quarta-feira, 15 de outubro de 2014

15 DE OUTUBRO - HENRI VERNEUIL

EFEMÉRIDEHenri Verneuil, de seu verdadeiro nome Achod Malakian, realizador, cenarista e produtor de cinema francês, de origem arménia, nasceu em Rodosto no dia 15 de Outubro de 1920. Morreu em Bagnolet, na periferia de Paris, em 11 de Janeiro de 2002.
Em Dezembro de 1924, a família Malakian desembarcou no cais da Joliette, em Marselha, juntamente com muitos outros refugiados arménios, sobreviventes do genocídio perpetrado pelo governo dos Jovens Turcos do Império Otomano.
Adaptaram-se à vida local. O jovem Verneuil, depois de fazer os estudos elementares, formou-se em engenharia na École Nationale Supérieure d'Arts et Métiers, em Aix-en-Provence (1943). Depois, ainda trabalhou como jornalista na revista “Horizon” (1944), antes de iniciar a sua carreira de cineasta.
Em 1947, convenceu o comediante Fernandel, já então famoso, a participar num documentário sobre Marselha (cidade natal do actor). Tratava-se de “Escale au soleil” e foi o seu primeiro filme.
Em 1949, conseguiu emprego em Paris como assistente de realização. Paralelamente, realizou vários filmes de curta-metragem. “La Table aux crevés,” de 1951, também protagonizado por Fernandel, foi a sua primeira longa-metragem. Muitos outros filmes se seguiram, estrelados por nomes famosos do cinema.
Na década de 1960, esteve nos Estados Unidos para a rodagem dos filmes “25ª Hora” e “A Batalha de São Sebastião”, ambos com Anthony Quinn, respectivamente em 1967 e 1969. De regresso a França, realizou – com o apoio da 20th Century Fox – “Le Clan des Siciliens”. O filme reuniu três grandes actores do cinema francês: Jean Gabin, Lino Ventura e Alain Delon.
Somando sucessos, produziu e realizou em 1971 a película “Le Casse”, para a Columbia Pictures, reunindo os actores Jean-Paul Belmondo, Omar Sharif e Robert Hossein, entre outros. Seguiu-se “Le Serpent” em 1973, um filme de espionagem com Yul Brynner, Henry Fonda, Dirk Bogarde e Philippe Noiret. Em 1975, reencontrou Belmondo (que se tornaria o seu actor fetiche) em “Peur sur la ville”.
Sem deixar o cinema espectáculo, orientou depois a sua obra para a crítica política. Com Belmondo, realizou “Le Corps de mon ennemi” (1976), onde criticou certos meios políticos burgueses que se comprometiam com o universo do crime. Criou em seguida a sua própria empresa de produção, o que lhe permitiu fazer mais facilmente filmes sobre diversos temas políticos, como o assassinato de JF Kennedy, as multinacionais e a globalização. 
Realizou o seu último filme comercial em 1984: “Les Morfalous”. O actor principal era Belmondo, com quem trabalhava pela sétima e última vez.
Em 1991, realizou “Mayrig”, com Omar Sharif e Claudia Cardinale, baseado num romance, em que ele tinha narrado a saga da sua família. Lançado em 1985, alguns anos após a morte da sua mãe, o livro tinha sido traduzido em 37 línguas. Em 1992, Verneuil realizou a continuação de “Mayrig” – “588, rue Paradis”, que encerrou a sua carreira de cineasta.
Em 1996, recebeu o César de Honra pelo conjunto da sua obra. No mesmo ano, foi lançado o documentário “Henri Verneuil 50 anos de cinema”. Em Março de 2000, foi eleito para a Academia das Belas Artes.  
Quando faleceu, as cerimónias fúnebres tiveram lugar na Catedral Arménia de Saint-Jean-Baptiste, em Paris, com a presença de Alain Delon, Charles Aznavour, Pierre Cardin e Claudia Cardinale, entre outras personalidades. Foi sepultado no cemitério de Saint-Pierre, em Marselha.
Segundo estatísticas feitas desde 1945, Henri Verneuil é o realizador francês que teve mais espectadores durante a sua carreira. Com os seus 34 filmes, atingiu no total cerca de 92 milhões de espectadores. 

Sem comentários:

Arquivo do blogue

Acerca de mim

A minha foto
- Lisboa, Portugal
Aposentado da Aviação Comercial, gosto de escrever nas horas livres que - agora - são muito mais...