quinta-feira, 16 de fevereiro de 2017

16 DE FEVEREIRO - JOÃO FERREIRA ROSA

EFEMÉRIDEJoão Manuel Soares Ferreira Rosa, fadista português, nasceu em Lisboa no dia 16 de Fevereiro de 1937. Autor e intérprete de uma obra singular, pelo seu lirismo, pureza e musicalidade, João Ferreira Rosa é um dos maiores expoentes do fado tradicional.
Monárquico convicto e fascinado pelas tradições portuguesas, os seus fados abordam o amor e o sentimento de perda — “Triste sorte”, “Os lugares por onde andámos”, “Fado das Mágoas”, “Mansarda” ou “Pedi a Deus”, todos com letra de sua autoria —, mas também, de forma recorrente, a nostalgia dos tempos perdidos, de um Portugal esquecido, da terra e do mar, das romarias e das touradas, onde se podem encontrar temas como “Acabou o Arraial”, “Fado Alcochete” ou o “Fado dos Saltimbancos”, os dois primeiros também com letra sua.
No entanto, o fado que tornou Ferreira Rosa conhecido do grande público foi o “Fado do Embuçado”, tema incluído no seu primeiro EP, editado em 1961. Tem música do “Fado Tradição” da fadista Alcídia Rodrigues, com letra de Gabriel de Oliveira, sendo incontornável em qualquer noite ou tertúlia fadista.
João Ferreira Rosa actuou pela primeira vez em público aos catorze anos, no velho Teatro Rosa Damasceno, em Santarém, durante uma festa da Escola de Regentes Agrícolas. A actuação tinha uma razão de ser – cantar o fado era, na Escola Agrícola, uma forma excelente de escapar às praxes dos colegas mais velhos.
Em 1961, estreou-se na rádio, ao participar no programa “Nova Onda” da Emissora Nacional, ao lado de outros fadistas amadores como Teresa Tarouca e Hermano da Câmara.
Em 1965, adquiriu um espaço, no Beco dos Curtumes, no carismático bairro de Alfama, a que chamou A Taverna do Embuçado. Inaugurada no ano seguinte, esta casa viria a marcar toda uma era do fado, ao longo dos 20 anos que se seguiram, até que Ferreira Rosa deixou a gestão na década de 1980, cedendo-a a Teresa Siqueira. O espaço ainda hoje existe.
Ainda nos anos 1960, adquiriu o Palácio Pintéus, no concelho de Loures, que estava praticamente em ruínas e destinado a converter-se num complexo de prédios. Ferreira Rosa recuperou o palácio, lutando contra diversos obstáculos burocráticos e administrativos que lhe foram sendo colocados. O Palácio só abriu as suas portas ao público em 2007 e lá se realizam diversos eventos ligados ao fado. Muito antes, houve diversas actuações transmitidas pela RTP, casos de Alfredo Marceneiro, João Braga ou José Pracana. De resto, Ferreira Rosa que, à semelhança do velho Alfredo Marceneiro, tem uma certa aversão a estúdios de gravação e à comercialização do fado, prefere cantar o fado entre amigos, como refere nos versos do “Fado Alcochete”. Gravou dentro das paredes do Palácio Pintéus o seu disco “Ontem e Hoje”, editado em 1996 e considerado um dos seus melhores trabalhos.
Entre 2001 e 2003, amigos e seguidores tiveram ainda a oportunidade de o ouvir regularmente em ciclos de espectáculos organizados no Wonder Bar do Casino do Estoril.
Casou-se em Loures, em Julho de 1987, com Ana Maria Gago da Câmara Botelho de Medeiros. Anteriormente, fora casado com a pianista Maria João Pires. Nutre uma especial paixão por Alcochete, terra onde tem vivido nos últimos anos.

Sem comentários:

Arquivo do blogue

Acerca de mim

A minha foto
- Lisboa, Portugal
Aposentado da Aviação Comercial, gosto de escrever nas horas livres que - agora - são muito mais...