quarta-feira, 22 de agosto de 2012

EFEMÉRIDESamuel Pierpont Langley, astrónomo e físico norte-americano, inventor e pioneiro da aviação, nasceu em Roxbury no dia 22 de Agosto de 1834. Morreu em Aiken, em 27 de Fevereiro de 1906.
Formou-se na Boston Latin School e foi assistente do Harvard College Observatory. Foi ainda professor de Matemática na Academia Naval dos Estados Unidos. Em 1867, foi nomeado director do Allegheny Observatory e professor de Astronomia na Universidade de Pittsburgh. Exerceu estas funções até 1891 apesar de, entretanto, se ter tornado Secretário do Instituto Smithsonian em Washington (1887). Langley foi ainda o fundador do Smithsonian Astrophysical Observatory.
Em 1886, foi agraciado com a Medalha Henry Draper, da Academia Nacional de Ciências dos Estados Unidos, devido às suas contribuições no campo da física solar. Em 1878, inventou o bolómetro, um instrumento usado para medir a incidência da radiação electromagnética. A publicação, em 1890, das suas observações sobre os infra-vermelhos, juntamente com Frank Washington Very, serviria posteriormente de base para a formulação dos primeiros cálculos sobre o efeito estufa, realizados por Svante Arrhenius.
Langley interessou-se também pela construção de aparelhos que pudessem voar. Efectuou diversas tentativas, usando aviões a que chamava Aerodromes. Usualmente, o nome de Langley é usado para contrastar com os irmãos Wright. Ao contrário daqueles homens, porém, Langley possuía elevada instrução académica e dispunha de fundos para suportar os esforços necessários para desenvolver um aparelho que voasse. Além disso, a sua prestigiosa posição como Secretário do Instituto Smithsonian garantia-lhe credibilidade, atraindo a atenção dos investidores para os seus projectos.
Em 1896, construiu um avião a vapor, não tripulado, que foi designado por “Aerodrome nº 6”. Em Novembro daquele ano, o aparelho voou cerca de 1 200 metros até acabar o vapor que o movia. Naturalmente, as máquinas a vapor eram bastante pesadas e provou-se que não seriam práticas para voar. Ainda assim, o sucesso do modelo “Número 6” permitiu que Langley convencesse o Departamento de Guerra a investir 50 000 dólares para criar uma máquina voadora que pudesse ser pilotada. O Instituto Smithsonian contribuiu com uma soma similar para o mesmo efeito. Assim, o assistente de Langley, Charles Manly, projectou uma máquina com cerca de 60 quilos, gerando 52 cavalos-vapor, que deveria garantir o sucesso. O resultado foi um avião mais adequado, que Langley chamou “Large Aerodrome A”. Langley percebeu que os riscos em caso de insucesso seriam menores se o teste fosse realizado sobre a água. Assim, gastou praticamente metade dos fundos para construir uma barcaça com uma catapulta capaz de impulsionar o seu novo aparelho. Em Outubro de 1903, com Manly ao comando, o avião de Langley foi lançado, para mergulhar pouco tempo depois no Rio Potomac. Crê-se que este protótipo talvez tivesse voado se Langley tivesse optado pelos meios mais convencionais de elevar os aparelhos desde o solo, apesar dos maiores riscos para o tripulante. Na verdade, o esforço da catapulta sobre o aparelho foi enorme, danificando a estrutura das asas dianteiras logo no arranque. A situação foi ainda pior na segunda tentativa, em Dezembro, quando a asa traseira e a cauda do aparelho foram completamente esmagadas no lançamento. Charles Manly quase morreu afogado, antes de ser resgatado dos destroços do aparelho sobre a superfície coberta de gelo do Rio Potomac.
Naturalmente, as críticas não se fizeram esperar. O jornal “The Brooklyn Eagle” citou um político de Washington como tendo dito: «Digam a Langley por mim que a única coisa que ele alguma vez fez voar foi o dinheiro do Governo». Um outro representante de Washington descreveu Langley como «um professor com imaginação, com sonhos de voar, a quem foram dados os recursos de construir castelos no ar».
O Departamento de Guerra, no seu relatório final sobre o projecto de Langley, concluiu que «ainda estamos longe do objectivo final e parece-nos que necessitaremos ainda de alguns anos de constante trabalho e estudos efectuados por especialistas, juntamente com o investimento de milhares de dólares, antes de podermos ter a esperança de produzir um aparelho de utilidade prática nesta área».
Em 17 de Dezembro de 1903, apenas oito dias depois do espectacular fracasso de Langley, foi lançado ao ar com o auxilio de uma catapulta em Kitty Hawk, Carolina do Norte, um aparelho mais resistente, chamado “Flyer 1”, construído por Orville e Willbur Wright, custando apenas cerca de mil dólares. Desiludido, Langley abandonou o seu projecto.
Samuel Langley morreu destroçado e desapontado, após uma série de ataques cardíacos. Apesar de vários anos de esforços para alcançar a imortalidade terem redundado em fracasso, Langley acabou por dar uma importante contribuição para o progresso da aviação. Em 1914, oito anos depois da sua morte, um “Aerodrome”, com várias alterações, voou com êxito em Hammondsport, Nova Iorque, pilotado por Glenn Curtiss.

Sem comentários:

Arquivo do blogue

Acerca de mim

A minha foto
- Lisboa, Portugal
Aposentado da Aviação Comercial, gosto de escrever nas horas livres que - agora - são muito mais...