quinta-feira, 28 de julho de 2016

28 DE JULHO - MARIE DRESSLER

EFEMÉRIDEMarie Dressler, de seu verdadeiro nome Leila Maria Koerber, actriz canadiana, morreu em Santa Bárbara, Califórnia, no dia 28 de Julho de 1934. Nascera em Cobourg, Ontário, em 9 de Novembro de 1868. Foi premiada com o Oscar de Melhor Actriz pelo papel desempenhado em “Min and Bill”. Tem uma estrela na Calçada da Fama em Hollywood.
Ainda muito jovem, Dressler já tinha talento para fazer as pessoas rir. Começou a sua carreira artística aos catorze anos. Em 1892, fez a sua estreia na Broadway, enveredando pelo teatro de vaudeville.
Foi Maurice Barrymore quem deu o impulso inicial de que ela necessitava, aconselhando-a sobre o modo de promover a sua carreira e proporcionando-lhe um papel na peça “Ladrão do Reno”. Anos depois, ela apareceria com os filhos de Maurice, Lionel e John, em alguns filmes mudos. Durante o início dos anos 1900, tornou-se uma grande estrela do cinema mudo.
O primeiro papel de Dressler no cinema foi em 1910, quando tinha 42 anos. O fundador dos Keystone Studios em Edendale, na Califórnia, convenceu-a a estrelar o seu filme mudo de 1914, “Tillie's Punctured Romance”. Apareceu depois em mais duas sequelas de “Tillie”, além de fazer outras comédias até 1918, ano em que voltou ao vaudeville.
Em 1927, o seu nome constava da lista negra das companhias de teatro, devido às suas posições trabalhistas. Frances Marion, um guionista da MGM, “resgatou” o seu nome e usou a sua influência junto do chefe de produção da MGM, para Dressler voltar aos ecrãs. O seu primeiro filme na MGM foi “The Callahans and the Murphys” (1927).
Em 1929, Marie Dressler afastou-se mais uma vez do cinema, ingressando no grupo de teatro de Edward Everett Horton, em Los Angeles.
Pouco tempo mais tarde, porém, de novo se encontrou na berlinda devido a chegada do cinema falado e à necessidade de actores de palco experientes. Deixou então a companhia de Horton. O cinema falado não apresentou nenhum problema para ela.
Em 1930, desempenhou o papel de Martly, uma velha megera, no filme “Anna Christie” (1930). Greta Garbo – com quem contracenava – e os críticos ficaram impressionados com as suas capacidades e a MGM apressou-se a assinar um contrato com ela, mediante um chorudo salário para a época (US$ 500 por semana).
Mulher robusta e encorpada, com recursos muito simples, passou a actuar em filmes cómicos, que estavam então muito em voga. Embora com sessenta anos de idade, rapidamente se tornou uma das actrizes mais rentáveis e populares de Hollywood, permanecendo no topo até à sua morte.
Demonstrou o seu talento igualmente noutros papéis. Pela sua interpretação em “Min and Bill” ganhou em 1931 o Oscar de Melhor Actriz, sendo nomeada de novo para o mesmo Oscar pelo seu desempenho em “Emma” (1932).
Em 1934, foi-lhe diagnosticado um cancro em fase terminal. Morreu pouco tempo depois e foi sepultada numa cripta do Memorial Park Cemetery em Glendale, na Califórnia.

Sem comentários:

Arquivo do blogue

Acerca de mim

A minha foto
- Lisboa, Portugal
Aposentado da Aviação Comercial, gosto de escrever nas horas livres que - agora - são muito mais...