sábado, 19 de outubro de 2013

19 DE OUTUBRO - ANTÓNIO GRANJO



EFEMÉRIDEAntónio Joaquim Granjo, advogado e político português, foi assassinado em Lisboa na noite de 19 de Outubro de 1921. Nascera em Chaves, em 27 de Dezembro de 1881.
Republicano desde a sua juventude, foi membro da Assembleia Nacional Constituinte, eleito em 28 de Maio de 1911. Lutou durante a participação portuguesa na Primeira Guerra Mundial e escreveu um livro sobre as suas experiências. Foi iniciado na Maçonaria, com o nome simbólico de Buffon, tendo mantido ligações a esta organização até ao final da sua curta vida.
Depois do assassinato do presidente Sidónio Pais, António Granjo insurgiu-se contra a Monarquia do Norte (1919) e a sua tentativa de instaurar um regime monárquico. Foi presidente da Câmara Municipal de Chaves de Fevereiro a Julho de 1919, sendo eleito no mesmo ano para a Câmara dos Deputados, pelo Partido Republicano Evolucionista. Mais tarde, foi um dos fundadores do Partido Republicano Liberal.
Ministro da Justiça durante o governo de coligação de Domingos Pereira, foi presidente do Ministério (actual primeiro-ministro) em dois breves mandatos, de Julho a Novembro de 1920, num governo liberal, e – novamente – para substituir Tomé de Barros Queirós, de Agosto a Outubro de 1921.
Foi assassinado na noite de 19 de Outubro de 1921, conhecida por “Noite Sangrenta”, na sequência de uma revolução de cariz radical que o levara a pedir a demissão do cargo de primeiro-ministro. Os seus assassinos foram marinheiros e soldados da GNR integrantes de um movimento revolucionário em curso, comandados pelo cabo Abel Olímpio, o “Dente de Ouro”. António Granjo foi levado da casa de Francisco Cunha Leal, afecto ao Partido Democrático, onde tinha tentado obter protecção, e levado para o Arsenal da Marinha. À sua chegada, foi ferido com dois tiros no pescoço, tendo sido tratado na enfermaria e recolhido a um quarto. Um grupo de revolucionários entrou então no quarto, onde ele se encontrava gravemente ferido, crivando-o de balas. Depois disso, um corneteiro da GNR ainda lhe cravou um sabre no ventre.
Foram igualmente assassinados, nessa noite, outros republicanos do 5 de Outubro de 1910, entre os quais os revolucionários Machado Santos e José Carlos da Maia. Em comum, entre todos eles, o facto de terem sido opositores da corrente radical que dominou a Primeira República, com excepção de poucos e breves interregnos.

Sem comentários:

Arquivo do blogue

Acerca de mim

A minha foto
- Lisboa, Portugal
Aposentado da Aviação Comercial, gosto de escrever nas horas livres que - agora - são muito mais...