quarta-feira, 15 de abril de 2015

15 DE ABRIL - JEAN MORÉAS

EFEMÉRIDEJean Moréas, de seu verdadeiro nome Ioánnis A. Papadiamantópoulos, poeta grego de expressão francesa, ensaísta, crítico de arte e autor do “Manifesto do Simbolismo”, nasceu em Atenas no dia 15 de Abril de 1856. Morreu em Paris, em 30 de Abril de 1910.
Foi para Paris em 1875, para fazer os estudos de Direito. Na capital francesa, frequentou alguns círculos literários, nomeadamente os Hydropathes. Voltou brevemente à Grécia, antes de se fixar definitivamente em Paris (1880).
Em 1884, publicou vários trabalhos nos periódicos “Lutèce” e “Le Chat Noir”, editando também a sua primeira recolha poética, “Les Syrtes”. Dois anos depois, publicou “Cantilènes”. Inspirados em Verlaine, estes dois livros poderiam ser considerados como ligados ao movimento decadente, não fosse o caso do seu autor o refutar, reivindicando a etiqueta simbolista. Ele recusava, com efeito, o esoterismo da poesia decadente, bem assim como a ambiguidade do epíteto.
Moréas desenvolveu esta concepção no “Manifesto Literário”, que publicou num suplemento literário do “Fígaro” em Setembro de 1886 e que fundou o movimento simbolista, que rompeu definitivamente com o decadentismo. Em Outubro de 1886, Jean Moréas fundou também uma revista, “Le Symboliste”, juntamente com Paul Adam e Gustave Kahn. Tentando passar da teoria à prática, publicou “Les Demoiselles Goubert” (1886), em colaboração com Paul Adam.
Aprofundando a sua estética literária, desviou-se depois do simbolismo para fundar – em 1892 – a escola romana, que queria romper com o hermetismo e opor à «obscuridade e às brumas do norte, a luz do mundo greco-latino», provocando um vivo debate no ceio da revista “L'Ermitage” e noutras. A sua recolha de poemas mais célebre “Stances” (1899) ilustrou já este novo estilo.
Jean Moréas foi condecorado pelo governo francês com o grau de Oficial da Legião de Honra

Sem comentários:

Arquivo do blogue

Acerca de mim

A minha foto
- Lisboa, Portugal
Aposentado da Aviação Comercial, gosto de escrever nas horas livres que - agora - são muito mais...