quarta-feira, 29 de janeiro de 2014

29 DE JANEIRO - VICTOR MATURE



EFEMÉRIDEVictor Mature, de seu verdadeiro nome Victor Joseph Maturi, actor norte-americano, nasceu em Louisville no dia 29 de Janeiro de 1913. Morreu em Rancho Santa Fé, em 4 de Agosto de 1999, vítima de leucemia. O pai era um emigrante italiano que foi para os Estados Unidos com a família em 1912 e a mãe era de origem suíça.
Na juventude, Victor trabalhou com o pai no ramo de cutelaria e, às vezes, como pescador. Estudou na Academia Militar de Kentucky, mas porque desejava seguir a carreira de actor, ingressou depois no Playhouse de Pasadena. Fez um casting para um papel no clássico “E Tudo o Vento Levou”, em 1939, mas perdeu para o seu colega George Reeves, o futuro super-homem da década de 1950.
Após alguns pequenas participações, Mature teve sucesso nos seus primeiros papéis principais, sobretudo junto do público feminino, que o considerava «um pedaço de homem» ou «o sorriso mais cativante do mundo». A crítica jamais o levou a sério como actor (e ele próprio admitia que não representava muito bem), embora se tenha tornado um dos actores mais populares e requisitados pelos grandes realizadores das décadas de 1940 e 1950, devido à sua presença máscula nos ecrãs.
Como muitos outros astros de Hollywood, alistou-se na Marinha durante a Segunda Guerra Mundial, onde serviu num navio de transporte de tropas. Estava em Okinawa, quando a bomba atómica foi lançada sobre o Japão.
Com o fim da guerra, voltou para Hollywood e trabalhou mais do que nunca. Os seus papéis em “Paixão dos Fortes” de John Ford e “O Beijo da Morte” de Henry Hathaway são considerados os seus melhores trabalhos. Posteriormente, centrou-se em protagonistas mais exóticos, principalmente em épicos, como “Sansão e Dalila” de Cecil B. DeMille, em 1949; “O Manto Sagrado” de Henry Koster, em 1953; “Demétrius e os Gladiadores” de Delmer Daves; e “O Egípcio” de Michael Curtiz, em 1954. Actuou também em diversas comédias, policiais, filmes de guerra e westerns, interpretando aventureiros, cowboys, polícias, soldados e até índios. Nunca teve grandes pretensões artísticas, mas foi um dos maiores campeões de bilheteira na década de 1950.
A partir dos anos 1960, diminuiu o seu ritmo de actuações no cinema, interessando-se mais em jogar golfe e dedicando-se ao ramo imobiliário, onde se destacou como corretor, abrindo mesmo a sua própria firma. Em 1966, aceitou fazer uma paródia de si mesmo, interpretando um actor de meia-idade, ainda armado em galã, na película “O Fino da Vigarice”, dirigido por Vittorio de Sica. Em 1984, fez um intervalo no seu desporto favorito para uma pequena participação num remake de “Sansão e Dalila” para a televisão. Foi a sua última actuação. Apesar da vida pacata que levou e tendo sempre considerado o cinema apenas como um modo de conseguir a independência económica, foi casado cinco vezes e teve vários casos amorosos, alguns com actrizes de grande renome.

Sem comentários:

Arquivo do blogue

Acerca de mim

A minha foto
- Lisboa, Portugal
Aposentado da Aviação Comercial, gosto de escrever nas horas livres que - agora - são muito mais...