sábado, 9 de novembro de 2013

9 DE NOVEMBRO - EVA TODOR



EFEMÉRIDEEva Todor, de seu verdadeiro nome Éva Fodor Nolding, actriz brasileira, nasceu em Budapeste no dia 9 de Novembro de 1919.  Teve uma vasta carreira no teatro, cinema e televisão, construída ao longo de 80 anos.
Nascida numa família de judeus húngaros ligada ao meio artístico, começou a subir aos palcos ainda criança, como bailarina da Ópera Real de Budapeste. Por causa das dificuldades financeiras que a Europa enfrentou no período que se seguiu à Primeira Guerra Mundial, a família Fodor abandonou o país e emigrou para o Brasil em 1929. No ano seguinte, ainda com dez anos, retomou a carreira como bailarina, no Rio de Janeiro. Um ano mais tarde, começou a estudar dança clássica no Theatro Municipal. Foi então que adoptou o apelido artístico de “Todor” em vez do original Fodor, «cuja pronúncia em português se confundia com um palavrão».
Aos 12 anos, fez um teste para o Teatro Recreio e, em 1934, estreou-se como actriz no espectáculo “Quanto Vale uma Mulher” de Luiz Iglesias. Permaneceu nesta companhia e acabou por se casar com Iglesias em 1939, tornando-se a actriz principal. O seu talento para papéis cómicos era imenso, o que levou o marido a escrever peças com personagens concebidas especialmente para ela. Eva Todor era também especialista em protagonizar raparigas ingénuas. Em 1940, fundou a companhia “Eva e Seus Artistas”, que se estreou com “Feia”” de Paulo de Magalhães.
Em 1942, participou na peça “Deus lhe Pague”, quando do baptismo cultural de Goiânia, uma cidade planeada e concebida para ser a capital estadual de Goiás. A peça foi apresentada no Teatro Goiânia, que acabava de ser inaugurado, e contou com a presença do então presidente brasileiro Getúlio Vargas.
O seu primeiro papel dramático, em “Cândida” de George Bernard Shaw, foi um dos maiores sucessos da temporada carioca de 1946, ficando quatro meses em cartaz. Seguiu-se, no ano seguinte, “Carta” de Somerset Maugham. A companhia “Eva e Seus Artistas” duraria até fins da década de 1950 e por ela passaram grandes nomes do teatro de então.
O seu estilo de actriz cómica seria abandonado em 1966, com a estreia do drama “Senhora da Boca do Lixo” de Jorge Andrade. O género cómico continuava a ser o seu favorito, mas a actriz abriu o leque das suas interpretações. A peça “De Olho na Amélia” valeu-lhe, depois, o Prémio Molière de Melhor Actriz (1969).
Eva estreou-se no cinema em “Os Dois Ladrões”, em 1960. Em 1964, integrou o elenco de “Pão, Amor e… Totobola” de Henrique Campos. Seria no entanto, na televisão, que Eva Todor se tornou mais famosa, tendo entrado em 21 trabalhos notáveis (telenovelas, mini-séries e especiais).
Retomou a carreira cinematográfica quase 40 anos depois do seu último filme, com a curta-metragem “Achados e Perdidos” de Eduardo Albergaria, fazendo o papel de uma mulher que recebia uma carta de amor escrita para ela há mais de 50 anos.
Em 2007, com 87 anos de idade, lançou o seu livro de memórias “O Teatro da Minha Vida”, escrito por Maria Ângela de Jesus. Um dos seus últimos trabalhos na televisão foi na novela “Caminho das Índias”, onde deu vida à divertida e amorosa Dona Cidinha. A actriz ficou muito triste por não poder aparecer nos últimos capítulos, por sofrer de fortes dores no estômago devido a uma hérnia de hiato, que a levou a um internamento e a uma intervenção cirúrgica, de que recuperou rapidamente.

3 comentários:

Ferra Mula disse...

Desculpe.

Eva Todor não morreu, salvo engano.

Gabriel de Sousa disse...

Morreu sim. Procurei na net... Numa das notícias, dizia mesmo que a família ainda não tinha anunciado a data do velório e funerakl

Gabriel de Sousa disse...

Obrigado amigo!
Verificando melhor, a notícia a que me referi era FALSA.
Já corrigi a biografia.
Abraço
Gabrfiel de Sousa

Arquivo do blogue

Acerca de mim

A minha foto
- Lisboa, Portugal
Aposentado da Aviação Comercial, gosto de escrever nas horas livres que - agora - são muito mais...