sexta-feira, 20 de novembro de 2015

20 DE NOVEMBRO - HENRI-GEORGES CLOUZOT

EFEMÉRIDEHenri-Georges Clouzot, cenarista, realizador e produtor de cinema francês, nasceu em Niort no dia 20 de Novembro de 1907. Morreu em Paris, em 12 de Janeiro de 1977.
Após os estudos clássicos, enveredou pela carreira de jornalista. Depois, começou a supervisionar versões francesas de operetas alemãs. Escreveu também cenários para vários filmes.
Muito meticuloso e controverso (chegando a quase “tiranizar” os actores), era conhecedor de todos os truques técnicos da sétima arte, tornando-se num dos mais célebres realizadores do cinema europeu dos anos 1940/50. Além do cinema, era apaixonado pela música e por fumar cachimbo. Começou a dirigir e a fazer os roteiros para os seus próprios filmes na década de 1940 e o seu filme de estreia foi “L'Assassin habite... au 21.
Ficou mais conhecido depois da rodagem de “O Salário do Medo” (1953) e “As Diabólicas” (1954), filmes considerados pela crítica como dos mais importantes dos anos 1950. Chegou a ser chamado o “Hitchcock francês”. Realizou igualmente vários documentários, entre os quais “O Mistério Picasso” (1956), declarado «tesouro nacional» pelo governo francês. Em 1960, realizou “A Verdade” com Brigitte Bardot.
Clouzot foi um dos três realizadores, juntamente com Antonioni e Altman, a ter conquistado três prémios supremos nos principais festivais europeus: o Leão de Oiro (Veneza, 1949), a Palma de Oiro (Cannes, 1953) e o Urso de Oiro (Berlim, 1953).
Foi casado com a actriz de origem brasileira Vera Clouzot. Vários ataques cardíacos complicaram os últimos anos da sua vida, deixando muitos projectos por concretizar. Importante coleccionador de arte contemporânea, a sua segunda esposa – Inês – legou esta colecção (vendida ulteriormente por mais de 4 milhões de euros) e os direitos sobre as suas obras cinematográficas à associação de caridade “Socorro Católico”.  

Sem comentários:

Arquivo do blogue

Acerca de mim

A minha foto
- Lisboa, Portugal
Aposentado da Aviação Comercial, gosto de escrever nas horas livres que - agora - são muito mais...