sexta-feira, 1 de junho de 2012

EFEMÉRIDENicolas Appert, inventor e industrial francês, morreu em Massy no dia 1 de Junho de 1841. Nascera em Châlons-en-Champagne, em 17 de Novembro de 1749. Foi o primeiro a utilizar um método de conservação dos alimentos, esterilizando-os pelo calor em recipientes herméticos (garrafas de vidro e caixas de lata).
Nono filho de um casal de alberguistas, familiarizou-se desde a juventude com a cozinha, as doçarias e os modos de conservação dos géneros alimentícios.
Em 1784 instalou-se em Paris, onde abriu uma loja de doces. Alguns anos depois tornou-se grossista, empregando seis pessoas e tendo correspondentes em Ruão e Marselha. Orientou depois o seu trabalho à procura de soluções para melhorar os meios de conservação da época.
Tomando em conta vários critérios (modificação do gosto, custo elevado e más qualidades nutritivas dos produtos salgados, secos e fumados), apurou um procedimento que tornava possível a conserva (chamada “appertização”) dos alimentos. Isto em 1795 ou seja sessenta anos antes de Louis Pasteur e da pasteurização.
Instalado em Ivry-sur-Seine, Nicolas Appert melhorou a sua descoberta. Uma empresa vidreira, criada em 1792, forneceu-lhe garrafas de gargalo largo que ele ensaiou em conservas para a Marinha. Em 1802, criou em Massy a primeira fábrica de conservas do mundo, onde chegou a empregar cinquenta trabalhadores. A Marinha testou as suas conservas e elogiou-as. Em 1809, o Ministro do Interior, ao corrente da descoberta, sugeriu-lhe a escolha entre duas hipóteses: ou registar um brevet em seu nome ou oferecê-la a todos, recebendo em troca um prémio do Governo, com o compromisso de tornar públicos todos os detalhes. Nicolas Appert optou pela segunda solução, preferindo fazer beneficiar a humanidade em vez de procurar o seu próprio enriquecimento.
O método foi copiado pelos britânicos, que registaram um brevet e optaram por caixas em lata. Estas, mais resistentes e contendo maiores volumes, tinham o inconveniente de não se poderem abrir facilmente (os abre-latas só chegariam anos mais tarde).
O declínio da marinha imperial de Napoleão, depois da derrota de Trafalgar, fez reduzir drasticamente as encomendas e a concorrência dos ingleses acabou por o arruinar. Nicolas Appert morreu aos 91 anos, sem dinheiro para o pagamento de uma sepultura, sendo enterrado na vala comum.
Uma placa foi colocada na sua casa natal em 1986. Em 1991, uma estátua monumental de bronze foi-lhe erigida em Châlons-en-Champagne. Há setenta e duas ruas com o seu nome em França e uma no Canadá. Em 1955, os Correios Franceses homenagearam-no com um selo, o mesmo acontecendo no Principado do Mónaco em 2010. 

Sem comentários:

Arquivo do blogue

Acerca de mim

A minha foto
- Lisboa, Portugal
Aposentado da Aviação Comercial, gosto de escrever nas horas livres que - agora - são muito mais...