terça-feira, 10 de abril de 2018

10 DE ABRIL - MICHAEL CURTIZ


EFEMÉRIDE - Michael Curtiz, realizador de cinema húngaro-americano, morreu em Hollywood no dia 10 de Abril de 1962. Nascera em Budapeste, em 24 de Dezembro de 1886. Também era conhecido por Mihaly Kertesz ou Manó Kertész Kaminer, seu nome de nascimento.
Dirigiu pelo menos cinquenta filmes na Europa e cerca de cem nos Estados-Unidos, tendo sido muito bem sucedido nos inícios da Warner Bros.. Adquiriu a reputação de competência e eficiência, mas também de dificuldade em trabalhar com ele. Os seus filmes mais conhecidos são “Casablanca” (com Humphrey Bogart e Ingrid Bergman) e “As Aventuras de Robin Hood”. Este último foi o de maior sucesso numa série de filmes de aventuras clássicas em que ele dirigiu o actor Errol Flynn. Nos anos 1950, dirigiu Elvis Presley no filme “King Creole”. Teve menos sucesso a partir do final dos anos 1940, quando tentou mudar da direcção de filmes para a produção e para o trabalho independente.
Nasceu numa família judaica de Budapeste que, na época, fazia parte do Império Austro-Húngaro. Gostava de contar histórias sobre a sua infância e juventude. Por exemplo, que teria fugido de casa para se juntar a um circo e que tinha feito parte da selecção húngara de esgrima nos Jogos Olímpicos de 1912, em Estocolmo. Estudou na Universidade de Markoszy e na Academia Real de Teatro e Arte, onde se diplomou em 1906. Em 1912, começou a sua carreira de actor e encenador sob o pseudónimo de Mihály Kertész, no Teatro Nacional Húngaro.
Quando começou a Primeira Guerra Mundial, serviu durante um breve período na artilharia do exército Austro-Húngaro, tendo voltado à realização de filmes em 1915. Neste ou no ano seguinte, casou com a actriz Lucy Doraine, tendo-se divorciado em 1923.
Curtiz deixou a Hungria quando a indústria cinematográfica foi nacionalizada, em 1919, e fixou-se em Viena. Fez pelo menos 21 filmes para o estúdio Sascha-Film, entre eles os épicos bíblicos “Sodom und Gomorrha” (1922) e “Die Sklavenkönigin” em 1924. O último foi lançado nos Estados Unidos como “Moon of Israel” e chamou a atenção de Jack Warner, que contratou Curtiz para o seu estúdio, com a intenção de o fazer dirigir um filme similar para a Warner Bros.. O filme foi “Noah's Ark”, que elo dirigiu em 1928. O segundo casamento de Curtiz, de novo com uma actriz, chamada Lili Damita, durou apenas de 1925 a 1926.
Curtiz chegou aos Estados-Unidos em 1926, adoptando então o nome de Michael Curtiz. Teve uma carreira hollywoodiana longa e prolífica, em muitos géneros cinematográficos. Durante os anos 1930, chegou a figurar nos créditos de quatro filmes num único ano. Contudo, nem sempre ele era o único realizador nesses projectos.
No meio dos anos 1930, iniciou um ciclo muito bem sucedido de filmes de aventura, estrelados por Olivia de Havilland e Errol Flynn, que incluíram “Capitão Blood” (1935), “A Carga da Brigada Ligeira” (1936), “As Aventuras de Robin Hood” (1938) e “A Estrada de Santa Fé” de 1940.
No início dos anos 1940, Curtiz já estava bastante rico, ganhando 3 600 dólares por semana. Era dono de uma grande mansão, que incluía um campo de polo. Bons exemplos dos seus trabalhos nos anos 1940 foram “O Lobo do Mar” (1941), “Casablanca” (1942) e “Alma em Suplício” de 1945. Durante esse período, também dirigiu “Missão em Moscovo”, um filme de propaganda pró-soviética de 1943, para o qual foi indicado a pedido do presidente Franklin D. Roosevelt, a fim de auxiliar no esforço de guerra.
Apesar de Curtiz ter saído da Europa antes da ascensão do nazismo, outros membros da sua família não tiveram a mesma sorte, sendo enviados para Auschwitz, onde morreram. Curtiz doou parte do seu salário para o European Film Fund, uma associação beneficente que auxiliava refugiados europeus, que eram da indústria de cinema, a estabelecerem-se nos Estados-Unidos.
No final da década de 1940, fez um novo acordo com a Warner, segundo o qual o estúdio e a produtora de filmes de Curtiz dividiriam os custos e os lucros dos próximos filmes. A experiência não correu bem. Michael passou a ser freelancer anos mais tarde.
O seu último filme, “Os Comancheros”, com John Wayne, foi lançado menos de um ano antes de sua morte, vítima de cancro.
Curtiz, durante a sua vida, sempre foi extremamente activo. Os seus dias de trabalho eram muito longos e praticava vários desportos. Não gostava de actores que almoçassem formalmente durante as filmagens, pois acreditava que esta refeição retirava a energia para o trabalho à tarde.
Foi nomeado quatro vezes para o Oscar de Melhor Realizador, tenho ganho em 1944 com o filme “Casablanca”. 

Sem comentários:

Arquivo do blogue

Acerca de mim

A minha foto
- Lisboa, Portugal
Aposentado da Aviação Comercial, gosto de escrever nas horas livres que - agora - são muito mais...