quarta-feira, 12 de agosto de 2015

12 DE AGOSTO - LILA RIPOLL

EFEMÉRIDELila Ripoll, poetisa, pianista e militante comunista brasileira, nasceu em Quaraí no dia 12 de Agosto de 1905. Morreu em Porto Alegre, em 7 de Fevereiro de 1967.
Em 1927, com vinte e dois anos, deixou a sua terra natal e mudou-se para Porto Alegre, com a finalidade de estudar piano no Conservatório de Música do Instituto Livre de Belas Artes. Como estudante, publicou poemas na “Revista Universitária”.
Em 1930, tornou-se professora de Canto Orfeónico no Grupo Escolar Venezuela. Foi neste período que se aproximou de escritores e intelectuais gaúchos, que compunham a então chamada Geração de 30.
Em 1934, com o assassinato do seu primo Waldemar, jornalista e membro do Partido Libertador, Lila Ripoll decidiu engajar-se na luta política. Participou então na Frente Intelectual do Partido Comunista e no Sindicato dos Metalúrgicos, de cujo departamento cultural foi directora.
Em 1938, publicou o seu livro de estreia, “De Mãos Postas”, que foi muito bem recebido pela crítica. Três anos depois, surgiu “Céu Vazio”, vencedor do Prémio Olavo Bilac da Academia Brasileira de Letras. Em 1944, casou-se com Alfredo Luís Guedes, também militante político. Com a legalização do Partido Comunista, no ano seguinte, passou a lutar mais activamente pelas reivindicações dos operários e, simultaneamente, publicou textos na revista “A Província de São Pedro”.
Em 1949, Lila Ripoll ficou viúva e, apesar da depressão que se seguiu, continuou a sua militância política e colaborou em campanhas pacifistas. Foi candidata a deputada pelo PCB em 1950, mas não foi eleita. Em 1951, colaborou na revista “Horizonte”, publicando textos de escritores latino-americanos como Pablo Neruda e Gabriela Mistral. No mesmo ano, editou “Novos Poemas”, que lhe trouxe o Prémio Pablo Neruda da Paz, em Praga, na Checoslováquia. Em 1954, o longo poema “Primeiro de Maio”, que tem como tema o massacre ocorrido no Dia do Trabalhador na cidade de Rio Grande, foi publicado. Em 1958, a sua única peça teatral, “Um Colar de Vidro”, foi apresentada no Theatro São Pedro.
Em 1964, logo após o golpe militar, Lila Ripoll foi presa, mas rapidamente libertada em função de sua saúde, pois tinha um cancro em estado muito avançado. A sua última obra poética foi “Águas Móveis” (1965). Faleceu aos sessenta e um anos.
Em sua homenagem, foi criado em 2005 o Prémio Lila Ripoll de Poesia, promovido pela Assembleia Legislativa do Rio Grande do Sul. O prémio é aberto a todas as pessoas que desejem expressar-se sobre temas ligados às causas sociais e ao género.

Sem comentários:

Arquivo do blogue

Acerca de mim

A minha foto
- Lisboa, Portugal
Aposentado da Aviação Comercial, gosto de escrever nas horas livres que - agora - são muito mais...