quinta-feira, 2 de janeiro de 2014

2 DE JANEIRO - DIDIER DAURAT



EFEMÉRIDEDidier Daurat, pioneiro da aviação francesa, figura marcante da grande aventura que foi a Aéropostale, nasceu em Montreuil-sous-Bois no dia 2 de Janeiro de 1891. Morreu em Toulouse, em 2 de Dezembro de 1969.
Participou como soldado, em condições terríveis, na Primeira Guerra Mundial, nomeadamente na Batalha de Verdun. Passou depois para a aviação como piloto de reconhecimento e, mais tarde, piloto de caça. Distinguiu-se por ter identificado o canhão de longo alcance que estava a bombardear Paris.
Depois da guerra, entrou para as Linhas Aéreas Latécoère (que se tornarão depois na Aéropostale), onde começou como piloto e se tornou depois director de exploração.
Desde logo, começava a lenda de um homem com vontade de ferro, um chefe que era admirado por muitos, temido por todos e odiado por alguns. Não hesitava em despedir quem mostrasse sinais de fraqueza, quem contestasse os seus métodos ou aqueles que não aderissem ao que ele considerava o «espírito do transporte de correio».
Muitos pilotos começavam as suas carreiras no solo, efectuando a manutenção dos aviões. Segundo Daurat, este procedimento formava o carácter e obrigava os pilotos a respeitar a mecânica, que eles conheciam como as palmas das mãos. De facto, esta aptidão para desmontar e reparar um motor iria revelar-se vital tanto no Sahara como nos Andes. Ele sabia, por outro lado, descobrir talentos. Foi ele quem decidiu nomear Antoine de Saint-Exupéry, no qual detectara grande inteligência e um dom para as relações humanas, como chefe da zona saariana, onde viria com efeito, habilmente, a falar e a negociar com os mouros. 
Quando o famoso piloto Mermoz se apresentou para ser admitido e fez uma espantosa demonstração de pilotagem em Toulouse, Daurat disse-lhe: «Não tenho necessidade de artistas de circo, mas de condutores de autocarros!». Porém, convencido das suas qualidades, admitiu-o para – entretanto – se ocupar da limpeza de motores…
Os seus métodos deram resultado nas Linhas Latécoère e, depois, na Aéropostale. Os aviões atingiram uma pontualidade e uma taxa de fiabilidade incomuns para a época, primeiro na linha Toulouse – São Luís do Senegal e depois na Toulouse – Santiago do Chile, com travessias do Atlântico Sul e dos Andes.  
Quando a Aéropostale foi integrada na Air France em 1933, Daurat não foi admitido e, dois anos depois, fundou a companhia Air Bleu para o transporte de correio em território francês, tanto de dia como de noite. Os resultados foram excelentes, mas a companhia foi militarizada quando da declaração de guerra em 1939.
Depois da Libertação, ele reactivou os voos nocturnos, tornando-se mais tarde chefe do centro de exploração da Air France em Orly, até se reformar em 1953.
Didier foi a alma da Aéropostale. A fiabilidade dos seus pilotos era tal que faziam quase um sacerdócio das suas missões. Em 7 200 voos de noite, apenas um teve de aterrar fora do local previsto por causa do mau tempo.
Quando morreu, em 1969, teve direito a um privilégio excepcional, o de ser enterrado, a seu pedido, no aeródromo de Toulouse-Montaudran, antiga base da Aéropostale. Antoine de Saint-Exupéry inspirou-se nele para o personagem principal do seu romance “Vol de nuit” (1931), que foi também adaptado ao cinema.

Sem comentários:

Arquivo do blogue

Acerca de mim

A minha foto
- Lisboa, Portugal
Aposentado da Aviação Comercial, gosto de escrever nas horas livres que - agora - são muito mais...