terça-feira, 9 de junho de 2015

9 DE JUNHO - SOLVEIG NORDLUND

EFEMÉRIDESolveig Nordlund, cineasta sueca naturalizada portuguesa, nasceu em Estocolmo no dia 9 de Junho de 1943. Tirou um bacharelato em História da Arte, na Universidade de Estocolmo. Em 1962, conheceu Alberto Seixas Santos e o seu interesse pelo cinema acentuou-se. Só a partir de 1970, no entanto, é que decidiu enveredar pela carreira cinematográfica.
Foi assistente em vários filmes: “Quem Espera por Sapatos de Defunto Morre Descalço” de João César Monteiro (1969/70), “O Recado” de José Fonseca e Costa (1970/71), “Pedro Só” de Alfredo Tropa (1970/71) e “Fragmentos de Um Filme-Esmola” também de João César Monteiro (1972).
Com “Brandos Costumes” de Alberto Seixas Santos (1973/74), o seu nome começou a surgir nos genéricos de várias películas como montadora. Nestas funções, assinou filmes de Manoel de Oliveira, João Botelho e Thomas Harlan, bem assim como vários documentários políticos.
Em 1973/74, foi bolseira da Fundação Calouste Gulbenkian e fez estágios de cinema em Paris, sob orientação – entre outros – de Jean Rouch. Em 1974, trabalhou na Cinequipa e, em 1975, na Cinequanon, onde fez a montagem de séries televisivas. Fundadora do Grupo Zero, participou em vários filmes colectivos, entre os quais “A Lei da Terra” (1976). Em 1978, estreou-se na ficção com “Nem Pássaro Nem Peixe”.
Realizou, em colaboração com o Teatro da Cornucópia, vários filmes sobre peças de teatro de Franz Xaver Kroetz (“Música Para Si”, “Viagem Para a Felicidade,” ambos de 1978 e “Outras Perspectivas” de 1980) e de Karl Valentin (“E Não se Pode Exterminá-lo?” - 1979).
A sua primeira longa-metragem foi “Dina e Django” (1983), a que se seguiram “Até Amanhã, Mário” (1994), “Comédia Infantil” (1998), “Aparelho Voador a Baixa Altitude” (2002) e “A Filha” (2003). Foi também realizadora de curtas-metragens e de documentários sobre escritores, como Marguerite Duras e António Lobo Antunes. Fundou a sociedade Ambar Filmes. Em 2009, realizou “O Espelho Lento”, uma curta-metragem baseada num conto de Richard Zimler.
Estreara-se na direcção teatral em 1998, com “A Noite é Mãe do Dia” de Lars Norén, para o Centro Cultural de Belém e Centro Cultural da Malaposta. Colaborou depois com o grupo Artistas Unidos, para o qual encenou: “Vai Vir Alguém” e “Sonho de Outono” de Jon Fosse; e “Traições” e “Há Tanto Tempo” de Harold Pinter.

Sem comentários:

Arquivo do blogue

Acerca de mim

A minha foto
- Lisboa, Portugal
Aposentado da Aviação Comercial, gosto de escrever nas horas livres que - agora - são muito mais...