quarta-feira, 5 de abril de 2017

5 DE ABRIL - SAUL BELLOW


EFEMÉRIDESaul Bellow, escritor judeu nascido no Canadá e naturalizado norte-americano, Nobel em 1976, morreu em Brookline no dia 5 de Abril de 2005. Nascera em Lachine, Montreal, em 10 de Junho de 1915.
Os pais tinham emigrado da Rússia para o Canadá em 1913. Bellow foi criado até aos nove anos, num bairro pobre de Montreal, habitado por russos, polacos, ucranianos, gregos e italianos. Depois da morte do pai em 1924, a família foi para Chicago.
Se bem que não seja considerado um autor de escrita autobiográfica, as suas raízes canadianas reflectem-se no primeiro romance “The Dangling Man” (1944). A sua herança judia e os numerosos divórcios ajudaram-no igualmente a criar vários personagens.
A morte da mãe, quando ele tinha 17 anos, provocou-lhe um choque emocional muito profundo. Em 1933, ingressou na Universidade de Chicago. Estudou depois Antropologia e Sociologia na Northwestern University, sendo diplomado em 1937.
Durante umas férias de Natal, Bellow apaixonou-se, casou-se e abandonou os estudos de doutoramento na Universidade de Wisconsin, para se tornar escritor. Levou no entanto vários anos para publicar o seu primeiro livro e, entretanto, ensinou no Pestalozzi-Froebel Teachers' College de Chicago (1938/42). Nos dois anos seguintes, trabalhou no departamento editorial da Encyclopædia Britannica.
Em 1944/45, serviu na marinha mercante americana. Depois da guerra, voltou ao ensino, desempenhando várias funções nas universidades de Minnesota, Nova Iorque, Princeton e Porto Rico.
De 1960 a 1962, foi co-editor da revista literária “The Noble Savage” e, em 1962, tornou-se professor no Committee of Social Thought da Universidade de Chicago.
Obteve por três vezes o National Book Award, com “As aventuras de Augie March” (escrito em França, 1953), “Herzog” (1964) e “O Planeta de M. Sammler” (1969). Foi considerado «o melhor escritor americano da sua geração».
Recebeu o Prémio Internacional de Literatura em 1965 e o Nobel de Literatura de 1976, sendo ainda premiado com o Guggenheim Fellowship e com a Medalha Nacional de Artes.
As suas obras retratam cinco décadas de experiência americana, da depressão dos anos 1930 ao novo mundo do poder, riqueza, egoísmo arrogante e divisão social na América, no qual a inteligência tem de lutar contra o materialismo. Bellow resumiu isto no seu mais brilhante romance, “Herzog”, que é o retrato de um intelectual do final do século XX, pintado de forma tragicómica, discutindo a sorte com os grandes filósofos da modernidade. Numa época que ele viu como sendo de massificação social, luxo desordenado, individualismo fútil e falência cultural, o seu trabalho e os seus heróis lutam para chegar a um humanismo contemporâneo.
Após vários casamentos e divórcios, Saul Bellow estava casado com uma ex-aluna, trinta anos mais nova, quando faleceu aos 89 anos.

Sem comentários:

Arquivo do blogue

Acerca de mim

A minha foto
- Lisboa, Portugal
Aposentado da Aviação Comercial, gosto de escrever nas horas livres que - agora - são muito mais...