segunda-feira, 18 de maio de 2015

18 DE MAIO - EDOARDO SANGUINETI

EFEMÉRIDEEdoardo Sanguineti, poeta, dramaturgo, ensaísta, professor e crítico literário, morreu em Génova no dia 18 de Ma1o de 2010. Nascera na mesma cidade em 9 de Dezembro de 1930. Foi um dos principais teóricos do Grupo 63 e ensinou Literatura nas Universidades de Turim, Salerno e Génova.
A família fixou-se em Turim, quando Edoardo tinha quatro anos. Era ainda criança quando, numa consulta de rotina, lhe foi diagnosticada uma doença cardíaca grave. Mais tarde, o diagnóstico foi considerado errado, mas o episódio condicionou durante muito tempo o seu estilo de vida.
Um tio que se dedicava à música e vivia também em Turim foi a primeira pessoa influente na sua formação. Em Bordighera, localidade onde passava as férias de Verão, relacionou-se com um primo que lhe transmitiu também a paixão pelo jazz.
Ao consultar um médico durante uma crise de tosse convulsa, este veio a descobrir o falso diagnóstico quanto ao coração. Considerado são, foi aconselhado a fazer exercício físico intenso para desenvolver a sua massa muscular, que entretanto tinha definhado. Ginástica, ciclismo e ténis foram, a partir daí, os desportos que praticou com assiduidade.
Em 1946, inscreveu-se no Liceu Clássico de Azeglio, começando muito cedo a frequentar os meios culturais de Turim, a visitar exposições diversas, a assistir a concertos e a conviver com figuras notáveis da cidade.
Em 1951, começou a escrever um livro a que daria o título de “Laborintus” e que mostraria somente a um número restrito de leitores, quatro nem mais. Em 1954, no seguimento de uma crítica inserida no magazine “Galleria de l'Antologia critica del Novecento”, conheceu o editor Luciano Anceschi que decidiu, em boa hora, publicar aquele seu primeiro livro.
Em 1956, depois de se ter licenciado na Faculdade de Letras da Universidade de Turim, fez o respectivo mestrado. Nos anos 1960, encontrou-se à frente da neo-vanguarda italiana, o Grupo 63. Em 1971, viveu seis meses em Berlim, voltando a Itália para exercer a profissão de professor. Começou a colaborar igualmente nos periódicos “Paesa Sera” (1974), “Il Giorno” (1975) e “Unità” (1976).
Entrei 1976 e 1981, iniciou-se na política, sendo conselheiro municipal de Génova e membro da Câmara, eleito como independente nas listas do Partido Comunista Italiano. Entre 1981 e 1983, dirigiu a prestigiosa revista “Cervo Volante”.
Em 1990, fundou – juntamente com Nadia Cavalera – a revista internacional “Bollettario. Quadrimestrale di scrittura e critica”, que dirigiu até à sua morte. Faleceu na sala de operações do hospital para onde havia sido transportado de urgência, vítima de um aneurisma.
Legou para a posteridade uma prolífica obra: 43 livros de/ou sobre Poesia; 21 livros de Teatro ou sobre Teatro e Música; e 19 Ensaios e Estudes. Traduziu vários autores estrangeiros, como Joyce, Eurípedes, Séneca, Petrónio, Eschilo, Sofocle, Shakespeare, Molière, Aristófanes, Brecht e Corneille.

Sem comentários:

Arquivo do blogue

Acerca de mim

A minha foto
- Lisboa, Portugal
Aposentado da Aviação Comercial, gosto de escrever nas horas livres que - agora - são muito mais...