terça-feira, 11 de julho de 2017

11 DE JULHO - TOMMY RAMONE

EFEMÉRIDETommy Ramone, de seu verdadeiro nome Tom Erdélyi, depois anglicizado para Thomas Erdelyi, músico e produtor norte-americano de origem húngara, morreu em Nova Iorque no dia 11 de Julho de 2014. Nascera em Budapeste, em 29 de Janeiro de 1949. Foi o último integrante original da banda The Ramones a morrer.
Oriundo de uma família judia húngara, cresceu em Nova Iorque. Estudou na Forest Hill High School. Tocava guitarra, chegando a actuar num grupo de garagem (The Tangerine Puppets), nos anos 1966/67. Interessou-se bastante cedo pela produção e trabalho de estúdio e tocou igualmente num grupo de hard rock (Triad and Butch).
Tudo começou em Janeiro de 1974. No estúdio que Tommy tinha em Manhattan, apareceu um trio, com o Dee Dee a cantar, o Joey na bateria e o Johnny na guitarra. «Era uma banda horrível, mas com um óptimo gosto», diria mais tarde Tommy Ramone. Sugeriu que Joey ficaria melhor entre Johnny e Dee Dee. A partir de então, fizeram testes para bateristas. Após dezenas de castings, Tommy adaptou-se a um estilo inspirado nos Beatles e assumiu o lugar. Fizeram carreira juntos, como The Ramones, entre 1974 e 1978, ano em que foi substituído por Marc Bell (Marky Ramone), continuando apenas como produtor em certos trabalhos.
Entretanto, tinham gravado três álbuns: “Ramones” (1976), “Leave Home” (1977) e “Rocket To Rússia” (1977). Tommy compôs importantes músicas dos Ramones, como “I Wanna Be Your Boyfriend” e “Blitzkrieg Bop”.
Tommy deixou o grupo, farto das tensões no seu seio e devido à vida caótica que levavam, por causa do grande número de tournées.  
Em Outubro de 2004, voltou a tocar com o apelido “Ramone” no “Ramones Beat Down On Cancer”. Foi ainda integrante do duo acústico Uncle Monk.
Tommy, que tocava igualmente bandolim e concertina, faleceu aos 65 anos de idade, vítima de doença oncológica.

Sem comentários:

Arquivo do blogue

Acerca de mim

A minha foto
- Lisboa, Portugal
Aposentado da Aviação Comercial, gosto de escrever nas horas livres que - agora - são muito mais...