sábado, 5 de novembro de 2016

5 DE NOVEMBRO - MANITAS DE PLATA

EFEMÉRIDEManitas de Plata, de seu verdadeiro nome Ricardo Baliardo, guitarrista cigano francês, morreu em Montpellier no dia 5 de Novembro de 2014. Nascera em Sète, em 7 de Agosto de 1921.
Veio ao mundo numa caravana cigana, no sul de França. Tornou-se famoso por tocar anualmente em Saintes-Maries-de-la-Mer, local de peregrinação cigana na Camarga, sendo gravado ao vivo por Deben Bhattacharya.
Ficou a dever a sua sobrevivência durante a Segunda Guerra Mundial ao facto de ter estado escondido em Lunel, antes de ir para Paris, como protegido de Django Reinhardt, um celebérrimo guitarrista igualmente de raça cigana.
Manitas de Plata só concordou em tocar para o grande público dez anos após a morte de Django Reinhardt (1953), que era – por unanimidade – considerado o rei dos guitarristas ciganos da época.
Uma das gravações de Manitas valeu-lhe uma carta escrita por Jean Cocteau, aclamando-o como compositor. Após ouvi-lo tocar em Arles, em 1964, Pablo Picasso exclamou: «Este homem tem maior valor do que eu» e começou a desenhar na guitarra.
Manitas de Plata ficou ainda mais famoso depois de uma exposição de fotografia no Museum of Modern Art em Nova Iorque, organizada pelo seu amigo Lucien Clergue. Foi na capela de Arles, em França, que fez a primeira gravação oficial, distribuída nos Estados Unidos pela Connoisseur Society. Tratava-se de um álbum triplo, muito popular, que chamou a atenção do público americano. Um empresário conseguiu que ele fizesse um concerto no Carnegie Hall, em Nova Iorque, em Dezembro de 1965.
Ainda em Nova Iorque, Manitas de Plata, que era analfabeto, representou a Europa na festa anual das Nações Unidas. De notar que, também, não sabia ler uma nota de música.
Desde 1967, Manitas de Plata percorreu o mundo inteiro e gravou vários discos. Tocou com Paco de Lucia e para a dançarina Nina Corti. Em 1968, actuou no Royal Variety Performance em Londres. Tocou na Alemanha, Itália, Nova Zelândia, Singapura e Argélia, entre muitos outros países.
Vendeu, ao longo da sua carreira, mais de 93 milhões de álbuns (83 discos diferentes). Actuou em Outubro de 2012, como convidado surpresa, no Olympia em Paris. Tinha então 91 anos.
Em Abril de 2013, sofreu uma crise cardíaca e foi hospitalizado em Montpellier. Em Julho do mesmo ano, com 92 anos, declarou-se arruinado e doente, lançando um apelo no jornal “La Dépêche du Midi”. Em Maio de 2014, de cadeira de rodas, apareceu ainda na peregrinação de Saintes-Maries-de-la-Mer. No mês seguinte, foi internado numa clínica, onde ficou durante cerca de um mês. Em Agosto de 2014, ingressou num lar para reformados. Faleceu menos de três meses depois.

Sem comentários:

Arquivo do blogue

Acerca de mim

A minha foto
- Lisboa, Portugal
Aposentado da Aviação Comercial, gosto de escrever nas horas livres que - agora - são muito mais...