quarta-feira, 11 de setembro de 2013

11 DE SETEMBRO - CARLOS PUEBLA


 
EFEMÉRIDECarlos Manuel Puebla, músico, compositor e cantor cubano, nasceu em Manzanillo no dia 11 de Setembro de 1917. Morreu em Havana, em 12 de Julho de 1989. Aprendeu a tocar guitarra ainda muito nova e de forma autodidacta. Teve vários ofícios antes de se dedicar unicamente à vida artística.
Em 1953, fundou o conjunto “Los Tradicionales” e, depois da Revolução de 1959, fez estudos musicais na Escuela de Superación Profesional de La Habana.
A sua voz inconfundível converteu-se, em 1962, num dos símbolos do famoso restaurante de Havana “La Bodeguita del Medio” Simultaneamente, Carlos Puebla cantava os feitos mais importantes da história do povo cubano, convertendo-se no cronista de tudo o que aconteceu desde 1959. Nas suas composições, utilizava uma linguagem séria e directa, matizada em alguns casos com o mais popular humor crioulo. “Hasta simpre comandante” (1965), canção dedicada a Che Guevara, trouxe-lhe fama internacional.
A sua obra não se limitou a reflectir os primeiros anos da Revolução, pois também abordou temas de amor e o labor quotidiano do povo. Compositor prolífico, autor de cerca de mil obras, recebeu como retribuição o reconhecimento e a admiração de todos os cubanos, a quem dedicava as suas canções. Muitos dos seus textos foram traduzidos em vários idiomas e as suas músicas foram utilizadas nas bandas sonoras de diversos filmes cubanos.
Com o seu grupo, entrou em programas de televisão e fez muitas tournées internacionais. Gravou vários discos LP e algumas das suas canções fizeram parte do reportório de outros intérpretes. 
Falecido em Julho de 1989, depois de uma longa doença, a sua obra continua viva entre as novas gerações. As suas cinzas foram transferidas para Manzanillo, cinco anos depois da sua morte. Uma placa indica: «Eu sou o que sou, um simples trovador que canta».

Sem comentários:

Arquivo do blogue

Acerca de mim

A minha foto
- Lisboa, Portugal
Aposentado da Aviação Comercial, gosto de escrever nas horas livres que - agora - são muito mais...