sábado, 16 de maio de 2015

16 DE MAIO - MARTINE CAROL

EFEMÉRIDEMartine Carol, de seu verdadeiro nome Marie-Louise Mourer, actriz francesa, nasceu em Saint-Mandé (Val-de-Marne) no dia 16 de Maio de 1920. Morreu em Monte Carlo (Mónaco), em 6 de Fevereiro de 1967. Seguiu cursos de representação ministrados por Robert Manuel e por René Simon.
Começou a sua carreira em 1940, com a peça “Phèdre”, utilizando o nome artístico Maryse Arley. No início da ocupação alemã, como muitos outros actores franceses, entrou em vários filmes financiados pela empresa alemã Continental, dirigida por Alfred Greven. 
Em 1941, figurou em “Le Dernier des six”  e em “Les Inconnus dans la maison”. Em 1942, protagonizou um filme de sketches, abertamente anti-semita e anti-americano, intitulado “Les Corrupteurs”.
Descoberta por Henri-Georges Clouzot, figurou em “Le Chat”, adaptação de uma novela de Colette, filme que nunca chegou a ser distribuído. Em 1943, entrou em “La Ferme aux loups”, contracenando com Paul Meurisse e François Périer. Este último aconselhou-a nessa ocasião a mudar de pseudónimo e ela escolheu então “Martine Carol”.
Em 1947, quando o comediante Georges Marchal, seu primeiro amor, a trocou por Dany Robin, atirou-se ao rio Sena, depois de ter ingerido álcool e barbitúricos. Um motorista de táxi salvou-a do afogamento. No final deste mesmo ano, subiu de novo ao palco para representar “La Route du tabac”, no Teatro da Renascença, ao lado de Marcel Mouloudji. Passou a aparecer regularmente no cinema, nomeadamente em “Miroir” com Jean Gabin (1947), “Les Amants de Vérone” com Pierre Brasseur (1948) e “Je n’aime que toi” com o cantor Luís Mariano (1949).
Em 1954, casou-se com o cenarista Christian-Jaque, que lhe reservou papéis à altura do sex-symbol típico dos anos 1950 em que ela se tinha tornado. Trabalhou com muitos realizadores de renome, como Sacha Guitry, René Clair, Terence Young, Vittorio De Sica, etc. Contracenou com Gérard Philipe, Raf Vallone, Charles Boyer ou ainda Vittorio Gassman.
A partir de 1956, a sua estrela começou a empalidecer à medida que começava a resplandecer a de Brigitte Bardot, que viria a ter nos anos 1960 o esplendor que Martine Carol tivera nos anos 1950
O cinema tradicional, que fizera a glória de Martine, começava a ser varrido pela Nova Vaga. Mergulhou numa depressão, consumindo muitos medicamentos e fazendo curas de emagrecimento. Após uma interrupção de quatro anos na sua carreira e novo casamento com um homem de negócios britânico, desempenhou o seu derradeiro papel em 1966 (“Jugement à Prague”). Pouco tempo depois, era encontrada morta num hotel em Monte Carlo, vítima de crise cardíaca. Falou-se num possível suicídio, mas nada ficou provado.
Martine Carol, ao longo da sua vida artística, protagonizou mais de cinquenta filmes, ficando ligada para sempre à história do cinema francês.  

Sem comentários:

Arquivo do blogue

Acerca de mim

A minha foto
- Lisboa, Portugal
Aposentado da Aviação Comercial, gosto de escrever nas horas livres que - agora - são muito mais...