quarta-feira, 16 de dezembro de 2015

16 DE DEZEMBRO - RAFAEL ALBERTI

EFEMÉRIDERafael Alberti Merello, poeta espanhol, membro da Geração de 27, nasceu em El Puerto de Santa María no dia 16 de Dezembro de 1902. Morreu na mesma localidade em 28 de Outubro de 1999. Recebeu o Prémio Cervantes em 1983. É considerado um dos maiores escritores da chamada Idade de Prata da literatura espanhola, que terminou com o advento da Guerra Civil.
Nascido numa família burguesa de origem italiana, estudou num colégio jesuíta do qual foi expulso. Em 1917, partiu para Madrid, onde o pai foi trabalhar. A vida citadina entusiasmou-o e anunciou que queria ser pintor. Dois anos depois, apesar de reticências da família, organizou a sua primeira exposição.
Decidiu-se finalmente pela literatura e publicou a sua primeira recolha de poemas, “Marinero en tierra”, que lhe valeu o Prémio Nacional de Poesia (1924).
Em 1931, casou-se com a escritora Maria Teresa Leon e tornou-se militante do Partido Comunista. Viajou pela URSS, na companhia da esposa, e encontrou vários intelectuais, nomeadamente Boris Pasternak, Elsa Triolet eLouis Aragon.
Em 1934, fundou a revista revolucionária “Outubro”. Dois anos depois, começou a Guerra Civil espanhola. Alberti animou então uma Aliança de intelectuais antifascistas e dirigiu a “Revista Azul”. De 1939 a 1977, exilou-se em França, na Argentina e depois em Itália.
Poeta de vanguarda, ele não enjeitava porém a tradição de Gôngora, mestre da poesia barroca. O resultado foi “ Cal y canto ”, escrito em 1926/27 e publicado dois anos depois.  
Sobre los ángeles” abriu uma terceira etapa na sua obra – o surrealismo. Ideologicamente, aproximou-se do anarquismo, lançando-se também na poesia politica cuja primeira manifestação foi “Con los zapatos puestos tengo que morir” (1930).    
Com a chegada da Segunda República (1931), Alberti adoptou as posições do marxismo revolucionário. Os poemas deste período foram publicados em “Consignas” (1933), “Un fantasma recorre Europa” (1933), “13 bandas y 48 estrellas” (1936), “Nuestra diaria palabra” (1936) e “De un momento a outro” (1937). Em 1938, juntou todas estas recolhas no livro “El poeta en la calle”.
O exílio (1939/77) despoletou o último ciclo da sua obra, composto sobretudo de poesia apolítica, com poemas de grande qualidade. Após o regresso a Espanha, a sua produção, bastante prolífica, incluiu em particular o livro de poesia erótica “Canciones para Altair” (1988). Rafael Alberti faleceu aos 96 anos de idade, na terra que o vira nascer. 

Sem comentários:

Arquivo do blogue

Acerca de mim

A minha foto
- Lisboa, Portugal
Aposentado da Aviação Comercial, gosto de escrever nas horas livres que - agora - são muito mais...