cuba) em 2005, na categoria de Melhor Obra da Literatura Brasileira. Outro desdobramento destes estudos é a coletânea de traduções “Os Poemas Suspensos” (2006).
Inspirado pelo escritor argentino Jorge Luis Borges (1899/1986) e por pesquisas antropológicas sobre o adultério, redigiu “O Movimento Pendular” (2006). Compilou uma série de versões de mitos sobre a cosmogonia tupinambá e escreveu o ensaio ficcional “Meu Destino É Ser Onça” (2008). Três anos depois, publicoi “O Senhor do Lado Esquerdo” (2011) e recebeu o Prémio Machado de Assis da Fundação Biblioteca Nacional. Foi galardoado, também, com o Prémio Oceanos 2015 pelo romance “A Primeira História do Mundo” (2014).
Alberto Mussa tem um amplo conjunto de referências, que vão do modernismo de 1922 à obra de escritores como o argentino Jorge Luis Borges e de antropólogos como o belga Claude Lévi-Strauss (1908/2009).
No panorama da literatura brasileira recente, a obra de Alberto Mussa não encontra paralelo e tem despertado  o interesse de muitos estudiosos.

Sem comentários:

Arquivo do blogue

Acerca de mim

A minha foto
- Lisboa, Portugal
Aposentado da Aviação Comercial, gosto de escrever nas horas livres que - agora - são muito mais...