quinta-feira, 3 de setembro de 2015

3 DE SETEMBRO - FERREIRA SIMÕES

EFEMÉRIDE – João Manuel Ferreira Simões, jornalista português, nasceu na vila de Ota, Alenquer, em 3 de Setembro de 1932. Morreu no dia 24 de Outubro de 2014. Foi fundador e dirigente do Sindicato dos Jornalistas em Moçambique. Trabalhou em jornais influentes e de grande expansão, como o “Diário de Notícias” e o “Diário Popular”.
Perdeu os pais ainda não tinha 10 anos. Durante a Segunda Guerra Mundial, na qual Portugal manteve uma posição neutra, a vida entre as classes média e baixa era extremamente difícil, pelo que ninguém na família o pôde sustentar. Foi assim que veio para Lisboa, onde foi inscrito na secção de Pina Manique da Casa Pia de Lisboa, uma instituição de apoio a crianças em risco.
Quando adolescente, Ferreira Simões integrou um pequeno grupo da mesma faixa etária, que teve diversas intervenções nas temporadas de ópera italiana, em espectáculos realizados no Coliseu dos Recreios e no Teatro Nacional de S. Carlos. Foi nessa altura que conheceu pessoalmente cantores famosos como Tito Schippa, Benjamino Gigli, Gino Bechi, Iolanda Gardino, Renata Tebaldi, e os portugueses Tomás Alcaide e Guilhermo Kjolner. Curiosamente, foi depois de um ensaio nocturno da ópera “Cecília”, no Teatro Nacional de S. Carlos, que se viu envolvido num acidente de viação que viria a determinar a sua ida para Moçambique (o que aconteceu em 1951), a convite do proprietário e director do “Notícias” de Lourenço Marques (actual Maputo), capitão Manuel Simões Vaz, que mais tarde mandou retirá-lo da secção de publicidade, onde fora colocado, para o integrar no quadro redactorial do referido diário.
Em Moçambique, foi depois chefe de redacção do jornal “Notícias da Beira” e da revista “Tempo” e representante da agência noticiosa Lusitânia, uma concorrente da Anop (mais tarde extinta para criar a Lusa). Embora não fosse adepto do regime que dirigiu os destinos de Portugal durante mais de 40 anos, nunca foi incomodado pela PIDE (polícia política), porque também nunca se envolveu em actividades que a isso pudessem conduzir.
A única perseguição digna de registo de foi alvo partiu não da polícia política mas sim do último governador-geral de Moçambique, engenheiro Pimentel dos Santos. Ferreira Simões, que era dirigente sindical, fora indigitado, numa reunião dos vários sindicatos, para membro do Conselho Legislativo, órgão de que era presidente, por inerência, o governador-geral, e que tinha a seu cargo a discussão e aprovação (ou rejeição) dos vários diplomas legislativos, que eram publicados no jornal oficial e constituíam as leis que vigoravam naquela antiga colónia portuguesa. A lista dos eleitos pelos vários sectores com intervenção no processo era apreciada depois pelo representante do partido único (a Acção Nacional Popular) e pelo governador-geral. Este, com quem Ferreira Simões tivera um ligeiro conflito, na sequência de notícias por ele enviadas e publicadas em Lisboa, mandou que se alterasse a acta da reunião dos sindicatos em que fora eleito e colocassem no seu lugar um africano da região do Monapo, de seu nome Assael Jonassane Mazula, que já vinha a fazer parte de anteriores conselhos legislativos.
Isto passou-se em 1973. No ano seguinte, a Revolução dos Cravos, que terminou com o regime ditatorial, pôs também fim à curta vida do último Conselho Legislativo de Moçambique e às funções do governador-geral, que regressou imediatamente à Metrópole, como Portugal era designado nos territórios ultramarinos.
Depois do 25 de Abril de 1974, Ferreira Simões viu-se forçado a abandonar Moçambique devido a perseguições políticas e também por acreditar que o país deveria ter direito a eleições gerais livres e democráticas, ao invés do destino político ser a entrega ao partido Frelimo. Foi para Joanesburgo, onde residiu quase dois anos até regressar a Portugal na Primavera de 1976. Nessa altura, Portugal enfrentava uma grave crise económica, social e política, caracterizada por uma quase bancarrota, lutas sociais e confrontos entre a esquerda e a direita. Mais de meio milhão de portugueses que tinham vivido nas colónias, principalmente em Angola e Moçambique, tinham entretanto regressado.
Em Lisboa, Ferreira Simões recomeçou como copy desk e editor no “Diário de Notícias” e, mais tarde, trabalhou como editor e grande repórter no “Diário Popular”, dois dos maiores diários de Lisboa. Morreu aos 82 anos. 

Sem comentários:

Arquivo do blogue

Acerca de mim

A minha foto
- Lisboa, Portugal
Aposentado da Aviação Comercial, gosto de escrever nas horas livres que - agora - são muito mais...