segunda-feira, 30 de setembro de 2013

30 DE SETEMBRO - DEBORAH KERR



EFEMÉRIDEDeborah Jane Kerr-Trimmer, actriz britânica, nasceu em Helensburgh, na Escócia, em 30 de Setembro de 1921. Morreu em Suffolk no dia 16 de Outubro de 2007, vítima de complicações decorrentes da doença de Parkinson, de que padecia há vários anos. Recebeu um Oscar Honorário pela sua carreira, em que sempre se pautou pela perfeição, disciplina e elegância. Em 1998, foi agraciada pela rainha do Reino Unido com a Ordem do Império Britânico.
Iniciou-se como dançarina de ballet, tendo feito a sua primeira apresentação em palco em 1938. Mudou depois para o cinema, onde a esperavam grandes êxitos. Começou por alguns filmes, que passaram quase despercebidos, mas o seu papel como freira em “Narciso Negro” (1947) chamou a atenção dos produtores de Hollywood que a fizeram atravessar o Atlântico, transformando-a numa das maiores actrizes dos anos 1950, sendo nomeada seis vezes para o Oscar de Melhor Actriz. Contratada pela MGM, veio a actuar ao lado de Clark Gable, Spencer Tracy, Gary Cooper, Gregory Peck, Frank Sinatra, Robert Mitchum, Cary Grant e Dean Martin, entre outros.
A sua maneira de ser e o seu sotaque conduziram-na a uma série de papéis em que representou honradas, dignas, refinadas e reservadas senhoras inglesas. Contudo, Kerr aproveitava – sempre que surgiam – todas as oportunidades para descartar aquele seu ar exterior tão reservado. No filme de aventuras “As Minas do Rei Salomão” de 1950, filmado em África com Stewart Granger e Richard Carlson, Deborah impressionou o público com a sua sensualidade e vulnerabilidade emocional, que trouxeram mesmo uma nova dimensão a um filme de acção orientado para o público masculino.
Com “From Here to Eternity”, em 1953, foi nomeada para o Oscar de Melhor Actriz. O American Film Institute reconheceu o carácter icónico da cena do beijo entre ela e Burt Lancaster numa praia do Havai, no meio das ondas, e colocou a película na lista dos Cem Filmes Mais Românticos de todos os tempos.
Em 1957, recebeu o Globo de Ouro de Melhor Actriz de Comédia Musical, com o filme “O Rei e Eu”, em que contracenou com Yul Brynner. A década acabou com a sua participação nas adaptações para o cinema de duas obras literárias: “Bom dia tristeza” e “Mesas separadas”, ambas com David Niven.
A partir dos anos 1960, assistiu-se à lenta retirada de Deborah, embora ainda protagonizasse vários filmes. Nos anos 1980, apareceu fugazmente na televisão, na mini série sentimental “O Espaço de uma vida”. Ainda voltou ao cinema com “The Assam Garden” (1985), mas chegava ao fim uma brilhante carreira, em que entrou em cerca de 50 filmes.

Sem comentários:

Arquivo do blogue

Acerca de mim

A minha foto
- Lisboa, Portugal
Aposentado da Aviação Comercial, gosto de escrever nas horas livres que - agora - são muito mais...