sábado, 31 de outubro de 2015

31 DE OUTUBRO - ANTÓNIO VILAR

EFEMÉRIDEAntónio “Vilar” Justiniano dos Santos, actor de cinema português, nasceu em Lisboa no dia 31 de Outubro de 1912. Morreu em Madrid, em 16 de Agosto de 1995.
Foi um dos mais disputados galãs do cinema europeu, sobretudo na década de 1950, tendo trabalhado em Portugal, Espanha, França, Itália e Argentina. Foi o rosto por excelência dos grandes espectáculos históricos e de co-produções luso-espanholas, como “Inês de Castro” e “Rainha Santa”.
Personificou Luís Vaz de Camões na película “Camões” (1946), antes de se fixar em Espanha, onde viveu até ao fim dos seus dias.
Entre 1946 e 1978, protagonizou cerca de 40 filmes espanhóis, dos quais se salientam “A Mantilha de Beatriz” (1946), “A Rainha Santa” (1947), “Una Mujer Cualquiera” (1949), “Don Juan” (1950), “Alba de América” (1951), “El Redentor” (1957), “Muerte Al Amanecer” (1959), “Fim-de-Semana Com a Morte” (1967) e “Sinal Vermelho” (1973).
Interpretou papéis marcantes no cinema espanhol como Don Juan em “Don Juan” e Cristóvão Colombo em “Alba de América”. Voltou a Portugal para encabeçar o elenco de “O Primo Basílio” (1959), realizado por António Lopes Ribeiro.
Uma das suas prestações mais elogiadas foi no filme “El Judas” (1952), em que interpretou três personagens diferentes: Mariano Tormé (o homem que apenas pensa no lucro), Judas e o próprio Jesus Cristo, sendo aclamado no Festival de Veneza.
Na Argentina tornou-se igualmente popular, interpretando três filmes: “La Quintrala” (1955), “Os Irmãos Corsos” (1955) e “Miercoles Santo” (1954). Em Itália, protagonizou “Guarany” (1948), “Honra e Sacrifício” (1949) e “Il Padrone Delle Ferriere” (1959).
Em França filmou, com sucesso, “Bel amour” e “Le désir et l'amour”, ambos de 1951. Contracenou com Brigitte Bardot em “A Mulher e o Fantoche” (1959), interpretando o rico e orgulhoso Matteo Diaz
O seu último filme foi “Estimado Señor Juez” (1978). Nos anos seguintes, perseguiu o sonho de produzir, realizar e protagonizar um épico sobre Fernão de Magalhães, tendo gasto a sua fortuna pessoal na pré-produção do filme, após as recusas de subsídios governamentais por parte de Portugal e de Espanha. Para esse efeito, conseguiu construir uma réplica duma nau da frota de Magalhães, que foi oferecida à Comissão Nacional dos Descobrimentos Portugueses.
Recebeu numerosos prémios durante a sua carreira, tendo sido considerado «um dos melhores actores do mundo» pela revista norte-americana “Fame”. Era Oficial das Ordens de Santiago e Espada e Militar de Cristo (Portugal) e da Ordem de Isabel a Católica (Espanha). Foi-lhe atribuída a Comenda da Legião de Mérito (Brasil).

Sem comentários:

Arquivo do blogue

Acerca de mim

A minha foto
- Lisboa, Portugal
Aposentado da Aviação Comercial, gosto de escrever nas horas livres que - agora - são muito mais...