domingo, 10 de janeiro de 2016

10 DE JANEIRO - ABRAHAM MAPU

EFEMÉRIDEAbraham Mapu, escritor e pedagogo judeu lituano, nasceu em Slobodka, Kaunas, no dia 10 de Janeiro de 1808. Morreu em Königsberg, Prússia, em 9 de Outubro de 1867. Os seus romances serviram de base, mais tarde, para o movimento Sionista.
Quando criança, estudou numa chêder (escola religiosa judaica), onde o pai era professor. Interessou-se, na sua juventude, por cabalas e pelo misticismo. Casou-se, muito novo, em 1825.
Durante muitos anos, foi um modesto professor itinerante, tendo ensinado em várias vilas e cidades. Simultaneamente, juntou-se ao movimento Haskalá (Iluminismo) e estudou alemão, francês e russo. Estudou também latim, a partir de uma tradução da Bíblia, que lhe fora dada por ele ser rabino local. Conseguiu a estabilidade económica, quando foi nomeado professor numa escola pública para crianças judias.
Voltou a Kaunas em 1848, onde auto-publicou o seu primeiro romance histórico, “Ahabat iyyon”, considerado o primeiro romance hebraico. Começara a trabalhar nele em 1830, mas só o concluiu em 1853.
Em 1867, mudou-se para Königsberg devido a uma doença que o atormentava. Ali faleceu, depois de publicar o seu último livro – “Amon Pedagogue”.
A escrita de Abraham Mapu foi Influenciada pelo Romantismo francês. Escreveu histórias primorosas sobre a vida na Antiga Israel, que ele contrastou favoravelmente com a vida judaica do século XIX. O seu estilo era simples e poético, quase bíblico na sua grande simplicidade.
As ideias romântico-nacionalistas expressas nos seus romances inspiraram mais tarde David Ben-Gurion e outros, servindo de base para a implementação destas ideias no movimento sionista, que levou posteriormente à criação do Estado de Israel.
Há ruas com o seu nome em Kaunas, Telavive e Jerusalém. O título de um romance israelita bem conhecido, “As Crianças da Rua Mapu”, é também uma homenagem ao escritor. 

Sem comentários:

Arquivo do blogue

Acerca de mim

A minha foto
- Lisboa, Portugal
Aposentado da Aviação Comercial, gosto de escrever nas horas livres que - agora - são muito mais...