terça-feira, 2 de maio de 2017

2 DE MAIO - PAUL GUIMARD

EFEMÉRIDEPaul Guimard, jornalista e escritor francês, morreu em Hyères no dia 2 de Maio de 2004. Nascera em Saint-Mars-la-Jaille, em 3 de Março de 1921.
Paul Guimard fez os estudos secundários em Nantes, no colégio católico Saint-Stanislas, começando de seguida a sua via profissional como jornalista. Durante a Guerra, foi cronista dos periódicos “L'Écho de la Loire” e “L'Ouest-Éclair”.
Ingressou seguidamente no jornal falado da Radiodiffusion française (RDF), onde criou “La Tribune de Paris”, em que dirigiu debates durante quatro anos. Em 1945, escreveu a comédia “Septième ciel”, que foi representada em público.
Foi em 1956 que começou verdadeiramente a sua carreira literária, publicando o primeiro romance, “Les Faux Frères”, com o qual ganhou o Grande Prémio do Humor. No mesmo ano, fez na rádio uma série de entrevistas com Joseph Kessel e Henry de Monfreid.
No ano seguinte, o seu romance “Rue du Havre” foi coroado com o Prémio Interallié. Três anos mais tarde, faria parte do júri deste mesmo prémio. Em 1960, co-escreveu – com Antoine Blondin – a comédia “Un garçon d'honneur”. Um ano mais tarde, publicou “L'Ironie du sort” que foi adaptado ao cinema por Édouard Molinaro em 1973.
Em 1962, fez uma volta ao mundo a bordo de um veleiro, contando em directo as suas impressões para uma emissora de rádio. Por volta de 1965, teve um encontro com François Mitterrand, a pedido deste.
Em 1967, foi publicado o seu romance mais conhecido, “Les Choses de la vie”, que foi adaptado ao cinema por Claude Sautet, com Romy Schneider e Michel Piccoli nos principais papéis e com uma alteração significativa do seu final. O filme recebeu o Prémio Louis-Delluc em 1970.
Escreveu em 1970 o guião e os diálogos do folhetim “Les Cousins de la Constance”, transmitido pelo canal ORTF.
De 1971 a 1975, foi editorialista do semanário “L’Express” e conselheiro das edições Hachette. Publicou, em 1976, “Le Mauvais temps”, obra em que descreve a ‘preponderância da vontade sobre o fatalismo, a indecisão e a submissão ao acaso’.
Em 1981, depois da vitória de Mitterrand nas Presidenciais, foi “encarregado de missão” junto do presidente da República até Agosto de 1982. De 1982 a 1986, foi membro da Alta Autoridade da Comunicação Audiovisual.
A partir de 1986, voltou à literatura com um ensaio sobre o dramaturgo Jean Giraudoux e escreveu vários romances.
Em 1993, recebeu o Prémio da Fundação Prince-Pierre-de-Monaco, pelo conjunto da sua obra. Esposou em 1952 a romancista Benoîte Groult, com quem teve uma filha e duas paixões em comum – a escrita e o mar.

Sem comentários:

Arquivo do blogue

Acerca de mim

A minha foto
- Lisboa, Portugal
Aposentado da Aviação Comercial, gosto de escrever nas horas livres que - agora - são muito mais...