quarta-feira, 4 de março de 2015

4 DE MARÇO - ALFREDO BENSAÚDE

EFEMÉRIDEAlfredo Bensaúde, mineralogista, engenheiro e professor universitário português, reformador do ensino tecnológico em Portugal no início do século XX e fundador do Instituto Superior Técnico (Lisboa), nasceu em Ponta Delgada, Açores, no dia 4 de Março de 1856. Morreu na mesma cidade em 1 de Janeiro de 1941.
Era filho de José Bensaúde, importante industrial açoriano de origem judaica, e irmão de Joaquim Bensaúde, destacado historiador dos Descobrimentos Portugueses, e de Raul Bensaúde, famoso médico em Paris.
Depois de fazer os estudos preparatórios em Ponta Delgada, foi enviado pelo pai para a Alemanha, aos 15 anos de idade. Ingressou na Escola Técnica Superior de Hanôver e, seguidamente, na Escola de Minas de Clausthal-Zellerfeld, onde obteve o grau de engenheiro em 1878.
Permaneceu na Alemanha, prosseguindo estudos na Georg-August-Universität Göttingen, onde – em 1881 – se doutorou. A sua dissertação versou a cristalografia do mineral perovskite então descoberto na Rússia e foi premiada e publicada pelo governo alemão.
A partir de 1884, fixou-se em Lisboa, sendo nomeado professor de Mineralogia e Geologia no Instituto Industrial e Comercial de Lisboa. Imbuído dos métodos práticos com que estudara na Alemanha, introduziu os métodos laboratoriais de ensino, revolucionando a forma de ensino das disciplinas que regia. Foi o introdutor em Portugal do ensino da Cristalografia e das modernas técnicas de Petrografia.
Após a implantação da República, foi convidado para instalar o Instituto Superior Técnico, do qual foi professor e primeiro director. Nestas funções, teve oportunidade de renovar os métodos de ensino da engenharia em Portugal. Dirigiu o IST desde a sua fundação em 1911 até 1922, ano em que se retirou para Ponta Delgada, onde – devido ao falecimento do pai – assumiu a administração das empresas que este havia fundado na ilha de São Miguel.
Residindo em Ponta Delgada, mas de onde se ausentava com frequência em visitas ao estrangeiro, manteve a sua actividade intelectual, colaborando com diversas instituições locais e dedicando-se ao estudo da mineralogia açoriana. Neste período descreveu a açorite, um mineral aparentado com o zircónio, comum nas rochas vulcânicas.
Alfredo Bensaúde foi admitido como sócio correspondente da Academia das Ciências de Lisboa em 1893 e como sócio efectivo em 1911. Em 1929, foi declarado académico emérito.
Publicou muitos artigos sobre assuntos da sua especialidade e também trabalhos sobre a reforma pedagógica do ensino das Ciências Naturais e da Engenharia. Algumas das suas obras são marcos importantes no património pedagógico de Portugal, entre elas as “Notas Histórico-Pedagógicas sobre o Instituto Superior Técnico” (1922), onde propôs uma reestruturação pedagógica profunda, com destaque para o aumento do número de laboratórios.
Paralelamente à sua actividade científica e empresarial, teve como hobby a construção e restauro de violinos. A paixão pelos violinos terá surgido quando assistiu em Hanôver à repetição das experiências de acústica do médico e físico francês Félix Savart. Construiu o seu primeiro violino em 1874, ano em que frequentou a oficina do construtor de violinos dinamarquês Jacob Eritzoe, que fora – durante muitos anos – contramestre da oficina de August Riechers, em Berlim. Chegou a interromper os estudos no ano lectivo de 1874/75, para aprender a arte de construir violinos. Aplicava um verniz de composição sua, com transparência e brilho característicos.
Foi distinguido como Grande Oficial da Ordem Militar de Santiago da Espada e da Ordem da Instrução Pública.
Era casado com Jane Oulman Bensaúde, autora de livros didácticos, sendo pai da bióloga Matilde Bensaúde.

Sem comentários:

Arquivo do blogue

Acerca de mim

A minha foto
- Lisboa, Portugal
Aposentado da Aviação Comercial, gosto de escrever nas horas livres que - agora - são muito mais...