quinta-feira, 2 de fevereiro de 2012




EFEMÉRIDE Haroun Tazieff, engenheiro agrónomo, geólogo e vulcanólogo russo, naturalizado sucessivamente belga e francês, morreu em Paris no dia 2 de Fevereiro de 1998. Nascera em Varsóvia, em 11 de Maio de 1914. Personagem mediática, foi um dos pais da vulcanologia contemporânea e um pioneiro na comunicação entre os vulcanólogos e o grande público. Demonstrou a necessidade de expedições pluridisciplinares a vulcões activos e em erupção, desenvolvendo pesquisas sobre o papel dos gases nos dinamismos eruptivos e contribuindo para revolucionar uma ciência, que não era reconhecida e que, por vezes, era mesmo desconhecida.


O pai morreu logo no princípio da Primeira Grande Guerra Mundial e a mãe emigrou com ele para a Bélgica em 1921. Em 1927 foram para França e regressaram em 1929, obtendo a naturalização belga sete anos depois.


Estudou na Faculdade de Agronomia Gembloux na Bélgica e praticou futebol, boxe e rugby. Em 1938 fez o serviço militar no exército belga e, em 1939, foi mobilizado para a guerra. Militou depois na “Resistência” e, apesar de tudo, conseguiu o seu diploma de engenheiro de Geologia e Minas na Universidade de Liège em 1944.


Depois da guerra, trabalhou no Congo Belga, tendo ocasião de assistir à erupção do vulcão Kituro e de descobrir o lago de magma Nyiragongo. Foi para ele uma revelação e, desde logo, decidiu consagrar-se à vulcanologia, fazendo audaciosas descidas na boca de vários vulcões para recolher amostras de lava e de gás. Foi então que realizou o filme “Os encontros do diabo”. Tornou-se também, a partir de 1951, companheiro de Jacques-Yves Cousteau a bordo da “Calypso”.


Atraído pelas possibilidades que lhe eram prometidas pela França, sob o ponto de vista científico, decidiu ir para Paris e pedir a naturalização francesa, que só obteve em 1971. Tornou-se comissário para o Estudo e Prevenção de Catástrofes em 1981, entrando depois para o governo como secretário de Estado, encarregado da Prevenção de Riscos Tecnológicos e Naturais (1984/1986).


Decepcionado com a vida política, voltou às suas pesquisas. Contou-as para o grande público através de um livro, em que combateu o catastrofismo em voga acerca do buraco na camada de ozono e o aquecimento climático, fenómenos que ele não negava mas que achava mal analisados. A este livro deu o título irónico “A Terra vai deixar de girar?”. Foi um dos últimos de uma série de 24 obras publicadas desde 1951, em que revelou também a importância das erupções submarinas, que foi o primeiro a observar, a descrever e a analisar, de 1957 a 1963, nos Açores (Faial, Capelinhos).


Presidente do Comité Superior de Riscos Vulcânicos de 1988 a 1995, Haroun Tazieff foi um dos pioneiros da validação da teoria da deriva dos continentes e da tectónica das placas.

Sem comentários:

Arquivo do blogue

Acerca de mim

A minha foto
- Lisboa, Portugal
Aposentado da Aviação Comercial, gosto de escrever nas horas livres que - agora - são muito mais...