sábado, 27 de agosto de 2011




EFEMÉRIDETheodore Herman Albert Dreiser, escritor e activista político norte-americano, nasceu em Terre Haute, Indiana, em 27 de Agosto de 1871. Morreu em Hollywood no dia 28 de Dezembro de 1945. Sucedeu a Frank Norris como o escritor mais representativo do naturalismo nos Estados Unidos.


O pai era um imigrante alemão católico, enquanto a mãe pertencia a uma comunidade menonita de agricultores estabelecidos em Dayton, tendo sido repudiada após o seu casamento e conversão ao catolicismo. Theodore era o 12º de treze filhos, o nono de dez sobreviventes.


Em 1889 e 1890, frequentou a Universidade de Indiana. Durante vários anos, escreveu para os jornais “Chicago Globe” e “St. Louis Globe-Democrat”.


O seu primeiro romance, “Sister Carrie” (1900), conta a história de uma mulher que troca a vida do campo por uma vida difícil na cidade de Chicago. O segundo romance, “Jennie Gerhardt”, foi publicado no ano seguinte. Grande parte da obra de Dreiser aborda as desigualdades sociais.


O seu primeiro sucesso comercial, “Uma Tragédia Americana” (1925), é a história de um jovem de carácter instável, surpreendido por acontecimentos que o levam à execução por assassinato. O romance deu origem a um filme em 1931 e a uma nova versão cinematográfica vinte anos depois.


Dreiser é sobretudo apreciado pelo realismo dos seus trabalhos, pela construção dos personagens e pelos seus pontos de vista sobre o estilo de vida do seu país. Teve grande influência sobre a geração de escritores americanos que se seguiu à sua.


Dreiser envolveu-se com várias campanhas contra as injustiças sociais, incluindo o linchamento do sindicalista Frank Little, um dos líderes da Industrial Workers of the World, o caso Sacco e Vanzetti, a deportação de Emma Goldman e a condenação do líder sindical Thomas Mooney.


Em 1935 a Associação das Bibliotecas de Warsaw, Indiana, ordenou que fossem queimadas todas as obras de Dreiser existentes nos seus acervos.


Militante socialista, escreveu vários livros sobre questões políticas, entre os quais “Dreiser Looks at Rússia” (1928), sobre a sua viagem à União Soviética em 1927, “Tragic America” (1931) e “America is Worth Saving” (1941). Denunciou o capitalismo e o militarismo americano, o que lhe valeu a hostilidade dos meios oficiais. O seu último livro “The Stoic” foi publicado a título póstumo em 1947.


Filiou-se no Partido Comunista Americano em Agosto de 1945, vindo a falecer no mês de Dezembro seguinte, vítima de ataque cardíaco. Encontra-se sepultado no Forest Lawn Memorial Park, Glendale, Los Angeles.


Sem comentários:

Arquivo do blogue

Acerca de mim

A minha foto
- Lisboa, Portugal
Aposentado da Aviação Comercial, gosto de escrever nas horas livres que - agora - são muito mais...