terça-feira, 4 de fevereiro de 2014

4 DE FEVEREIRO - HENRIQUE GALVÃO



EFEMÉRIDEHenrique Carlos da Mata Galvão, capitão do exército e escritor português, nasceu no Barreiro em 4 de Fevereiro de 1895. Morreu em São Paulo, Brasil, no dia 25 de Junho de 1970. Ficou mundialmente conhecido, em 1961, por ter organizado e comandado o assalto ao paquete “Santa Maria”, numa tentativa de provocar uma crise política contra o regime de Salazar.
Henrique Galvão desde cedo seguiu a carreira militar, tendo sido um dos apoiantes de Sidónio Pais. Foi administrador do concelho de Montemor-o-Novo e participou na Revolução de 28 de Maio de 1926, começando por ser um fervoroso salazarista.
Foi comissário geral da Exposição Colonial Portuguesa, realizada no Porto em 1934. Nesse mesmo ano, foi nomeado primeiro director da Emissora Nacional e, em 1 de Agosto, recebeu o grau de Grande-Oficial da Ordem Militar de Cristo. Mais tarde, esteve em África, onde organizou acções de propaganda. Foi governador de Huíla, em Angola. Por essa época, escreveu uma série de livros notáveis sobre a vida nas colónias portuguesas em África, sob o ponto de vista antropológico e zoológico.
No início da década de 1950, desiludiu-se com o regime de Salazar e começou a conspirar juntamente com outros militares, mas acabou por ser descoberto, preso e expulso do exército. Em 1959, aproveitando uma ida ao Hospital de Santa Maria, fugiu e refugiou-se na embaixada da Argentina, tendo conseguido depois asilo político na Venezuela.
Foi durante o exílio que começou a preparar aquela que seria a sua acção mais espectacular – o desvio do paquete português “Santa Maria”, cheio de passageiros, a que deu o nome de “Operação Dulcineia”. Coordenou esta acção com Humberto Delgado, que estava exilado no Brasil.
O navio escolhido tinha deixado Lisboa em 9 de Janeiro de 1961, para uma viagem regular até Miami. Galvão embarcou clandestinamente no navio, em Curaçao. A bordo, já se encontravam os 20 elementos da Direcção Revolucionária Ibérica de Libertação, grupo que assumiria a responsabilidade pelo assalto. O navio levava 612 passageiros (muitos dos quais norte-americanos) e 350 tripulantes. A operação começou na madrugada de 22 de Janeiro, com a ocupação da ponte de comando. Um dos oficiais de bordo ofereceu resistência e foi morto a tiro. Os restantes renderam-se. O paquete mudou de rumo e partiu em direcção a África. Henrique Galvão queria dirigir-se à ilha de Fernando Pó, no golfo da Guiné, e a partir daí atacar Luanda, que seria o ponto de partida para o derrube dos governos ditatoriais de Lisboa e de Madrid. Um plano megalómano, digno de D. Quixote e condenado ao fracasso. No entanto, chamaria a atenção do mundo para a ditadura salazarista.
As coisas começaram a complicar-se quando o navio foi avistado por um cargueiro dinamarquês, que avisou a guarda costeira americana. Daí até à chegada dos navios de guerra foi um ápice. Vendo que tudo estava perdido, Henrique Galvão decidiu rumar para o Recife e render-se às autoridades brasileiras, pedindo asilo político, que lhe foi concedido.
Galvão morreu no Brasil nove anos depois, com a doença de Alzheimer. Em Novembro de 1991, foi agraciado a título póstumo com a Grã-Cruz da Ordem da Liberdade.

Sem comentários:

Arquivo do blogue

Acerca de mim

A minha foto
- Lisboa, Portugal
Aposentado da Aviação Comercial, gosto de escrever nas horas livres que - agora - são muito mais...