quinta-feira, 25 de junho de 2015

25 DE JUNHO - JAMES MEREDITH

EFEMÉRIDEJames Howard Meredith, figura emblemática do Movimento dos Direitos Civis nos Estados Unidos na década de 1960, nasceu em Kosciusko no dia 25 de Junho de 1933.
De ascendência afro-americana, Meredith alistou-se na Força Aérea logo após terminar os estudos liceais. Ali esteve entre 1951 e 1960, prestando serviço no Japão durante algum tempo. Ao deixar a vida militar, inscreveu-se por duas vezes na Universidade do Mississippi, mas viu os seus pedidos recusados, devido à política racial segregacionista vigente nos estados sulistas, nomeadamente no Mississippi.
Finalmente, em Outubro de 1962, Meredith tornou-se o primeiro estudante negro a frequentar a Universidade do Mississippi, após ter visto o seu ingresso barrado em 20 de Setembro pelo próprio governador do estado e pela Guarda Nacional, que desafiavam assim a justiça federal, que garantia o seu ingresso na universidade.
O desafio do governo estadual do Mississippi à justiça federal levou à ocupação da universidade por agentes federais enviados por Washington, para garantir o ingresso de Meredith e zelar pela sua segurança no campus. A medida acabou por causar uma verdadeira batalha campal entre estudantes e populares brancos contra os agentes que escoltavam Meredith, apoiados por tropas do Exército enviadas pelo presidente John F. Kennedy. O conflito saldou-se por dois mortos e dezenas de feridos, entre estudantes, polícias, soldados e agentes federais. Este facto foi um dos mais emblemáticos e cruciais momentos da história da luta dos negros americanos por direitos iguais ao da população branca, movimento este que durou mais de uma década.
Licenciado em Direito, Meredith teve uma participação activa no movimento dos direitos civis, liderando – em 1966 – a “Marcha contra o Medo”, de Jackson, no Mississippi, até Memphis, no Tennessee. Foi ferido à bala por um atirador racista branco. A imagem de Meredith, caído após ter sido baleado, ganhou o Prémio Pullitzer de Fotografia em 1967.
Durante alguns anos, após estes episódios, tentou sem sucesso ser eleito para o Congresso e trabalhou como conselheiro jurídico na equipa do senador Jesse Helms, do Partido Republicano. Muito criticado pela comunidade dos direitos civis por esse emprego, pelo facto do senador Helms ser um dos maiores expoentes do ultra-conservadorismo moral e do pensamento de extrema-direita da política norte-americana, ele respondeu simplesmente que «tinha enviado cartas a todos os integrantes do Congresso e da Câmara dos Estados Unidos, oferecendo os seus serviços de advogado, de modo a conseguir acesso aos estudos e aos livros na Biblioteca do Congresso, e apenas Helms lhe tinha respondido…».
Vive actualmente em Jackson, com a esposa e filhos, sendo proprietário de um pequeno negócio de carros usados. Define-se hoje como um simples cidadão, que exigiu e recebeu os direitos devidos a qualquer norte-americano, e não como um ex-activista dos direitos civis.

Sem comentários:

Arquivo do blogue

Acerca de mim

A minha foto
- Lisboa, Portugal
Aposentado da Aviação Comercial, gosto de escrever nas horas livres que - agora - são muito mais...