segunda-feira, 25 de novembro de 2013

FOLHAS



FOLHAS

No Outono, olho as folhas das árvores
e os seus mil tons verde-acastanhados.
Em breve estarão secas, bem recortadas,
cairão e serão arrastadas pelo vento, sem destino…

Penso nelas ao folhear a minha agenda no fim de cada ano.
Algumas páginas lembram-me pessoas que ainda cá estão.
Outras, imaculadamente brancas,
lembram-me que naquele dia nada aconteceu,
que vim do Nada e no Nada me tornarei.
Outras ainda, aparentemente virgens,
estão prenhas de belas recordações:
nada lá está mas, no entanto,
ao folhear a agenda, em breve caduca,
recordo amigos que desapareceram
e pessoas queridas que habitaram o meu coração.
O número, a data, servem de código imaginativo
para rever episódios há muito tempo arquivados
nas gavetas invisíveis da minha memória.

Como as árvores, elas deram-me paz e amizade.
Como as folhas, vi-as esvoaçar e desaparecer sem destino.
Mas estas não poderão reverdecer…
…Viverão apenas como pensamentos, sombras e sonhos,
até o ciclo da minha vida se acabar.  

Gabriel de Sousa

NB – Menção Honrosa nos XXI Jogos Florais do Outono – 2013 – Monforte

Sem comentários:

Arquivo do blogue

Acerca de mim

A minha foto
- Lisboa, Portugal
Aposentado da Aviação Comercial, gosto de escrever nas horas livres que - agora - são muito mais...