segunda-feira, 22 de agosto de 2016

22 DE AGOSTO - JOSÉ MORAIS E CASTRO

EFEMÉRIDEJosé Armando Tavares de Morais e Castro, actor, encenador, político e advogado português, morreu em Lisboa no dia 22 de Agosto de 2009, vítima de cancro. Nascera na mesma cidade, em 30 de Setembro de 1939.
Foi actor experimental do Grupo Cénico do Centro 25 da Mocidade Portuguesa, enquanto estudante liceal. Estreou-se profissionalmente no Teatro do Gerifalto, dirigido por António Manuel Couto Viana, na peça “A Ilha do Tesouro” (1956).
Em 1958, estreou-se na televisão com “O Rei Veado” de Carlo Gozzi, realizado por Artur Ramos. Ainda no Teatro do Gerifalto, integrou o elenco de variadas peças, como “O Fidalgo Aprendiz” de Francisco Manuel de Melo e “Os Velhos Não Devem Namorar” de Afonso Castellau.
Em 1960, trabalhou junto de Laura Alves. No ano seguinte, encenou no Cénico de Direito, “O Borrão” de Augusto Sobral, premiado no Festival de Teatro de Lyon desse ano. Protagonizou o filme “Pássaros de Asas Cortadas” de Artur Ramos (1962).
Integrou o Teatro Moderno de Lisboa, de 1961 a 1965, participando em “O Tinteiro” de Carlos Muñiz e “Humilhados e Ofendidos” de Dostoievski, onde obteve grande sucesso. Neste período, contracenou com actores como Armando Cortez, Fernando Gusmão, Carmen Dolores e Ruy de Carvalho, entre outros. Em 1968, co-fundou o Grupo 4, no Teatro Aberto, juntamente com Irene Cruz e João Lourenço, e ali representou diversos autores (Peter Weiss, Bertolt Brecht, Boris Vian, etc.).
Encenou “É preciso continuar” de Luiz Francisco Rebello. Em 1985, fez a comédia “Pouco Barulho”, com Nicolau Breyner, passando depois pela Companhia Teatral do Chiado, onde – ao lado de Mário Viegas – participou na peça “À espera de Godot” de Samuel Beckett.
Em 2004, a sua interpretação em “O Fazedor de Teatro” de Thomas Bernard, com Joaquim Benite, na Companhia de Teatro de Almada, valeu-lhe uma Menção Honrosa da Crítica. Foi ainda presença regular na televisão, em novelas e séries, durante os anos 1980/90. Popularizou-se no papel de professor na série “As Lições do Tonecas” (1996/1998). Em 2005, foi director de escola na série “O Clube das Chaves” na TVI.
Morais e Castro era licenciado em Direito pela Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa (1964), tendo exercido a advocacia. Foi dirigente do Partido Comunista Português.
Casou a primeira vez, em Abril de 1961, com Marília Vitória Martins Gomes Leão, de quem teve dois filhos. Casou-se pela segunda vez com a actriz Linda Silva.

Sem comentários:

Arquivo do blogue

Acerca de mim

A minha foto
- Lisboa, Portugal
Aposentado da Aviação Comercial, gosto de escrever nas horas livres que - agora - são muito mais...