segunda-feira, 24 de abril de 2017

24 DE ABRIL - VLADIMIR KOMAROV

EFEMÉRIDE Vladimir Mikhailovich Komarov, cosmonauta soviético, morreu em Oblast de Oremburgo no dia 24 de Abril de 1967. Nascera em Moscovo, em 16 de Março de 1927. Foi o primeiro soviético a ir ao espaço duas vezes e o primeiro homem a morrer numa missão espacial, a bordo da nave Soyuz 1.
O pai era operário e o que ganhava quase não chegava para as necessidades da família. Em 1935, Vladimir iniciou o seu processo educativo, mostrando-se muito competente na área das matemáticas. Em 1941, deixou a escola por causa da Segunda Guerra Mundial e da invasão da URSS pela Alemanha. Foi trabalhar numa quinta colectiva.
Ainda jovem, mostrou um interesse acentuado pela aeronáutica, coleccionando revistas e imagens da especialidade, além de criar maquetas de aviões e das próprias hélices.
Com 15 anos, ingressou na primeira escola das forças aéreas especiais de Moscovo, para prosseguir o seu sonho de se tornar aviador. Pouco depois, a família tomou conhecimento que o pai tinha sido morto na guerra.
Devido à invasão nazi, a escola de aviação foi deslocada para uma região na Sibéria até ao fim das hostilidades. Os estudantes, além de assuntos ligados à Aviação, aprendiam matérias de outros domínios, como Zoologia e Línguas Estrangeiras. Komarov diplomou-se em 1945 e a guerra acabou antes dele ser incorporado em unidades de combate.
Em 1946, acabou os treinos na Escola Superior da Força Aérea Chkalov, em Borissoglebsk, completando-os seguidamente na universidade A.K. Serov, em Bataïsk. A mãe morreu em 1948, sete meses antes dele obter o diploma final e o posto de tenente das Forças Aéreas Soviéticas
Komarov era piloto de testes, engenheiro aeroespacial e tornou-se cosmonauta em 1960, no primeiro grupo de homens seleccionados para o programa espacial soviético, juntamente com Yuri Gagarin e Gherman Titov, os dois primeiros homens em órbita da Terra.
Era um dos mais experientes e qualificados candidatos aceites no primeiro grupo de cosmonautas, mas foi – a princípio – declarado sem condições de saúde para se manter no programa. A sua perseverança, inteligência e qualificações como engenheiro, permitiram-lhe, porém, continuar a ter um papel activo. Subiu ao espaço pela primeira vez em 1964, comandando a nave Voskhod 1, em companhia dos cosmonautas Boris Yegorov e Konstantin Feoktistov, no primeiro voo ao espaço de uma nave com mais de um tripulante.
Em 1967, realizou o seu segundo voo espacial, desta vez sozinho na nova nave Soyuz 1, um voo com muitos problemas em órbita e que terminou em tragédia quando da reentrada na atmosfera, quando o pára-quedas principal de travagem da cápsula não abriu e esta foi esmagar-se e explodir no solo, matando Komarov.
Pouco antes do impacto, o líder soviético Alexei Kossygin disse a Komarov que o país estava orgulhoso dele. Um posto de escuta da Agência de Segurança Nacional dos Estados Unidos, em Istambul, Turquia, revelou que a resposta de Komarov foi inaudível.
Desde a sua morte, começaram a aparecer notícias de que a Soyuz tinha problemas de concepção e funcionamento desde o início e não estaria em condições de realizar uma missão espacial tripulada. Apesar das objecções dos engenheiros do programa espacial, o voo teria acontecido por pressões de líderes políticos, que desejavam uma grande missão espacial em comemoração do aniversário de nascimento de Lenine.
Komarov foi sepultado dois dias depois – com honras de Estado – em Moscovo, sendo as cinzas enterradas na Necrópole da Muralha do Kremlin, na Praça Vermelha. No ano seguinte, a sua memória foi lembrada no local da queda, tendo estado presentes mais de 10 mil pessoas, algumas delas tendo vindo de centenas de quilómetros de distância.
Vladimir Komarov foi condecorado duas vezes com a Ordem de Lenine e com o título de Herói da União Soviética. Uma cratera da Lua e o asteróide 1836, descoberto em 1971, foram baptizados com o seu nome.

Sem comentários:

Arquivo do blogue

Acerca de mim

A minha foto
- Lisboa, Portugal
Aposentado da Aviação Comercial, gosto de escrever nas horas livres que - agora - são muito mais...