domingo, 4 de março de 2012




EFEMÉRIDEEugénio de Castro e Almeida, poeta e autor dramático português, nasceu em Coimbra no dia 4 de Março de 1869. Morreu na mesma cidade em 17 de Agosto de 1944.


Formou-se em Letras na Universidade de Coimbra, onde viria mais tarde a leccionar. Fundou em 1889 a revista “Os Insubmissos”, juntamente com João Menezes e Francisco Bastos, ainda nos últimos anos da sua licenciatura. Colaborou com a revista que fundou e com a “Boémia Nova”, ambas seguidoras do Simbolismo Francês. Em 1890 entrou para a história da literatura portuguesa, com o lançamento do livro de poemas “Oaristos”, marco inicial do Simbolismo em Portugal.


Em 1895, fundou a revista internacional “A Arte” que, anunciando a colaboração de autores como Gabriele d'Anunzio, Maurice Barrès, Gustave Khan, Maeterlinck, Stéphane Mallarmé, Jules Renard e Verlaine, pretendia constituir um elo no movimento simbolista internacional, com cujos representantes Eugénio de Castro mantinha, aliás, correspondência.


No domínio da expressão dramática, peças como “Belkiss” inscrevem-se numa compreensão teatral próxima do teatro simbolista de Maeterlinck, a que se seguiriam outras tentativas de pendor classicista, como “Constança”.


A sua obra pode ser dividida em duas fases. Na primeira, a fase simbolista, que corresponde à sua produção poética até ao fim do século XIX, Eugénio de Castro apresenta algumas características da Escola Simbolista, como o uso de rimas novas e raras, outras métricas, sinestesias, aliterações e vocabulário mais rico e musical. Na segunda fase ou neoclássica, que corresponde aos poemas escritos já no século XX, vemos um poeta voltado para a Antiguidade Clássica e para o passado português, revelando um certo saudosismo, característico das primeiras décadas do século XX em Portugal.

Sem comentários:

Arquivo do blogue

Acerca de mim

A minha foto
- Lisboa, Portugal
Aposentado da Aviação Comercial, gosto de escrever nas horas livres que - agora - são muito mais...