terça-feira, 7 de janeiro de 2014

7 DE JANEIRO - MAX GALLO



EFEMÉRIDEMax Gallo, escritor, historiador e político francês, nasceu em Nice no dia 7 de Janeiro de 1932. É membro da Academia Francesa desde Maio de 2007. Escritor de sucesso, muito fecundo, os seus primeiros romances foram assinados com o pseudónimo “Max Laugham”.
Adoptou um estilo literário em que as fontes históricas são complementadas de modo romanesco, acrescentando a sua experiência pessoal e os seus sentimentos.
Parte da infância de Max Gallo, filho de imigrantes italianos fixados em Nice, foi passada durante a Segunda Guerra Mundial. O pai fazia parte da Resistência Francesa, mas as pessoas mais próximas não estavam ao corrente do facto. Max assistiu como espectador à ocupação alemã e à libertação, vivendo com intensidade todos os acontecimentos, que iriam aliás marcar o seu imaginário e a sua vontade de ser confrontado com a História. O pai, com um temperamento prudente, orientou-o para fazer estudos técnicos profissionais. Max Gallo começou por obter um certificado de mecânico e, depois, um bacharelato de Matemática. Aos 20 anos, ingressou na função pública como técnico da RTF. Um ano depois, foi para Paris a fim de seguir cursos que lhe permitissem tornar-se controlador técnico. Paralelamente à sua actividade profissional, cursava aulas de História. Em 1957, em plena Guerra da Argélia, fez o seu serviço militar como meteorologista no aeroporto do Bourget, onde co-fundou o jornal antimilitarista. “Le Temps” que foi proibido após a publicação do 3º número.
Alguns anos mais tarde, tornou-se professor em Chambéry. Em 1960, foi professor de História no Liceu de Masséna. Doutorou-se, entretanto, e foi colocado como professor assistente na Universidade de Nice. Em 1969, declinou um lugar que lhe era proposto na Universidade de Vincennes e ingressou como professor no Instituto de Estudos Políticos de Paris.
Max Gallo foi editorialista do magazine “L'Express” durante dez anos, na década de 1970. Depois da sua experiência governamental nos anos 1980, dirigiu durante algum tempo a redacção do diário “Le Matin de Paris”.
Militante e membro do Partido Comunista até 1956, abandonou esta via durante os seus estudos de História, continuando a situar-se à esquerda até meio da década de 1990. Em 1981, aderiu ao Partido Socialista, a pedido dos socialistas de Nice que procuravam uma personalidade notável, que tivesse uma notoriedade suficiente para se opor ao presidente da Câmara de então, Jacques Médecin, no poder há dezenas de anos. Max Gallo era então muito conhecido por ter publicado um romance sobre a cidade de Nice, “A Baía dos Anjos”, que foi um sucesso. Conseguiu ser eleito deputado pelos Alpes Marítimos, mas foi batido nas autárquicas de Nice em 1983. Foi nomeado então secretário de Estado e porta-voz do 3º governo de Pierre Mauroy. O seu director de gabinete era François Hollande, actual presidente da República Francesa. Deixou o governo em 1984, para poder consagrar mais tempo à vida literária, sendo simultaneamente deputado europeu (1984/94). 
Em 1992/93, abandonou o Partido Socialista e fundou o Movimento de Cidadãos, de que se tornou presidente. Em 1994, porém, para se dedicar inteiramente à literatura, deixou a actividade política, apenas com algumas incursões no apoio a actividades cívicas e a candidaturas de outras personalidades. Entre as distinções que recebeu, saliente-se as de Comendador da Legião de Honra (2009) e de Grande Oficial da Ordem Nacional de Mérito (2013).

Sem comentários:

Arquivo do blogue

Acerca de mim

A minha foto
- Lisboa, Portugal
Aposentado da Aviação Comercial, gosto de escrever nas horas livres que - agora - são muito mais...