sábado, 21 de dezembro de 2013

21 DE DEZEMBRO - NELSON RODRIGUES



EFEMÉRIDENelson Falcão Rodrigues, jornalista e escritor, considerado o mais influente dramaturgo brasileiro, morreu no Rio de Janeiro em 21 de Dezembro de 1980. Nascera no Recife em 23 de Agosto de 1912.
A família mudou-se em 1916 para o Rio de Janeiro. Apenas com treze anos, Nelson começou a trabalhar no jornal “A Manhã”, que era propriedade do pai. Foi depois repórter policial durante longos anos, tendo acumulado uma vasta experiência para escrever as suas peças a respeito da sociedade.
A partir de 1940, começou a dividir-se entre o jornalismo, então n’ “O Globo”, e a dramaturgia. Em 1941, escreveu a sua primeira peça, “A Mulher sem Pecado”, que lhe deu os primeiros sinais de sucesso no mundo teatral. O êxito surgiria, a sério, com “Vestido de Noiva”, que trazia – em matéria de teatro – uma renovação nunca vista nos palcos brasileiros. Com três planos simultâneos (realidade, memória e alucinação), as inovações estéticas da peça iniciaram o processo de modernização do teatro no Brasil.
A consagração consumou-se com vários outros sucessos, transformando-o no grande representante da literatura teatral do seu tempo, apesar das suas peças serem classificadas muitas vezes como obscenas e imorais.
Em 1945, abandonou “O Globo” e passou a trabalhar nos “Diários Associados”. Em “O Jornal,” um dos órgãos de informação propriedade de Assis Chateaubriand, começou a escrever o seu primeiro folhetim, “Meu destino é pecar”, assinado com o pseudónimo "Susana Flag". O sucesso do folhetim foi tal que fez aumentar as vendas do jornal e estimulou Nelson a escrever a sua terceira peça – “Álbum de família”.
Em Fevereiro de 1946, o texto da peça foi submetido à Censura Federal e foi proibido. A representação de “Álbum de família” só seria autorizada em 1965. Em Abril de 1948, estreou “Anjo negro”, peça que possibilitou a Nelson a aquisição de uma casa no bairro do Andaraí. Em 1949, lançou “Doroteia”.
Em 1950, passou a trabalhar no jornal “Última Hora”, onde começou a escrever as crónicas “A vida como ela é”, o seu maior sucesso jornalístico. Na década seguinte, foi para a TV Globo, que acabava de ser fundada, participando na “Grande Resenha Esportiva Facit”, a primeira “mesa-redonda” sobre futebol na televisão brasileira. Nelson tinha uma grande paixão pelo futebol e era um adepto ferrenho do Fluminense FC. Em 1967, passou a publicar as suas “Memórias” no “Correio da Manhã”, jornal no qual o pai trabalhara cinquenta anos antes.
Já consagrado como jornalista e dramaturgo, a sua saúde começou a fraquejar. O período coincidiu com os anos da ditadura militar. Entretanto, o filho – também Nelson – tornou-se guerrilheiro e passou à clandestinidade. Por essa época, também aconteceu o fim do seu casamento com Elza e o início da sua relação com Lúcia. Divorciou-se de novo, ainda manteve um rápido relacionamento com a sua secretária e, finalmente, reatou o casamento com Elza.
Nelson faleceu numa manhã de domingo, aos 68 anos de idade, vítima de complicações cardíacas e respiratórias. No fim da tarde desse mesmo dia, um seu boletim do totobola brasileiro obtinha o primeiro prémio, em parceria com um irmão e alguns amigos de “O Globo”.
Dois meses depois, Elza atendeu o pedido que o marido lhe havia feito, fazendo gravar o seu nome ao lado do dele, na lápide do túmulo, sob a inscrição: «Unidos para além da vida e da morte. E é só.».

Sem comentários:

Arquivo do blogue

Acerca de mim

A minha foto
- Lisboa, Portugal
Aposentado da Aviação Comercial, gosto de escrever nas horas livres que - agora - são muito mais...