quinta-feira, 19 de janeiro de 2012




EFEMÉRIDEEsteban Echeverría, escritor argentino, morreu em Montevideu no dia 19 de Janeiro de 1851. Nascera em Buenos Aires, em 2 de Setembro de 1805. Teve um papel importante no desenvolvimento da literatura argentina, sendo um dos maiores autores românticos da América Latina. É considerado autor do primeiro conto argentino (“O matadouro”).


Era filho de uma senhora argentina e de um espanhol. Ainda criança, perdeu o pai e foi iniciado nas primeiras letras pela mãe. Começou depois os estudos, ficando também sem a progenitora quando tinha 17 anos. Ingressou então no Departamento de Estudos Preparatórios da Universidade e na Escola de Desenho, ao mesmo tempo que começava a trabalhar numa casa comercial. Resolveu, aos 20 anos, completar a sua educação na Europa.


Esta ausência da pátria (1825/1830) foi-lhe bastante benéfica. Em Paris, interessou-se pelas Letras, familiarizou-se com as tendências literárias e ideológicas da época e conseguiu uma sólida cultura. Em Junho de 1830, regressou a Buenos Aires, participando em reuniões de vários Salões Literários.


Em 1831, publicou os seus primeiros versos em diversos jornais e, no ano seguinte, editou – sob a forma de folheto – “Elvira”, considerada a primeira obra romântica em língua castelhana.


Posteriormente, publicou “Os Consolos” (1834) e “Rimas” (1837), onde incluiu o seu trabalho mais importante em verso: “A Cativa”.


Em 1837, participou activamente num Salão Literário que funcionava numa livraria. Tendo sido ordenado o fecho deste Salão, Echeverría fundou uma sociedade secreta – a Associação de Maio. Publicou as ideias do seu tempo nos Princípios desta Associação, que iriam servir de base para a edição de “O Dogma Socialista” em 1846.


Problemas políticos e perseguições fizeram com que ele se exilasse no Uruguai em 1840. Ali viveu, dedicando-se à literatura, até falecer quando tinha apenas 45 anos de idade.

Sem comentários:

Arquivo do blogue

Acerca de mim

A minha foto
- Lisboa, Portugal
Aposentado da Aviação Comercial, gosto de escrever nas horas livres que - agora - são muito mais...